O conto como labirinto em Milton Hatoum | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
78105 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST)
>>> Para você que vai votar...
>>> A medida do sucesso
>>> Fuvest divulga lista de livros para 2017
>>> 35 anos do Clube da Esquina
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Inquietações de Ana Lira
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Jingle Bells
>>> Mano Juan, de Marcos Rey
Mais Recentes
>>> Nosso Lar de André Luiz pela Feb (2009)
>>> VADE MECUM SARAIVA COMPACTO 2020 22 ED de ED SARAIVA(339/4/3321/2928) pela ED SARAIVA(339/4/3321/2928)
>>> JEITO HARVARD DE SER FELIZ O de ED SARAIVA(339/4/3321/2928) pela ED SARAIVA(339/4/3321/2928)
>>> Noite na Taverna / Macário Coleção a Obra-prima de Cada Autor de Álvares de Azevedo pela Martin Claret (2003)
>>> No Caminho de Swann Em Busca do Tempo Perdido Vol 1 de Marcel Proust pela Ediouro (1992)
>>> VADE MECUM TRADICIONAL 2020 (30ED)(SAR de ED SARAIVA(339/4/3321/2928) pela ED SARAIVA(339/4/3321/2928)
>>> MITO DA BELEZA de ED ROSA DOS TEMPOS(3412/4/2928 pela ED ROSA DOS TEMPOS(3412/4/2928
>>> Ninguém é de Ninguém de Harold Robbins pela Estadão (1997)
>>> BIBLIOTECA HOGWARTS CD BOX de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Ninguém é de Ninguém de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2002)
>>> Nascemos para Estar Juntos de Kim Anderson pela Verga & Riba (1998)
>>> TESTAMENTOS, OS de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E AS RELIQUIAS DA MORTE C de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Não Leve a Vida tão a Sério de Hugh Prather pela Sextante (2003)
>>> HARRY POTTER E O CALICE DE FOGO ROCC de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Mulherzinhas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRINCIPE CA de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E O PRISIONEIRO DE AZKAB de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> LIMITE ZERO de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Muito Além dos Sonhos de Sérgio Luiz Sala pela Dpl Espiritualista (2001)
>>> HARRY POTTER E A CAMARA SECRETA de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de M. D. Brian L. Weiss pela Salamandra (1991)
>>> HARRY POTTER E A ORDEM DA FENIX CAPA D de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E A CAMARA SECRETA ED 20 de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E A CRIANCA AMALDICOADA de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E O CALICE DE FOGO CAPA D de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Mosteiro de São Jeronimo de Valter Turini; Monsenhor Sintra pela Clarim (2008)
>>> CONTO DA AIA ,O de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Morte no Nilo de Agatha Christie pela Altaya (1937)
>>> Morte na Mesopotâmia a Rainha do Crime de Agatha Christie pela Record
>>> 48 LEIS DO PODER AS de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> CANTIGA DOS PASSAROS E DAS SERPENTES de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL ROC de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Morri para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL ED 20 de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E A CAMARA SECRETA CAPA D de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E O PRISIONEIRO DE AZKABA de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Mogli o Menino Lobo de Rudyard Kipling pela Wmf Martins Fontes (2016)
>>> BOX HARRY POTTER de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> BOX HARRY POTTER ED 20 ANOS COMEMORATI de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL CAPA de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Moby Dick 2 Volumes de Herman Melville pela Abril Cultural (1980)
>>> Mistérios Contos de Lygia Fagunes Teles pela Nova Fronteira (1981)
>>> Mistério no Castelo Toca do Lobo de Friedrich Nietzsche pela Atica (2000)
>>> Minhas Vidas Passadas de Mario Prata pela Planeta (2011)
>>> MULHERES QUE CORREM COM OS LOBOS CAPA de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> VADE MECUM ACADEMICO DE DIREITO 2020(3 de ED RIDEEL(239/668/2928/4) pela ED RIDEEL(239/668/2928/4)
>>> Meu Avô era uma Cerejeira de Angela Nanetti pela Wmf Martinsfontes (2007)
>>> BTS BIOGRAFIA NAO OFICIAL DOS ICONES K de ED RECORD(347) pela ED RECORD(347)
>>> Metodologia do Direito de Francesco Carnelutti pela Pillares (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/5/2009
O conto como labirinto em Milton Hatoum
Marcelo Spalding

+ de 9300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Edgar Allan Poe, o grande nome do conto, para muitos o inventor do conto moderno, dizia que o conto deve ser desvendado tal qual um labirinto, do centro para a saída, do fim para o começo. Ou seja, não basta a primeira leitura, mais preocupada com o enredo, é preciso uma segunda leitura para que se perceba as sutilezas, as entrelinhas, as pistas que o bom contista foi deixando ao longo do texto para culminar naquele desfecho necessário e suficiente. Poe dizia muito mais; por exemplo, que o conto não deveria se preocupar em narrar uma sequência de episódios impressionantes ou sugerir uma tese, e sim em causar um efeito. E que sua leitura não poderia ser interrompida, o que exigia extensão reduzida: "se alguma obra literária é longa demais para ser lida de uma assentada, devemos resignar-nos a dispensar o efeito imensamente importante que se deriva da unidade de impressão, pois, se se requerem duas assentadas, os negócios do mundo interferem e tudo o que se pareça com totalidade é imediatamente destruído".

Tais considerações sobre o conto se tornaram ponto de partida para diversos contistas fazerem ficção e teoria, do compatriota Ernest Hemingway ao argentino Julio Cortázar, este o que talvez melhor tenha seguido os passos do mestre (sem esquecer Borges, que tornou a metáfora do labirinto marca de sua contística). E assim o autor de "O gato preto" e "O barril de amontillado" tornou-se um divisor de águas na história do conto, que agora pedia uma estética própria e um leitor aguçado.

Os contos de Milton Hatoum em A cidade ilhada (Companhia das Letras, 2009, 128 págs.), primeiro livro de histórias curtas do premiado romancista amazonense, são dessa linhagem. Trabalhando com temas aparentemente comuns e tendo como cenário sua velha Manaus de rios e turistas estrangeiros, Hatoum constrói contos repletos de silêncios e sutilezas, exigindo um leitor atento e participativo e retribuindo com conflitos profundos e universais. "Varandas da Eva", o primeiro conto do volume, já é um bom exemplo. A história narra a lembrança de um episódio ocorrido na infância do narrador: quando visitou, pela primeira vez, o bordel Varandas da Eva, e lá passou uma noite, sua primeira, com uma bela e enigmática mulher. Voltou ao local no dia seguinte, e em outros, e outros, e nunca mais encontrou-a, até que muito tempo depois encontraria um grande amigo seu, também dos tempos de meninice, e descobre que aquela mulher era sua mãe.

Uma leitura apressada terminaria aí, e temos uma história interessante mas um tanto prosaica: para penetrar na genialidade de um Hatoum é preciso ir além, mergulhar no rio de silêncios, ler de novo e perceber o amigo do narrador como o menino pobre que ganhou as roupas para visitar o bordel e se emocionou ao experimentá-las, para chacota dos demais; a hesitação do menino no dia da tão esperada visita, e seu posterior sumiço; o carinho e o mistério da mulher para com o narrador. Só na segunda leitura percebemos que cada frase, cada cena, cada comentário tem uma função no texto e ajuda a construir aquele desfecho, e é nessa leitura que entenderemos ser esta não a história de um menino em busca da primeira mulher, mas de um menino tornando-se homem e perdendo, com isso, muito da antiga ingenuidade, muito da ilusão.

"Anos depois, num fim de tarde, eu acabara de sair de uma vara cível, e passava pela avenida Sete de Setembro. Divagava. E já não era jovem. A gente sente isso quando as complicações se somam, as respostas se esquivam das perguntas. Coisas ruins insinuavam-se, escondidas atrás da porta. As gandaias, os gozos de não ter fim, aquele arrojo dissipador, tudo vai se esvaindo. E a aspereza de cada ato da vida surge como um cacto, ou planta sem perfume. Alguém que olha para trás e toma um susto: a juventude passou."

Esta característica do "conto moderno", à Poe, de contar uma história enquanto esconde a outra, mais profunda e realmente importante, pois é a capaz de causar efeito no leitor, foi bem sintetizada por Ricardo Piglia em "Teses sobre o conto". "O conto clássico", define Piglia, "narra em primeiro plano a história 1 (história aparente) e constrói em segundo plano a história 2 (história oculta)".

Voltando ao livro de Hatoum, as memórias de menino são recorrentes, e outro texto fantástico protagonizado por um menino, provavelmente o mesmo de "Varandas da Eva", embora isso não fique claro e nem seja necessário, é "Uma estrangeira da nossa rua". Aqui a história aparente conta o amor platônico de um menino por uma vizinha ruiva, filha de estrangeiros que jamais deixavam a casa, embora fossem afáveis com todos na rua. A história oculta, porém, revela mais, revela o fosso social que se cria entre comunidades muito próximas, revela a dificuldade de relacionamento entre culturas diferentes, revela o medo e até a soberba daqueles que julgavam trazer o progresso. O conto, aliás, lembra muito um conto de Cortazar, "Final do jogo", em que também uma narradora menina conta a história de um amor impossível, que surge pela juventude e ingenuidade dos amantes e não se concretiza pelas complicadas e definitivas regras sociais.

Há nessa cidade ilhada, ainda, espaço para crimes ("A casa ilhada"), fascínios ("Um oriental na vastidão"), sonhos ("Dançarinos na última noite") e até espaço para outras cidades, como "Bárbara no Inverno", que conta a história de um casal de exilados políticos em Paris, ou "Encontros na península", interessantíssimo conto-ensaio que dialoga com a obra de Machado de Assis.

Vale um trecho de "Encontros na península", em que um jovem brasileiro morando em Barcelona é procurado por uma mulher para aprender português do Brasil com o intuito de ler Machado de Assis e refutar a afirmação de seu amante português de que ele fora infinitamente inferior a Eça de Queirós.

"Não, mas é louco por Eça de Queirós. Ele disse que Machado foi pérfido ao criticar cruelmente dois romances do escritor português. Não sei se isso é verdade; sei que Soares não se conforma com essas críticas, e até ficou exaltado quando perguntou: por que a dor física e a miséria são menos aflitivas que a dor moral? Ele não se cansa de afirmar que Eça é muito superior a Machado, que é o maior escritor brasileiro. Por isso eu quis ler no original o rival de Eça. Coisas de amantes."

Inevitável a comparação desta estreia de Hatoum no conto com os três romances premiados, especialmente os mais recentes Dois Irmãos e Cinzas do Norte. O próprio autor parece incentivar essa comparação ao voltar ao mesmo espaço e tempo de seus romances, e mesmo ao utilizar tipos sociais semelhantes, como o Tio Ran e esse narrador menino que tanto lembra Nael. Mas esse tipo de comparação, especialmente quando se acaba desvalorizando os contos para enaltecer os romances, lembra aqueles que comparam o Chico Buarque compositor com o romancista, ou o Machado poeta com o contista: agem como se possível fosse comparar um livro com um filme, ou um sapato com uma calça.

No conto, já diria Poe e bem sabe Hatoum, leitor experiente e professor atento, a narrativa é apenas um labirinto bem armado para prender o leitor no seu centro, acreditando em sua capacidade de reencontrar a saída.

Nota do Editor
Leia também Entrevista com Milton Hatoum.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 14/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
02. Apontamentos de inverno de Elisa Andrade Buzzo
03. Preparar Para o Impacto de Marilia Mota Silva
04. Fake-Fuck-Fotos do Face de Jardel Dias Cavalcanti
05. O Jagunço degolado de Wellington Machado


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2009
01. Quanto custa rechear seu Currículo Lattes - 5/3/2009
02. O melhor da década na literatura brasileira: prosa - 31/12/2009
03. Literatura para quê? - 17/12/2009
04. Era uma vez o conto de fadas - 2/4/2009
05. Literatura e interatividade: os ciberpoemas - 10/9/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/5/2009
21h41min
Há uma geografia do conto em que a narrativa e a poesia cruzam-se, amam-se, entregam-se, têm relações incestuosas e de muita coragem. Sempre que o conto aborda uma cidade, fora do eixo comum dos conhecimentos, é dificil estabelecer o contexto da crítica. Parodiando Ana Cristina Cesar, "é dificil ancorar um navio no espaço".
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MARXISMOS DO NOVO SÉCULO
CESAR ALTAMIRA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2008)
R$ 26,00



VIM TE CONTAR
ALUNOS DO COLÉGIO RENOVATUS
COLÉGIO RENOVATUS
(2017)
R$ 5,00



TORNE POSSÍVEL O IMPOSSÍVEL
ALKÍNDAR DE OLIVEIRA
BUTTERFLY
(2001)
R$ 12,00



O OURO DA LIBERDADE
HELEMA MOURA
ALIS
(1997)
R$ 35,00



CERCAS E JANELAS
NAOMI KLEIN
RECORD
(2003)
R$ 30,00



PLANTAS QUE CURAM
MOREIRA, FREDERICO (AUTOR)
EDITORA GARNIER - ITATIAIA
(2020)
R$ 54,00



JOSHUA ENTAO E AGORA
MORDECAI RICHLER
FRANCISCO ALVES
(1982)
R$ 6,90



GRANDES ROMANCES UNIVERSAIS VOL 10: O BÔBO / O ARCO DE SANTANA
ALEXANDRE HERCULANO E ALMEIDA GARRETT
W M JACKSON
(1955)
R$ 5,00



PRESENÇA DE LUZ
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER/ AUGUSTO CEZAR
GEEM
(1984)
R$ 5,00



A SEGUNDA MORTE CM SUPLEMENTO COLEÇÃO VEREDAS
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(1993)
R$ 7,00





busca | avançada
78105 visitas/dia
2,2 milhões/mês