O videogame de Ricardo Silvestrin | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
>>> Big Bang
>>> 2013: mulheres escritoras e suas artes
>>> Les Misérables
Mais Recentes
>>> Guia Completo Do Tricô de Denise Gianoglio pela Escala (2019)
>>> Livro Literatura Estrangeira Um luxo de Perfume de Roberto D’Angelo pela Caravana
>>> Educação Escolar das Relações Étnico-raciais de José Antônio Marçal, Silvia Maria Amorim Lima pela Intersaberes (2015)
>>> Batman - A Maldição do Caveliro Branco de Sean Murphy pela Panini Comics (2020)
>>> A Guardia Da Minha Irma de Jodi Picoult pela Verus (2011)
>>> Livro Psicologia Motivação, Liderança e Lucro A trilogia para uma empresa de sucesso de Marco Aurélio Ferreira Vianna pela Gente (1999)
>>> Heróis De Verdade: Pessoas Comuns Que Vivem Na Sua Essência de Roberto Shinyashiki pela Gente (2005)
>>> Leonardo Da Vinci E Seu Supercérebro de Michael Cox pela Seguinte (2004)
>>> Ponto de Criação - Contos e Crônicas de Temáticas Livre de Alfer Medeiros pela Andross (2016)
>>> Finding Sky Die Macht Der Seelen: Roman de Joss Stirling pela Dtv Verlagsgesellschaft (2014)
>>> A Menina Que Contava Histórias de Jodi Picoult pela Verus (2015)
>>> Livro Filosofia Platão de Nova Cultural Ltda. pela Nova Cultural Ltda. (2004)
>>> Prosperity? de Ken, Maura, Michael, Piper, John, Grudem, Wayne, Mbewe, Conrad Mbugua pela Acts Kenya (2016)
>>> Introdução a psicologia de Donald Olding Hebb pela Atheneu (1971)
>>> Livro Literatura Estrangeira Meridian Um romance sobre o movimento dos direitos civis e a luta das mulheres negras de Alice Walker pela José Olympio (2022)
>>> O Despertar de Snyder, Murphy pela Panini Comics
>>> Ensaios de Michel De Montaigne pela Edit 34 (2016)
>>> Livro Turismo Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> Coleção Biblioteca Infantil Encyclopedia Britânica do Brasil 10 Livros do Eu + Das Cores + Animais + Formas + Palavras + Números + Animais + Tempo de Christine Timmons pela Encyclopedia Britannica do Brasil Publicações (1979)
>>> Diálogos Da Perplexidade de Bernardo Kucinski pela Fundacao Perseu Abramo (2009)
>>> Livro Literatura Brasileira O Sedutor do Sertão de Ariano Suassuna pela Nova Fronteira (2020)
>>> Introducao À Leitura De Hegel de Alexandre Kojève pela Contraponto (2014)
>>> Encontrando Deus em O Senhor dos Anéis de Kurt Bruner, Jim Ware pela Bompastor (2002)
>>> O Poder Da Mente de R. Stanganelli pela Martin Claret (2006)
>>> Livro Poluição do Ar Polêmica Coleção Polêmica de Samuel Murgel Branco; Eduardo Murgel pela Moderna (2004)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/1/2010
O videogame de Ricardo Silvestrin
Marcelo Spalding
+ de 5100 Acessos

Inventivo, provocador, ambicioso. Assim pode se definir o mais recente romance de Ricardo Silvestrin, O videogame do Rei (Record, 2009, 144 págs.).

Inventivo pelo enredo: a obra inicia por um diálogo entre um Ministro de Guerra e um rei, sobre uma longa e interminável guerra. Há leve divergência e, quando o Ministro sai, o rei o explode. O explode mas ele volta, reclamando: "se o rei acabar com as vidas daqueles que o protegem, acabará consigo mesmo".

Ocorre que o videogame em questão é um imenso visor instalado no palácio que permite ao tal Rei ver todo o mundo lá fora e explodir quem quer que seja pela força de seu pensamento. Enquanto a vítima ainda tiver vidas, ela retorna.

Num primeiro momento pensamos estar diante de uma ficção científica e que a história se passe em outro planeta ou outro milênio, mas aos poucos descobrimos que nem sempre o Rei foi Rei:

"A corrupção das classes políticas acabou fazendo com que todos nem quisessem mais saber de votar em alguém. A última votação que fizeram foi para rei. E o rei que se encarregasse de fazer no reino a organização política que quisesse. Teria plenos e ilimitados poderes. O dinheiro que antes ia para pagar os salários e os custos dos políticos seria investido em tecnologia. O reino virou um dos mais avançados e preparados para enfrentar tempos de guerra sem fim que se iniciavam. O rei era professor de filosofia antes de ganhar a votação. Não tinha muito dinheiro, pois dava poucas aulas, já que a maioria das escolas não oferecia a disciplina. Sobrava apenas a universidade. Sua mulher era formada em sociologia. Estava fazendo doutorado e interrompeu quando virou rainha. Estudava a história das mulheres na política. A tese que não defendeu na banca de doutorado expunha a conta-gotas no blog."

Uma vez eleito e com muita verba para investir em tecnologia, o Rei criou o "videogame", com o que conseguiu a estabilidade da nação e a supremacia nas guerras com as nações vizinhas.

Assim, ao deixar tempo e espaço indefinidos, mas próximos de nós (pode ser a qualquer tempo e qualquer espaço), o livro se torna extremamente provocador, tocando em feridas um tanto esquecidas pela literatura contemporânea, como política, desigualdade social, banalização da violência. Tudo isso numa linguagem pós-moderna, nada pretensiosa, concisa e direta.

Mas se a estética é pós-moderna, a temática, não. E daí a ambição do livro: abarcar em pouco mais de cem páginas conflitos de toda uma sociedade, reproduzindo em seu universo particular relações familiares, afetivas, sociais, políticas, econômicas. Perguntas das mais cruciais, e diversas, são suscitadas: "onde nos levará tanta tecnologia?", "como seria, afinal, um mundo governado só pelas mulheres?", "diante de tanta corrupção, não seria melhor acabar com a política?", "como a cultura pode contribuir com a guerra e vice-versa?", "é justo o povo trabalhar para sustentar seus governantes?", e por aí vai.

A forma encontrada para a construção desse mosaico é a boa e velha polifonia, com cada capítulo narrando a partir de uma personagem distinta, de classe distinta: o rei, a rainha, o Conselho Real e o povo (aqui um homem, uma mulher e um pai, marcando os conflitos de gênero e de gerações). São capítulos curtos, alguns funcionando por si, mas todos fundamentais para a construção daquele universo peculiar criado a partir do videogame do rei:

"Uma das mais ardorosas fãs do pensamento da rainha ficou decepcionada ao ler o blog [da rainha] pela manhã. Foi cabisbaixa abrir seu bar, como fazia todos os dias. O chaveiro que agora tinha o novo hábito de tomar o café da manhã no boteco perguntou o que estava deixando a moça tão abatida.

― Você não leu o blog da rainha hoje? (...) Quando penso nas noites em claro que passei lendo o blog dela pra no fim ser tudo mentira...

Blog é blog. Serve para a gente ler. É que nem livro. O que tem ali não é verdade. Mas é divertido. Não dá pra levar tudo tão a sério. Se fosse verdade mesmo, ninguém escrevia. A verdade verdadeira a pessoa só fala depois de muita pinga. Por falar nisso, ó..."

Difícil saber qual será a trajetória desse livro, e confesso estar curioso. Pelo tom despretensioso com que trata temas tão cruciais, pode se tornar um símbolo de uma nova era, de uma nova relação que a sociedade terá com a literatura (não por acaso eis um livro em que a leitura se dá por blogs, não por livros). Contrário senso, pode ser confundido como mais um livro de fait-divers, com um título inventivo para vender um tanto num primeiro momento e depois ser esquecido.

De qualquer forma, é interessante notar que seu autor, Ricardo Silvestrin, desde que chegou à Record tem se mostrado dos mais produtivos e inventivos. Seu volume de histórias curtas, Play, lançado em 2008, já traz contos construídos de forma objetiva, com narradores muito bem escolhidos e marcados pelo que podemos chamar de ousadia temática, misturando motivos do cotidiano com situações fantásticas e conflitos universais. Um crítico digital, Paulo Santoro, afirma que Silvestrin "como artista sabe que precisa ser profundo, como homem do século XXI sabe que precisa comunicar rápido". E, nesse sentido, talvez O videogame do Rei seja sua obra mais contundente.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 14/1/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que você vai ser quando crescer? de Fabio Gomes
02. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema de Wellington Machado
03. A vida: um teatro de Rennata Airoldi
04. Jornalismo e os mitos de Bruno Garschagen


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2010
01. O hiperconto e a literatura digital - 8/4/2010
02. A quem interessa uma sociedade alienada? - 2/9/2010
03. Free: o futuro dos preços é ser grátis - 11/11/2010
04. Bastardos Inglórios e O Caso Sonderberg - 27/5/2010
05. O espiritismo e a novela da Globo - 30/9/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Aniversário da Infanta
Oscar Wilde
Folha de S. Paulo
(2018)



Livro Pedagogia Educação Emocional
Edênio Valle
Olho D Água
(2024)



Arquivo X - Sangue p- Vol. 7
Chris Carter
Caras
(1997)



Manual Prático de Conversação Português, Inglês-alemão
Carl Huber
Artesc
(1992)



Praticando Valores Prevenindo Vicios
Daise Aguiar Silva
Daise Publicações
(2014)



Quarenta Mil Anos de Arte Moderna
L. A. Mauduit
Itatiaia
(1959)



Revista Mundo Estranho Junho 2007 Edição nº 64
Abril
Abril
(2007)



A Revolução no Ensino
W Kenneth Richmond
Companhia Nacional
(1975)



Dog Soldiers a Flag For Sunrise Outerbridge Reach
Robert Stone
The Library of America
(2020)



As Grandes Obras Politicas de Maquiavel a Nossos Dias
Jean Jacques Chevallier
Agir
(1982)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês