Patriotada às avessas | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
COLUNAS >>> Especial Copa 2010

Quarta-feira, 16/6/2010
Patriotada às avessas
Luiz Rebinski Junior

+ de 2900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Agora virou moda jornalista do eixo Rio-São Paulo, aqueles que têm as respostas para tudo ou quase tudo, declarar que, diante do pragmatismo de Dunga, vai mesmo é torcer contra o Brasil na Copa. Uns vão torcer para o Uruguai, um grande time, cujo maior destaque é um certo zagueiro, meio grosso é verdade, que jogou no tricolor paulista há alguns anos. Outros vão de Holanda, a eterna Laranja Mecânica, que encanta tanto que esquece que futebol é um jogo de perde e ganha. Até pra Argentina, nossos eternos rivais, já vi jornalista dizendo que vai torcer. Claro, eles têm Messi, Tevez e Verón. E nós temos Robinho, Kaká, Daniel Alves, Júlio César, Maicon e Luis Fabiano. Assim, lógico, a grama hermana só pode ser mais verde. Ainda que a geração de Messi e companhia tenha levado um baile do Brasil nos últimos confrontos. Ainda que a seleção principal da Argentina não ganhe um título desde a Copa América de 1993, há 17 anos. Ainda que a Argentina esteja na fila, em Mundiais, há 24 anos. Mesmo assim, os caras têm encantado muito mais.

Essa virada de casaca seria, para nossos periodistas, uma espécie de protesto contra Dunga e seus dez volantes. O time é burocrático, joga feio e tem muito defensor, dizem os rebelados. Por isso, o lance é torcer para times que encantam, como o Uruguai, que se classificou, como diz o clichê do jornalismo esportivo, na bacia das almas, com um gol de um cracasso de bola chamado Loco Abreu, que anda mostrando seu futebol refinado por aqui ultimamente. Ou para a Espanha, que nunca fez absolutamente nada em Copa do Mundo e só ganhou uma única vez o torneio europeu de seleções, depois de muito tentar.

A Copa do Mundo pode ser um torneio ordinário, com seleções que teriam dificuldade de ganhar a nossa segundona do Campeonato Brasileiro, mas é a única chance que se tem, em âmbito mundial, de saber quem é quem no mundo da bola. Então é no mínimo estranho escutar esse tipo de idiotice em um país onde o futebol é levado tão a sério. Claro, é preciso respeitar o livre arbítrio, mas nunca vi nenhum atleticano, aqui na minha cidade, dizendo que vai torcer para o Coxa porque o Furacão este ano não passa de uma brisa. Isso é simplesmente impossível. Mas com a seleção isso virou moda. Dunga é um cara tosco, que joga por resultado, então vamos torcer para a Argentina, que tem sete atacantes. Não consigo entender isso.

Estou pouco me lixando se o Júlio Baptista é reserva há séculos no time da Roma. Agora que o cara tá lá na África, vou torcer para que jogue mais que o Romário em 1994, pra que baixe um espírito muito louco no cara e o transforme em uma espécie de Garrincha com a classe de Zico. Que aquele toque de calcanhar que ele deu para o Daniel Alves no amistoso contra o Zimbábue vire regra em seu repertório. Que o Júlio Baptista faça outros gols como àquele por cobertura no Abbondanzieri na final da última Copa América, quando detonamos esse mesmo time argentino que encanta jornalistas brasileiros.

E não tô nem aí se o Dunga é grosso com a imprensa e é conservador em suas escolhas. Não tem como tirar o cara de lá agora, então pau na máquina, meu velho! Acho uma cretinice torcer contra o Brasil porque o técnico não convocou dois ou três figurões que se arrastaram durante quatro anos em seus respectivos clubes. Posso não entender nada de futebol, no que não estou sozinho, porque a maioria dos comentaristas também não entende, mas nunca afirmaria que o Júlio Baptista joga mais que o Ronaldinho Gaúcho. Mas acontece que o dentuço se arrastou durante quatro anos na ala esquerda do Milan e, faltando uns meses para a Copa, resolveu jogar. Já era tarde. O Adriano é melhor que o Nilmar e o Grafite juntos, mas pediu pelo amor de todos os funkeiros cariocas para que ficasse de fora. Faltou a treinos e caiu na farra.

Mas no Brasil qualquer um fala sobre futebol. Gostaria muito de escutar, por exemplo, um comentário de Diogo Mainardi, o grande reacionário de Veja, na rádio pela qual foi contratado. Imagino que, se o Brasil perder a Copa, Diogo Mainardi certamente vai dar um jeito de dizer que a culpa é da política externa do governo Lula, que não fez nada para barrar o pragmatismo de Dunga na seleção. No entanto, melhor do que imaginar o que o Diogo Mainardi vai falar sobre, por exemplo, um jogo entre Camarões e Dinamarca, é tentar desvendar o que passou pela cabeça de quem teve a ideia de contratá-lo para ser cronista esportivo. Falta de comentarista na praça não pode ser, porque no Brasil há mais dessa espécie do que praticantes de futebol. Então isso só pode ser fruto de uma epifania, sei lá?!

Nunca entendi muito esse negócio de jogo bonito. Bonito mesmo é ganhar, principalmente Copa do Mundo. Pergunte a um argentino se ele quer ganhar a Copa depois de 24 anos ou que Messi seja eleito melhor jogador e artilheiro do torneio. Os caras estão matando cachorro a grito. O time de 1994 do Brasil, que eu me lembre, não era nenhuma máquina. O meio campo tinha Mazinho, Zinho, também conhecido como enceradeira, e Mauro Silva. Raí, o craque do momento, amargou o banco depois de uma partida desastrosa. Mas nunca ouvi nenhum jornalista dizendo que tem vergonha daquele título porque o time de Parreira não encantou e ganhou a Copa nos pênaltis. Será que havia gente torcendo para que Baggio acertasse o pênalti só porque Dunga estava em campo?

Sempre achei a frase do Samuel Johnson que diz que "o patriotismo é o último refúgio dos canalhas" tão ruim (quando aplicada ao futebol) quanto o conceito da tal "pátria de chuteiras". Nem um nem outro. As cenas piegas que tomam conta do noticiário em tempos de Copa são realmente de doer. Mas futebol é um esporte em que você escolhe um time ou, no caso das seleções, é escolhido por ele. Por isso, não dá para deixar de torcer pelo Brasil, por pior que seja o time e o técnico.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 16/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assange: efeitos da internet em nosso cotidiano de Humberto Pereira da Silva
02. Marcel Proust e o tempo reencontrado de Jardel Dias Cavalcanti
03. Uma chave para o longe de Elisa Andrade Buzzo
04. Recordações de Sucupira de Luis Eduardo Matta
05. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas de Marcelo Spalding


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
02. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


Mais Especial Copa 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/6/2010
21h56min
Concordo. Fiquei negativamene surpreso quando vi a capa de esportes do O Globo: foto do gol... da Coreia.
[Leia outros Comentários de Flávio Sousa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MASSAGEM PARA ALÍVIO DO STRESS LIVRO DE BOLSO
CLARE MAXWELL HUDSON
CIVILIZAÇÃO
(1996)
R$ 19,26



HISTÓRIAS BRASILEIRAS DE VERÃO
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(1999)
R$ 22,31
+ frete grátis



ETIQUETA CORPORATIVA O SUCESSO COM BONS MODOS
LÍCIA EGGER-MOELLWALD / HUGO EGGER-MOELLW
ANHEMBI MORUMBI
(2002)
R$ 25,00



HEMOFILIA-TERAPÊUTICA DOMICILIÁRIA
PETER JONES
FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
(1989)
R$ 45,00
+ frete grátis



VINGANÇA EM FAMÍLIA
JAMES AXLER
NOVA CULTURAL
(1989)
R$ 6,50



LINGUÍSTICA EM LOGOPEDIA
VENÂNCIO MOL
GERNASA
(1971)
R$ 5,00



A VIRGEM VERMELHA - FERNANDO ARRABAL (LITERATURA FRANCESA)
FERNANDO ARRABAL
NOVA FRONTEIRA
(1988)
R$ 8,00



MATEMÁTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA E CONTABILIDADE
AFRÂNIO MUROLO E GIÁCOMO BONETTO
THOMPSON
(2004)
R$ 68,00



PROCESSOS DECISÓRIOS EM LEAN MANUFACTURING
WAGNER PIETROBELLI BUENO, CYRO R. P. NETO UND ALEXANDRE R. FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



SÃO BERNARDO
GRACILIANO RAMOS
RECORD
(2003)
R$ 12,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês