Por que não devemos ter Copa do Mundo no Brasil | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
74698 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
>>> Return to the Little Kingdom, by Michael Moritz
>>> O que mais falta acontecer?
>>> Quem vem lá?
>>> Dirty Dancing - Ritmo Quente
Mais Recentes
>>> Clipper Sistema Tools de Álvaro Luiz Arouche Carneiro Ramos pela Livros Técnicos e Ciêntificos (1991)
>>> Coletanea de Legislacao Administrativa Constituicao Federal de Odete Medauar pela Rt Mini Códigos (2004)
>>> Manual de Etiqueta no Trabalho de Você S/a pela Abril
>>> Sair para o Mundo: Trabalho, Família e Lazer na Vida de Excluídos de Ana Cristina Arantes Nasser pela Fapesp (2001)
>>> Pacem in Terris de Vários Autores pela Paulinas (1963)
>>> Alma e Coração de Arlindo Napoleão pela Do Autor (2005)
>>> Sopro Novo Yamaha: Aprendendo a Ler Música (contém Cd) de Cristal A. Velloso pela Irmãos Vitale (2011)
>>> 50 Coisas Que Você Pode Fazer para Evitar a Dor Nas Costas de Keith South pela Lafonte (2011)
>>> O Misticismo Apocalíptico do Apóstolo Paulo de Jonas Machado pela Paulus (2009)
>>> A Princesa à Espera de Meg Cabot pela Record (2003)
>>> Pacto de Honra de Joseph Amiel pela Record (1994)
>>> Garota Quase 15 Anos Paquerando pela Inglaterra de Sue Limb pela Galera (2010)
>>> Testemunha do Passado de Francisco Martins pela Panorama (2001)
>>> Contação de Histórias: Tradição, Poéticas e Interfaces de Fábio Henrique e Outros pela Sesc (2015)
>>> Os Bakuninistas Em Acção: o Levantamento Em Espanha no Verão de 1873 de Friedrich Engels pela Portucalense (1972)
>>> Curso de Iniciação Logosófica de Carlos Bernardo Gonzállez Pecotche pela Logosófica (2009)
>>> O Livro do Boni de Jose Bonifacio pela Casa da Palavra (2011)
>>> Monografias e Redações Premiadas 1996 a 2001 de Paulo Coelho pela Brasilia (2002)
>>> Annuario Di Ricerche e Studi Della Loggia Laquila Romana-3365 de Pedro Mario Favero pela Laquila Romana (2002)
>>> Comentário ao Código de Processo Civil IV Arts. 796 a 1. 220 de Levenhagen pela Atlas (1986)
>>> The Secret - o Segredo de Rhonda Byrne pela Ediouro (2007)
>>> Cultura Viva as Práticas de Pontos e Pontões de Coordenação de Cultura pela Ipea (2011)
>>> Musculação Em Academia - Propostas Científicas de Jorge Gonçalves pela Atheneu
>>> Utopia Urbana de Eduardo Balduíno e Rubens Araújo pela Scritta (1995)
>>> O Líder Eficaz de Cecília Whitaker Bergamini pela Atlas (2009)
COLUNAS >>> Especial Copa 2010

Quinta-feira, 17/6/2010
Por que não devemos ter Copa do Mundo no Brasil
Adriana Baggio

+ de 8200 Acessos
+ 5 Comentário(s)

No último dia 15, assisti à estreia do Brasil na Copa do Mundo da África. A vitória de 2 x 1 sobre a Coreia do Norte parece não ter animado os torcedores e nem a imprensa. Dividindo a atenção entre a TV, o marido e o Twitter, acabei acompanhando mais as reações do que o jogo em si.

Os narradores e comentaristas, como sempre, não deixavam o Dunga em paz. Na minha timeline do Twitter, os posts falavam sobre a chatice do jogo e davam continuidade à internacionalmente famosa campanha #calabocagalvao. O marido também não estava lá muito empolgado, mas não sei se foi por conta do jogo fraco ou da indefectível gripe do inverno curitibano.

Falando bem ou falando mal, o fato é que as pessoas estão mobilizadas, como acontece em todas as Copas desde que me entendo por gente. Empresas mudam o horário de trabalho, bancos e estabelecimentos comerciais fecham, as ruas ficam vazias. Quantos acontecimentos têm tamanho poder de fazer as pessoas alterarem suas rotinas?

Fico imaginando o que vai acontecer assim que o juiz apitar o final da última partida na África, independente de chegarmos ou não nesta fase. A partir deste momento começará a contagem regressiva para o campeonato mundial de 2014, que vai acontecer aqui no Brasil. E aí, sim, todo patriotismo e euforia serão multiplicados a tal ponto que poderão nos alimentar (e alienar) pelos próximos quatro anos.

Se você aguarda ansiosamente este grande evento, melhor parar de ler. O que vem a seguir pode chocar muita gente pelo alto grau de insensibilidade e mau humor: eu acho uma irresponsabilidade realizar a Copa do Mundo no Brasil.

Os únicos brasileiros preparados para avaliar estrategicamente e friamente a Copa, pensando em todos os prós e contras e traçando objetivos claros, são as empresas e a classe política. As empresas, pelas grandes oportunidades mercadológicas que um evento deste porte proporciona. Os políticos, pelas grandes oportunidades de angariar votos e ocupar cargos públicos sem, necessariamente, fazer um trabalho digno destas conquistas.

Já os brasileiros comuns estarão mais movidos pela paixão de ver acontecer em casa o maior evento do futebol. Esquecem que, para fazer uma Copa e reformar estádios, é preciso dinheiro. E que esse dinheiro não dá em árvore, nem mesmo nos magníficos exemplares da exuberante flora brasileira.

Alguns argumentam que a Copa vai trazer desenvolvimento, ajudando a resolver certas deficiências básicas como infraestrutura e transporte. Vai gerar empregos, divulgar lá fora uma imagem mais positiva do país, movimentar o turismo etc. Pode até ser. Mas temos problemas mais graves e urgentes para encarar (que não têm sido resolvidos, em grande parte, por crime e incompetência), e a força da nossa mobilização deveria estar voltada para isso.

Quando o Brasil foi eleito como sede da Copa e das Olimpíadas, um dos critérios que pesou na decisão foi a alegria do povo e sua vontade em receber estes eventos. Durante as filmagens dos locais repletos de pessoas vibrantes, acho que deveríamos ter aproveitado nossa mania de mostrar cartazes para a TV com dizeres como:

"Esporte é saúde! Só nos escolham para as Olimpíadas se os governantes resolverem o caos nos hospitais públicos brasileiros."

ou

"Queremos um 10 também no boletim, não só na camisa do craque. Antes de ter Copa, precisamos de educação!".

E ainda:

"De ladrão, já basta o juiz. Jogo, no Brasil, só se acabarem com a corrupção."

Depois de anos acompanhando as notícias sobre maracutaias em todas as instâncias do poder público, não consigo deixar de lado uma visão pessimista em relação aos acordos que serão feitos para viabilizar estes dois grandes eventos em terras brasileiras. Fico imaginando desvios de verba, conchavos entre empreiteiras e governantes, descaso com necessidades básicas de infraestrutura em nome de obras mais vistosas.

Pode ser que você não concorde comigo, mas não dá para negar que essas situações, infelizmente, fazem parte do imaginário coletivo brasileiro. E então, quando vi a logomarca que escolheram para a Copa de 2014, não pude evitar a associação.

A marca, que será apresentada oficialmente no próximo dia 8 de julho em meio a certas controvérsias, mostra mãos estilizadas formando uma bola. O grafismo sugere uma taça, talvez a taça que os jogadores brasileiros poderão levantar depois de uma emocionante final. É uma imagem muito parecida com outra, que faz parte do nosso imaginário positivo: aquela do Carlos Alberto Torres levantando a Jules Rimet na Copa de 1970 (relembre aqui, junto com outras dentre as imagens mais vistas do Brasil).

Para mim, no entanto, estas mãos são meio tétricas. Os dedos finos que engrossam nas pontas lembram algo malévolo. A forma como envolvem uma hipotética bola sugerem ganância, todo mundo querendo botar a mão na sua parte. E o 2014 em vermelho, ali todo espremidinho, é o povo tentando sobreviver em meio a tantos problemas, dando seu sangue no trabalho para comprar uma nova e grande TV que mostre os lances da Copa em todos os detalhes.

Minhas impressões não têm nada a ver com o trabalho dos designers que desenvolveram a marca. Esteticamente não me causa grande rejeição, apesar de eu preferir linhas mais elegantes e menos orgânicas. Em defesa dela e de uma análise mais aprofundada em termos de design, sugiro que os interessados assistam ao vídeo feito pelo professor Roberto Tietz, da PUC-RS. Ele discute a logomarca com bastante propriedade a partir de três aspectos: o modernismo americano do pós-guerra de Paul Rand, imagens relacionadas ao Brasil e referências a Henri Matisse.



Quem não gostar da marca pode botar a culpa em Ivete Sangalo, Paulo Coelho e Gisele Bündchen. Eles, entre outras personalidades mais qualificadas, participaram da escolha da imagem.

E então, aproveitando a onda de espírito crítico, poderíamos ir além dos assuntos relacionados ao futebol e questionar os desvios de verba, a corrupção, os problemas da saúde e de violência. Poderíamos nos mobilizar, assim como fizemos com o Galvão, só que para temas mais relevantes. Aliás, poderíamos exercitar essa postura logo depois da Copa, quando a campanha eleitoral vai pegar fogo de verdade.

Depende muito de nós se, daqui a quatro anos, as mãos da logomarca vão representar a conquista legítima da taça ou uma apropriação ilegítima dos recursos que produzimos para o desenvolvimento do nosso Brasil. É isso aí. A bola está com a gente.


Adriana Baggio
Curitiba, 17/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gramática da reprodução sexual: uma crônica de Jardel Dias Cavalcanti
02. Um Furto de Ricardo de Mattos
03. O medo como tática em disputa eleitoral de Humberto Pereira da Silva
04. Querem acabar com as livrarias de Noah Mera
05. O ano em que estou pouco me lixando para o Oscar de Clayton Melo


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005


Mais Especial Copa 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/6/2010
15h45min
Respeito sua opinião, mas acho que uma coisa não impede a outra. Não é a Copa que impede a gente de melhorar a saúde. O custo-Copa é algo que se paga na própria Copa, é um evento muito rentável. Vai resolver todos nossos problemas? Não. Mas não é por isso que devemos deixar de dar esse passo pra frente. Um país como o Brasil tem muito a ganhar com a projeção que um evento desse porte nos traz. Não vamos pensar pequeno por conta dos nossos governantes e nossos problemas ;) Abraço!
[Leia outros Comentários de Victor Rodrigues]
18/6/2010
06h36min
Adriana, eu concordo com a sua linha de argumentacao e fico contente em ver um texto critico como o seu, mesmo que ele represente um oasis de pessimismo (realismo, melhor dizendo) no meio de toda essa patriotada. Os argumentos de que a copa vai "gerar empregos, divulgar lá fora uma imagem mais positiva do país, movimentar o turismo etc" sao uma falacia. A Copa gera empregos temporarios, na sua grande maioria. Para se divulgar uma imagem positiva do Brasil, a Embratur nao precisa de Copa nenhuma. Alias, fica dificil uma imagem positiva com o numero de turistas que sao vitimas da violencia. Ou sera que durante a Copa a bandidagem vai dar uma tregua, pois vao estar assistindo os jogos? Fico pensando no que vem a seguir...Daqui a pouco alguem na FIFA faz lobby pro Oriente Medio e vao propor fazer uma Copa no Iraque. Voce podia comentar tambem da Olimpiada no Rio num proximo artigo. Eu estou curioso para saber como vao organizar as provas de tiro que acontecem em 'paralelo'...
[Leia outros Comentários de Marcio]
25/6/2010
09h49min
Se imaginar primeiro o dever depois o prazer, não vamos fazer nada prazeiroso na vida, pois sempre vai estar faltando algo. Como em qualquer país mais rico que o nosso.
[Leia outros Comentários de dilamar santos]
3/7/2010
05h39min
Com todo o respeito, acho que o argumento principal do texto é sofismático. As premissas são verdadeiras, mas a conclusão não é real. Se partirmos do princípio defendido pela cronista, então, os antigos gregos ao inventarem as Olimpíadas estavam sendo irresponsáveis com os objetivos principais da nação - afinal, não os tinham alcançado ainda e estava drenando recursos para a realização de jogos. Ou poderíamos concluir que países como Estados Unidos, Itália e Japão - o primeiro com uma saúde pública muito pior que a nossa, e os dois últimos também às voltas com eternos escândalos de corrupção - não poderiam realizar Olimpíadas ou receber a Copa enquanto não solucionassem seus problemas internos. Na verdade, somente Suíça, Suécia, Mônaco e talvez Holanda pudessem ser palco da Copa do Mundo e das Olímpiadas. Não compartilho desse escalonamento de valores entre os bens a serem defendidos e mantidos pelo Estado (pelos recursos públicos... (continua)
[Leia outros Comentários de Glaucia Amaral]
3/7/2010
05h59min
Acho que uma postura útil para o cidadão consciente a ponto de ler este blog seria informar-se acerca dos limites constitucionais de investimento na saúde e educação e cobrar sua efetiva destinação para estas áreas. Até porque tais limites em nosso país são extremamente razoáveis, superiores aos dos países ricos. E priorizada a vida e a possibilidade de educação mínima do cidadão, não vejo nada de errado no Estado fomentar outras áreas: esporte, saúde, agricultura, proteção ao meio ambiente, ciência (aliás, é dever...e condição de sobrevivência social). Discussões como a proposta no artigo precisam ir muito além do argumento fácil que beira a dizer que a Copa do Mundo é futilidade, para condená-la num país em desenvolvimento. Olha que nem gosto muito de futebol... Mas negar ao Esporte sua possibilidade de existência com fomento estatal (leia-se tributos, o dinheiro que cada um de nós investe na vida em sociedade) para mim é absurdo.
[Leia outros Comentários de Glaucia Amaral]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dez Amores
Malcolm Montgomery
Gente
(2000)



Curso de Direito Internacional Público
Alberto do Amaral Júnior
Atlas
(2013)



Quando Chega a Hora
Zibia Gasparetto
Vida e Consciencia
(2002)



Universidade Sitiada- a Ameaça de Liquidação da Universidade Brasileir
Luís Carlos de Menezes
Perseu Abramo
(2000)



O Segredo dos Campeoes
Roberto Shinyashiki
Gente
(2007)



O Diário de H. L. Mencken
Charles A. Fecher
bertrand brasil
(1995)



O Cortiço - Clássicos para Todos
Aluísio Azevedo
Nova Fronteira
(2014)



Justiça Selvagem
Wilbur Smith
Best Seller
(1988)



Marketing no Brasil Não é Facil
José Roberto Whitaker Penteado Filho
Referencia
(1982)



Mulheres em Fúria
Cathi Hanauer
landscape
(2004)





busca | avançada
74698 visitas/dia
1,7 milhão/mês