29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
>>> Em nome do caos
>>> Chiaroscuro
>>> Chico Buarque falou por nós
Mais Recentes
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
>>> Letras de exortação e reflexão para homens que se atrevem a ser cristãos de Dom Antonio Duarte S.R. pela Scortecci (2019)
>>> A Ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2002)
>>> Como investigar crimes com a ajuda Divina de Daniel Gomes pela Cpad (1999)
>>> O Diário de Um Mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Compendio de botânica de Paulo Benzzoni pela Itatiaia (1973)
>>> A Ditadura Derrotada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2003)
>>> O despertar do Buda de Vicente Blasco Ibanez pela Landy (2000)
>>> Católicos Perguntam de Estevão Tavarez Bettencourt ,Osb pela Mensageiros de Santo Antonio (1998)
>>> God Is Dead de Ron Currie Jr pela Penguin Paperbacks (2008)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Cia das Letras (1994)
>>> Novo Testamento de Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Sbb-Rao (1969)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela Circulo do Livro (1987)
>>> Filho de ninguém: dualismo e bastardia no romance "Dois imãos", de Milton Hatoum de Vera Ceccarello pela Luminária Academia (2016)
>>> Quando se pretende falar da vida de Francisco Candido Xavier ,Roberto Muskat,David Muszkat pela Grupo Espírita Emmanuel -Sociedade Civil (1984)
>>> Eu sou o Mensageiro de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> Almas Gemeas de Monica Buonfiglio pela Oficina Culturl Esotérica (1996)
>>> Meditações de Frei Sandro Grimani,OCD pela Letra Capital (2006)
>>> Esta Noite a Liberdade de Larry Collins e Dominique Lapierre pela Circulo do Livro (1976)
>>> Era uma vez em São Bernardo: o Discurso Sindical dos Metalúrgicos (1971-1982) de Kátia Rodrigues Paranhos pela Unicamp (2011)
>>> Ensaios Mínimos de Eustáquio Gomes pela Pontes (1987)
>>> Educação, Cultura e Ideologia em Moçambique: 1975-1985 de Brazão Mazula pela Edições Afrontamento (1995)
>>> O Brasil Tatuado e outros mundos de Tono Marques pela Rocco (1997)
>>> O dOM DOS MILAGRES de Pe.Robert DeGrantis pela Loyola (1996)
>>> Édipo Africano de Marie- Cecíle Ortigues e Edmond Ortigues pela Escuta (1989)
>>> Goya 2 todas Sua Pinturas de Pierre Cassier pela Biblioteca grafica Nogler (1981)
>>> Dom Quixote de la Mancha - Volume I de Miguel de Cervantes pela Martin Claret (2012)
>>> O Zahir coleção de Paulo Coelho pela Gold
>>> Fazendo Ecumenismo de Enrique Cambón pela Cidade Nova (1994)
>>> Il Cavaliere Inesistente de Italo Calvino pela Mondadori (1993)
>>> O Espião que Sabia de Demais de John Le Carré pela Abril Cultural (1987)
>>> A Sociedade do Espetáculo de Guy Debord pela Contraponto (2007)
>>> As Crianças Aprendem o que Vivenciam de Doroty Law Nolte pela Sextante (2003)
>>> Cidade Eerna de Hall Caine pela Clássica (1939)
>>> Aventuras da Maleta Negra - Tradução Rachel de Queiroz de A. J. Cronin pela José Olympio (1948)
>>> O Centauro no jardim de Moacyr Scliar pela Companhia de bolso (2011)
>>> As Armas secretas de Júlio Cortázar pela Best bolso (2012)
>>> Todos os fogos de Júlio Cortázar pela Best bolso (2015)
>>> O Mapa do Amor de Ahdaf Soueif pela Ediouro (2006)
>>> As Melhores histórias de Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle pela L&pm Pocket (2013)
>>> Memória da Casa dos Mortos de Dostoiévski pela L&pm Pocket (2009)
>>> O Velho Jazz - suas raízes e seu desenvolvimento musical de Gunther Schuller pela Cultrix (1970)
COLUNAS

Terça-feira, 12/10/2010
29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 15300 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

A Petrobrás, através de seu blog, me convidou para visitar a 29ª Bienal de Arte de São Paulo. Além do passeio entre as obras, fui convidado para debater nos "Terreiros" da Bienal com Vânia Rall, pesquisadora do Laboratório de Estudos sobre a Intolerância da USP, o tema "Arte e ética: o uso de animais nas obras de arte". O convite foi estendido a um grupo de artistas e produtores culturais de várias partes do Brasil que têm uma significativa inserção na internet.

Parte das reflexões que vão se seguir são pessoais, mas devo registrar a contribuição das responsáveis pelo site e dos outros convidados da Petrobrás que debateram, desde o jantar na noite anterior em um hotel de São Paulo até durante a visita, algumas das questões relativas à 29ª Bienal.

A Bienal deste ano tem como tema a relação entre arte e política, e seu título reproduz um belo verso do poeta Jorge de Lima: "Há sempre um corpo de mar para o homem navegar". Embora o título possa sugerir uma relação imediata entre arte e política, não é bem o conceito tradicional e caquético de arte engajada que está em jogo. Isso, de per si, já é uma novidade. Desligar a arte da visão tradicional do que seja uma reflexão política já é apontar para uma interpretação mais radical do que seja o valor da arte na sociedade.

Liberar a arte de seu caráter puramente panfletário e apontar a sua natureza incômoda pelo simples fato de ser arte, por seu desejo de revisar criticamente a própria realidade, refazê-la, reinventá-la, poetizá-la, introduzindo contradições, abismos, inclusive chamando atenção, mesmo que de forma extrema, para aspectos de seus limites éticos ou não, eis o verdadeiro caráter político da arte.

Baudelaire, ao comentar Os Miseráveis, de Victor Hugo, dizia que o artista, por vezes, deveria enfiar o nariz do espectador na lama. Ou seja, revelar para ele as injustiças do mundo, a desumanidade da sociedade. Foi o que Picasso fez com Guernica, não de uma forma panfletária, mas mostrando no próprio dilaceramento da forma da arte o dilaceramento de um mundo violento. Ali talvez estivesse contida a ideia mais radical de uma dialética entre forma e conteúdo na arte, ou aquilo que T. W. Adorno dizia: na grande obra de arte a forma é o próprio conteúdo.

Nesta Bienal podemos perceber, desde a sua forma de organização labiríntica, cheia de meandros serpentinados por onde facilmente nos perdemos, e por seus artistas, com propostas vertiginosas e de alta voltagem crítica e emocional, que vivemos num mundo desorganizado, contraditório, paradoxal, difícil de entender, conflituoso e ao mesmo tempo rico de sugestões de morte, desalento, desespero, mas também de vida, poesia e possibilidades de enfrentamento da realidade.

Esse delicioso perder-se dentro de uma labiríntica Bienal é resultado do projeto de expografia da arquiteta Marta Borgéa e alude àquilo que Beckett definiu muito bem como "um soberano desprezo dostoievskiano pela trivialidade de um encadeamento plausível", que é típico na arte desde a ideia de um "barco bêbado" de Rimbaud até as ousadias da arte contemporânea.

A rede de significados também é ampla nas obras, desde o singelo e doloroso coração sentido de Leonilson ao impactante vídeo Je vous salue Saravejo, de Jean-Luc Godard, tudo nos leva a vertigens incontestes e talvez à verdadeira definição dessa Bienal na seguinte frase estampada no vídeo do cineasta francês: "A cultura é a regra, a arte a exceção".

E pelo fato de a arte ser exceção é que sua condição política deve ser pensada de forma ampliada. Os termos colocados por Albert Camus nos indica essa posição: "Em arte, a revolta se completa e perpetua na verdadeira criação, não apenas na crítica ou no comentário".

A ideia de estranhamento expande nessa Bienal o conceito de política, pois tirar o espectador de suas zonas de conforto acaba por surpreender seu repertório em relação inclusive com a própria arte. O curador Moacir dos Anjos diz que o que interessou foi a ideia de política como o encontro com o desentendimento. Claro e acertado, pois se alguém quer uma postura político-ideológica clara que procure panfletos políticos, e não arte.

O próprio uso do verso de "Invenção de Orfeu", de Jorge de Lima, como tema escolhido, aponta a possibilidade utópica da arte como possibilidade de um outro entendimento do mundo, mais complexo, mais sensível, mais paradoxal. Por isso a própria indeterminação de caminhos no percurso às obras já é em si uma posição política da Bienal, que leva os espectadores a experimentarem a sensação do barco sem leme do já citado Rimbaud.

Os espaços de descanso, chamados nessa Bienal de "terreiros" também é outra forma de dar à Bienal uma nova qualidade. Ali se discute a própria Bienal, se apresenta performances, vídeos, dança, teatro, filmes e espetáculos de música.

Esta Bienal retoma também suportes e práticas antes bastante negligenciadas, como o desenho, a pintura, a escultura e a fotografia (esta menos). Dentre as obras, a polêmica série de desenhos em nanquim ou carvão do artista plástico Gil Vicente. Inimigos é um conjunto de desenhos onde aparecem retratos de personalidades do mundo da política tendo uma arma apontada para si. Dentre elas, George Bush, o Papa, a rainha Elizabeth II e o nosso presidente Lula, que tem sua cabeça sendo decepada por uma faca. A OAB se pronunciou contra a exposição das obras, pois, segundo a entidade, o trabalho do artista despertaria o desejo de violência nos espectadores. Mas a OAB não parece ter percebido em que direção o ódio dos espectadores seria direcionado: na dos políticos falastrões, os dominadores da política que tanto fizeram para piorar o mundo. E não é esse mesmo o interesse da obra, já que se trata de odiar os inimigos? Pelo que percebi no grande número de escolares que param imediatamente frente ao trabalho de Vicente, a obra virou um fetiche na Bienal, uma espécie de Mona Lisa do evento.

Diversão é o que não falta nessa Bienal, e uma delas é a obra de Henrique Oliveira. A origem do terceiro mundo remete à vagina pintada por Gustave Courbet e que se chamou A origem do mundo, hoje exposta no Museu D'Orsay, em Paris. A instalação de Oliveira é a reconstituição em tamanho gigante de uma vagina, feita com materiais nada nobres como tapumes e madeira compensada, geralmente materiais recolhidos pelas ruas da cidade. A diversão é garantida, como eu disse, pois a sensação de entrar dentro da vagina e percorrer seus corredores labirínticos tem garantido uma animada participação das crianças e dos jovens. Os mais maduros, já complexados moralmente, relutam à primeira vista, mas depois se entregam ao prazer desta penetração. É divertido ver a criançada saindo da vagina e gritando: "estou nascendo de novo", como pude presenciar em minha visita.

Umas das obras surpreendentes é com certeza a instalação Bandeira branca, do artista Nuno Ramos, que praticamente reconstitui gravuras de Oswald Goeldi onde aparecem urubus (também apresentadas nesta Bienal). Para além da polêmica ambientalista de maltrato a animais usados em obras de arte, o que nos interessa é perceber esse caráter de indeterminação que a obra causa, seu tamanho gigante nos lembrando a ideia do sublime, de algo que não podemos alcançar com a mente e nos leva à sensação de imprevisibilidade diante da impossibilidade de termos o conjunto da obra, de chofre, à nossa frente, predisposta ao nosso entendimento.

Outra instalação interessante é a do músico Livio Tragtenberg, que construiu um estúdio-jaula onde maneja sons colhidos da participação dos visitantes ou que podem ser enviados diretamente ao artista por e-mail. Livio se transforma em Dr. Estranho e compõe sua sinfonia com cacos de sons variados, tão estranhos quanto o mundo em que vivemos e tão estranhos quanto a paisagem sonora que nos rodeia hoje.

Retomando a história da intervenção, também em um sentido mais amplo de participação política, a Bienal apresenta artistas já consagrados pela nossa história da arte. Dentre eles Helio Oiticica e o multiartista Flávio de Carvalho. São expostos registros de suas experiências, na forma de fotografias e documentos, como, por exemplo, a Experiência n. 2, onde Flávio de Carvalho invade uma procissão de Corpus Christi no centro de São Paulo, andando em direção contrária aos fiéis e vestindo um boné verde, deixando claro sua crítica ao catolicismo, religião que ele abominava. Na ocasião, ele quase foi linchado.

Ainda vale registrar a obra O que é arte? Para que serve?, do artista Paulo Bruscky, que faz uma crítica ao sistema das galerias de arte e museus como instituições duvidosas. A própria arte mostrando que a arte pode estar em outros lugares que não apenas nos espaços institucionalizados.

Nosso espaço é pequeno para discutir tão ampla Bienal. Ao contrário da exposição anterior, que ficou marcada pela alcunha de "Bienal do vazio", esta é repleta de sugestões visuais, táteis, sonoras. Um encontro fecundo com o projeto contemporâneo da arte como um mundo flutuante, irreverente, mas pleno de sugestões. Ao contrário do mundo ordinário, da razão instrumental, a arte possibilita vivências de uma outra ordem, a ordem do sensível, e é este conhecimento, esta experiência, que a Bienal decidiu chamar corretamente de arte política.

Para ir além
29ª Bienal de São Paulo.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 12/10/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti
02. Um menino à solta na Odisseia de Carla Ceres
03. 11 de Setembro e a Era do Terror de Jardel Dias Cavalcanti
04. Onde os 'barbeiros' passeiam de Carla Ceres
05. A internet não é isso tudo de Marta Barcellos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
03. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/10/2010
12h12min
Jardel, gostei inteiramente de sua crítica positiva à Bienal, concordo em quase tudo, só achei que a frase de Adorno fica deslocada, talvez coubesse na discussão com Godard.
[Leia outros Comentários de Marcos Aulicino]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EL VIENTRE DE LA BALLENA
JAVIER CERCAS
QUINTETO ESPANHA
(2003)
R$ 98,00
+ frete grátis



CURRÍCULO, ARTE E FORMAÇÃO CONTINUADA
IRINÉIA SANTOS SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 230,00



SICILY - CADOGAN ISLAND GUIDES
DANA FACAROS & MICHAEL PAULS
CADOGAN BOOKS
(1994)
R$ 15,00



CORIOLANO - MACBETH VOL 11 +12+02 (2495)
WILLIAM SHAKESPEARE - OBRAS COMPLETAS
MELHORAMENTOS
R$ 30,00



OS PENSADORES - SANTO AGOSTINHO
SANTO AGOSTINHO
NOVA CULTURAL
(1996)
R$ 15,00



ENTRE LINHAS E PONTOS VOL. 2 TECENDO LITERATURA, LÍNGUA E PRODUÇÃO TEX
MARY MURASHIMA / ELISABETH SILVEIRA / CLÁUDIA ...
DO BRASIL
(2014)
R$ 49,90



A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO
RAFAEL HILLER
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



SAÚDE PASTORAL E COMUNITÁRIA
AGEU HERINGER LISBOA
CPPC
(1985)
R$ 20,00



CONVIVENDO COM SEU SEXO PAIS E PROFESSORES
HÁLIA PAULIV DE SOUZA
PAULINAS
(1991)
R$ 5,30



PORTAIS
LEDINILSON RIBEIRO MOREIRA
DO AUTOR
(2010)
R$ 12,90





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês