Qual é a alma da cidade? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
Mais Recentes
>>> Borderliners de Peter Hoeg pela Harvill Secker (1996)
>>> O Calcanhar da Memória de Luís Pimentel pela Bertrand Brasil (2004)
>>> Luluzinha Teen e Sua Turma N° 18 - o Rapto da Guitarra de N/d pela Pixel (2010)
>>> Biologia Volume 2 - Funções Vitais, Embriologia, Genética de José Luís Soares pela Scipione
>>> The Original Rogets International Thesaurus de Robert L. Chapman (edit.) pela Harper Collins (1992)
>>> A Interpretação do Antigo Testamento de Rolf P Knierim pela Editeo
>>> O Reino de Deus de George V. Pixley pela Edições Paulinas (1986)
>>> Godplayer de Robin Cook pela Signet (1984)
>>> Biologia Hoje - Volume 2 - Seres Vivos de Sérgio Linhares e Fernando Gewandsznajder pela Ática
>>> Besog Fra Brasilien de Eça de Queiroz pela Aschehoug
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Um Amor Imortal de Gordon Glasco pela Record (1983)
>>> Vagabond - N° 23 de Takehiko Inoue pela Conrad
>>> A Busca de Roberto Ferreira Santos pela Livre Expressão (2014)
>>> Lord Jim de Joseph Conrad pela Abril Cultural (1980)
>>> Otherwise - Engaged de Suzanne Finnamore pela Alfred A. Knopf (1999)
>>> Descobrindo a Alegria de Viver de Salle Merrill Redfield pela Sextante (2000)
>>> Manual Prático de Desenvolvimento da Memória de Charles Lucien de Liévre pela Madras (2001)
>>> Tarot Tavaglione : the Stairs of Gold Tarot de Giorgio M. S. Tavaglione pela N/d (1997)
>>> Estrela do Perigo de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Garota do Calendário: Julho de Audrey Carlan pela Verus (2016)
>>> Vôo Cego de Júlio Emílio Braz pela Zeus (2003)
>>> Minha 1ª Biblioteca - Larousse Animais 2 de Adriana de Oliveira Silva pela Larousse (2007)
>>> The Kitchen Gods Wife de Amy Tan pela Harper Collins (1989)
>>> Plantas e Flores Guia Completo para a Jardinagem Dentro e Fora de Casa de N/d pela Abril Cultural (1977)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/1/2011
Qual é a alma da cidade?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O ano já apresenta suas entradas calvíssimas e nós, na sala, discutíamos a alma das cidades. Mas como se define isso? Como capturá-la? No burburinho? Nas pessoas? Nas práticas dos habitantes? No sotaque? Numa índole que só vê quem é de fora? Um nativo pode perceber a mesma alma que eu? Onde está ela? Vista de fora ou vista de dentro? Panorâmica? Na miudeza?

Eu dizia, de saída, que a alma de Belo Horizonte ainda é indecisa. Moro na cidade desde pequena, mas consigo ver que mal se insinua um jeito belo-horizontino de ser (vejam se tem cabimento um gentílico com hífen!). Há estudos românticos sobre uma tal indefinível mineiridade. E adianto que nesta acredito. Ser mineiro é uma construção histórica, terrena, chão, ideológica, com, literalmente, altos e baixos. Já ser belo-horizontino é fugidio.

Começa que já não temos os sotaques de Minas inteira. E são vários. Ao norte, dizem que somos Bahia. A oeste, há um quê do interior de Goiás. Ao sul, vinga a São Paulo caipira. E a sudeste existe mesmo, eu vi, o legendário sotaque fluminense (às vezes o próprio carioca) do Rio de Janeiro próximo. Por onde o trem passa vai arrastado um falar errante, talvez com comércio e com mistura. Já o centro, onde fica mais ou menos Belo Horizonte, fala um sotaque só dali, sem caipirês direito, sem carioquês perfeito, sem baianês seguro. É um revés de tudo, meio sem espaços.

Chegando na capital por qualquer lado, já que ela tem tantas entradas e saídas, chega-se a um emaranhado de possibilidades que podem levar, também, ao Centro. Lá, é possível ver o traçado da cidade planejada quadriculada, positivista, higiênica, de ruas largas, praças sem bancos, luzes elétricas, esquinas frequentes. Lá é a capital dos funcionários, onde alguém logo indica passeios pelo Mercado Central, pela Feira Hippie, pela legendária Savassi, um "bairro" que não existe fisicamente, cartograficamente, mas que é presente na vida dos cidadãos, nem que seja como a representação mais burguesa da cidade.

Qual é a alma desta capital? De uns tempos para cá, vêm tentando fazer engolir um certo jeito belo-horizontino eleito por um marketing de turismo mal-feito, campanha alinhavada com cadeias de hotéis, lá vamos nós assumir que a alma da cidade é dos botecos, da bebida, do pão de queijo com cerveja. Santa Tereza, meu amor, nem só de botecos e botequeiros vive a cidade. E isso é bonito?, alguém se pergunta. Já ouvi de todo lado que "os mineiros que eu conheço bebem muito", vai saber. Que "não tem mar, mas tem bar". Que alma é esta? E a câmara propõe e aprova um projeto, real, que decreta BH a capital mundial dos botecos. Santo Antônio, querido, é, isso mesmo? Vão vender a cidade assim?

Qual é a alma de Ouro Preto? Sim, esta tem alma. Um sentido ouropretano logo surge quando se desce do ônibus, na rodoviária alta. A cidade foi a capital de Minas, antes de tomarem outras decisões. Qual é a alma de Timóteo? Qual é a alma de Juiz de Fora? E a de Uberlândia? Qual é a alma de Minas, lugar de passagem, corredor obrigatório para quase qualquer outro lugar? Qual é o elemento que se constrói no jeito de viver nesse lugar?

O que é a alma carioca? A alma de São Paulo? A alma de Salvador? O que é a alma recifense? A porto-alegrense? Mas separe aí a alma do lugar do marketing que nos é imposto. Veja, separe aí o jeito como vendem a cidade e o que realmente se vive nela. Difícil separar. Qual é a alma da cidade?

Um estrangeiro me dizia, nesta sala, que achou BH uma cidade "completamente sem alma". Será possível, meu Deus? Mas tão habitada! Pode um lugar cheio de gente não ter alma? Ou talvez uma alma tão mestiça de que não se pareça com nada? Quem sabe é isso? Também tenho uma impressão insossa de Brasília, que não parece ter tanta alma assim. Estou sugestionada por algo? Alguma contrapropaganda? Campos de Goytacazes não me parece ter alma, pelo menos não a descubro, mas me garantiram que tem "uma alma terrível". Esse tipo de qualificação pede uma explicação de horas-aula. Como vou saber o que é tão terrível assim? Ouro Preto tem uma alma terrível também, mas posso dizer que a história conhecida pesa muito em meu julgamento. Como não?

São João Del Rei tem alma. Para mim, uma alma limpa, fresca, generosa, que a vizinha Tiradentes não tem. Mas aí é que me vem a questão na contramão: como você vive a alma da cidade? O que é sua vivência da cidade? São João me parece doce. Tiradentes me rememora algo antipático, algo que eu consigo localizar no tempo e na minha história. Já um casal de amigos ama tanto aquele lugar que deu jeito de fazer a cerimônia de casamento lá. Tiradentes é, para eles, uma outra experiência. São Paulo me dá uma sensação que o Rio nunca me deu. Confesso que a alma do Rio só me chega pelos jornais, e não gosto dela. Já outras capitais sequer me parecem ter alma, já que quase não são citadas. Garanto, no entanto, que têm. O que é Fortaleza para mim? E Porto Alegre, tão distantes no mapa? Porto Alegre me lembra tanta coisa boa que a localizei no melhor espaço das minhas lembranças. E que alma dei a BH? Talvez eu saiba mais sobre a alma do meu bairro, que é um ponto na fisiologia da cidade. Talvez seja assim que as almas se componham de verdade: nas nossas vivências, no dinamismo das nossas experiências.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 7/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Blog precisa ser jornalismo? de Rafael Fernandes


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011
05. À primeira estrela que eu vejo - 7/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/1/2011
17h20min
Também acho que BH não tem alma. Mas Juiz de Fora tem alma de estudante, de vento, de frio gostoso. Dizem até que de brisas marinhas, rsrs... Bjs.
[Leia outros Comentários de Fátima]
8/1/2011
16h29min
Evidente que a crônica da vida existe na alma das conversas, na ternura artística dos edifícios, na leitura lírica dos jardins, e cada cidade mantém a sua identidade, à qual a mídia se faz míope, não conseguindo revelar a beleza e a alma...
[Leia outros Comentários de manoel Messias perei]
10/1/2011
16h39min
É, Ana, BH tem mesmo muitas almas, e por isso é difícil eleger uma só... Muito bom te ter de volta no Digestivo. Quem foi que autorizou essas férias gigantescas??? Humph! (kkk, inda bem q num te demitiram.) =]
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Uma Pequena Historia de Amor
Mirella Spinelli; Zuleika de Almeida Prado
Cortez
(2014)



O Fantástico Senhor Raposo
Quentin Blake
Martins Fontes
(2016)



Lord Jim
Joseph Conrad
Abril Cultural
(1982)



A infinita variedade dessa mulher
Louis Auchincloss
A girafa
(2004)



El Mar Y Las Campanas
Pablo Neruda
Lumen
(1973)



Todo Dia é Natal
Papa Francisco
Leya
(2017)



Traduzindo Hannah
Ronaldo Wrobel
Record
(2010)



Procurar e Encontrar Deus no Dia-a-dia
Pe. Juan A. Ruiz de Gopegui
Loyola
(2005)



As cidades invisíveis
Italo Calvino e Diogo Mainardi
Companhia das Letras
(1990)



Marketing de Serviços Casos Brasileiros
Angela da Rocha
Atlas
(2000)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês