Pieguice ou hipocrisia? | Rosângela Vieira Rocha | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/3/2013
Pieguice ou hipocrisia?
Rosângela Vieira Rocha

+ de 4200 Acessos

A exagerada demonstração de afeto por meio de frases, desenhos, pinturas e exclamações é algo que vem se tornando tão habitual entre nós, que chego a duvidar que o sentimento tão decantado, que parece ter tomado de assalto o país inteiro, seja real e verdadeiramente consistente.

Vejo expressões de afeto, abraços e beijos por toda parte: nas escolas, shoppings, estacionamentos, cinemas, lojas, restaurantes, bares, enfim, é como se uma gigantesca onda sentimental tivesse varrido todos os lugares. Nada contra abraços e beijos, mas quando o público não deixa nenhum lugar para o privado, dá uma sensação de estranheza danada. E quem não quiser ver os detalhes que se vire, pois parece existir uma vitrine geral, onde todos estão em exposição. Encontrar um cantinho mais opaco? Impossível, a ribalta é globalizante.

Nas redes sociais, blogs e sites, é um verdadeiro festival. Os beijos, antes dados no rosto, testa, boca, que sei eu, atravessam agora os limites da pele e da mucosa, e vencendo todos os obstáculos da anatomia humana, dirigem-se diretamente ao coração. Sim, todos os beijos agora são encaminhados para esse maravilhoso e sofrido órgão, que, além de cumprir as importantíssimas e complexas tarefas que lhe foram destinadas, ainda tem de receber, quer queira quer não, uma overdose quase que infinita de beijos. Assim, sem mais nem menos, sem cirurgia nem nada.

Pesado de beijos, quase aos pedaços, o pobre coração ainda é desenhado por toda parte. Antes, ficava inscrito em cascas de árvores, entalhado a canivete pelos apaixonados. No máximo, era enfeite de anel. Agora passou a enfeitar roupas, colares, brincos, bichinhos de pelúcia, bolos, doces, chocolates, chaveiros, uma imensa quantidade de objetos.

O amor, considerado em todas as épocas o mais nobre dos sentimentos, anda perdendo a nobreza, banalizado em frases toscas, desenhos ruins, na boca de personagens mal alinhavados, ou compondo frases cheias de erros, inclusive de ortografia. Só se fala em amor. Será que é amor mesmo?

Gritada e não mais confessada em sussurros à meia-luz, a expressão "eu te amo" vai perdendo o seu conteúdo, a sua significação original, para se transformar quase que em cumprimento, um enfeite, um jeito de dizer "quero te agradar falando isso". Se a expressão se transformasse em verdade cada vez que é repetida, não precisaríamos de mais nada, pois faríamos parte de um mundo pleno, autêntico nirvana, extensão do paraíso na terra.

Os elogios também agora são ditos o tempo todo, com ou sem base real. As redes sociais estampam fotos de filhos, netos, sobrinhos, com o obrigatório comentário do autor da postagem, decantando a beleza dos fotografados. Belos ou não, isso parece não ter a menor importância. "Lindo" passou a ser sinônimo de "meu" (filho, neto ou sobrinho). Todo mundo agora é lindo e não se sabe mais o que isso significa. Lindo não é mais lindo, virou outra coisa.

O mais grave de tudo é a infantilização generalizada que vem ocorrendo. Adultos mandam fotos com flores, estrelas, coraçõezinhos e laços a outros adultos, de preferência cor-de-rosa ou de bolinhas. Tudo me leva a pensar que uma segunda infância anda se instalando por aqui. Todos querem ser crianças, e para isso não se importam de forçar a barra, adotar gostos infantis, falar de ursinhos e assemelhados.

Por falar em animais, é importante registrar um outro fenômeno, provavelmente tão sério quanto o da infantilização das pessoas, que é a "humanização" dos animais domésticos. Se fossem apenas idolatrados, até aí tudo bem, tem gosto pra tudo, mas o que vem ocorrendo parece-me bastante grave, a começar por aqueles que postam nas redes, praticamente todos os dias, fotos de seus cães e gatos de estimação, como se fossem únicos, vindos de outro mundo, os reis da cocada preta. O problema é que, além dos brinquedos que já ganhavam, os cães, sejam machos ou fêmeas, agora vestem roupinhas, capinhas, casaquinhos, xales e não sei mais o quê. Não bastassem as roupas, as cadelas levam laços de fita no pelo e algumas usam até correntes de ouro. Sem contar, é claro, os anéis nas patas.

Além de festas de aniversário, geralmente bastante dispendiosas, os cães costumam ganhar também festas de "casamento", em que a "noiva" é adornada com véu e grinalda. As festas são praticamente idênticas às festas tradicionais de casamento, com direito a música, bolo, bem-casados, champanhe e lembrancinhas para os convidados.

Causa-me espanto ver com que orgulho os donos contabilizam os gastos com essas festas de "casamento". Parece que, quanto maior o custo, maior é o amor que sentem por seus cães. É evidente que cada um gasta o próprio dinheiro como quiser e minha função não é dar lição de moral, longe de mim tal ideia. O que me espanta é ver a inserção de uma cerimônia humana por excelência, inclusive definida pelo Código Civil Brasileiro, no universo dos bichos de estimação.

Um amigo meu, escritor muito perspicaz, me disse que fica morto de vergonha de São Francisco de Assis. Segundo ele, que é devoto do santo, se São Francisco viesse nos fazer uma visita, ficaria estupefato com a maneira como os animais estão sendo tratados. Ou melhor, digo eu, destratados e ridicularizados, pois, ao serem considerados pessoas, são destituídos do que os define, que é sua natureza de bicho. São Francisco protegia os animais e os respeitava como animais, nem sequer lhe passava pela cabeça mudar algo tão elementar.

Mas, para os donos que insistem em agregar complementos usados pelos humanos aos seus animais, ainda que estes sejam supérfluos, como roupas, adereços e festas, os bichos deixam de ser considerados bichos, mudam de status, pois passam a ser "extensões" de quem os cria, espelhos nos quais estes se veem. Quem não tem filho, cria cachorro ou gato como gente. Quem tem, por vezes cria também. E estamos conversados.

Os casos da banalização dos sentimentos, da infantilização das pessoas e da "humanização" dos animais domésticos foram escolhidos por serem emblemáticos da sociedade em que vivemos. Aparentar sentir tornou-se mais importante do que sentir de verdade, fingir que é criança é preferível a assumir-se como adulto, e brincar de casinha com animais, como se estes fossem amiguinhos humanos ou meros bonecos, completa o quadro "paradisíaco" da falta de compromisso e da breguice. Aí sim, fica tudo azul, azul até demais, como na canção popular. E, claro, com as indispensáveis e pavorosas bolinhas cor-de-rosa.


Rosângela Vieira Rocha
São Paulo, 28/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assum Preto, Me Responde? de Duanne Ribeiro
02. Noel Rosa de Fabio Gomes
03. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
04. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes
05. Thoreau, Mariátegui e a experiência americana de Celso A. Uequed Pitol


Mais Rosângela Vieira Rocha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EM BRASÍLIA, DEZENOVE HORAS
TIAGO
DO AUTOR
(1994)
R$ 23,00



AMIGOS DE DEUS
JOSEMARÍA ESCRIVA
QUADRANTE
(2000)
R$ 22,00



DEATH NOTE: ALVOS 8
TSUGUMI OHBA
JBC
(2001)
R$ 10,00



FÊNIX E HARPIA: FACES MÍTICAS DA POESIA E DA POÉTICA DE IVAN JUNQ
CHRISTINA RAMALHO
ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS
(2005)
R$ 19,82



HENRI MATISSE -COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA 8
TRAD MARTIN ERNESTO RUSSO
FOLHA DE SÃO PAULO
(2007)
R$ 5,90



MENINO DE OLHO VIVO
RICARDO AZEVEDO
ÁTICA
(1996)
R$ 14,24



O CONSTRUTIVISMO E A ALFABETIZAÇÃO - (AUTOGRAFADO)
IVANILDE MOREIRA
LIVRUS
(2009)
R$ 80,00



A HORA E VEZ DO RIO DE JANEIRO E NOVO GOVERNO
JOÃO PAULO DOS REIS VELLOSO
JOSÉ OLYMPIO
(2007)
R$ 14,00



BEIRA-MAR - MEMÓRIAS 4
PEDRO NAVA
NOVA FRONTEIRA
(1985)
R$ 15,00



GILSON MARTINS - VIAJANDO NO DESIGN
GLÁUCIA CENTENO, GILSON MARTINS
ESTAÇAO DAS LETRAS
(2008)
R$ 37,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês