Pieguice ou hipocrisia? | Rosângela Vieira Rocha | Digestivo Cultural

busca | avançada
54051 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Manual prático do ódio
>>> Isn’t it a bliss, don’t you approve
>>> Roberto Carlos:Detalhes em PDF
>>> Olhos de raio x
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Fred Trajano sobre Revolução Digital na Verde Week
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> 7 de Setembro
>>> Fazendo as Pazes com o Swing
Mais Recentes
>>> Como Parar O Tempo de Matt Haig pela Harper Collins (2017)
>>> O guia dos curiosos: língua portuguesa de Marcelo Duarte pela Panda Books (2010)
>>> Mentes Geniais: Aumente em 300% a Capacidade do Seu Cérebro de Alberto Dell Isola pela Universo dos Livros (2013)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intríseca (2009)
>>> Tipo Destino: E se sua alma gêmea fosse o namorado de sua melhor amiga? de Susane Colasanti pela Novo Conceito (2013)
>>> Seu Cachorro É O Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Os Contos dos Blythes Vol 2 de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2020)
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Globolivros (2014)
>>> Cidade dos Ossos de Cassandra Clare pela Galera (2014)
>>> A Casa de Hades de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Amores impossíveis e outras perturbações quânticas de Lucas Silveira pela Dublinense (2016)
>>> A Marca de Atena de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Will e Will, Um nome, Um Destino de John Green, David Levithan pela Galera (2014)
>>> O Azarão de Markus Zusak pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Capitão América: A Ameaça Vermelha de Steve Epting, Mike Perkins, Ed Brubaker pela Panini (2005)
>>> O Fio do Destino de Zibia M. Gasparertto pela Vida e Consciência (1500)
>>> O Fantasma da Ópera de Gaston Leroux pela Principis (2020)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Lafonte (1500)
>>> Coleção folha tributo a Tom Jobim nº8 Tide de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Rostos Do Protestantismo de José Míguez Bonino pela Sinodal/Est (2020)
>>> Coleção folha grandes vozes Fred Astaire nº4 de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Sherlock Holmes – O Vampiro de Sussex e Outras Histórias de Sir Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (2003)
>>> As pernas de Úrsula e outras possibilidades de Claudia Tajes pela L&PM (2001)
>>> Comer, rezar, amar de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2008)
>>> A vitória final de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2008)
>>> Apoliom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> O glorioso aparecimento de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Armagedom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Assassinos de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Nicolae de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O possuído de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Profanação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O remanescente de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> A marca de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Comando Tribulação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
>>> A colheita de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Deixados para trás de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Questões do coração de Emily Giffin pela Novo Conceito (2011)
>>> 1 Litro de lágrimas de Aya Kito pela New Pop (2013)
>>> O lado bom da vida de Matthew Quick pela Intrínseca (2013)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova Fronteira (2007)
>>> Toda sua de Sylvia Day pela Paralela (2012)
>>> Mais escuro - Cinquenta tons mais escuros pelos olhos de Christian de E L James pela Intrínseca (2018)
>>> Grey - Cinquenta tons de cinza pelos olhos de Christian de E L James pela Intrínseca (2015)
>>> História da Companhia de Jesus no Brasil - 5 volumes de Serafim Leite pela Itatiaia (2000)
>>> A hospedeira de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2009)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2008)
>>> Material Completo de Estudo Elite Musical de Equipe Elite Musical pela Elite Musical
>>> Lua nova de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2008)
>>> Amanhecer de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/3/2013
Pieguice ou hipocrisia?
Rosângela Vieira Rocha

+ de 4500 Acessos

A exagerada demonstração de afeto por meio de frases, desenhos, pinturas e exclamações é algo que vem se tornando tão habitual entre nós, que chego a duvidar que o sentimento tão decantado, que parece ter tomado de assalto o país inteiro, seja real e verdadeiramente consistente.

Vejo expressões de afeto, abraços e beijos por toda parte: nas escolas, shoppings, estacionamentos, cinemas, lojas, restaurantes, bares, enfim, é como se uma gigantesca onda sentimental tivesse varrido todos os lugares. Nada contra abraços e beijos, mas quando o público não deixa nenhum lugar para o privado, dá uma sensação de estranheza danada. E quem não quiser ver os detalhes que se vire, pois parece existir uma vitrine geral, onde todos estão em exposição. Encontrar um cantinho mais opaco? Impossível, a ribalta é globalizante.

Nas redes sociais, blogs e sites, é um verdadeiro festival. Os beijos, antes dados no rosto, testa, boca, que sei eu, atravessam agora os limites da pele e da mucosa, e vencendo todos os obstáculos da anatomia humana, dirigem-se diretamente ao coração. Sim, todos os beijos agora são encaminhados para esse maravilhoso e sofrido órgão, que, além de cumprir as importantíssimas e complexas tarefas que lhe foram destinadas, ainda tem de receber, quer queira quer não, uma overdose quase que infinita de beijos. Assim, sem mais nem menos, sem cirurgia nem nada.

Pesado de beijos, quase aos pedaços, o pobre coração ainda é desenhado por toda parte. Antes, ficava inscrito em cascas de árvores, entalhado a canivete pelos apaixonados. No máximo, era enfeite de anel. Agora passou a enfeitar roupas, colares, brincos, bichinhos de pelúcia, bolos, doces, chocolates, chaveiros, uma imensa quantidade de objetos.

O amor, considerado em todas as épocas o mais nobre dos sentimentos, anda perdendo a nobreza, banalizado em frases toscas, desenhos ruins, na boca de personagens mal alinhavados, ou compondo frases cheias de erros, inclusive de ortografia. Só se fala em amor. Será que é amor mesmo?

Gritada e não mais confessada em sussurros à meia-luz, a expressão "eu te amo" vai perdendo o seu conteúdo, a sua significação original, para se transformar quase que em cumprimento, um enfeite, um jeito de dizer "quero te agradar falando isso". Se a expressão se transformasse em verdade cada vez que é repetida, não precisaríamos de mais nada, pois faríamos parte de um mundo pleno, autêntico nirvana, extensão do paraíso na terra.

Os elogios também agora são ditos o tempo todo, com ou sem base real. As redes sociais estampam fotos de filhos, netos, sobrinhos, com o obrigatório comentário do autor da postagem, decantando a beleza dos fotografados. Belos ou não, isso parece não ter a menor importância. "Lindo" passou a ser sinônimo de "meu" (filho, neto ou sobrinho). Todo mundo agora é lindo e não se sabe mais o que isso significa. Lindo não é mais lindo, virou outra coisa.

O mais grave de tudo é a infantilização generalizada que vem ocorrendo. Adultos mandam fotos com flores, estrelas, coraçõezinhos e laços a outros adultos, de preferência cor-de-rosa ou de bolinhas. Tudo me leva a pensar que uma segunda infância anda se instalando por aqui. Todos querem ser crianças, e para isso não se importam de forçar a barra, adotar gostos infantis, falar de ursinhos e assemelhados.

Por falar em animais, é importante registrar um outro fenômeno, provavelmente tão sério quanto o da infantilização das pessoas, que é a "humanização" dos animais domésticos. Se fossem apenas idolatrados, até aí tudo bem, tem gosto pra tudo, mas o que vem ocorrendo parece-me bastante grave, a começar por aqueles que postam nas redes, praticamente todos os dias, fotos de seus cães e gatos de estimação, como se fossem únicos, vindos de outro mundo, os reis da cocada preta. O problema é que, além dos brinquedos que já ganhavam, os cães, sejam machos ou fêmeas, agora vestem roupinhas, capinhas, casaquinhos, xales e não sei mais o quê. Não bastassem as roupas, as cadelas levam laços de fita no pelo e algumas usam até correntes de ouro. Sem contar, é claro, os anéis nas patas.

Além de festas de aniversário, geralmente bastante dispendiosas, os cães costumam ganhar também festas de "casamento", em que a "noiva" é adornada com véu e grinalda. As festas são praticamente idênticas às festas tradicionais de casamento, com direito a música, bolo, bem-casados, champanhe e lembrancinhas para os convidados.

Causa-me espanto ver com que orgulho os donos contabilizam os gastos com essas festas de "casamento". Parece que, quanto maior o custo, maior é o amor que sentem por seus cães. É evidente que cada um gasta o próprio dinheiro como quiser e minha função não é dar lição de moral, longe de mim tal ideia. O que me espanta é ver a inserção de uma cerimônia humana por excelência, inclusive definida pelo Código Civil Brasileiro, no universo dos bichos de estimação.

Um amigo meu, escritor muito perspicaz, me disse que fica morto de vergonha de São Francisco de Assis. Segundo ele, que é devoto do santo, se São Francisco viesse nos fazer uma visita, ficaria estupefato com a maneira como os animais estão sendo tratados. Ou melhor, digo eu, destratados e ridicularizados, pois, ao serem considerados pessoas, são destituídos do que os define, que é sua natureza de bicho. São Francisco protegia os animais e os respeitava como animais, nem sequer lhe passava pela cabeça mudar algo tão elementar.

Mas, para os donos que insistem em agregar complementos usados pelos humanos aos seus animais, ainda que estes sejam supérfluos, como roupas, adereços e festas, os bichos deixam de ser considerados bichos, mudam de status, pois passam a ser "extensões" de quem os cria, espelhos nos quais estes se veem. Quem não tem filho, cria cachorro ou gato como gente. Quem tem, por vezes cria também. E estamos conversados.

Os casos da banalização dos sentimentos, da infantilização das pessoas e da "humanização" dos animais domésticos foram escolhidos por serem emblemáticos da sociedade em que vivemos. Aparentar sentir tornou-se mais importante do que sentir de verdade, fingir que é criança é preferível a assumir-se como adulto, e brincar de casinha com animais, como se estes fossem amiguinhos humanos ou meros bonecos, completa o quadro "paradisíaco" da falta de compromisso e da breguice. Aí sim, fica tudo azul, azul até demais, como na canção popular. E, claro, com as indispensáveis e pavorosas bolinhas cor-de-rosa.


Rosângela Vieira Rocha
Brasília, 28/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A fotografia é um produto ou um serviço? de Fabio Gomes
02. Eu blogo, tu blogas? de Fabio Gomes
03. As sombras e os muros de José J. Veiga de Cassionei Niches Petry
04. Philomena de Marta Barcellos
05. crônica - ou ensaio - à la hatoum de Ítalo Puccini


Mais Rosângela Vieira Rocha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DE OLHO NA CIÊNCIA - O VERDE E A VIDA - COMPREENDENDO O EQUILÍBRIO E O DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO
SÔNIA TOKITAKA E HELOÍSA GEBARA
ÁTICA
(1997)
R$ 13,00



O LIVRO DA 8ª CASA
MARC ROBERTSON
OBJETIVA
(1992)
R$ 12,00



POESIA CARIOCA O RIO, EU E VOCÊS - AUTOGRAFADO
GUTO GRAÇA
FRANCISCO ALVES
(2000)
R$ 10,00



O VENDEDOR DE ESTRELAS
OLAVO DRUMMND
ARX
(2003)
R$ 8,38



O CABELEIRA
FRANKLIN TAVORA
EDIOURO
R$ 5,00



A FORÇA DO ENTUSIASMO
PROF.GRETZ
VIABILIZAÇÃO DE TALENTOS HUMANOS
(2005)
R$ 15,00



A SEDUÇÃO PERFEITA DESTINOS EDIÇÃO 92
PENNY JORDAN
HARLEQUIN BOOKS
(2008)
R$ 6,90



F DE FALCÃO
HELEN MACDONALD
INTRINSECA
(2016)
R$ 20,00



O QUE SEI DE LULA
JOSÉ NÊUMANNE PINTO
TOPBOOKS
(2011)
R$ 23,93



FOLHA VERDE, RASTRO BRANCO. DROGA. TRAFICO E CONSUMO
MARIE AGNÉS COMBESQUE
SCIPIONE
(2002)
R$ 12,00





busca | avançada
54051 visitas/dia
2,1 milhões/mês