Pieguice ou hipocrisia? | Rosângela Vieira Rocha | Digestivo Cultural

busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The perfect servant
>>> Trauma a ser evitado
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> 28 de Abril #digestivo10anos
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O jornalismo que dá nojo
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Útil paisagem
>>> O Brasil da inovação
Mais Recentes
>>> A Ira dos Anjos de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1985)
>>> Nada Dura Para Sempre de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1998)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1987)
>>> O Outro Lado da Meia-Noite de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1989)
>>> Palavras que Curam - A força terapêutica das hist. bíblicas de Walther H, Lechler/Alfred Meier pela Prestígio (2006)
>>> A História da Primeira Guerra Mundial. 1914-1918 - Com 4 Volumes de David Stevenson pela Novo Século (2018)
>>> Wild Cards: Ases Nas Alturas - Livro 2 de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: Guerra aos Curingas - Livro 9 de George R. R. Martin pela Leya (2018)
>>> Wild Cards: Luta de Valetes - Livro 8 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Wild Cards: Ás na Manga: Livro 6 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Pense e Enriqueça - para Mulheres Texto Completo de Sharon Lechter pela CDG Grupo Editorial (2017)
>>> Atitude Mental Positiva de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2015)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1975)
>>> Mistério no Caribe de Agatha Christie pela Nova Cultural (1964)
>>> Sebastiana Quebra Galho Guia Prático das donas de casa 16ªed. de Nenzinha Machado Salles pela Civilização Brasileira (1994)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Marquez pela Sabiá (1971)
>>> Melhor que comprar sapatos de Cristiane Cardoso pela Unipro (2015)
>>> Imposto sobre a propriedade territorial rural de Dejalma de Campos pela Atlas (1993)
>>> Archi de soleil de Patrick Bardou e Varoujan Arzoumanian pela Parenthèses (1978)
>>> Passo a passos de Ioberto Tatsch Banunas pela Sulina (1997)
>>> A máquina de fazer espanhóis- 2ª ed. de Valter Hugo Mãe pela BIblioteca Azul- Globo (2016)
>>> Memórias 2º volume - A Aliança Liberal e a Revolução de 1930 de João Neves da Fontoura pela Globo (1963)
>>> Sofrimento como lidar? de Adriano Rocha pela Conselho (2014)
>>> Manuscrito revista de Filosofia Volume II No 2 abril 1979 de Gérard Lebrun, Herman Parret, Yuval Lurie e outros pela Unicamp (1979)
>>> Ele ela 71 março 1975 de Diversos autores pela Bloch (1975)
>>> Tex especial de férias 10 de Mythos editora pela Mythos (2011)
>>> Novo Vocabulário Político Volume Um - Hegemonia e Pluralismo de Pedro Claudio Cunca Bocayuva; Sandra Mayrink Veiga pela Fase-Vozes (1992)
>>> Costos sociales de las reformas neoliberales en America Latina de Anita Kon / Catalina Banko / Dorothea Melcher / Maria Cristina pela Miguel Á. Garcia / Venezuela (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> Câes de guerra de Frederick Forsyth pela Circulo do Livro (1974)
>>> Gre-nalzinho é sempre gre-nalzinho de Kalunga pela Maneco (2011)
>>> Receitas Comemorativas de Rede feminina de combate ao cancer pela Do autor (1999)
>>> Sob Pressão de Bruce Hoverd pela Gente (2015)
>>> Ai comprei um bode e um bezerro de Nilton Ferreira pela Kirios (2013)
>>> Casa de vó é sempre domingo de Marina Martinez pela Nova Fronteira (2014)
>>> O mundo de Sofia de Jostein Gaarder pela Jostein Gaarder (1996)
>>> Introdução à psicologia vol. 100 de Ernest R. Hilgard / ///Richard C. Atkinson pela Nacional (1979)
>>> Teologia do Antigo Testamemto de Eugene H. Merriell pela Shedd (2009)
>>> Scientia et Virtus Julho 1956 de Colegio Estadoal Lemos Junior pela Do autor (1956)
>>> La guerra de Matisse de Peter Everett pela Circe (1998)
>>> Compêndio de Teologia Apologética de François Turretine pela Cultura Cristã (2011)
>>> Alergia na infância de Maria Candida Faria Rizzo pela Lemos (2002)
>>> Archivos de la universidad de Buenos Aires año 26 n 1 de Diversos autores pela Meuba (1951)
>>> Anais do Primeiro congresso de câmaras Municipais do estado de São Paulo 1° volume de Diversos autores pela Ibge (1948)
>>> Os filhos da África em Portugal: Antropologia, multiculturalidade e educação (2ªed.) de Neusa Maria Mendes de Gusmão pela Autêntica (2006)
>>> A arte de desenhar Perspectiva 14 de Renato Silva pela Conquista
>>> Almanaque do tchê! de Diversos autores pela Tchê (1984)
>>> Cinderela - coleção fantasminha de Cordélia Dias D'Aguiar pela Ediouro (1975)
>>> Signale der Sinnlichkeit erotik de Wolf Donner pela Whilhelm heyne (1989)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/3/2013
Pieguice ou hipocrisia?
Rosângela Vieira Rocha

+ de 4500 Acessos

A exagerada demonstração de afeto por meio de frases, desenhos, pinturas e exclamações é algo que vem se tornando tão habitual entre nós, que chego a duvidar que o sentimento tão decantado, que parece ter tomado de assalto o país inteiro, seja real e verdadeiramente consistente.

Vejo expressões de afeto, abraços e beijos por toda parte: nas escolas, shoppings, estacionamentos, cinemas, lojas, restaurantes, bares, enfim, é como se uma gigantesca onda sentimental tivesse varrido todos os lugares. Nada contra abraços e beijos, mas quando o público não deixa nenhum lugar para o privado, dá uma sensação de estranheza danada. E quem não quiser ver os detalhes que se vire, pois parece existir uma vitrine geral, onde todos estão em exposição. Encontrar um cantinho mais opaco? Impossível, a ribalta é globalizante.

Nas redes sociais, blogs e sites, é um verdadeiro festival. Os beijos, antes dados no rosto, testa, boca, que sei eu, atravessam agora os limites da pele e da mucosa, e vencendo todos os obstáculos da anatomia humana, dirigem-se diretamente ao coração. Sim, todos os beijos agora são encaminhados para esse maravilhoso e sofrido órgão, que, além de cumprir as importantíssimas e complexas tarefas que lhe foram destinadas, ainda tem de receber, quer queira quer não, uma overdose quase que infinita de beijos. Assim, sem mais nem menos, sem cirurgia nem nada.

Pesado de beijos, quase aos pedaços, o pobre coração ainda é desenhado por toda parte. Antes, ficava inscrito em cascas de árvores, entalhado a canivete pelos apaixonados. No máximo, era enfeite de anel. Agora passou a enfeitar roupas, colares, brincos, bichinhos de pelúcia, bolos, doces, chocolates, chaveiros, uma imensa quantidade de objetos.

O amor, considerado em todas as épocas o mais nobre dos sentimentos, anda perdendo a nobreza, banalizado em frases toscas, desenhos ruins, na boca de personagens mal alinhavados, ou compondo frases cheias de erros, inclusive de ortografia. Só se fala em amor. Será que é amor mesmo?

Gritada e não mais confessada em sussurros à meia-luz, a expressão "eu te amo" vai perdendo o seu conteúdo, a sua significação original, para se transformar quase que em cumprimento, um enfeite, um jeito de dizer "quero te agradar falando isso". Se a expressão se transformasse em verdade cada vez que é repetida, não precisaríamos de mais nada, pois faríamos parte de um mundo pleno, autêntico nirvana, extensão do paraíso na terra.

Os elogios também agora são ditos o tempo todo, com ou sem base real. As redes sociais estampam fotos de filhos, netos, sobrinhos, com o obrigatório comentário do autor da postagem, decantando a beleza dos fotografados. Belos ou não, isso parece não ter a menor importância. "Lindo" passou a ser sinônimo de "meu" (filho, neto ou sobrinho). Todo mundo agora é lindo e não se sabe mais o que isso significa. Lindo não é mais lindo, virou outra coisa.

O mais grave de tudo é a infantilização generalizada que vem ocorrendo. Adultos mandam fotos com flores, estrelas, coraçõezinhos e laços a outros adultos, de preferência cor-de-rosa ou de bolinhas. Tudo me leva a pensar que uma segunda infância anda se instalando por aqui. Todos querem ser crianças, e para isso não se importam de forçar a barra, adotar gostos infantis, falar de ursinhos e assemelhados.

Por falar em animais, é importante registrar um outro fenômeno, provavelmente tão sério quanto o da infantilização das pessoas, que é a "humanização" dos animais domésticos. Se fossem apenas idolatrados, até aí tudo bem, tem gosto pra tudo, mas o que vem ocorrendo parece-me bastante grave, a começar por aqueles que postam nas redes, praticamente todos os dias, fotos de seus cães e gatos de estimação, como se fossem únicos, vindos de outro mundo, os reis da cocada preta. O problema é que, além dos brinquedos que já ganhavam, os cães, sejam machos ou fêmeas, agora vestem roupinhas, capinhas, casaquinhos, xales e não sei mais o quê. Não bastassem as roupas, as cadelas levam laços de fita no pelo e algumas usam até correntes de ouro. Sem contar, é claro, os anéis nas patas.

Além de festas de aniversário, geralmente bastante dispendiosas, os cães costumam ganhar também festas de "casamento", em que a "noiva" é adornada com véu e grinalda. As festas são praticamente idênticas às festas tradicionais de casamento, com direito a música, bolo, bem-casados, champanhe e lembrancinhas para os convidados.

Causa-me espanto ver com que orgulho os donos contabilizam os gastos com essas festas de "casamento". Parece que, quanto maior o custo, maior é o amor que sentem por seus cães. É evidente que cada um gasta o próprio dinheiro como quiser e minha função não é dar lição de moral, longe de mim tal ideia. O que me espanta é ver a inserção de uma cerimônia humana por excelência, inclusive definida pelo Código Civil Brasileiro, no universo dos bichos de estimação.

Um amigo meu, escritor muito perspicaz, me disse que fica morto de vergonha de São Francisco de Assis. Segundo ele, que é devoto do santo, se São Francisco viesse nos fazer uma visita, ficaria estupefato com a maneira como os animais estão sendo tratados. Ou melhor, digo eu, destratados e ridicularizados, pois, ao serem considerados pessoas, são destituídos do que os define, que é sua natureza de bicho. São Francisco protegia os animais e os respeitava como animais, nem sequer lhe passava pela cabeça mudar algo tão elementar.

Mas, para os donos que insistem em agregar complementos usados pelos humanos aos seus animais, ainda que estes sejam supérfluos, como roupas, adereços e festas, os bichos deixam de ser considerados bichos, mudam de status, pois passam a ser "extensões" de quem os cria, espelhos nos quais estes se veem. Quem não tem filho, cria cachorro ou gato como gente. Quem tem, por vezes cria também. E estamos conversados.

Os casos da banalização dos sentimentos, da infantilização das pessoas e da "humanização" dos animais domésticos foram escolhidos por serem emblemáticos da sociedade em que vivemos. Aparentar sentir tornou-se mais importante do que sentir de verdade, fingir que é criança é preferível a assumir-se como adulto, e brincar de casinha com animais, como se estes fossem amiguinhos humanos ou meros bonecos, completa o quadro "paradisíaco" da falta de compromisso e da breguice. Aí sim, fica tudo azul, azul até demais, como na canção popular. E, claro, com as indispensáveis e pavorosas bolinhas cor-de-rosa.


Rosângela Vieira Rocha
Brasília, 28/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto de Jardel Dias Cavalcanti
02. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
03. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes
04. Quando amor e terra quase se confundem de Elisa Andrade Buzzo
05. O ato de criação no texto dos artistas (Parte I) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rosângela Vieira Rocha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PREDESTINADOS
JOSEPHINE ANGELINI; ANA DANTAS
INTRINSECA
(2012)
R$ 12,00



STUDI SULLA VOCAZIONE
E. VALENTINI
SOCIETA EDITRICE
(1953)
R$ 78,20



A PROTEÇÃO DO DIREITO A PRIVACIDADE FAMILIAR NA INTERNET
IRMA PEREIRA MACEIRA
LUMEN JURIS
(2015)
R$ 50,00



OS MISTÉRIOS EGÍPCIOS
ARTHUR VERSLUIS
CIRCULO DO LIVRO
(1994)
R$ 20,00



A DICTIONARY OF FOREIGN WORDS E PHRASES IN CURRENT ENGLISH
ALAN BLISS
ROUTLEDGE & KEGAN PAUL
(1987)
R$ 46,28



AS PUPILAS DO SENHOR REITOR - CRÔNICA DA ALDEIA
JÚLIO DINIS
CULTRIX
(1971)
R$ 8,46



O FANTASMA TRAVESTI
SYLVIA ORTHOF
ESPAÇO E TEMPO
(1988)
R$ 20,00



COMUNIQUE-SE! COMUNÍQUESE!
MÔNICA GIGLIO ARMANDO E SAMANTHA DA ROCHA CONCEIÇÃ
STS
(1999)
R$ 5,00



REVISTA DE LINGUA PORTUGUESA, Nº 16
LAUDELINO FREIRE
NÃO INFORMADO
(1922)
R$ 22,33



CRIANDO MENINOS
STEVE BIDDULPH
FUNDAMENTO
(2002)
R$ 27,00





busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês