Pynchon Contra o Dia | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Plágio
>>> O filho eterno e seus prêmios literários
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> Espírito de porco
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nine Eleven
>>> E a bomba caiu!
Mais Recentes
>>> Viagem ao Centro do Computador de Edith Modesto pela Ática (2000)
>>> A Rosa de Sarajevo de Margaret Mazzantini pela Companhia das Letras (2011)
>>> Um Pedaço de TI de Patricia Bittencourt pela Ledriprint (2017)
>>> Bala XXI - Casos, Crônicas, Piadas e Contos de Augusto José Vieira Neto pela Mandamentos (2000)
>>> Filhos Especiais Para Pessoas Especiais - O Milagre do Dia-a-dia de Neusa Maria pela Paulinas (2010)
>>> Pensées Étranglées de E. M. Cioran pela Gallimard (2014)
>>> Le Voyageur et son Ombre de F. NNietzsche pela Denoel (1979)
>>> Colder than Ice de David Patneaude pela Albert Whitman & Company (2003)
>>> Misericordiae Vultus / O Rosto da Misericórdia de Papa Francisco pela Paulinas (2015)
>>> Manual do Agricultor Brasileiro de Carlos Augusto Taunay pela Companhia das Letras (2001)
>>> O Ingenuo de Voltaire pela Dcl (2013)
>>> O Evangelho Segundo O Espiritismo de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Princesa de Babilonia de Voltaire pela Dcl (2013)
>>> A Campanha Abolicionista de Jose do Patrocinio pela Dcl (2013)
>>> Zollinger - Atlas de Cirurgia de E. Christopher Ellison, Robert M. Zollinger pela Guanabara Koogan; (2017)
>>> O Hobbit: A batalha dos cinco exercítos : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2014)
>>> Radiografia da Alma de Pe. Hewaldo Trevisan pela Planeta (2010)
>>> Convênios e outros instrumentos de "Administração Consensual"na Gestão Pública do século XXI - Restrições em Ano Eleitoral de Jessé Torres Pereira Junior e Marinês Restelatto Dotti pela Fórum (2010)
>>> Estalos e Rabiscos - Mãos à Obra Literária de Walter Galvani pela Novaprova (2011)
>>> Distrito Federal Paisagem, População e Poder de Marília Peluso e Washington Candido pela Harbra (2006)
>>> Parto de Mim de Vera Pinheiro pela Pallotti (2005)
>>> Deuses americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> A Ilha dos Prazeres de André Rangel Rios pela Uapê (1996)
>>> A pequena pianista de Jane Hawking pela Única (2017)
>>> Tradição e Novidade na Ciência da Linguagem de Eugenio Coseriu pela Presença- Usp (1980)
>>> Jovens Sem-Terra - Identidade em movimento de Maria Teresa Castelo Branco pela Ufpr (2003)
>>> Os Segredos das Mulheres Inteligentes de Julia Sokol e Steven Carter pela Sextante (2010)
>>> Lettres et Maximes de Épicure pela Librio (2015)
>>> Um Mundo a Construir de Marta Harnecker pela Expressão Popular (2018)
>>> Da RegenciaÀ Queda de Rozas (Rosas)/ Encadernado de Pandiá Calógeras pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Psicoterapia y Relaciones Humanas de Carl Rogers e G. Marian Kinget pela Alfaguarra (1971)
>>> O Vinho no Gerúndio de Júlio Anselmo de Sousa Neto pela Gutenberg (2004)
>>> Michel Foucault, Filosofia e Biopolítica de Guilherme Castelo Branco pela Autêntica (2015)
>>> Vidas Provisórias de Edney Silvestre pela Intrínseca (2013)
>>> Introdução À Arqueologia Brasileira: Etnografia e História de Angyone Costa pela Cia. Ed. Nacional (1938)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Viñas, Bodegas & Vinos de Argentina de Austral Spectator pela Austral Spectator (2007)
>>> Alexandre, o Conquistador de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> A Fiandeira de Ouro de Sonia Junqueira pela Positivo (2008)
>>> Feudalismo de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> Alfabeto de Histórias de Gilles Eduar pela Ática (2008)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> Marketing Nas Empresas Brasileiras: Organização de Vendas de Joaquim Carlos da Silva pela Record/ RJ.
>>> Dicionário da Língua Portuguesa de Malthus Oliveira de Queiroz pela Sucesso (2014)
>>> Salgueiro 50 Anos de Glória de Haroldo Costa pela Record (2003)
>>> Mitologia Grega de Pierre Grimal pela L&PM (2009)
>>> Além do Bem e do Mal de F. Nietzsche pela Escala (2005)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/4/2013
Pynchon Contra o Dia
Luiz Rebinski Junior

+ de 6500 Acessos

Escrever sobre um livro Thomas Pynchon parece uma tarefa tão perigosa quanto as dinamites certeiras que Webb Traverse, um dos muitos personagens de Contra o Dia, costumava explodir nas fuças dos capitalistas donos de minas no final do século XIX no Colorado. Isso porque para um leitor menos afeito a jogos narrativos - o que não é nenhum pecado, há muitos livros assim enfadonhos - o penúltimo romance do escritor americano (o mais recente lançado em tradução por aqui) pode ser mesmo igual a uma torradeira, como comparou a revista Time. É um pouco ridículo - e até cruel - pensar que certos livros são apenas para certos públicos. Mas, dado o fanatismo de Pynchon por tramas intrincadas e referências obscuras, em narrativas gigantescas, seus livros se tornam restritos a um público ávido por esse cardápio. E esse é o outro lado da moeda: os leitores do escritor costumam gostar de tudo que o autor escreve, até mesmo daquilo que não entendem - principalmente disso, diria.

E Contra o Dia tem muita coisa para não entender. Ao mote aparentemente simples, Pynchon enxerta diversas tramas cabulosas, em que bota no papel suas mais desvairadas alucinações. Mas o eixo central do livro é bem careta, por sinal, e remonta aos gastos romances policiais. Webb Traverse é um mineiro anarquista que, por hobby e convicção, costuma sabotar empreendimentos capitalistas. Seu material de trabalho são bananas de dinamite. Webb, depois de barbarizar em diversas minas, é morto por dois pistoleiros contratados por Sacardale Vibe, o maior ricaço do pedaço, que tem negócios no mundo todo. Os responsáveis por vingar a morte de Webb são seus três filhos, Kit, Frank e Reef. E é isso. A espinha dorsal de Contra o Dia é essa. Tudo que é narrado entre essa trama é molho no sanduichão.

Há um grupo de aventureiros chamado Amigos do Acaso que, como o nome sugere, embarcam em missões que surgem misteriosamente. Trabalham para um Escritório Nacional que, sem dizer a finalidade, designa missões malucas aos Amigos, que viajam em um dirigível chamado Inconveniência e têm como tripulante um cachorro que lê Henry James. Entre outras aventuras, acompanham os primeiros experimentos com fotografia e luz elétrica. Em alguma altura do romance, os Amigos do Acaso, que aparentemente não têm nada a ver com a trama do livro, vão encontrar personagens da história que realmente importa. É como se Pynchon escondesse a cereja no fundo de um pote de chantily. Quem não tiver disposição pra cavar, não come a frutinha. Mas, ainda que um pouco enfadonhas, as narrativas paralelas são interessantes. Pynchon pode ser um grande charlatão, não entender nada sobre física, química, eletroquímica e engenharia, mas engana muitíssimo bem. Seus personagens discorrem sobre matérias científicas que, para um leigo, realmente não dá para saber se aquilo é real ou uma grande embromação - se é verídico, consistente, Pynchon certamente é o escritor contemporâneo que mais entende de ciência. Bem, mas se isso acontece, é porque Pynchon fez aquilo que todo leitor espera de um grande escritor: ser enganado.

Sobre o encontro de um dos Traverse com um grupo de cientistas que analisava o funcionamento de uma nova arma, Pynchon escreve que "tentando entender de algum modo os princípios de funcionamento daquela arma que subitamente se tornara desejável, o simpático comerciante da morte parolava num bistrô osbcuro com um punhado de Quaternionistas, entre eles Barry Nebulay, o dr. V. Ganesh Rao, naquele dia metamorfoseado num negro americano, e Umeki Tsurigane, que vinha acompanhada de Kit, cada vez mais fascinado por aquela uva nipônica". Bem, com uma rápida pesquisa descobre-se que os quaternionistas formam uma corrente de matemáticos, mas e o Ganesh metamorfoseado em um negro americano? É preciso entrar no jogo. Taí outra estratégia do senhor Pynchon: fundir informações verídicas, fatos históricos, a pirações de alto grau. Assim, um dos Traverse, Frank, que vai matar um dos assassinos de seu pai, luta na Revolução Mexicana antes de embarcar para Veneza, onde planeja um atentado contra Vibe.

Mas, quando tudo parece caminhar para uma narrativa linear, Pynchon bagunça o coreto e dá início a uma digressão em que Kit embarca em um transatlântico que, a certa altura, cai em uma realidade paralela, em que as situações mais bizarras acontecem.

E, no meio de tudo isso, aos poucos, os personagens vão se encontrando. Reef, por exemplo, foi colega de faculdade do filho de Vibe e em determinado momento da narrativa vai para na Sibéria, depois para algum lugar da Ásia, onde trava contato com obscuros povos até encontrar alguns Amigos do Acaso. Paralelamente às viagens mais pesadas da narrativa, Pynchon vai mostrando que é bom no romance de suspense/policial. A filha problemática de Weeb se apaixona e casa com Kindred, um dos assassinos do próprio pai. Foge e é deserdada pela mãe, que se isola em uma pequena cidade, onde ganha a vida vendendo sorvete. Lake, a filha traíra, acaba virando escrava sexual de Kindred e Slot, os dois matadores de seu pai, e, em um acesso de raiva, mata o marido.

Mas, como acontece com uma banda brasileira de homens de barba hirsuta, quem geralmente estraga a brincadeira do senhor Pynchon são seus fãs. Só um paranoico como o detetive Doc Sportello, o hippie de Vício inerente, anotaria as referências mais obscuras de um livro de mais de mil páginas e tentaria cruzá-las com informações ainda mais herméticas que aparecem centenas de páginas depois. Pois há, acreditem, pessoas que levam a sério piadas. O senhor Pynchon, além de habilidoso escritor, é um grande piadista, que deve se deleitar ao escrever as mais longas peças humorísticas que se tem notícia da literatura mundial. E morrer de rir dos aficionados que tentam desvendar algo que não é para ser desvendado, apenas apreciado, como uma bela garrafa de vinho. Digerir o senhor Pynchon, portanto, é mais saudável sem orientação de especialista.

Algumas obsessões de Pynchon voltam a carga em Contra o Dia, como o período do entreguerras (a Primeira, neste caso), os temas científicos, a desorientação do homem contemporâneo e os longos fluxos de consciência de seus personagens - em Contra o Dia Frank conversa com o pai morto em diversos trechos do livro.

Então, caso você seja um daqueles leitores que sente falta de romances parrudos, com muitas tramas, mas que não seja uma peça literária do século XIX, Contra o Dia é o livro certo. Pynchon une o grande romance muralista ao modernismo pós-Ulysses. Como se Joyce e Dostoiévski se fundissem em uma mesma persona literária. Ainda que em muitos momentos tortuosa, a leitura de Pynchon é compensadora. Logo após a leitura do senhor Pynchon, catei da cabeceira um finório exemplar de Snuff, romance do escritor Chuck Palahniuk, que ficou tão humilhado diante do senhor Pynchon quanto aqueles caras que buscavam apoio psicológico em Clube da Luta. A comparação é cruel, mas uma boa medida para perceber o fosso que separa o senhor Pynchon da maioria dos escritores contemporâneos.

Neste período mediocrizante que vivemos, em que o discurso coletivo clama pelo fim da arte singular, utilizando como bengala o fim das vanguardas (há tanto tempo, hein?), Pynchon mostra que ainda é possível transgredir, mesmo correndo o risco da incompreensão. O que, para um artista tão bem-humorado quanto ele, não deve ser um problema.

Para ir além


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 25/4/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio
02. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos
03. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos de Humberto Pereira da Silva
04. HQs sombrias, anjos e demônios de Carla Ceres
05. Anzol de pescar infernos, de Ana Elisa Ribeiro de Wellington Machado


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
04. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
05. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ARQUIVOS DO NORTE
MARGUERITE YOURCENAR
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 20,00
+ frete grátis



CORPO NOVO, VIDA NOVA
FERNANDA THEDIM
CASA DA PALAVRA
(2013)
R$ 10,00



MUITAS VOZES - POEMAS
FERREIRA GULLAR
JOSÉ OLYMPIO
(1999)
R$ 12,00



SPACE AND ETERNAL LIFE: A DIALOGE BETWEEN CHANDRA WICKRAMASINGHE
DAISAKU IKEDA, CHANDRA WICKRAMASINGHE
JOURNEYMAN PRESS (LONDRES)
(1998)
R$ 51,82



OBESIDADE E SOFRIMENTO PSÍQUICO
PATRICIA VIEIRA SPADA
UNIFESP
(2009)
R$ 35,00



QUANDO TUDO VOLTA
JOHN COREY WHALLEY
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 17,00



AS ALIANÇAS
LÊDO IVO
GRUPO ACHÉ
(1947)
R$ 8,00



SHORTER OXFORD TEXTOOK OF PSYCHIATRY - FIFTH EDITION
PHILIP COWEN.. PAUL HARRISON.. TOM BURNS
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2006)
R$ 360,00



NUEVO CHICOS CHICAS NIVEL 3 LIBRO DEL PROFESOR + CD.
MARÍA ÁNGELES PALOMINO
EDELSA
(2008)
R$ 90,00



MEDIAÇÃO JUDICIAL: DISCURSOS E PRÁTICAS
KLEVER PAULO LEAL FILPO (EDIÇÃO 2016)
MAUAD
(2016)
R$ 49,82





busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês