Redes e protestos: paradoxos e incertezas | Guilherme Mendes Pereira | Digestivo Cultural

busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
Mais Recentes
>>> O Néctar da Devoção - a Ciência Completa da Bhakti-yoga de A C Bhaktivedanta Swami Prabhupáda pela The Bhaktivedanta Book Trust (1995)
>>> 3333 Pontos Riscados e Cantados - Volume 1 de Pallas pela Pallas (2008)
>>> 3333 Pontos Riscados e Cantados de Pallas pela Pallas (2011)
>>> As Chaves do Inconsciente de Renate Jost de Moraes pela Agir (1985)
>>> Mapas Mentais e Memorização para Provas e Concursos de Felipe Lima e William Douglas pela Impetus (2010)
>>> Yes, Nós Temos Bananas - Histórias e Receitas Com Biomassa de Banana de Heloisa de Freitas Valle Marcia Camargos pela Senac (2003)
>>> Técnicas de Redação para Concursos Teoria e Questões de Lilian Furtado/vinicius Carvalho Pereira pela Método Ltda. (2013)
>>> A Magia do Caminho Real de Anna Sharp pela Rocco (1993)
>>> Krsna - a Suprema Personalidade de Deus de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada pela The Bhaktivedanta Book Trust (2006)
>>> Relâmpagos com Claror - Lygia Clark e Helio Oiticica, vida como arte de Beatriz Scigliano Carneiro pela Imaginária (2004)
>>> Introduçao a Estilistica de Nilce Santanna Martins pela Tao (1997)
>>> Filosofia Concreta - Tomo 2 de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1961)
>>> Psicologia de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1963)
>>> Noologia Geral de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1961)
>>> Teoria da Pena e Execução penal - Uma Introdução Crítica de Massimo Pavarino; André Giamberardino pela Lumen Juris (2011)
>>> O Homem Perante o Infinito de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1963)
>>> Manual de Heráldica Portuguesa de Armando de Mattos pela Livraria Fernando Machado
>>> Pitágoras e o Tema do Número de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1960)
>>> Ontologia e Cosmologia de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1964)
>>> Filosofia Concreta dos Valores de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1964)
>>> Amazonas: águas, pássaros, seres e milagres de Thiago de Mello pela Salamandra (1998)
>>> A Bíblia e a Homeopatia de Carlos R. D. Brunini e Ezequiel P. Viriato pela Robe (2003)
>>> Princípios de Biologia do Desenvolvimento de Lewis Wolpert / Rosa Beddington / outros pela Artmed (2000)
>>> Nova Floresta - 5 Volumes de Padre Manuel Bernardes pela Lello e Irmão
>>> Amizade e Estética da Existência em Foucault de Francisco ortega pela Graal (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/8/2013
Redes e protestos: paradoxos e incertezas
Guilherme Mendes Pereira

+ de 3100 Acessos

Ciberativismo e redes sociais são coisas que viraram moda e parecem ter caído na vala da banalização do espetacular.

Hoje, experenciando o viver digital e a vertiginosa possibilidade de alcance de uma "democracia de fato", fala-se do ativismo de cadeira e do anseio mágico de poder intervir de forma revoluvionária em factualidades por intermédio de comandos confortavelmente acionados via interfaces homem-máquina amigáveis, que desencadeariam soluções concatenadas de forma quase que autorregulada. Vide petições on-line que circulam diariamente e invadem nossas caixas de entrada de e-mails, prometendo mudanças pontuais a partir do preenchimento de formulários e da coleta de um montante mínimo de assinaturas; ou conforme ações propagandisticamente sedutoras, como vídeos no YouTube ou na timeline do Facebook que convidam ao compartilhamento de informações ou à realização de doações via rede em prol de soluções quase que "auto-realizáveis". O ato de participar dessas ações "ativistas" parece incutir assim em seus adeptos a sensação de ter feito algo "moralmente correto" ou "útil à humanidade" com o mínimo de esforço comum.

Na contramão dessas proposições miraculosas e da ingenuidade de alguns "ativistas on-line", muitos grupos ciberativistas têm demonstrado que as práticas de cidadania através do ciberespaço podem ser fenômenos sociais bem mais complexos. Essas ações ciberativistas — leia-se manifestações contra-hegemônicas — e jogos sociopolíticos têm sido travadas no plano discursivo, e tendo como suporte principal as redes sociais on-line, o que tem propiciado uma aparente "redemocratização da participação política".

Os movimentos contra o neocapitalismo na década de 1990 e a rede Independent Media Center (Indymediad); o Movimento Zapatista; a rede Wikileaks; os movimentos sociais e políticos da Primavera Árabe; o hacktivismo anarquista dos grupos Anonymous e LulzSec; o movimento Occupy; as intervenções videoativistas do grupo feminista Pussy Riot; e os recentes protestos que insurgiram no Brasil, na segunda metade de 2013, são mostras da crença no poder das redes on-line e da força do coletivo engendrada através dos aparatos cibernéticos no que tange a práticas ativistas. Em alguns dessas causas o ciberativismo pareceu servir como meio para estabelecimento de elos e o agendamento de protestos nas ruas. Em outras o espectro de ações ficou circunscrito principalmente a atuação no ciberespaço. Todos esses movimentos, bastante diversos em causas, ações e objetivos, tomaram proporções mundiais via grupos descentralizados — conectados através de redes telemáticas — e também pela cobertura de suas ações off-line pelas mídias de massa tracionais.

Em Enemy of state?, episódio da série documentário da British Broadcasting Corporation (BBC), intitulada The virtual Revolution, pontuou-se que agora, através das redes telemáticas, temos a oportunidade de usar o poder da comunicação e da informação para inspirar resistência e fomentar o desenvolvimento massivo da consciência política. Novas estratégias de ação são assim possíveis. Com a internet, a organização de grupos pode acontecer além da jurisdição de um país, e, desse modo, torna-se possível, aparentemente, operar contra a centralização política e de poder. Todavia, conforme se argumentou no referido documentário, a apropriação do ciberespaço para propósitos contra-hegemônicos é de certa forma paradoxal, tendo em vista que a internet foi criada com finalidades de militarização e de controle político.

No início da década de 1960, período da guerra fria, momento no qual pairava uma constante tensão principalmente entre a então União Soviética e os Estados Unidos em função do poderio militar nuclear descomunal desses estados e da possibilidade de um holocausto mundial, cientistas estadunidenses desenvolveram o programa financiado pelo exército que ficou conhecido como Advanced Research Projects Agency Network (ARPANET). O ARPANET foi precursor na criação de redes operacionais para trocas informacionais. Inicialmente conectava universidades por intermédio de uma rede baseada em protocolos tecnológicos. O fundamento desse projeto de comunicação era que um sistema descentralizado serveria como uma medida de segurança. Em um sistema centralizado, quando a base é destruída tudo rui. Já em um sistema complexo e difuso, com várias centrais, o aniquilamento de uma destas pouco afetaria no funcionamento do todo.

Nas décadas seguintes a sua criação o projeto foi sendo complexificado e aperfeiçoado. Por volta de 1990 foi elaborado o primeiro web browser que tornou mais sofistificados os protocolos e softwares de compartilhamento via internet, popularizando e facilitando o acesso à informação e às redes. O ARPANET inicialmente conectava algumas universidades dos Estados Unidos, hoje a internet conecta cerca de 25% da população mundial, segundo dados apresentados no documentário Enemy of state?. De um projeto científico científico e militar, o ARPANET acabou servindo como base para o desenvolvimento de sistemas de comunicação, informação, econômicos, de controle político e de entretenimento mais amplos e intrincados. Nesse interim, alguns grupos conseguiram subverter as ferramentas cibernéticas e propostas iniciais de uso dessas máquinas, e, assim, passaram a poder operar de forma alheia a regulações governamentais, transgredindo-as. Um exemplo atual é a rede Wikileaks, por meio da qual anônimos — que mantém seus próprios servidores em localizações secretas, e se valem de um tipo de encriptação para se protegerem — conseguem obter informações confidenciais sobre organizações e governos, e publicá-las abertamente na internet, em uma tentativa — utópica — de democratizar a informação e oportunizar a fiscalização popular de ações dos estados.

O mundo pré-internet, politicamente regulado por legislações pétreas, burocracias morosas e servidores públicos, muitas vezes, ineficientes, parece estar sendo gradualmente fagocitado por um mundo ansioso e impaciente, um mundo de micro-ações diretas e heterogêneas, no qual as políticas governamentais ortodoxas parecem estar se tornado obsoletas, pois as pessoas podem — em tese — ultrapassá-las de forma mais rápida e — espera-se — mais eficiente. Nesse cenário, onde autoridades e políticos não conseguem mais representar os ensejos cada vez mais plurais, dinâmicos e incertos dos cidadãos comuns, parece crescer a busca por novos fóruns, meios para expressar publicamente reinvindicações e anseios, alheios a amarras político-ideológicas. Talvez esse seja um dos motivos do sucesso massivo das redes sociais da internet e de muitas ações ciberativistas que tem surgido através delas.

Assim sendo, inseridos forçosamente no contexto das redes, esse turbilhão caótico de paradoxos e potencializador de incertezas, lançamos aqui mais um dilema, com o intuito de atiçar a reflexão e o pensamento crítico dos ciberleitores: seria o ciberativismo uma maneira mais eficiente para posicionar-se de forma contra-hegêmonica na esfera política, para se exercer a cidadania e para se conquistar formas de gestão pública mais éticas, democráticas e eficientes de fato? Ou — considerando que o ciberativismo prima pela capilarização do poder político, e, para tal, proporciona uma ágora na qual todos podem participar e parecem querer opinar —, seria o ativismo cibermediado um promotor do anarquismo social e de uma cacofonia de discursos que acaba por gerar mais confusão e desinformação?


Guilherme Mendes Pereira
Pelotas, 2/8/2013


Mais Guilherme Mendes Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Introdução à História das Idéias Econômicas
R L Heiçbroner
Zahar
(1969)



A Orquidea Tatuada e Outras Viagens
Pedro Veludo
Arte Final
(2011)



Vença o Desânimo
Lewis E. Losoncy
circulo do livro



Adestramento e Cuidados para Seu Cão
Desconhecido
Escala



O Cirio Perfeito
Pedro Nava
Nova Fronteira
(1983)



Gato Zen, O: um Livro para Meditar e Colorir
Jean-vincent Sénac
Publifolha
(2015)



O Bale Quebra-nós
Carlos Eduardo Novaes
Circulo do Livro
(1979)



O Segredo da Lua
Yedda Pereira dos Santos
Heresis
(2007)



Inocência
Visconde de Taunay
Atica
(2006)



O Ateneu
Raul Pompéia
Scipione
(2010)





busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês