Redes e protestos: paradoxos e incertezas | Guilherme Mendes Pereira | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Os caminhos de Mandela de Richard Stengel pela Principium (2013)
>>> Vencer a Crise - Lições para superar as dificuldades financeiras de Herbert Kimura pela Do Autor (2019)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das Letras (2009)
>>> Resistência de Agnes Humbert pela Nova fronteira (2008)
>>> Questões do Coração de Emily Giffin pela Novo Conceito (2011)
>>> Elimine a Sua Energia Negativa - Com Fé ou sem Fé, acreditando ou Não de Kika Miranda pela Corus (2006)
>>> O Mar de John Banville pela Nova Fronteira (2007)
>>> The golden of morocco--english edition--160 colour illustrations. de Bonechi pela Bonechi (1998)
>>> Pedraria e bijurerias extra--mais de 260 fotos. de Escala pela Escala
>>> Marley e Eu A vida e o amor ao lado do pior cão do mundo de John Grogan pela Prestígio (2006)
>>> Maria na terra de meus olhos de Oscar Araripe pela Rocco (1975)
>>> A Bruxa de Portobello de Paulo Coelho pela Planeta (2006)
>>> Descartes - Biblioteca de Filosofia de Pierre Guenancia pela Zahar (1991)
>>> A Fada e o Bruxo As Crônicas de Ivi de F Medina pela Hamelin (2012)
>>> Para Sempre Contigo de Evanice Maria Pereira pela Petit (2012)
>>> Globo Rural--Ele faz a terra dar de tudo de Editora globo pela Globo (1989)
>>> O Milagre da Manhã com Deus de Padre Reginaldo Manzotti pela Petra (2018)
>>> Globo rural--107--flores/especial--explosao no ar. de Editora globo pela Globo (1994)
>>> Cuidar & ser Cuidado de Lluis Segarra pela Cultor de Livros (2019)
>>> O Poder da Mulher que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (2003)
>>> Pesquisa Princípio Científico e Educativo de Pedro Demo pela Cortez (1996)
>>> O Maravilhoso Mágico de Oz de L Frank Baum pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de James M Barrie pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Pinóquio de Carlo Collodi pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Globo rural--39--descoberto um tesouro:a mandioca. de Editora globo pela Globo (1989)
>>> Galerie des offices--guide officiel toutes les ceuvres. de Gloria fossi pela Giunti (2004)
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/8/2013
Redes e protestos: paradoxos e incertezas
Guilherme Mendes Pereira

+ de 2300 Acessos

Ciberativismo e redes sociais são coisas que viraram moda e parecem ter caído na vala da banalização do espetacular.

Hoje, experenciando o viver digital e a vertiginosa possibilidade de alcance de uma "democracia de fato", fala-se do ativismo de cadeira e do anseio mágico de poder intervir de forma revoluvionária em factualidades por intermédio de comandos confortavelmente acionados via interfaces homem-máquina amigáveis, que desencadeariam soluções concatenadas de forma quase que autorregulada. Vide petições on-line que circulam diariamente e invadem nossas caixas de entrada de e-mails, prometendo mudanças pontuais a partir do preenchimento de formulários e da coleta de um montante mínimo de assinaturas; ou conforme ações propagandisticamente sedutoras, como vídeos no YouTube ou na timeline do Facebook que convidam ao compartilhamento de informações ou à realização de doações via rede em prol de soluções quase que "auto-realizáveis". O ato de participar dessas ações "ativistas" parece incutir assim em seus adeptos a sensação de ter feito algo "moralmente correto" ou "útil à humanidade" com o mínimo de esforço comum.

Na contramão dessas proposições miraculosas e da ingenuidade de alguns "ativistas on-line", muitos grupos ciberativistas têm demonstrado que as práticas de cidadania através do ciberespaço podem ser fenômenos sociais bem mais complexos. Essas ações ciberativistas — leia-se manifestações contra-hegemônicas — e jogos sociopolíticos têm sido travadas no plano discursivo, e tendo como suporte principal as redes sociais on-line, o que tem propiciado uma aparente "redemocratização da participação política".

Os movimentos contra o neocapitalismo na década de 1990 e a rede Independent Media Center (Indymediad); o Movimento Zapatista; a rede Wikileaks; os movimentos sociais e políticos da Primavera Árabe; o hacktivismo anarquista dos grupos Anonymous e LulzSec; o movimento Occupy; as intervenções videoativistas do grupo feminista Pussy Riot; e os recentes protestos que insurgiram no Brasil, na segunda metade de 2013, são mostras da crença no poder das redes on-line e da força do coletivo engendrada através dos aparatos cibernéticos no que tange a práticas ativistas. Em alguns dessas causas o ciberativismo pareceu servir como meio para estabelecimento de elos e o agendamento de protestos nas ruas. Em outras o espectro de ações ficou circunscrito principalmente a atuação no ciberespaço. Todos esses movimentos, bastante diversos em causas, ações e objetivos, tomaram proporções mundiais via grupos descentralizados — conectados através de redes telemáticas — e também pela cobertura de suas ações off-line pelas mídias de massa tracionais.

Em Enemy of state?, episódio da série documentário da British Broadcasting Corporation (BBC), intitulada The virtual Revolution, pontuou-se que agora, através das redes telemáticas, temos a oportunidade de usar o poder da comunicação e da informação para inspirar resistência e fomentar o desenvolvimento massivo da consciência política. Novas estratégias de ação são assim possíveis. Com a internet, a organização de grupos pode acontecer além da jurisdição de um país, e, desse modo, torna-se possível, aparentemente, operar contra a centralização política e de poder. Todavia, conforme se argumentou no referido documentário, a apropriação do ciberespaço para propósitos contra-hegemônicos é de certa forma paradoxal, tendo em vista que a internet foi criada com finalidades de militarização e de controle político.

No início da década de 1960, período da guerra fria, momento no qual pairava uma constante tensão principalmente entre a então União Soviética e os Estados Unidos em função do poderio militar nuclear descomunal desses estados e da possibilidade de um holocausto mundial, cientistas estadunidenses desenvolveram o programa financiado pelo exército que ficou conhecido como Advanced Research Projects Agency Network (ARPANET). O ARPANET foi precursor na criação de redes operacionais para trocas informacionais. Inicialmente conectava universidades por intermédio de uma rede baseada em protocolos tecnológicos. O fundamento desse projeto de comunicação era que um sistema descentralizado serveria como uma medida de segurança. Em um sistema centralizado, quando a base é destruída tudo rui. Já em um sistema complexo e difuso, com várias centrais, o aniquilamento de uma destas pouco afetaria no funcionamento do todo.

Nas décadas seguintes a sua criação o projeto foi sendo complexificado e aperfeiçoado. Por volta de 1990 foi elaborado o primeiro web browser que tornou mais sofistificados os protocolos e softwares de compartilhamento via internet, popularizando e facilitando o acesso à informação e às redes. O ARPANET inicialmente conectava algumas universidades dos Estados Unidos, hoje a internet conecta cerca de 25% da população mundial, segundo dados apresentados no documentário Enemy of state?. De um projeto científico científico e militar, o ARPANET acabou servindo como base para o desenvolvimento de sistemas de comunicação, informação, econômicos, de controle político e de entretenimento mais amplos e intrincados. Nesse interim, alguns grupos conseguiram subverter as ferramentas cibernéticas e propostas iniciais de uso dessas máquinas, e, assim, passaram a poder operar de forma alheia a regulações governamentais, transgredindo-as. Um exemplo atual é a rede Wikileaks, por meio da qual anônimos — que mantém seus próprios servidores em localizações secretas, e se valem de um tipo de encriptação para se protegerem — conseguem obter informações confidenciais sobre organizações e governos, e publicá-las abertamente na internet, em uma tentativa — utópica — de democratizar a informação e oportunizar a fiscalização popular de ações dos estados.

O mundo pré-internet, politicamente regulado por legislações pétreas, burocracias morosas e servidores públicos, muitas vezes, ineficientes, parece estar sendo gradualmente fagocitado por um mundo ansioso e impaciente, um mundo de micro-ações diretas e heterogêneas, no qual as políticas governamentais ortodoxas parecem estar se tornado obsoletas, pois as pessoas podem — em tese — ultrapassá-las de forma mais rápida e — espera-se — mais eficiente. Nesse cenário, onde autoridades e políticos não conseguem mais representar os ensejos cada vez mais plurais, dinâmicos e incertos dos cidadãos comuns, parece crescer a busca por novos fóruns, meios para expressar publicamente reinvindicações e anseios, alheios a amarras político-ideológicas. Talvez esse seja um dos motivos do sucesso massivo das redes sociais da internet e de muitas ações ciberativistas que tem surgido através delas.

Assim sendo, inseridos forçosamente no contexto das redes, esse turbilhão caótico de paradoxos e potencializador de incertezas, lançamos aqui mais um dilema, com o intuito de atiçar a reflexão e o pensamento crítico dos ciberleitores: seria o ciberativismo uma maneira mais eficiente para posicionar-se de forma contra-hegêmonica na esfera política, para se exercer a cidadania e para se conquistar formas de gestão pública mais éticas, democráticas e eficientes de fato? Ou — considerando que o ciberativismo prima pela capilarização do poder político, e, para tal, proporciona uma ágora na qual todos podem participar e parecem querer opinar —, seria o ativismo cibermediado um promotor do anarquismo social e de uma cacofonia de discursos que acaba por gerar mais confusão e desinformação?


Guilherme Mendes Pereira
Pelotas, 2/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cony: o existencialista, agora, octogenário de Jonas Lopes
02. A vingança alternativa de Eduardo Carvalho


Mais Guilherme Mendes Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REINVENTANDO A SI MESMO LUIZ CALAINHO
LUIZ CALAINHO
AGIR
(2013)
R$ 12,00



AS GEORGICAS
CLAUDE SOMON
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 16,00
+ frete grátis



VOLTA ÀS AULAS!
COLIN THIBERT E VÉRONIQUE BOIRY
SCIPIONE
(1995)
R$ 6,99



GEOLOGIC STRUCTURES
BAILEY WILLIS E ROBIN WILLIS
MCGRAW-HILL
(1934)
R$ 49,16



ARMAS DA INFANTARIA 7
JOHN WEEKS
RENES
(1974)
R$ 6,90



A FILOSOFIA ATRAVÉS DOS TEXTOS
ALEXANDRE CABALLERO - VÁRIOS AUTORES
CULTRIX
R$ 6,50



UM CASO SECRETO DE AMOR
BARBARA TAYLOR BRADFORD
RECORD
(1997)
R$ 6,90



NAZISTAS ENTRE NÓS: A TRAJETÓRIA DOS OFICIAIS DE HITLER .. - 1ª EDIÇÃO
MARCOS GUTERMAN
CONTEXTO
(2016)
R$ 35,95



VEJA 2373 - OS SUPERPODERES DA LEITURA
VARIOS AUTORES
ABRIL
(2014)
R$ 8,00



A TRANSFIGURAÇÃO
YVES MABIN CHENNEVIÉRE
MANDARIM
(1997)
R$ 12,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês