As ruas não estão pintadas. E daí? | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
74393 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
>>> São Paulo recebe exposição ‘À Meia Luz Na Pele’ em dois pontos da capital
>>> Santander instala painel eletrônico em prédio para levar arte ao centro de São Paulo
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A noite antes da floresta
>>> 3 de Julho #digestivo10anos
>>> Apple, Lotus e Microsoft
>>> Projeto Itália ― Parte I
>>> Tout le reste est littérature
>>> Manoel de Barros: poesia para reciclar
>>> Assunto de Mulher
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> O dia que nada prometia
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> The last of mohicans (audio cd included) de Macmillan Education pela The last of mohicans (audio cd included)The last of mohicans (audio cd included) (2014)
>>> The Phantom of the Opera (audio Cd Included) de Stephen Colbourn; Gaston Leroux pela Macmillan Education (2010)
>>> The long tunnel (audio cd included) de John Milne pela Macmillan Education (2011)
>>> A kiss before dying de Ira Levin pela Macmillan Education (2005)
>>> Sherlock holmes: the norwood mystery de Arthur Conan Doyle Sir pela Oxford University Press (2011)
>>> Monólogo da Natureza de Teresinha Cauhi de Oliveira pela Ftd (1992)
>>> The Magic Flower de José Morais pela Atica (2005)
>>> Gramática de Español Paso a Paso de Adrían Fanjul pela Santillana (2008)
>>> Alfabetização e Linguistica de Luiz Carlos Cagliari pela Scipione (1989)
>>> Violencia E Criminalidade Infanto-Juvenil de Guilherme Zanina Schelb pela Do Autor (2007)
>>> Dicionario Gramatical De Latim - Nivel Basico de Janete Melasso Garcia e Outros pela Unb (2021)
>>> Lá Sou Amigo do Rei de Carlos Marques pela Geração Editorial (2012)
>>> América Latina: Uma Perspectiva Histórica de Donald Marquand Dozer pela Globo (1974)
>>> Angelina & Brad de Ian Halperin pela Jardim dos Livros (2012)
>>> Grande Livro Da Casa Saudável de Mariano Bueno pela Roca (1995)
>>> De Olho no Tráfico Humano de Fernando Carraro pela Ftd (2013)
>>> Microsoft SQL Server 2008 de Mike Hotek pela Bookman (2008)
>>> Em Suas Marcas, Apontar... Crescer! de Lynda Madaras pela Vergara & Riba (2009)
>>> Scrum A Arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo de Jeff Sutherland, J.J Sutherland pela Sextante (2014)
>>> Pense Magro: A Dieta Definitiva de Beck de Judith S. Beck; Leda Maria Costa Cruz pela Artmed (2009)
>>> Amigos Em Ação de Isa Mara Lando pela Àtica (2006)
>>> Dez bons conselhos de meu pai de Gustavo Cerbasi pela Fontarnar (2021)
>>> Trabalhando Com Banco de Dados no Visual Basic 6. 0 de Ijauí Francisco da Silva pela Érica (2000)
>>> Segredos da Violencia de Thesaurus pela Segredos da Violencia (2008)
>>> Para Meus Netos Com Amor de Lídia Maria Riba pela Vergara & Riba
COLUNAS >>> Especial Copa 2014

Terça-feira, 17/6/2014
As ruas não estão pintadas. E daí?
Duanne Ribeiro

+ de 3200 Acessos

Os escrevinhadores estão todos de acordo: essa é uma Copa com menos festa nas ruas por conta de um mal-estar generalizado, "por frustrações com governantes ou por temer protestos violentos", segundo o Estadão. A ideia não é absurda, mas não sei como estamos tão convictos dela - o desencanto em relação à seleção e ao Torneio Mundial, do meu ponto de vista, podem ser explicados simplesmente pelo fato de que os afetos do futebol se deslocaram: falta aos agregados nacionais a capacidade de nos unir, uma capacidade esbanjada pelos times.

Luiz Zanin diz que "nossa vida pode ser contada pelas Copas que vimos", e talvez isso possa ser verdade, principalmente para a geração dele. De minha parte, o que digo é que minha história futebolística (pouco dedicada, mas ainda assim...) pode muito mais ser contada pelas Libertadores a que assisti. Ou pela conquista de um Brasileiro, até mesmo de um Paulista. Não há partida do Brasil que valha um jogo decisivo do Corinthians (e o torcedor de outro clube não dirá o mesmo?). O gosto pela seleção é meio automático, regulamentar. O do time é genuíno, cotidiano.

Com 12 anos, em 1999, o Corinthians foi eliminado da Libertadores nas quartas-de-final pelo Palmeiras. Com 13, em 2000, novamente o mesmo time alijou o meu do troféu, dessa vez na semi. Chorei em ambas, ouvindo os fogos comemorativos e jocosos do vencedor. Em 2012, estava elétrico, paralisado frente à TV, contando os segundos, mordendo o lábio. Gritando feito um filho da puta quando acabou e éramos vitoriosos - isso nas duas finais, a da Libertadores, contra o Boca, e a do Mundial, contra o Chelsea. Minha identidade é investida de preto e branco.

Por outro lado, o Maracanaço pra mim é uma foto de almanaque. Lembro de ver as pessoas em pé, emudecidas no estádio, e a descrição dramática do jornalista. A Paolo Rossi só fui apresentado neste domingo último. Em 1994, recordo a família reunida para ver a cobrança dos pênaltis, e ter sido levado para a Paulista depois, ou algo assim, para comemorar. Eu não cheguei nem perto da euforia do Galvão. Perdemos 1998, achei chato - só. Ganhamos 2002, achei legal - só. Meus times imaginários continham jogadores da seleção e eu jogava com ela no International Super Star Soccer Deluxe, mas era apenas isso mesmo.

Eu acredito que essa conexão maior com os clubes é o motivo principal das ruas menos pintadas, do menor número de bandeirinhas penduradas, do "hoje somos todos iguais" com um mas nem tão iguais assim mais pronunciado. Também creio que é um processo irreversível, e suspeito que tem estado em movimento faz um bom tempo. Minha avó conta há duas décadas que em sua época "todo mundo se juntava para pintar a rua, e agora não tem nada". Em uma afirmação política mais arriscada, poderíamos mesmo dizer que "nações" não unem mais com tanta força - o que nos une são as identidades particulares, subjetividades de menor escala.

Narrativas Políticas
Mesmo que tenhamos explicações mais diretas e simples para a tímida (segundo o que se diz) festa da Copa, circulam versões que se apropriam desse "fato" para defender, através dele, ideias políticas. As matérias do Estadão linkadas no texto possuem esse viés: afirmam que os protestos atentam contra uma tradição, o que seria parte de uma "naturalidade" do brasileiro. Essa tese implícita é só o reverso da ideia de que uma "minoria", um grupo distinto do "povo", é que protesta.

Na manhã de 10 de junho, o jornalista José Paulo de Andrade fez uma variação da mesma ideia na rádio Bandeirantes; nos convocou a abandonar o "mau humor", o estado de desânimo gerado por alguns "radicais" desde junho de 2013. Com isso teríamos uma polarização bem definida, entre constrangidos e raivosos, e toda a efusão que constatarmos será uma derrota desses últimos. A festa da Copa, nesse sentido, seria a prova de que o "povo" não se identifica com as reivindicações. Mas eu posso ter forçado um pouco essa interpretação.

Doutro lado do espectro político, Vladimir Safatle afirmou na Folha: "no chamado 'país do futebol' pela primeira vez uma Copa do Mundo não trará dividendos (...) mostrará uma população consciente da tentativa de espoliar seus sonhos". Vejam que a equação está invertida: a falta de festa da Copa prova, agora, o "desencanto de um povo". O texto de Safatle tem, não obstante, o valor de destacar a intenção governamental ao trazer a Copa, a narrativa que almejavam construir e que teve seu caminho obstruído pelas várias tendências em conflito no país.

Essas grandes análises me parecem mais estratégias retóricas do que descrição de fenômenos. Há festa e há ausência de festa, há expectativa e indiferença, existe tanto o constrangimento quanto a raiva. Também: não há nexo obrigatório entre torcida futebolística e convicção politica. O que temos é muito mais um mosaico. Aquela sugestão que avançamos quanto aos times parece aqui menos arriscada: várias identidades, várias subjetividades formam a "nação", a "torcida", o "povo", e esse tipo de palavra megalomaníaca não é capaz de abrangê-las.

Ainda mais, desencanto e festa podem ser, digamos, cooptados. Em 9 de junho, o PSDB entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal para tentar "garantir a realização de protestos dentro dos estádios", não exatamente pelo grande amor a manifestações públicas, mas para roer a imagem do governo presidencial do PT. E o Google, que montou uma página para as ruas pintadas pelo Brasil, não contou nela que ele próprio pagou a tinta, rolos e bisnagas de pelo menos uma. Assim, os complicantes para uma explicação simplista do humor nacional aumentam.

#vaiterCopaecríticaàCopa
O que não podemos perder de vista é o valor próprio de cada reivindicação feita durante o pré-Copa. Os gastos públicos, a violência policial, a remoção de pessoas das suas casas - esses fatos não podem ser esquecidos em uma trégua eufórica. O #vaiterCopasim é leviano e apolítico na medida em que se esquece dos outros temas em jogo. A seleção pode ainda ser um fascínio nosso, contudo não precisa implicar em uma cegueira coletiva. Torcedores e/ou cidadãos, temos de saber o que nos toca, e o que toca a todos com quem compartilhamos a vida.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 17/6/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Elis vive de Fabio Gomes
02. Educação divertida e diversão educativa de Carla Ceres
03. Pynchon Contra o Dia de Luiz Rebinski Junior
04. Coisas nossas de Rafael Lima
05. singelo concerto em sol menor de Suzi Hong


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2014
01. O Público Contra Yayoi Kusama - 22/7/2014
02. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad - 8/4/2014
03. Cavaleiros e o Inexplicável - 7/10/2014
04. Margarida e Antônio, Sueli e Israel - 4/2/2014
05. O Hobbit - A Desolação de Smaug - 7/1/2014


Mais Especial Copa 2014
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Emergências Pediátricas
Eduardo Jorge da Fonseca Lima
Medbook
(2011)



Diário Madras 2016 2017
Wagner Veneziani Costa
Madras
(2016)



Esses Bichos Maravilhosos e Suas Incríveis Aventuras
Paulo Caldas
Atual
(1988)



A Palavra é Futuro
Gabriel Perissé
Gutenberg
(2012)



Amor(ex) Quatro Historias de Amor, Desamor, Desencontros
Mica Rocha
Benvirá
(2016)



Cabra das Rocas
Homero Homem
ática



Rita et Machin à Paris
Jean-philippe Arrou-vignod / Oivier Tallec
Gallimard Jeunesse
(2009)



Ecce Homo: Como Se Llega a Ser Lo Que Se Es
Friedrich Nietzsche
Siglo Veinte (buenos Aires)
(1984)



Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência
Guilherme Jose Purvin de Figueiredo
Max Limond
(1997)



Modernizing Peasant Societies: a Comparative Study of Asia And
Guy Hunter
Oxford University Press
(1969)





busca | avançada
74393 visitas/dia
2,5 milhões/mês