Em Tempos de Eleição | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Two lost souls living in a fish bowl
>>> Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> A agonia das semanais nos EUA
>>> Entre a simulação e a brincadeira
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Iron Maiden com Clive Burr
Mais Recentes
>>> Downbeat Magazine April 2020 de Gregory Porter pela Db (2020)
>>> Le Coté de Guermantes de Marcel Proust pela Gllimard (1945)
>>> House & Garden July/August 2020 de Where the Hearts pela Condé Nast (2020)
>>> Uncut Magazine July 2020 de Bob Marley pela Bandlab (2020)
>>> Drogas e Álcool no Local de Trabalho de Drusilla Campbell e Marilyn Graham pela Nórdica (1991)
>>> Uncut Magazine June 2020 de Prnce pela Bandlab (2020)
>>> Uncut Magazine May 2020 de George Harrison pela Bandlab (2020)
>>> Os Deuses subterrâneos de Cristovam Buarque pela Record (2005)
>>> Uncut Magazine December 2019 de Bob Dylan pela Bandlab (2019)
>>> O livro da sabedoria dos pais de Edward Holffman pela Dcl (2010)
>>> O prazer da produção científica de Israel Belo de Azevedo pela Unimep (1998)
>>> O leque de Oxum de Vasconcelos Maia pela Ponte da Memória (2006)
>>> O mar, o Marujo de Mauro a. L. Hespanhol pela Chiado (2012)
>>> Os 4 pilares da lucratividade de Leslie H. Moeller; Edward C. Landry pela Campus (2010)
>>> A fuga de João Goulart de Hélio Silva pela Três (1998)
>>> A Majestade do Xingu de Moacyr Scliar pela Deagostini (2004)
>>> Memórias Sentimentais de João Miramar de Oswald de Andrade pela José Olympio (1973)
>>> Noventa e Três de Victor Hugo pela Otto (1980)
>>> A Queda de Albert Camus pela Circulo do Livro (1986)
>>> Você - A idéia mais fantástica de Deus de Max Lucado pela Thomas Nilson (2007)
>>> The abolition of the Brazilian slave trade de Leslie Bethell pela Cambridge University Press (2009)
>>> O processo de Franz Kafka pela Globo (1997)
>>> A brincadeira de Milan Kundera pela Circulo do Livro (1967)
>>> Vôo Noturno de A. de Saint - Exupery pela Circulo do Livro (1985)
>>> A Segunda Dama de Irving Wallace pela Circulo do Livro (1980)
>>> O RETRATO DE dORIAN gray de Oscar Wilde pela Circulo do Livro (1975)
>>> Os Condenados da Terra de Frantz Fanon pela Ufjf (2006)
>>> Imaginologia e radiologia odontológica - 4D de Plauto Watanabe pela GEN Guanabara Koogan (2013)
>>> Ten Cate Histologia oral - 4D de Antonio Nanci pela Elsevier (2013)
>>> sturdevant arte e ciência da dentística operatória - 4C de Harald pela Elsevier (2013)
>>> O Folclore da Caixa = Contos de Gil Gouvêa Macieira pela Dupligráfica (1984)
>>> Craig Materiais Dentários Restauradores - 3C de Ronald L. Powers, John M.^Sakaguchi pela Elsevier (2012)
>>> Curso de Folclore Musical Brasileiro de José Teixeira D'Assumpção pela Livraria Freitas Bastos (1967)
>>> Como Desenhar Mangá Método Profissional de Produção Nobu Chinen / Daniel de Rosa pela Escala (2009)
>>> Danças Folclóricas da Europa de Maria Amalia Corrêa Giffoni pela Melhoramentos (1974)
>>> A Linguagem Secreta dos Relacionamentos de Gary Goldschneider; Joost Elffers pela Elsevier (2000)
>>> Aquela Canção de Vários autores pela Publifolha (2005)
>>> Histologia veterinária de Dellmann - 3C de Jo Ann Eurell pela Manole (2012)
>>> Terapia assistida por animais - 3D de Marie Odile Monier Chelini pela Manole (2015)
>>> Manual Saunders Terapia Veterinaria - Pequenos E Grandes Animais - 6B de Mark G. Papich pela Elsevier (2012)
>>> Comportamento e bem-estar de animais domésticos - 6D de D. M. Broom pela Manole (2010)
>>> Cirurgia de Pequenos Animais - 7C de Theresa Theresa Fossum pela GEN Guanabara Koogan (2014)
>>> ...E Nossos Filhos Cantam as Mesmas Canções 8800 de Malcolm Montgomery pela Integrare (2008)
>>> ...E o Mundo Silenciou de Ben Abraham pela Wg Comunicações (1972)
>>> ...E Quem Quiser Que Conte Outra de Tatiana Belinky pela Imprensa Oficial (2007)
>>> ...Uma Proposta Irrecusável de Jill Manselll pela Novo Conceito (2011)
>>> 1, 2... Feijão Com Arroz - Educação Alimentar de Maria José Paes Leme & Maria da Luz F. Perim pela Mercado das Letras (1997)
>>> 1. 000 Perguntas e Respostas de Direito Internacional Público e Privad de José Cretella Júnior / José Cretella Neto pela Forense (2002)
>>> 1° Festival Internacional de Humor do Rio de Janeiro 2008 de Vários Autores pela Gráfica Minister (2008)
>>> 10 Minutos de Exercício por Dia - 10385 de Jacqueline Lysycia pela Texto Editores (2005)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/10/2014
Em Tempos de Eleição
Marilia Mota Silva

+ de 2800 Acessos

A situação era desesperadora. Mais de 15 milhões de desempregados vagavam pelas ruas. A criminalidade aumentava, inclusive os pequenos furtos motivados pela fome. Aumentavam também os índices de alcoolismo, suicídios, subnutrição e prostituição. Cerca de 250 mil adolescentes rodavam pelo país em trens de carga, quase sempre à procura de trabalho.

Como se não bastasse, uma grande seca forçou contingentes de lavradores a abandonar suas terras e migrar em busca de qualquer oportunidade. (Steinbeck conta a história de uma dessas famílias no livro (e filme) Vinhas da Ira.)

Os privilegiados que conseguiam trabalho, viam seus salários reduzidos drasticamente. Sem demanda, a produção industrial e o PIB caíram pela metade. Muitas escolas e todos os bancos fecharam suas portas. A máfia, o crime organizado floresciam.

Não se acreditava mais na viabilidade econômica, no capitalismo praticado nos Estados Unidos.

Do outro lado do Atlântico, o Nacional Socialismo ganhava força. Hitler assumia o governo com a aprovação de quase 100% dos alemães e da Áustria anexada. Hitler encarnava os ideais, o caminho pelo qual todos ansiavam. No Brasil, que também sofria os efeitos da crise financeira de 1929, Getúlio Vargas acompanhava com grande interesse os acontecimentos na Europa, preparando-se para adotar as reformas que o país requeria.

Quando em 1933, F.D. Roosevelt assumiu a presidência, o país vivia o quarto ano de uma depressão aguda, e tudo parecia perdido.

Mas, em menos de cem dias, a situação mudou. Havia emprego, esperança, direção.

Roosevelt fez uma ampla reforma em várias áreas da administração e impôs alguma ordem no sistema financeiro. "É preciso que haja severa supervisão do sistema bancário, de crédito e investimento, para que haja um fim para a especulação com o dinheiro dos outros", ele disse já no discurso de posse. Criou agências (FDIC) para garantir os depósitos dos clientes, e a Securities and Exchange Commission (SEC) para regular o mercado de ações e prevenir malfeitos. Décadas depois, outros presidentes, Clinton inclusive, abriram as portas para a repetição dos abusos, e da crise. Mas isso foi mais tarde. Volto ao New Deal, o Novo Acordo de Roosevelt. Vários setores da economia foram regulados, assustando os conservadores que, por princípio, repudiam qualquer intervenção do Estado.

Gostaria de falar aqui apenas de uma dessas iniciativas - uma medida de emergência, temporária e que, no entanto, foi decisiva para o moral do povo, a economia e o futuro do País: O Civilian Conservation Corps (CCC).

Com 15 milhões de desempregados, muitas famílias viviam em pobreza extrema. Para ampará-las era preciso criar empregos que absorvessem grandes contigentes de mão-de-obra desqualificada. Essa era a missão da CCC, o Exército de Arvores de Roosevelt, como foi apelidado.

Para trabalhar nessa agência era preciso ser jovem desempregado, solteiro, ter entre 18 e 25 anos, ser forte e saudável porque o trabalho seria físico e pesado. O alistamento seria de no mínimo seis meses. Só seria admitido um rapaz por família. O salário era de $30 dólares por mês (o equivalente a cerca de $550 hoje), sendo que $25 desses $30 iriam para a família do alistado. No campo, os rapazes teriam alojamento, roupas, refeições, lazer e educação.

É espantoso o que um governo pode fazer: Roosevelt enviou o projeto para o Congresso, em 21 de março. Eles levaram dez dias analisando e aprovaram. Roosevelt assinou, nomeou diretor, pôs o Exército pra fazer o alistamento. Os governos locais e estaduais forneceram as listas de jovens e famílias que recebiam ajuda do governo, algum tipo de bolsa. No dia 17 de abril, abria-se o primeiro campo de trabalho. Menos de um mês. Dia 8 de junho, o segundo. A maior parte dos jovens desempregados se concentrava na costa leste, e os projetos de trabalho estavam mais para o oeste. O Exército, Marinha, até Guarda Costeira se mobilizaram para transportar milhares de jovens através do país aos locais de trabalho.

Os primeiros 250 mil alistados, sob a direção do Departamento de Interior e Agricultura, construíram torres para controle de incêndio, pequenas represas, reservatórios de água, abrigos para animais. Reflorestaram áreas devastadas, cuidaram do solo, prevenindo a erosão intensa no meio-oeste.

Os batalhões de jovens sem experiência superavam as expectativas. O número de alistados dobrou de um ano para o outro. A taxa de criminalidade caiu 55% e houve quem atribuísse essa boa notícia ao trabalho do Corps .

Outro resultado animador. A parte do salário do filho que as famílias recebiam causaram grande impacto na economia. As compras aumentaram, os pequenos negócios brotaram de todo lado, inclusive em torno dos acampamentos e, aos poucos, o país foi reencontrando o rumo.

Em 1935 havia 2.650 campos operando em todos os Estados, incluindo o Havaí, Alasca, Porto Rico e Ilhas Virgens. Os rapazes trabalhavam duro, comiam bem, aprendiam noções de higiene, nutrição e vida em comunidade. Cada acampamento tinha uma área de lazer com mesa de sinuca, poker, ping-pong, cantina e biblioteca. Com tempo, e a descoberta de que havia entre os jovens milhares de analfabetos - 40 mil aprenderam a ler e a escrever nos acampamentos- instalou-se um sistema de educação formal, além do treinamento profissional. Enquanto isso, novas estradas foram construídas, linhas para telefone instaladas, milhões de acres recuperados para a agricultura, por drenagem de pântanos ou controle da erosão, e o primeiro milhão de árvores plantado.

O Corps estava executando mais de 100 tipos de trabalho. Suas realizações eram manchetes nos maiores jornais, inclusive nos que faziam dura oposição às outras reformas do New Deal.

O CCC nasceu como programa temporário, como nossas "frentes-de-emergência" em tempo de seca no sertão, mas acabou durando nove anos. No final, eles tinham plantado cerca de três bilhões de árvores, construído 800 parques nacionais pelo País e renovado centenas de parques estaduais.Atualizaram equipamentos e métodos de combate a incêndio, construíram estradas nas áreas mais remotas, enfim; realizaram um inestimável trabalho de infraestrutura, de conservação do meio-ambiente e das áreas públicas.

Ao longo de sua existência, a CCC empregou cerca de três milhões de homens. Dai surgiu uma classe-média sólida, confiante em sua capacidade de se sustentar, orgulhosa do trabalho realizado, e com a autoestima que resulta disso.

Até hoje a população usufrui e admira o trabalho feito por eles: a infinidade de parques, florestas, com raposas, ursos, águias, veados, centenas de espécies, vivendo tranquilos em seu habitat, sem preocupação com os humanos que caminham por lá. Há estradinhas de acesso e trilhas em todas elas. Trilhas seguras, bem sinalizadas, com passagens em deck sob áreas alagadas, mirantes, pontes de madeira. Trilhas para todos os gostos e preparo físico. Trilhas famosas pela beleza, como o Skyline Drive, em Shenandoah Park onde vale a pena ir, especialmente agora, no outono.

A pista de 160 km que cruza o parque pelo pico das montanhas já estava construída quando a CCC foi acionada para completar o trabalho. Eles graduaram a inclinação dos dois lados da estrada, construíram muros de proteção nas curvas perigosas, reforçaram as encostas, criaram dezenas de mirantes, plantaram milhares de árvores, arbustos e acres de gramado para compor a paisagem. Sinalizaram a pista e as trilhas, construíram os prédios de recepção para os visitantes e de manutenção do parque. Como fizeram em outros parques no país inteiro.

Em tempos de eleição, achei que valia a pena falar de uma iniciativa de governo que deu tão bons resultados: tirou da pobreza milhões de famílias, deu alento à economia, educou uma multidão, ensinou-lhes ofício e auto-estima, e além de tudo, cuidou do meio-ambiente quando ninguém se ocupava disso.

Uma obras duradoura que até hoje beneficia a todos, até como fonte de inspiração, por mostrar o que é possível.


Marilia Mota Silva
Washington, 15/10/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
02. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
03. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
04. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
05. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2014
01. Proposta Decente? - 20/8/2014
02. Defensores da Amazônia - 19/2/2014
03. O Ouro do Brasil - 17/9/2014
04. O Subjuntivo Subiu no Telhado - 21/5/2014
05. O Mito da Eleição - 16/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONFLITOS E EMOÇÕES - CONQUISTE O BEM-ESTAR
MARIA INÊS FELIPPE
QUALITYMARK
(1997)
R$ 32,00



O MULATO
ALUÍSIO AZEVEDO
ÁTICA
(1981)
R$ 5,00



O LEOPARDO
TOMASI DI LAMPEDUSA
DIFUSÃO EUROPÉIA
(1960)
R$ 22,44



DIVIRTA-SE SAIBA TORNAR SEU AMBIENTE DE TRABALHO AGRADÁVEL E DIVERTIDO
DAVE HEMSATH & LESLIE YERKES
FUTURA
(1998)
R$ 7,50



DIREITO E INTERNET
LILIANA MINARDI PAESANI
ATLAS
(2008)
R$ 35,90



PSICOLOGIA INDUSTRIAL I
JOSEPH TIFFIN ERNEST J. MCCORMICK
HERDER
(1969)
R$ 12,00



PALAVRAS DE UM DIA E DE OUTRO
ALOYSIO DE CASTRO
MONTEIRO LOBATO
(1922)
R$ 29,40



PRINCÍPIOS DE ANÁLISE E PROJETO BASEADOS EM OBJETOS
JAMES MARTINS
CAMPUS
(1994)
R$ 30,00



ANTROPOFAGIA: PALIMPSESTO SELVAGEM
BEATRIZ AZEVEDO
SESI-SP
(2018)
R$ 49,89



O DESPERTAR DA GUILLENT
JULIANA VELONESSI
NETBOOKS
(2012)
R$ 15,71





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês