Em Tempos de Eleição | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O belo e o escalafobético
>>> Guia para escrever bem ou Manual de milagres
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
Mais Recentes
>>> Robot Dreams de Isaac Asimov pela Ace Books (1996)
>>> O Dramaturgo como Pensador de Eric Bentley pela Civilização Brasileira (1991)
>>> O Conclave de Malachi Martin pela Novo Tempo (1978)
>>> A Nova Ciência da Política de Eric Voegelin pela Universidade de Brasília (1982)
>>> Gestión del Conocimiento de Agustí Canals pela Gestión (2003)
>>> Brasil:a Arte de Hoje de Jocob Klintoeitz pela Sao Paulo (1983)
>>> A Conquista do Rio Grande Volume 1 de Jose Netto pela Rio Cell (1989)
>>> Rui Barbosa:tentativa de Compreenção e de Síntese de Luiz Delgado pela Jose Olympio (1945)
>>> T. E. C. Tecnologia Estelar Complementável de Marcelo Santana pela Anthology (2010)
>>> O Pensamento de Platão de Antonio Freire pela Livraria Cruz - Braga (1967)
>>> O Circo de Lucca de Zugliani Jorge Otávio pela Devir (2007)
>>> Far Eastern Ceramics - Marks and Decoration de Maria Penkala pela Mouton (1963)
>>> Tesoros del Arte Japones:periodo Edo(1615-1868) de Museo Fuji - Tokio pela Fundacion Juan March (1995)
>>> Ferrari-the Sports and Gran Turismo Cars de Warren W Fitzgerald / Richard F Merrittn e Outros pela Norton Company (1979)
>>> Cómo Evaluar y Mejorar Sus Capacidades Personales de Gareth Lewis pela Gestión (2000)
>>> Noções Básicas de Importação de João dos Santos Bizelli e Ricardo Barbosa pela Aduaneiras (1993)
>>> Dinheiro Dinheiro Dinheiro... Como Ganhar Rapidamente de Mathias Gonzalez pela Ediouro (1987)
>>> Organizacion del Almacen de Michele Calimeri pela Hispano Europea (1961)
>>> Mestres do Marketing de Gene Walden pela Ediouro (1994)
>>> O Poder do Marketing Direto de Ray Jutkins pela Makron (1994)
>>> Dinheiro Dinheiro Dinheiro... Como Ganhar Rapidamente de Mathias Gonzalez pela Ediouro (1987)
>>> Dinheiro Dinheiro Dinheiro... Como Ganhar Rapidamente de Mathias Gonzalez pela Ediouro (1987)
>>> Como Negociar Aumento de Salário de George M. Hartman pela Ediouro (1995)
>>> Karoshi o Jogo da Qualidade - Completo de Paulo Sandroni e Luis Alberto Sandroni pela Best Seller (1995)
>>> O Monstro Embaixo da Cama de Stan Davis pela Futura (1996)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/10/2014
Em Tempos de Eleição
Marilia Mota Silva

+ de 3000 Acessos

A situação era desesperadora. Mais de 15 milhões de desempregados vagavam pelas ruas. A criminalidade aumentava, inclusive os pequenos furtos motivados pela fome. Aumentavam também os índices de alcoolismo, suicídios, subnutrição e prostituição. Cerca de 250 mil adolescentes rodavam pelo país em trens de carga, quase sempre à procura de trabalho.

Como se não bastasse, uma grande seca forçou contingentes de lavradores a abandonar suas terras e migrar em busca de qualquer oportunidade. (Steinbeck conta a história de uma dessas famílias no livro (e filme) Vinhas da Ira.)

Os privilegiados que conseguiam trabalho, viam seus salários reduzidos drasticamente. Sem demanda, a produção industrial e o PIB caíram pela metade. Muitas escolas e todos os bancos fecharam suas portas. A máfia, o crime organizado floresciam.

Não se acreditava mais na viabilidade econômica, no capitalismo praticado nos Estados Unidos.

Do outro lado do Atlântico, o Nacional Socialismo ganhava força. Hitler assumia o governo com a aprovação de quase 100% dos alemães e da Áustria anexada. Hitler encarnava os ideais, o caminho pelo qual todos ansiavam. No Brasil, que também sofria os efeitos da crise financeira de 1929, Getúlio Vargas acompanhava com grande interesse os acontecimentos na Europa, preparando-se para adotar as reformas que o país requeria.

Quando em 1933, F.D. Roosevelt assumiu a presidência, o país vivia o quarto ano de uma depressão aguda, e tudo parecia perdido.

Mas, em menos de cem dias, a situação mudou. Havia emprego, esperança, direção.

Roosevelt fez uma ampla reforma em várias áreas da administração e impôs alguma ordem no sistema financeiro. "É preciso que haja severa supervisão do sistema bancário, de crédito e investimento, para que haja um fim para a especulação com o dinheiro dos outros", ele disse já no discurso de posse. Criou agências (FDIC) para garantir os depósitos dos clientes, e a Securities and Exchange Commission (SEC) para regular o mercado de ações e prevenir malfeitos. Décadas depois, outros presidentes, Clinton inclusive, abriram as portas para a repetição dos abusos, e da crise. Mas isso foi mais tarde. Volto ao New Deal, o Novo Acordo de Roosevelt. Vários setores da economia foram regulados, assustando os conservadores que, por princípio, repudiam qualquer intervenção do Estado.

Gostaria de falar aqui apenas de uma dessas iniciativas - uma medida de emergência, temporária e que, no entanto, foi decisiva para o moral do povo, a economia e o futuro do País: O Civilian Conservation Corps (CCC).

Com 15 milhões de desempregados, muitas famílias viviam em pobreza extrema. Para ampará-las era preciso criar empregos que absorvessem grandes contigentes de mão-de-obra desqualificada. Essa era a missão da CCC, o Exército de Arvores de Roosevelt, como foi apelidado.

Para trabalhar nessa agência era preciso ser jovem desempregado, solteiro, ter entre 18 e 25 anos, ser forte e saudável porque o trabalho seria físico e pesado. O alistamento seria de no mínimo seis meses. Só seria admitido um rapaz por família. O salário era de $30 dólares por mês (o equivalente a cerca de $550 hoje), sendo que $25 desses $30 iriam para a família do alistado. No campo, os rapazes teriam alojamento, roupas, refeições, lazer e educação.

É espantoso o que um governo pode fazer: Roosevelt enviou o projeto para o Congresso, em 21 de março. Eles levaram dez dias analisando e aprovaram. Roosevelt assinou, nomeou diretor, pôs o Exército pra fazer o alistamento. Os governos locais e estaduais forneceram as listas de jovens e famílias que recebiam ajuda do governo, algum tipo de bolsa. No dia 17 de abril, abria-se o primeiro campo de trabalho. Menos de um mês. Dia 8 de junho, o segundo. A maior parte dos jovens desempregados se concentrava na costa leste, e os projetos de trabalho estavam mais para o oeste. O Exército, Marinha, até Guarda Costeira se mobilizaram para transportar milhares de jovens através do país aos locais de trabalho.

Os primeiros 250 mil alistados, sob a direção do Departamento de Interior e Agricultura, construíram torres para controle de incêndio, pequenas represas, reservatórios de água, abrigos para animais. Reflorestaram áreas devastadas, cuidaram do solo, prevenindo a erosão intensa no meio-oeste.

Os batalhões de jovens sem experiência superavam as expectativas. O número de alistados dobrou de um ano para o outro. A taxa de criminalidade caiu 55% e houve quem atribuísse essa boa notícia ao trabalho do Corps .

Outro resultado animador. A parte do salário do filho que as famílias recebiam causaram grande impacto na economia. As compras aumentaram, os pequenos negócios brotaram de todo lado, inclusive em torno dos acampamentos e, aos poucos, o país foi reencontrando o rumo.

Em 1935 havia 2.650 campos operando em todos os Estados, incluindo o Havaí, Alasca, Porto Rico e Ilhas Virgens. Os rapazes trabalhavam duro, comiam bem, aprendiam noções de higiene, nutrição e vida em comunidade. Cada acampamento tinha uma área de lazer com mesa de sinuca, poker, ping-pong, cantina e biblioteca. Com tempo, e a descoberta de que havia entre os jovens milhares de analfabetos - 40 mil aprenderam a ler e a escrever nos acampamentos- instalou-se um sistema de educação formal, além do treinamento profissional. Enquanto isso, novas estradas foram construídas, linhas para telefone instaladas, milhões de acres recuperados para a agricultura, por drenagem de pântanos ou controle da erosão, e o primeiro milhão de árvores plantado.

O Corps estava executando mais de 100 tipos de trabalho. Suas realizações eram manchetes nos maiores jornais, inclusive nos que faziam dura oposição às outras reformas do New Deal.

O CCC nasceu como programa temporário, como nossas "frentes-de-emergência" em tempo de seca no sertão, mas acabou durando nove anos. No final, eles tinham plantado cerca de três bilhões de árvores, construído 800 parques nacionais pelo País e renovado centenas de parques estaduais.Atualizaram equipamentos e métodos de combate a incêndio, construíram estradas nas áreas mais remotas, enfim; realizaram um inestimável trabalho de infraestrutura, de conservação do meio-ambiente e das áreas públicas.

Ao longo de sua existência, a CCC empregou cerca de três milhões de homens. Dai surgiu uma classe-média sólida, confiante em sua capacidade de se sustentar, orgulhosa do trabalho realizado, e com a autoestima que resulta disso.

Até hoje a população usufrui e admira o trabalho feito por eles: a infinidade de parques, florestas, com raposas, ursos, águias, veados, centenas de espécies, vivendo tranquilos em seu habitat, sem preocupação com os humanos que caminham por lá. Há estradinhas de acesso e trilhas em todas elas. Trilhas seguras, bem sinalizadas, com passagens em deck sob áreas alagadas, mirantes, pontes de madeira. Trilhas para todos os gostos e preparo físico. Trilhas famosas pela beleza, como o Skyline Drive, em Shenandoah Park onde vale a pena ir, especialmente agora, no outono.

A pista de 160 km que cruza o parque pelo pico das montanhas já estava construída quando a CCC foi acionada para completar o trabalho. Eles graduaram a inclinação dos dois lados da estrada, construíram muros de proteção nas curvas perigosas, reforçaram as encostas, criaram dezenas de mirantes, plantaram milhares de árvores, arbustos e acres de gramado para compor a paisagem. Sinalizaram a pista e as trilhas, construíram os prédios de recepção para os visitantes e de manutenção do parque. Como fizeram em outros parques no país inteiro.

Em tempos de eleição, achei que valia a pena falar de uma iniciativa de governo que deu tão bons resultados: tirou da pobreza milhões de famílias, deu alento à economia, educou uma multidão, ensinou-lhes ofício e auto-estima, e além de tudo, cuidou do meio-ambiente quando ninguém se ocupava disso.

Uma obras duradoura que até hoje beneficia a todos, até como fonte de inspiração, por mostrar o que é possível.


Marilia Mota Silva
Washington, 15/10/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
03. Arte sem limites de Fabio Gomes
04. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
05. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2014
01. Proposta Decente? - 20/8/2014
02. Defensores da Amazônia - 19/2/2014
03. O Ouro do Brasil - 17/9/2014
04. O Subjuntivo Subiu no Telhado - 21/5/2014
05. O Mito da Eleição - 16/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Prática do Processo Trabalhista 30º Edição
Christovão Piragibe Tostes Malta
Ltr (sp)
(2000)



Medidas Liminares e Providências Cautelares Ínsitas 2ª Edição
Reis Friede
Forense
(2003)



Cruzando o Caminho do Sol
Corban Addison
Novo Conceito
(2012)



Fathom 1
Michael Turner
Abril
(2000)



A Day on the Ranch: Consonant Diagraphs Ch
Suzanne Barchers
Leap Frog
(2010)



Biblioteca de História - Bismarck
Mário Leite Fernandes
Três
(1974)



Direito e Processo do Trabalho
Estevão Mallet, Luiz Carlos Amorim Robortella
Ltr
(1996)



Plt 487 Literatura Infantil. Teoria, Análise, Didática
Nelly Novaes Coelho
Moderna
(2000)



Sabrina: Cúmplices e Amantes
Bervely Brandt
Nova Cultural



A New History of Portugal
H. V. Livermore
Cambridge University
(1969)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês