Uma noite de julho | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 4/11/2014
Uma noite de julho
Celso A. Uequed Pitol

+ de 1800 Acessos



Se há uma palavra que define bem os primeiros tempos de retorno à democracia no Brasil esta palavra é "excesso". Excesso em todos os campos e em todos os sentidos: excesso de sentimentos represados, recalcados, amarrados por uma corda que, quando arrebentasse, liberaria algo de muito grande - um grande líder popular, uma grande mudança para o país ou um grande fracasso. Assim como o prisioneiro que, tendo passado anos atrás das grades, quer de todas as formas recuperar o tempo perdido quando se vê livre, aqueles cuja juventude e vida adulta transcorreram sob o olhar arrogante dos militares aproveitaram as recém-conquistadas liberdades, garantidas pela Constituição intitulada "Cidadã", para colocá-las em prática com ânsia de jovem recém-liberto. Todas as demandas tinham de ser imediatamente atendidas; todas as liberdades, protegidas; toda autoridade, em princípio questionada; toda manifestação de pensamento ou opinião, admitida. Um estado de espírito até certo ponto natural para o país que viveu um dos mais longos períodos ditatoriais da America Latina.

É preciso ter em conta este estado de espírito ao dirigirmos olhar para aquela noite de 17 de julho de 1989, quando onze candidatos a presidente da República compareceram à Rede Bandeirantes, em São Paulo, para travar o primeiro debate eleitoral da história do Brasil. Sim, porque eram onze de treze convidados, e treze de trinta e quatro candidatos inscritos para concorrer, de todos os partidos e tendências conhecidas. Os não-convidados estão, com exceção de Fernando Gabeira, candidato do PV, e Enéas Carneiro, candidato do PRONA, esquecidos pela população. Já as outras duas faltas eram de muito peso. Uma foi a de Ulisses Guimarães, do PMDB, uma das mais importantes vozes de oposição ao regime militar, figura respeitada por praticamente todos. A outra, Fernando Collor, o líder das pesquisas, uma incógnita para a maioria. Os onze presentes àquele momento histórico foram Mário Covas (PSDB), Leonel Brizola (PDT), Lula (PT), Paulo Maluf (PDS), Afonso Camargo (PTB), Aureliano Chaves (PFL), Ronaldo Caiado (PSD), Guilherme Afif Domingues (PL) e Roberto Freire (PCB). Três inequivocamente de esquerda: Brizola, Lula e Freire. Um de centro-esquerda, Mário Covas. Dois de centro-direita, Afif Domingues e Afonso Camargo. E quatro de direita explícita: Aureliano Chaves, Ronaldo Caiado e Paulo Maluf. Uma leve vantagem numérica para o lado esquerdo do time, compensada pelo imenso peso político e histórico dos seus representantes, superior aos do lado direito.

Naquela noite de julho, o comando da mesa ficou a cargo de Marília Gabriela, escolhida para a difícil tarefa de entrar para a história como a primeira mediadora de debates da história do país. Sem ter nenhum modelo anterior para basear-se e com a constante rebeldia dos escoladíssimos convidados, todos políticos calejados, malandros e bons oradores, Marília teve uma tarefa difícil. Afinal, tudo era novo. Mas saiu-se muito bem.

Assisti-lo agora, vinte e cinco anos depois, é uma experiência reveladora em vários níveis. Para nós, acostumados aos debates com regras rígidas, com microfones cortados e tempo cronometrado à risca, é impressionante ver as mudanças súbitas de regras, os apartes concedidos (algo típico de oradores), o clima geral de informalidade, a longuíssima duração - mais de três horas - e, mais do que tudo, a atuação dos seus participantes.

Atuação que causa surpresas. Vemos, por exemplo, Paulo Maluf abrir a possibilidade de não-pagamento da dívida externa, a 2h42min - algo impensável para um político supostamente liberal - e Leonel Brizola, justo ele, negar peremptoriamente esta possibilidade sob o liberalíssimo argumento de que há contratos a cumprir, a 43:20. Vemos um Lula que contradiz muito do que se diz dele naquela época: tão preparado , articulado e inteligente quanto hoje, e com um discurso conciliatório entre as diversas correntes de esquerda e o establishment. No entanto, o Lula de 1989 ainda defendia, - quase ao mesmo modo de Maluf, diga-se - a suspensão do pagamento da dívida externa, a 12:40, bem como a renegociação da dívida pública. E quando perguntado por Covas sobre as regras para a presença do capital estrangeiro, a 18:30, respondeu claramente e com maturidade. E surpreende por um impressionante "liberalismo" ao dizer , a 1h:59:10, que o papel do estado não é o de se meter mas sim de aceitar que livremente o movimento sindical possa estabelecer negociação coletiva com a classe empresarial - pelo que foi criticado asperamente por Roberto Freire logo em seguida, que, como comunista, era contrário a livre negociação de salários.

Freire, aliás, fazia o difícil papel de defensor do comunismo em plena desagregação da URSS. Capitalismo e comunismo ainda eram tema de discussão naqueles tempos e Freire foi duramente fustigado pelo então jovem André Singer acerca da estabilidade do emprego na URSS, a 2h29. Freire responde que isso é uma questão da URSS e que o Brasil terá o seu próprio caminho para a construção do socialismo - e ele deixa claro a 3ho8 que é isso que deseja. Sobre o tema, Brizola se pronuncia a 1h48min, dizendo que o Brasil precisa de um choque interésse publico - de soberania e consciencia nacional - e que está sob o dominio do capitalismo selvagem.

A direita também falou, nos seus mais variados matizes. Afonso Camargo teve participação tímida e Aureliano Chaves, na dificílima condição de ex-vice do general Figueiredo, parecia travado. Já Ronaldo Caiado, líder da bancada ruralista, fala a 14min em diminuir o Estado e defende o interesse dos grandes produtores a todo momento, como a 1h38 - o que, naquela época, eram alvo preferencial do MST, que atuava com toda a força. Mas nenhum discurso dos direitistas foi tão coerente quando o de Guilherme Afif Domingos. Ex-presidente da associação comercial de São Paulo, Afif já discutia, cinco anos antes de Bresser Pereira, a 15 minutos, a reforma administrativa e enxugamento de ministérios, e expunha, a 1h33min, o discuso liberal clássico sobre a inflação. Sem fazer referências a exemplos externos com pouco a ver com a realidade brasileira (Maluf incorreu nesse erro), com retórica consistente sem ser excessivamente técnica, didático e claro, Afif desempenhou muito bem o papel de defender de uma linha de pensamento que, lamentavelmente, nunca conseguiu ter muito espaço político brasileiro apesar de contar com bons nomes no campo do pensamento.

No meio disto tudo, um tema comum: a inflação. Mário Covas, a 7 minutos, preconizando o óbvio, que a crise inflacionária era o primeiro passo e problema a ser enfrentado. Maluf fala a mesma coisa, a 49:10. Já Brizola, perguntado sobre o tema, fala, a 1h34:40, opina que a causa da inflação são as perdas internacionais, clássico discurso dos trabalhistas.

As regras do debate são alvo de discussão a 1h:20: Covas e Marilia Gabriela discutem sobre a má aplicação delas. São numerosos os apartes, o tempo estourado que os candidatos não respeitam, a confusão geral, o que acaba gerando, a 2h:01min:30, a necessidade de o diretor geral de jornalismo da emissora, José Paulo de Andrade, afirmar que esses problemas ocorrem porque, afinal de contas, este é o primeiro encontro de presidenciais da história do Brasil.

E Brizola soube aproveitar-se como nenhum outro destas falhas de organização. A 1:51:20, fala sobre a necessidade de um "salariaço" e pede um aparte a 1h54:35 para discorrer sobre o crescimento econômico e aproveitar para atacar o seu inimigo de sempre a 1h56:20: Roberto Marinho, então presidente das organizações Globo. Não contente, ainda se indispôs com Ronaldo Caiado, a 2h20:30,falando sobre os grandes industriais e capitalistas que receberam concessões de terra na ditadura. Este lhe responde lembrando, a 2h23min, das propriedades de Brizola no Uruguai. Por isso, Brizola ganha, a 2h24, o direito a responder a afirmação. Ali, neste momento, é muito provável que tenha surgido o instituto do direito de resposta, que então não estava previsto.

Um nome a se destacar é o de Mário Covas. Tem um discurso muito coerente com o PSDB, que nascia naquele momento. A 1h:46, respondendo a Fernando Mitre, Covas dá as linhas do discurso social-democrata do partido: se temos um capitalismo o façamos de maneira que a maioria do povo brasileira seja deles beneficiário. E lança, a 1h:47:15, o discurso que viria a se tornar anátema: o de que o PSDB era a favor de privatizar alguns setores. Termina sua participação a 2h51:35, dizendo que tem orgulho de ser político e que é possível, sim, ser um político honesto no Brasil. Por fim, Ulisses Guimaraes não foi uma figura esquecida: A 2:54:20, Brizola lamenta a sua falta, que teria enriquecido e muito o debate. E é profético com Collor.

A eleição teve participação entusiasmada da população: votos brancos e nulos somaram, juntos, em torno de 5%, grande parte dos quais pode ser creditados aos erros ao escrever seu voto na cédula, algo bastante comum naqueles tempos pré-urna eletrônica. Tudo isso fruto daquele " excesso de sentimentos represados, recalcados, amarrados por uma corda que, quando arrebentasse, liberaria algo de muito grande - um grande líder popular, uma grande mudança para o país ou um grande fracasso". No caso, foram as três coisas juntas, consubstanciadas na figura de Fernando Collor, o caçador de marajás que fazia promessas mirabolantes sem nunca ter sido testado nas urnas e acabou terminando seu governo de forma melancólica dois anos depois.

Uma comparação com o momento atual se impõe. Temas muito presentes hoje, como a violência urbana, estão surpreendentemente ausentes naquele momento, assim como a legalização das drogas, ações afirmativas e políticas ligadas ao público GLS. O único momento em que temos desta natureza aparecem está a 29:45, quando Maluf pergunta sobre a legalização do aborto para Covas - e ainda deixa claro que é uma pergunta diferente de todas. Covas responde de maneira franca: contra. Trata-o junto a temas como pena de morte, intitulando "tema de natureza existencial" e que, como qualquer um destes temas, só pode ser tratado por plebiscito. A resposta de Covas merece especial atenção por abrir uma nova via de interpretação desta questão tão maltratada pelo debate público, indo além da já clássica disputa "direito sobre o corpo da mulher" x "minha religião não permite", refinando-a e elevando-a a outro patamar. Este momento de Covas serve para mostrar bem a distância que nos separa, hoje, daquela noite de 17 de julho de 1989.O Brasil democrático nascia, em 1988, como a maior democracia do Ocidente, dando voz a 100 milhões de eleitores. Naquela noite de julho, quando Mário Covas, Leonel Brizola, Lula , Roberto Freire, Paulo Maluf, Afonso Camargo , Aureliano Chaves Ronaldo Caiado e Guilherme Afif Domingues sentaram lado a lado, parecia nascer também como a melhor.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 4/11/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 1) de Diogo Salles
02. Educação divertida e diversão educativa de Carla Ceres
03. O dia em que a Terra parou de Yuri Vieira
04. Pão, circo e sedução de Adriana Baggio
05. A internet e o fim do no. de Julio Daio Borges


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2014
01. Miguel de Unamuno e Portugal - 12/8/2014
02. Entrevista com Dante Ramon Ledesma - 9/9/2014
03. A vida exemplar de Eric Voegelin - 10/6/2014
04. Émile Zola, por Getúlio Vargas - 6/5/2014
05. Ler Oswald Spengler em 2014 - 25/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOVOS ESTUDOS CEBRAP 88
VARIOS
EDIÇÕES CEBRAP
(2010)
R$ 14,90



DEMOLIDOR: FIM DOS DIAS - VOLUME 1
BRIAN MICHAEL BENDIS & DAVID MACK
PANINI COMICS / MARVEL
(2015)
R$ 20,00



C++ PARA UNIVERSITÁRIOS (AUTOGRAFADO)
LINCOLN CÉSAR ZAMBONI E SERGIO VICENTE PAMBOUKIAN
PÁGINAS E LETRAS
(2006)
R$ 35,00



MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO CADERNO DE APOIO
JOSÉ MANUEL ZORRO MENDES
UNIVERSIDADE ABERTA
(1997)
R$ 24,97



PESQUISAS SOBRE O SENTIDO DA VIDA
PAULO FINOTTI
DO AUTOR
R$ 6,90



A HISTÓRIA DE DORA VOADORA LACRADO
TONI BRANDÃO
STUDIO NOBEL
(2003)
R$ 14,00



SIGNO SOLAR SIGNO LUNAR
CHARLES HARVEY E SUZI HARVEY
NOVA ERA
(1998)
R$ 12,00



DISCOURSES VOL 2
MEHER BABA
SUFISM REORIENTED
(1971)
R$ 29,82



A VERDADE DE CADA UM
AMIR LABAKI (ORG.)
COSAC NAIFY
(2015)
R$ 149,90



A ROMANA
ALBERTO MORAVIA
ABRIL
(1972)
R$ 15,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês