Uma noite de julho | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
Mais Recentes
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
>>> Walk, run, or retreat de Neil V. Sullivan pela Indiana university press (1971)
>>> enciclopédia dos museus--galeria nacional washington de Sem Autor pela Ceam (1970)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Four Weddings and a Funeral de Richard Curtis pela Peguin Readers (1999)
>>> a Presidência Afortunada de Candido Mendes pela Record (1999)
>>> Brucker ( Homem que Inventou a Administração ) de Peter F. Drucker pela Campus (2006)
>>> Estudo Dirigido de Português Segundo Grau Vol 3 de J. Milton Benemann Luís A. Cadore pela Ática (1976)
>>> Rebecca de Daphne du Maurier pela Heinemann (1992)
>>> Presente Matemática Material Complementar de Luiz Márcio Imenes e Outros pela Moderna
>>> Conquistas do Homem Vol 5 Átomos para a Paz de R. Argentière pela Samambaia
COLUNAS

Terça-feira, 4/11/2014
Uma noite de julho
Celso A. Uequed Pitol

+ de 1700 Acessos



Se há uma palavra que define bem os primeiros tempos de retorno à democracia no Brasil esta palavra é "excesso". Excesso em todos os campos e em todos os sentidos: excesso de sentimentos represados, recalcados, amarrados por uma corda que, quando arrebentasse, liberaria algo de muito grande - um grande líder popular, uma grande mudança para o país ou um grande fracasso. Assim como o prisioneiro que, tendo passado anos atrás das grades, quer de todas as formas recuperar o tempo perdido quando se vê livre, aqueles cuja juventude e vida adulta transcorreram sob o olhar arrogante dos militares aproveitaram as recém-conquistadas liberdades, garantidas pela Constituição intitulada "Cidadã", para colocá-las em prática com ânsia de jovem recém-liberto. Todas as demandas tinham de ser imediatamente atendidas; todas as liberdades, protegidas; toda autoridade, em princípio questionada; toda manifestação de pensamento ou opinião, admitida. Um estado de espírito até certo ponto natural para o país que viveu um dos mais longos períodos ditatoriais da America Latina.

É preciso ter em conta este estado de espírito ao dirigirmos olhar para aquela noite de 17 de julho de 1989, quando onze candidatos a presidente da República compareceram à Rede Bandeirantes, em São Paulo, para travar o primeiro debate eleitoral da história do Brasil. Sim, porque eram onze de treze convidados, e treze de trinta e quatro candidatos inscritos para concorrer, de todos os partidos e tendências conhecidas. Os não-convidados estão, com exceção de Fernando Gabeira, candidato do PV, e Enéas Carneiro, candidato do PRONA, esquecidos pela população. Já as outras duas faltas eram de muito peso. Uma foi a de Ulisses Guimarães, do PMDB, uma das mais importantes vozes de oposição ao regime militar, figura respeitada por praticamente todos. A outra, Fernando Collor, o líder das pesquisas, uma incógnita para a maioria. Os onze presentes àquele momento histórico foram Mário Covas (PSDB), Leonel Brizola (PDT), Lula (PT), Paulo Maluf (PDS), Afonso Camargo (PTB), Aureliano Chaves (PFL), Ronaldo Caiado (PSD), Guilherme Afif Domingues (PL) e Roberto Freire (PCB). Três inequivocamente de esquerda: Brizola, Lula e Freire. Um de centro-esquerda, Mário Covas. Dois de centro-direita, Afif Domingues e Afonso Camargo. E quatro de direita explícita: Aureliano Chaves, Ronaldo Caiado e Paulo Maluf. Uma leve vantagem numérica para o lado esquerdo do time, compensada pelo imenso peso político e histórico dos seus representantes, superior aos do lado direito.

Naquela noite de julho, o comando da mesa ficou a cargo de Marília Gabriela, escolhida para a difícil tarefa de entrar para a história como a primeira mediadora de debates da história do país. Sem ter nenhum modelo anterior para basear-se e com a constante rebeldia dos escoladíssimos convidados, todos políticos calejados, malandros e bons oradores, Marília teve uma tarefa difícil. Afinal, tudo era novo. Mas saiu-se muito bem.

Assisti-lo agora, vinte e cinco anos depois, é uma experiência reveladora em vários níveis. Para nós, acostumados aos debates com regras rígidas, com microfones cortados e tempo cronometrado à risca, é impressionante ver as mudanças súbitas de regras, os apartes concedidos (algo típico de oradores), o clima geral de informalidade, a longuíssima duração - mais de três horas - e, mais do que tudo, a atuação dos seus participantes.

Atuação que causa surpresas. Vemos, por exemplo, Paulo Maluf abrir a possibilidade de não-pagamento da dívida externa, a 2h42min - algo impensável para um político supostamente liberal - e Leonel Brizola, justo ele, negar peremptoriamente esta possibilidade sob o liberalíssimo argumento de que há contratos a cumprir, a 43:20. Vemos um Lula que contradiz muito do que se diz dele naquela época: tão preparado , articulado e inteligente quanto hoje, e com um discurso conciliatório entre as diversas correntes de esquerda e o establishment. No entanto, o Lula de 1989 ainda defendia, - quase ao mesmo modo de Maluf, diga-se - a suspensão do pagamento da dívida externa, a 12:40, bem como a renegociação da dívida pública. E quando perguntado por Covas sobre as regras para a presença do capital estrangeiro, a 18:30, respondeu claramente e com maturidade. E surpreende por um impressionante "liberalismo" ao dizer , a 1h:59:10, que o papel do estado não é o de se meter mas sim de aceitar que livremente o movimento sindical possa estabelecer negociação coletiva com a classe empresarial - pelo que foi criticado asperamente por Roberto Freire logo em seguida, que, como comunista, era contrário a livre negociação de salários.

Freire, aliás, fazia o difícil papel de defensor do comunismo em plena desagregação da URSS. Capitalismo e comunismo ainda eram tema de discussão naqueles tempos e Freire foi duramente fustigado pelo então jovem André Singer acerca da estabilidade do emprego na URSS, a 2h29. Freire responde que isso é uma questão da URSS e que o Brasil terá o seu próprio caminho para a construção do socialismo - e ele deixa claro a 3ho8 que é isso que deseja. Sobre o tema, Brizola se pronuncia a 1h48min, dizendo que o Brasil precisa de um choque interésse publico - de soberania e consciencia nacional - e que está sob o dominio do capitalismo selvagem.

A direita também falou, nos seus mais variados matizes. Afonso Camargo teve participação tímida e Aureliano Chaves, na dificílima condição de ex-vice do general Figueiredo, parecia travado. Já Ronaldo Caiado, líder da bancada ruralista, fala a 14min em diminuir o Estado e defende o interesse dos grandes produtores a todo momento, como a 1h38 - o que, naquela época, eram alvo preferencial do MST, que atuava com toda a força. Mas nenhum discurso dos direitistas foi tão coerente quando o de Guilherme Afif Domingos. Ex-presidente da associação comercial de São Paulo, Afif já discutia, cinco anos antes de Bresser Pereira, a 15 minutos, a reforma administrativa e enxugamento de ministérios, e expunha, a 1h33min, o discuso liberal clássico sobre a inflação. Sem fazer referências a exemplos externos com pouco a ver com a realidade brasileira (Maluf incorreu nesse erro), com retórica consistente sem ser excessivamente técnica, didático e claro, Afif desempenhou muito bem o papel de defender de uma linha de pensamento que, lamentavelmente, nunca conseguiu ter muito espaço político brasileiro apesar de contar com bons nomes no campo do pensamento.

No meio disto tudo, um tema comum: a inflação. Mário Covas, a 7 minutos, preconizando o óbvio, que a crise inflacionária era o primeiro passo e problema a ser enfrentado. Maluf fala a mesma coisa, a 49:10. Já Brizola, perguntado sobre o tema, fala, a 1h34:40, opina que a causa da inflação são as perdas internacionais, clássico discurso dos trabalhistas.

As regras do debate são alvo de discussão a 1h:20: Covas e Marilia Gabriela discutem sobre a má aplicação delas. São numerosos os apartes, o tempo estourado que os candidatos não respeitam, a confusão geral, o que acaba gerando, a 2h:01min:30, a necessidade de o diretor geral de jornalismo da emissora, José Paulo de Andrade, afirmar que esses problemas ocorrem porque, afinal de contas, este é o primeiro encontro de presidenciais da história do Brasil.

E Brizola soube aproveitar-se como nenhum outro destas falhas de organização. A 1:51:20, fala sobre a necessidade de um "salariaço" e pede um aparte a 1h54:35 para discorrer sobre o crescimento econômico e aproveitar para atacar o seu inimigo de sempre a 1h56:20: Roberto Marinho, então presidente das organizações Globo. Não contente, ainda se indispôs com Ronaldo Caiado, a 2h20:30,falando sobre os grandes industriais e capitalistas que receberam concessões de terra na ditadura. Este lhe responde lembrando, a 2h23min, das propriedades de Brizola no Uruguai. Por isso, Brizola ganha, a 2h24, o direito a responder a afirmação. Ali, neste momento, é muito provável que tenha surgido o instituto do direito de resposta, que então não estava previsto.

Um nome a se destacar é o de Mário Covas. Tem um discurso muito coerente com o PSDB, que nascia naquele momento. A 1h:46, respondendo a Fernando Mitre, Covas dá as linhas do discurso social-democrata do partido: se temos um capitalismo o façamos de maneira que a maioria do povo brasileira seja deles beneficiário. E lança, a 1h:47:15, o discurso que viria a se tornar anátema: o de que o PSDB era a favor de privatizar alguns setores. Termina sua participação a 2h51:35, dizendo que tem orgulho de ser político e que é possível, sim, ser um político honesto no Brasil. Por fim, Ulisses Guimaraes não foi uma figura esquecida: A 2:54:20, Brizola lamenta a sua falta, que teria enriquecido e muito o debate. E é profético com Collor.

A eleição teve participação entusiasmada da população: votos brancos e nulos somaram, juntos, em torno de 5%, grande parte dos quais pode ser creditados aos erros ao escrever seu voto na cédula, algo bastante comum naqueles tempos pré-urna eletrônica. Tudo isso fruto daquele " excesso de sentimentos represados, recalcados, amarrados por uma corda que, quando arrebentasse, liberaria algo de muito grande - um grande líder popular, uma grande mudança para o país ou um grande fracasso". No caso, foram as três coisas juntas, consubstanciadas na figura de Fernando Collor, o caçador de marajás que fazia promessas mirabolantes sem nunca ter sido testado nas urnas e acabou terminando seu governo de forma melancólica dois anos depois.

Uma comparação com o momento atual se impõe. Temas muito presentes hoje, como a violência urbana, estão surpreendentemente ausentes naquele momento, assim como a legalização das drogas, ações afirmativas e políticas ligadas ao público GLS. O único momento em que temos desta natureza aparecem está a 29:45, quando Maluf pergunta sobre a legalização do aborto para Covas - e ainda deixa claro que é uma pergunta diferente de todas. Covas responde de maneira franca: contra. Trata-o junto a temas como pena de morte, intitulando "tema de natureza existencial" e que, como qualquer um destes temas, só pode ser tratado por plebiscito. A resposta de Covas merece especial atenção por abrir uma nova via de interpretação desta questão tão maltratada pelo debate público, indo além da já clássica disputa "direito sobre o corpo da mulher" x "minha religião não permite", refinando-a e elevando-a a outro patamar. Este momento de Covas serve para mostrar bem a distância que nos separa, hoje, daquela noite de 17 de julho de 1989.O Brasil democrático nascia, em 1988, como a maior democracia do Ocidente, dando voz a 100 milhões de eleitores. Naquela noite de julho, quando Mário Covas, Leonel Brizola, Lula , Roberto Freire, Paulo Maluf, Afonso Camargo , Aureliano Chaves Ronaldo Caiado e Guilherme Afif Domingues sentaram lado a lado, parecia nascer também como a melhor.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 4/11/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
02. Sinédoque São Paulo de Duanne Ribeiro
03. O que em silêncio sabemos de Marilia Mota Silva
04. Alguns momentos com Daniel Piza de Eduardo Carvalho
05. Onde os 'barbeiros' passeiam de Carla Ceres


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2014
01. Miguel de Unamuno e Portugal - 12/8/2014
02. Entrevista com Dante Ramon Ledesma - 9/9/2014
03. A vida exemplar de Eric Voegelin - 10/6/2014
04. Émile Zola, por Getúlio Vargas - 6/5/2014
05. Ler Oswald Spengler em 2014 - 25/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACHO QUE QUEBREI SUA EMPRESA!
KAREN PHELAN
BENVIRÁ
(2015)
R$ 24,00



JUNTOS PARA SEMPRE
WALCYR CARRASCO
ARQUEIRO
(2013)
R$ 12,99



O BOLO, BORRA DE CAFÉ E IDENTIDADE CULTURAL NA PARAÍBA
REBECA OLIVEIRA SOUSA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



SOLE E NEBBIE
CARLO PERASSO
BARULLI
(1972)
R$ 53,52



APRENDENDO E ENSINANDO ENSINANDO E APRENDENDO
IRMÃ MARIA HELENA ARNS
CNBB
(2000)
R$ 20,00



CALLING OF AN ANGEL
DR. GARY L. GLUM
SILENT WALKER
(1988)
R$ 250,00



THE COTTAGE
DANIELLE STEEL
RANDOM HOUSE
(2002)
R$ 17,50



SAKURA CARD CAPTORS Nº 14
CLAMP
JBC DO BRASIL
(1997)
R$ 7,00



A VIDA DO BEBÊ DA GRAVIDEZ AO PARTO
DR. RINALDO LAMARE
AGIR
(2008)
R$ 6,97



CONVERSA FRANCA SOBRE SOLIDÃO
JOYCE MEYER
BELLO PUBLICACOES
(2014)
R$ 9,90





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês