O que aconteceu com a Folha de S. Paulo? | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
29517 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Historia de Hotmail
>>> Maria Rita: música em estado febril
>>> Ser mãe
>>> Companheiros de Jornada
>>> Aloysio Nunes sobre a mentira
>>> ambiguities and lies
>>> Literatura brasileira hoje
>>> Detefon, almofada e trato
>>> Noturno para os notívagos
Mais Recentes
>>> Wild Cards: Ases nas Alturas de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: O Começo de Tudo de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Superman: Uma Biografia Não Autorizada de Glen Weldon pela Leya (2016)
>>> Os Últimos Dias de Krypton de Kevin J. Anderson pela Leya (2013)
>>> Wayne de Gotham de Tracy Hickman pela Leya (2013)
>>> Tokyo Ghoul: re v.1 de Siu Ishida pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Ataque dos Titãs v.19 de Hajime Isayama pela Panini Comics, Planet Manga (2016)
>>> Jojo's Bizarre Adventure: (Parte 2) Battle Tendency v.2 de Hirohiko Araki pela Panini Comics, Planet Manga (2019)
>>> Jojo's Bizarre Adventure: (Parte 2) Battle Tendency v.3 de Hirohiko Araki pela Panini Comics, Planet Manga (2019)
>>> Berserk v.30 de Kentaro Miura pela Panini Comics, Planet Manga (2019)
>>> BTOOOM! v.6 de Junya Inoue pela Jbc (2014)
>>> Assassination Classroom v.15 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2016)
>>> Assassination Classroom v.16 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.17 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.18 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.21 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.19 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Gentleman - A Timesless Guide to Fashion de Bernhard Roetzel pela H. F. Ullmann (2009)
>>> Obras Completas - Volume VI de Gil Vicente pela Sá da Costa (1955)
>>> Curso de Português Jurídico de Regina Toledo Damião e Antonio Henriques pela Atlas (1999)
>>> Bíblia Sagrada para a Família Católica de Padre Antônio Pereira de Figueiredo (trad.) pela Barsa (1969)
>>> Toda sua de Sylvia Day pela Paralela (2012)
>>> As Primícias: Alegoria Político- Sexual Em 7 Quadros de Dias Gomes pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Sangue Errante (Série Negra) de James Ellroy pela Record/ RJ. (2011)
>>> Tao-Te King de Lao-Tzu pela Pensamento (1995)
>>> O Rei de Ramos (com as Letras e Canções de Chico Buarque) de Dias Gomes pela Civilização Brasileira/ Rio (1979)
>>> A Invasão de Dias Gomes pela Civilização Brasileira/ Rio (1983)
>>> O Rei de Ramos (com as Letras e Canções de Chico Buarque) de Dias Gomes; Prefácio: Flávio Rangel pela Civilização Brasileira/ Rio (1979)
>>> Carter e o Diabo de Glen David Gold pela Record (2004)
>>> O Fazedor de Cercas de Sun Ling pela Carthago & Forte (1995)
>>> Vitória na Derrota: a morte de Getúlio Vargas de Ronaldo Conde Aguiar pela Verbena (2014)
>>> Percy Jackson e Os Olimpianos A maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> A Invasão de Dias Gomes pela Civilização Brasileira/ Rio (1983)
>>> Uma Fênix em Praga de Suely Burriasco pela Novo Século (2009)
>>> Violência, Democracia e Segurança Cidadã: o caso das polícias no Distrito Federal de Maria Stella Grossi Porto (Org.) pela Verbena (2017)
>>> Raízes do Turismo no Brasil de Mário Jorge Pires pela Manole (2002)
>>> Um Aprendiz de Quixote de Rogério Cezar de Cerqueira Leite pela Verbena (2016)
>>> Sucupira, Ame-a Ou Deixe-a: Venturas e Desventuras de Zeca Diabo... de Dias Gomes pela Bertrand Brasil/ Rj. (1998)
>>> Histórias de Amor Ardente de Louise Erdrich pela Record (1998)
>>> O Orgulho de Ser Mulher de Shere Hite pela Sextante (2004)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luís Fernando Veríssimo pela Objetiva (2008)
>>> Teatro V: A Cigarra e os Formigas/ Camaleão e a Batatas Mágicas/ Quem Matou o Leão? O Patinho Feio de Maria Clara Machado pela Agir/ RJ. (1979)
>>> Trinta Anos Esta Noite: 1964, o que vi e vivi de Paulo Francis pela Verbena (2019)
>>> Histórias de Autômatos de Mario G. Losano pela Companhia das Letras (1992)
>>> Sociologia da Violência: do conceito às representações sociais de Maria Stella Grossi Porto pela Verbena (2010)
>>> Percy Jackson e os Olimpianos O Mar de Monstros de Rick Riordan pela Intrínseca (2013)
>>> O Curto Reinado de Pepino IV de John Steinbeck pela Record (1970)
>>> Saúde Penitenciária no Brasil: plano e política de Martinho Silva pela Verbena (2015)
>>> Olhos Abertos: a história da nova China de Ivan Quagio pela Verbena (2009)
>>> Sereníssima de Erica Jong pela Circulo do Livro (1987)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/11/2014
O que aconteceu com a Folha de S. Paulo?
Julio Daio Borges

+ de 3100 Acessos

Eu leio a Folha desde, pelo menos, 1995. Foi quando eles produziram um caderno inteiro dedicado ao Cioran, me deram uma cortesia e eu acabei me convencendo a assinar o jornal. Estava na faculdade.

Lógico que eu sempre soube que a Folha era famosa por ser "de esquerda" (meu pai sempre disse). Mas aprendi a admirar o jornal. Era um contraponto interessante ao Estadão (o jornal que se assinava em casa). Principalmente pela parte cultural, a minha preferida, onde a Folha era mais "vanguarda", digamos.

E eu conheci muita gente boa que ou passou pela Folha ou fez carreira na Folha. Vale lembrar que o Diário da Corte, do Paulo Francis, começou na Folha, por sugestão do Cláudio Abramo. Ruy Castro e Sérgio Augusto tiveram grandes momentos na Folha. O Sérgio Dávila, que eu conheci quando era correspondente em Nova York, teve uma ascensão meteórica na Folha. E o Otávio Frias Filho, que eu conheci na Casa do Saber - e que é um intelectual de verdade -, hoje sucede o pai, Octávio Frias de Oliveira, dirigindo o jornal.

Ultimamente até, a Folha, reforçando seu "pluralismo", uma palavra que eles adoram, acolheu colunistas tidos como "de direita" - como Reinaldo Azevedo, que já foi da Folha, Luiz Felipe Pondé, que eu também conheci na Casa do Saber, e Demétrio Magnoli, um dos primeiros a escrever sobre a Militância em Ambientes Virtuais, MAV (na Folha).

Não assino mais nenhum jornal impresso. (Tive algumas recaídas, com o Valor.) Mas, "de domingo", costumava comprar a Folha. Também pela revista, ou pelas revistas, que o Estadão não traz.

Nestas eleições, contudo, fiquei bastante decepcionado com a cobertura da Folha de S. Paulo. E do UOL.

Começando pelo Datafolha, que errou feio no primeiro turno. Até aí, outros institutos, tradicionais, de pesquisa, também erraram...

Mas, no segundo turno, o Datafolha fez, pelo menos, duas dobradinhas bastante suspeitas, com o Ibope, "congelando" os dados num momento crucial da disputa. Não sei se vocês se lembram, mas, em duas semanas seguidas, Datafolha e Ibope deram exatamente os mesmos resultados, até nas "margens". E não detectaram nenhuma influência dos "áudios" dos depoimentos de Paulo Roberto Costa - sobre o "petrolão" - que foram parar até no Jornal Nacional...

Vale repetir que as metodologias, do Datafolha e do Ibope, são diferentes. E que, inclusive, pesquisaram *regiões* diferentes naquele momento. Mas o resultado permaneceu rigorosamente o mesmo: "empate técnico".

Depois, quando houve "reação" da campanha da Dilma - porque, na verdade, houve "desconstrução" de Aécio Neves -, o Datafolha saiu do "empate técnico". Até aí, outros institutos também saíram. O grave foi uma matéria da Folha "do além" - como dizíamos na adolescência - declarando, com chamada de capa, que o "otimismo" com a economia - no governo *Dilma* - havia "disparado". Era uma interpretação do jornal. A partir de dados do Datafolha.

Gostaria de saber quem aprovou essa manchete internamente. Porque quem sugeriu, eu já sei: deve ter sido algum militante infiltrado, no "estilo" Gustavo Uribe. Todo mundo sempre soube que o calcanhar de Aquiles do primeiro governo Dilma era a economia: inflação alta, crescimento zero e déficit recorde (já em setembro). Impossível um editor de economia, de qualquer jornal, aprovar uma manchete afirmando que o "otimismo" com a economia - de um dos piores governos da história da República, nesse quesito - havia "disparado" (do nada). Ainda mais num momento decisivo da eleição. Foi, no mínimo, irresponsável. Cadê a ombudsman? Vinicius Torres Freire (você, que tem uma coluna diária no caderno Dinheiro): gostaria muito de ler seus comentários a respeito.

Infelizmente, como vocês sabem, não ficou apenas nisso.

As eleições passaram. Dilma se reelegeu. Houve manifestações no dia 1º de Novembro de 2014. E a Folha voltou à carga. Em dobradinha com o UOL.

Primeiro, eles manchetaram: "Ato com cerca de mil manifestantes em São Paulo pede impeachment de Dilma e intervenção militar no Brasil". Dias depois, corrigiram para: "Manifestação contra Dilma reúne 2.500 pessoas em São Paulo".

Aumentaram o número de pessoas, seguindo até o que a imprensa internacional já havia noticiado. E retiraram o trecho sobre "intervenção militar".

Até aí, uma vitória das redes sociais, onde se fez pressão a fim de que fosse corrigido? Nada disso. O estrago já estava feito. Chegando até a própria Dilma, que postou em seu Facebook (dia 3 de novembro): "Tem gente querendo a volta da intervenção militar no País. Será que eles sabem o que isso significa?".

Não sei se preciso repetir aqui, pela milésima vez, que a manifestação não era pela "intervenção militar", nem pelo "golpe militar". Foi um cartaz apenas, infiltrado na multidão. A manifestação era, originalmente, pela apuração dos escândalos da Petrobrás, que pode (ou não) ensejar impeachment, e, igualmente, pela auditoria - solicitada pelo PSDB - da última eleição.

É triste constatar a parcialidade de um dos maiores jornais do País e, consequentemente, de um dos maiores portais da internet. Que a Folha tenha colunistas, das mais variadas matizes, emitindo opiniões pessoais, é perfeitamente concebível, até recomendável.

O que não dá para admitir é a manipulação, grosseira, de manchetes, influenciando não só o resultado da eleição mais importante do País, como, também, distorcendo uma manifestação legítima, uma oposição pacífica e até a imagem que se tem de São Paulo, da cidade e do estado.

Já parei de comprar a Folha aos domingos. E, nos dias de semana, quando ficava na dúvida entre a Folha e o Estadão, não fico mais: compro o Estadão. Eu sei que o repórter do Estadão também errou. Mas os editoriais do Estadão são bastante claros. O Estadão se posiciona abertamente. Coisa que a Folha deveria fazer. Até para sabermos quem é quem...

Lamento pelas pessoas na Folha - e da Folha - que li, conheci e admirei. Vou continuar lendo vocês na internet, quando me passarem algum link (pois tenho e-mail do UOL). Mas não vou mais comprar a Folha de S. Paulo. É o meu protesto como leitor - de quase 20 anos - num momento tão delicado na democracia do nosso País.


Julio Daio Borges
São Paulo, 5/11/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pesquisando (e lendo) o jornalismo de Duanne Ribeiro
02. Rememórias e túmulos multimídia de Carla Ceres
03. Discos eruditos fundamentais de Jardel Dias Cavalcanti
04. Em busca da adrenalina perdida de Marta Barcellos
05. Meu fiel rádio-relógio de Ana Elisa Ribeiro


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2014
01. Como detectar MAVs (e bloquear) - 22/10/2014
02. Sobre o caso Idelber Avelar - 8/12/2014
03. 40 - 29/1/2014
04. Meu Primeiro Livro - 18/6/2014
05. Mamãe - 19/1/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ALEXANDRE E OUTROS HEROIS
GRACILIANO RAMOS
MARTINS
R$ 5,00



JAPPRENDS LES MATHS CM2
RÉMI BRISSIAUD / PIERRE CLERC / ANDRÉ OUZOULIAS
RETZ
(2000)
R$ 43,00



AS IRMÃS HARKER
MINA FORD
RECORD
(2007)
R$ 10,00



UMA LUZ NO SERTÃO
CAIO PORFIRIO CARNEIRO
CLUBE DO LIVRO
(1973)
R$ 6,00



PORTUGUÊS PALAVRAS E IDÉIAS 5ª SÉRIE EXEMPLAR DO PROFESSOR
JOSÉ DE NICOLA ULISSES INFANTE
SCIPIONE
(1991)
R$ 15,00



NÃO CONTE A NINGUÉM
HARLAN COBEN
SEXTANTE
(2011)
R$ 12,00



DIÁRIOS DA DESCOBERTA A AMÉRICA
CRISTÓVÃO COLOMBO
L&PM
(1986)
R$ 16,85



O GRANDE DESAFIO
JOÃO B. PEIXOTO
BIBLIEX
(1978)
R$ 9,50



JORNALISMO DIGITAL
POLLYANA FERRARI
CONTEXTO
(2010)
R$ 12,00



SEXUALIDADE O QUE OS JOVENS SABEM E PENSAM
PE. MÁRIO MARCELO COELHO
CANÇÃO NOVA
(2010)
R$ 15,00





busca | avançada
29517 visitas/dia
891 mil/mês