O que aconteceu com a Folha de S. Paulo? | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Civilizado?
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Dar títulos aos textos, dar nome aos bois
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/11/2014
O que aconteceu com a Folha de S. Paulo?
Julio Daio Borges

+ de 3200 Acessos

Eu leio a Folha desde, pelo menos, 1995. Foi quando eles produziram um caderno inteiro dedicado ao Cioran, me deram uma cortesia e eu acabei me convencendo a assinar o jornal. Estava na faculdade.

Lógico que eu sempre soube que a Folha era famosa por ser "de esquerda" (meu pai sempre disse). Mas aprendi a admirar o jornal. Era um contraponto interessante ao Estadão (o jornal que se assinava em casa). Principalmente pela parte cultural, a minha preferida, onde a Folha era mais "vanguarda", digamos.

E eu conheci muita gente boa que ou passou pela Folha ou fez carreira na Folha. Vale lembrar que o Diário da Corte, do Paulo Francis, começou na Folha, por sugestão do Cláudio Abramo. Ruy Castro e Sérgio Augusto tiveram grandes momentos na Folha. O Sérgio Dávila, que eu conheci quando era correspondente em Nova York, teve uma ascensão meteórica na Folha. E o Otávio Frias Filho, que eu conheci na Casa do Saber - e que é um intelectual de verdade -, hoje sucede o pai, Octávio Frias de Oliveira, dirigindo o jornal.

Ultimamente até, a Folha, reforçando seu "pluralismo", uma palavra que eles adoram, acolheu colunistas tidos como "de direita" - como Reinaldo Azevedo, que já foi da Folha, Luiz Felipe Pondé, que eu também conheci na Casa do Saber, e Demétrio Magnoli, um dos primeiros a escrever sobre a Militância em Ambientes Virtuais, MAV (na Folha).

Não assino mais nenhum jornal impresso. (Tive algumas recaídas, com o Valor.) Mas, "de domingo", costumava comprar a Folha. Também pela revista, ou pelas revistas, que o Estadão não traz.

Nestas eleições, contudo, fiquei bastante decepcionado com a cobertura da Folha de S. Paulo. E do UOL.

Começando pelo Datafolha, que errou feio no primeiro turno. Até aí, outros institutos, tradicionais, de pesquisa, também erraram...

Mas, no segundo turno, o Datafolha fez, pelo menos, duas dobradinhas bastante suspeitas, com o Ibope, "congelando" os dados num momento crucial da disputa. Não sei se vocês se lembram, mas, em duas semanas seguidas, Datafolha e Ibope deram exatamente os mesmos resultados, até nas "margens". E não detectaram nenhuma influência dos "áudios" dos depoimentos de Paulo Roberto Costa - sobre o "petrolão" - que foram parar até no Jornal Nacional...

Vale repetir que as metodologias, do Datafolha e do Ibope, são diferentes. E que, inclusive, pesquisaram *regiões* diferentes naquele momento. Mas o resultado permaneceu rigorosamente o mesmo: "empate técnico".

Depois, quando houve "reação" da campanha da Dilma - porque, na verdade, houve "desconstrução" de Aécio Neves -, o Datafolha saiu do "empate técnico". Até aí, outros institutos também saíram. O grave foi uma matéria da Folha "do além" - como dizíamos na adolescência - declarando, com chamada de capa, que o "otimismo" com a economia - no governo *Dilma* - havia "disparado". Era uma interpretação do jornal. A partir de dados do Datafolha.

Gostaria de saber quem aprovou essa manchete internamente. Porque quem sugeriu, eu já sei: deve ter sido algum militante infiltrado, no "estilo" Gustavo Uribe. Todo mundo sempre soube que o calcanhar de Aquiles do primeiro governo Dilma era a economia: inflação alta, crescimento zero e déficit recorde (já em setembro). Impossível um editor de economia, de qualquer jornal, aprovar uma manchete afirmando que o "otimismo" com a economia - de um dos piores governos da história da República, nesse quesito - havia "disparado" (do nada). Ainda mais num momento decisivo da eleição. Foi, no mínimo, irresponsável. Cadê a ombudsman? Vinicius Torres Freire (você, que tem uma coluna diária no caderno Dinheiro): gostaria muito de ler seus comentários a respeito.

Infelizmente, como vocês sabem, não ficou apenas nisso.

As eleições passaram. Dilma se reelegeu. Houve manifestações no dia 1º de Novembro de 2014. E a Folha voltou à carga. Em dobradinha com o UOL.

Primeiro, eles manchetaram: "Ato com cerca de mil manifestantes em São Paulo pede impeachment de Dilma e intervenção militar no Brasil". Dias depois, corrigiram para: "Manifestação contra Dilma reúne 2.500 pessoas em São Paulo".

Aumentaram o número de pessoas, seguindo até o que a imprensa internacional já havia noticiado. E retiraram o trecho sobre "intervenção militar".

Até aí, uma vitória das redes sociais, onde se fez pressão a fim de que fosse corrigido? Nada disso. O estrago já estava feito. Chegando até a própria Dilma, que postou em seu Facebook (dia 3 de novembro): "Tem gente querendo a volta da intervenção militar no País. Será que eles sabem o que isso significa?".

Não sei se preciso repetir aqui, pela milésima vez, que a manifestação não era pela "intervenção militar", nem pelo "golpe militar". Foi um cartaz apenas, infiltrado na multidão. A manifestação era, originalmente, pela apuração dos escândalos da Petrobrás, que pode (ou não) ensejar impeachment, e, igualmente, pela auditoria - solicitada pelo PSDB - da última eleição.

É triste constatar a parcialidade de um dos maiores jornais do País e, consequentemente, de um dos maiores portais da internet. Que a Folha tenha colunistas, das mais variadas matizes, emitindo opiniões pessoais, é perfeitamente concebível, até recomendável.

O que não dá para admitir é a manipulação, grosseira, de manchetes, influenciando não só o resultado da eleição mais importante do País, como, também, distorcendo uma manifestação legítima, uma oposição pacífica e até a imagem que se tem de São Paulo, da cidade e do estado.

Já parei de comprar a Folha aos domingos. E, nos dias de semana, quando ficava na dúvida entre a Folha e o Estadão, não fico mais: compro o Estadão. Eu sei que o repórter do Estadão também errou. Mas os editoriais do Estadão são bastante claros. O Estadão se posiciona abertamente. Coisa que a Folha deveria fazer. Até para sabermos quem é quem...

Lamento pelas pessoas na Folha - e da Folha - que li, conheci e admirei. Vou continuar lendo vocês na internet, quando me passarem algum link (pois tenho e-mail do UOL). Mas não vou mais comprar a Folha de S. Paulo. É o meu protesto como leitor - de quase 20 anos - num momento tão delicado na democracia do nosso País.


Julio Daio Borges
São Paulo, 5/11/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 7 vidas de um quadrinista de Gian Danton
02. Dá para ler no celular? de Marta Barcellos
03. Ensino Inferior de Diogo Salles
04. Lennon engano de Guga Schultze
05. Para você que escreve e tem mais ou menos 30 anos de Marcelo Spalding


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2014
01. Como detectar MAVs (e bloquear) - 22/10/2014
02. Sobre o caso Idelber Avelar - 8/12/2014
03. 40 - 29/1/2014
04. Meu Primeiro Livro - 18/6/2014
05. Mamãe - 19/1/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INDEPENDENT FILMMAKING
LENNY LIPTON
STUDIO VISTA (LONDRES)
(1974)
R$ 20,28



QUEM FICA COM FELIPE?
ILSA MONTEIRO
FTD
R$ 7,00



CHICO BENTO MOÇO VOL 15
MAURICIO DE SOUSA
PANINI
(2013)
R$ 6,70



FUNDAMENTOS DE SOCIOLOGIA GERAL
PEDRO ANTÓNIO DOS SANTOS
GEN / ATLAS
(2013)
R$ 60,00



ARTE BRASILEIRA DOS SECULOS XIX E XX NA COLECAO BOVESPA
VÁRIOS AUTORES
BOVESPA
(2007)
R$ 60,00



PRATICA FORENSE V. 2 - PRATICA ADMINISTRATIVO
ALEXANDRE MAZZA - FLÁVIA CRISTINA MOURA
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2009)
R$ 37,00



QUERIDO DIÁRIO OTÁRIO, OS ADULTOS PODEM VIRAR GENTE
JIM BENTON
FUNDAMENTO
(2004)
R$ 15,00



NOS SUBTERRÂNEOS DA MENTE 5565
FRITZ REDLICH E JUNE BINGHAM
IBRASA
(1962)
R$ 8,00



A DIVINA COMÉDIA - EDIÇÃO BILÍNGUE
DANTE ALIGHIERI; VASCO GRAÇA MOURA
LANDMARK
(2005)
R$ 95,00



A ESCRAVA ISAURA
BERNARDO GUIMARÃES
KLICK
R$ 4,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês