O fim do PT | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 15/12/2014
O fim do PT
Julio Daio Borges

+ de 1900 Acessos

Tanto quanto no anti-PT, devemos pensar no "pós-PT". Se o anti-PT vai durar enquanto o PT for governo, o pós-PT será o período que virá imediatamente depois. Entre o anti-PT, que já existe, e o pós-PT, que pode começar a qualquer momento, existe o "fim" do PT. Não acredito que o partido acabe, e nem que tenha seu registro cassado, não é isso - mas acredito que o PT vem "acabando" desde 2005, com a eclosão do mensalão. O PT teve seu auge em 2002, com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência da República, mas ficou aleijado a partir de 2012, com a condenação (e prisão) de sua antiga cúpula. Além de Dilma Rousseff, emplacou mais um "poste" em São Paulo (ainda em 2012), mas, já em 2014, não emplacou nenhum outro e venceu a Presidência como um aluno que passa "raspando". A apuração do petrolão pode significar a cassação do que restou do PT, forçando a "aposentadoria" de Lula e Dilma. Por isso, abordo o "final" do partido agora.

* Eleições 2014 - Foi a maior surra eleitoral que o PT já tomou desde 2002. Foi o auge do anti-PT, em termos eleitorais. Dilma foi reeleita, OK, mas, em São Paulo, o PT perdeu em quase tudo, e em quase todas as cidades (incluindo o Grande ABC, ninho do partido). Foi, no mínimo, estranha a vitória do PT em Minas Gerais (onde Fernando Pimentel já foi aliado de Aécio Neves), em Pernambuco (onde Eduardo Campos já foi aliado de Lula) e no Rio de Janeiro (onde Dilma fez campanha ora com um, ora com outro, candidato a governador). Mas, tudo bem, não vamos alimentar teorias da conspiração. O PT também perdeu assentos no Parlamento. E a oposição, em contrapartida, elegeu mais parlamentares. Se em 2006, o escândalo do mensalão foi quase inócuo em termos de votação, 2014 será lembrando como o ano em que, eleitoralmente, o PT começou a diminuir de tamanho.

* Entre mortos e feridos no Congresso Nacional - Além de a eleição de 2014 não ter sido nenhuma Brastemp para o PT - pelo contrário -, já pesam denúncias contra o suposto envolvimento de senadores como Humberto Costa, Lindberg Farias e Gleisi Hoffmann, no mar de escândalos (segundo a operação Lava Jato). São três senadores. Fora a saída de Eduardo Suplicy, que perdeu sua vaga em São Paulo (para José Serra), e fora Marta Suplicy, que saiu do Ministério da Cultura atirando, e que, segundo informações, já flerta com o PMDB de José Sarney e Renan Calheiros. Para completar, Marta quer concorrer contra Fernando Haddad pela prefeitura de São Paulo em 2016. Descontando as questões eleitorais, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, já tem a lista de parlamentares, supostamente, implicados no petrolão e adjacências. O doleiro Alberto Yousseff já antecipou que, do PP, sobram apenas "dois". Do PT, que era o partido, supostamente, mais beneficiado pelo esquema, quantos sobrarão? Já sabemos que são *dezenas* de parlamentares na lista de Janot...

* Poder Executivo - Além de ter perdido, na última eleição para governador, em São Paulo, no Rio de Janeiro, no Rio Grande do Sul e no Distrito Federal, entre outros estados, o PT está muito mal na Presidência da República (onde ganhou *perdendo*) e está mal, também, na esfera municipal, sendo Haddad, em São Paulo, o maior exemplo de como 2016 pode ser tão ruim, eleitoralmente falando, quanto 2014 (ou pior). Haddad estreou mal, em 2013, com o aumento abusivo do IPTU, que Paulo Skaf barrou através da Fiesp. Continuou mal com o "liberou geral" na Cracolândia, que segue em franca expansão (agora ele culpa a polícia - de Geraldo Alckmin, claro - pela "favelização"). Mostrou-se politicamente fraco nas manifestações de Junho de 2013 (buscando, inclusive, guarida no Palácio dos Bandeirantes, em pleno território "inimigo"). E coroou suas trapalhadas com as faixas de ônibus - que aumentaram a velocidade dos mesmos apenas em 1 (um!) Km/h - e com as tais ciclofaixas, cujo uso - mínimo - nunca compensou todo o desgaste com a população (que se revolta e, inclusive, "despinta" algumas). Fernando Haddad, como prefeito de São Paulo, é um bom ministro da Educação segundo os padrões do PT - ou seja: um desastre. E se sua administração é considerada "vitrine" para o Partido dos Trabalhadores, imagine as outras...

* Dilma - O PT mostrou que pode perder tudo - os princípios, a ética, a vergonha na cara - mas não pode perder o Palácio do Planalto. Acontece que Dilma não é indestrutível, e está bastante fragilizada. Tudo bem que ela se conforma em ser marionete nas mãos de Lula, e boneco de ventríloquo nas mãos de João Santana, mas essa postura de papagaio, de ficar palrando para fugir de suas responsabilidades, aparentemente se safando dos escândalos, vai acabar. Como ventilaram colunas políticas, seu segundo ministério promete ser ainda pior que o primeiro, com a honrosa exceção de Joaquim Levy, que cercado de incompetência por todos os lados, pode terminar de mãos atadas. Para completar, Dilma revela que suas habilidades políticas só pioraram - numa iniciativa canhestra de assassinar a lei de responsabilidade fiscal, lavrando o "toma lá, dá cá" em cartório. Como política, no sentido mais estrito do termo, Dilma é uma boa "gerentona" ou "mãe do PAC' - ou seja: um desastre. Assim como Haddad, Dilma é a personificação do fracasso da estratégia de Lula em eleger "postes". Uma vez fora do Planalto, Dilma está com sua carreira encerrada. Apesar de que ainda pode pairar como ex-presidente-fantasma...

* Lula - Se Dilma é Lula, o PT é mais Lula ainda. No sentido de que sobrou apenas Lula, para segurar a onda do partido. Tanto que quem foi ajudar a eleger Dilma, se esgoelando em comícios, e acabando de manchar a própria biografia, foi Lula. Tanto que, na indefinição do segundo mandato, quem está dando as cartas, desde os ministérios, é Lula. Tanto que, quando o partido enfrenta uma crise, quem sai em sua defesa, e tenta resgatar alguma coisa, é Lula. Mas Lula não é eterno, e estão cada vez mais limitados os seus (super)poderes. Primeiro, pela idade. Lula caminha para se tornar um septuagenário, como José Serra. Olhe para as fotos recentes dos dois: você acredita que eles teriam condições - físicas - de disputar uma Presidência da República, daqui a quase 4 (quatro) anos? Segundo, pelo desgaste. Se vale aquela expressão "saiu menor do que entrou", e se ela se aplica a alguém nas eleições de 2014, esse alguém - mais do que Dilma, e até João Santana - é Lula. Terceiro, pelas ligações perigosas. Lula se safou do mensalão, sacrificando "companheiros" de toda uma vida, mas, do petrolão, está mais difícil. Lula poderia entregar até a cabeça de Dilma, para o sacrifício, mas a oposição de 2014 não se contentaria. E não falo do PSDB apenas, falo do anti-PT. Não acredito, porém, que Lula seja preso. Mas pode se tornar inelegível...

* Quem sobra? - Dilma está implicada. Lula será implicado. A "nova geração" é representada pelo antecipadamente derrotado Haddad e pelo, igualmente, derrotado, e implicado, Alexandre Padilha (supostamente pela operação Lava Jato). Sem Dilma, sem Lula, e sem "futuro", o que sobra para o PT? José Dirceu, mesmo solto, não oferece perigo. É outro septuagenário a caminho. E você viu o estado em que ele saiu da Papuda? José Genoíno vai pelo mesmo caminho (tem a mesma idade de Dirceu, não foi solto e se diz doente). Delúbio Soares deve fugir dos holofotes, como Duda Mendonça que, espertamente, fugiu de sua associação com o partido. João Vaccari Neto será implicado, qualquer dia. Rui Falcão, que sucedeu José Genoíno, é da ala que prega a "hegemonia", mas não tem habilidade, política, para conduzir o "projeto", e é mais um septuagenário na lista. Aloizio Mercadante? É um sobrevivente da velha guarda, mas um desastre anunciado, da mesma estirpe de Mantega, fora que o partido não lhe confia a liderança (queimou-se com o baixo clero). Marta está perdida. Suplicy ficou perdido. A lista de ex-petistas é outra que só faz crescer. Já deve ser maior do que a lista de petistas convictos. E produzem cada vez mais fogo amigo...

* Militância - Não vale a militância movida a pão com mortadela. Nem a MAV. O problema dos mercenários é que hoje eles trabalham para você, amanhã trabalham para quem pagar mais. Mesmo com mensalão e petrolão, não consta que o "caixa" do PT seja sem fundo. Estão perdendo cargos executivos. Estão perdendo assentos no Parlamento. Dilma pode não sobreviver a um segundo mandato (inteiro). Lula está impedido, por tudo o que já foi dito... A tendência, para a estrutura do PT, é ir diminuindo de tamanho. E militância "não paga", para o PT, está cada vez mais rara. É diariamente escorraçada nas redes sociais. Se antes nascia um petista a cada dia, hoje nasce um anti-petista a cada dia. Alguém poderia falar na militância na imprensa, mas essa vai ficando desacreditada, também. Os desdobramentos da operação Lava Jato são indefensáveis. Suspeito que nem Márcio Thomaz Bastos iria aceitar o "caso". E a mídia estatal segue o ritmo da diminuição do caixa do PT. Fora que não é gente com vocação legítima para o jornalismo - não conquistaram respeito no meio, não têm carreira para seguir. A militância, desde a mais espontânea, ao rés do chão, até os vendilhões, da chamada "base alugada", abandonou o PT ou o está abandonando...

* Futuro - O PT é, originalmente, um partido de massas. Tem de, obrigatoriamente, ganhar eleições. Mas como (se vai perdendo "quadros" - e se não consegue repor)? O PT não tem a vocação política de um PMDB, por exemplo. Não é sequer fisiológico, porque prefere "hegemonia" a democracia. Não que José Sarney e Renan Calheiros não sejam adeptos de um certo tipo de hegemonia, também, mas o PT não aprendeu com o PMDB, assim como Lula vai acabar pior do que Sarney. E Dilma. pior do que Collor. E antes que me acusem de ser militante no PSDB, não acredito que o PSDB esteja muito melhor, não - em termos de futuro, e em termos de quadros (ainda que passe longe de escândalos como mensalão e petrolão). Como FHC - o "equivalente" de Lula - não dura para sempre, a grande diferença, em relação ao PT, é que o PSDB tem Aécio Neves. O mais próximo de Aécio Neves - a que a esquerda poderia almejar - seria Eduardo Campos. Alckmin não é Aécio, obviamente. E o PSDB talvez aposte numa renovação "puxada" por Aécio. Considero arriscado... Enfim: o PT pode estar de mal a pior, mas temos de pensar no médio/longo prazo, no pós-PT...


Julio Daio Borges
São Paulo, 15/12/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A crise de 2008 de Gian Danton


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2014
01. Como detectar MAVs (e bloquear) - 22/10/2014
02. Sobre o caso Idelber Avelar - 8/12/2014
03. 40 - 29/1/2014
04. Meu Primeiro Livro - 18/6/2014
05. Mamãe - 19/1/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DECIDA-SE PELO SUCESSO
NOAH ST. JOHN
CULTRIX
(2003)
R$ 29,90



TEEN VILLAGE 1
DAVID SPENCER
MACMILLAN
(2008)
R$ 10,00



DO FUTURO - FATOS, REFLEXÕES, ESTRATÉGIAS
ANTONIO PASQUALI
UNISINOS
(2004)
R$ 7,90



RECIFE DOS HOLANDESES
JULIETA DE GODOY LADEIRA
ÁTICA
(1990)
R$ 4,42



O HÓSPEDE DE DRÁCULA COLEÇÃO MINI BIBLIOTECA
BRAM STOKER
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1996)
R$ 21,78



O CAVALEIRO DOS SETE REINOS HISTÓRIAS DO MUNDO DE GELO E FOGO
GEORGE R.R. MARTIN
LEYA
(2017)
R$ 42,00



A VERDADEIRA HISTÓRIA DE MARIA MADALENA
DAN BURSTEIN J. DE KEIJZER
EDIOURO
(2006)
R$ 74,00



O LAVATER DAS SENHORAS
EDOUARD HOCQUART
IMPRENSA OFICIAL
(2010)
R$ 31,99



O CANTOR PRISIONEIRO
ROGÉRIO BORGES; ASSIS BRASIL
MODERNA
(2004)
R$ 10,00



JUSTIÇA E COMPORTAMENTOS DE CIDADANIA NAS ORGANIZAÇÕES UMA ABORD
ARMÉNIO REGO
SÍLABO
(2000)
R$ 39,70





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês