Para que serve a poesia? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Adeus, Orkut
>>> Sabe como é, pode rolar...
>>> Zeitgeist
>>> 9° Festival Internacional do Documentário Musical
>>> Até Faustão apoia os protestos
>>> Zastrozzi
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Como os jornais vão se salvar
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Concisão e sensibilidade
Mais Recentes
>>> Freud e a Educação - O Mestre do Impossível de Maria Cristina Kupfer pela Scipione (1997)
>>> Freud Antipedagogo de Catherine Millot pela Jorge Zahar (1987)
>>> Formação de professores indígenas: repensando trajetórias de Luis Donizete Benzi Grupioni (Org.) pela Unesco/Secad (2006)
>>> O Freudismo de Mikhail Bakhtin pela Perspectiva (2001)
>>> De Piaget a Freud - A (Psico)Pedagogia Entre o Conhecimento e o Saber de Leandro de Lajonquière pela Vozes (1998)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geofrey Blainey pela Fundamento (2007)
>>> Piaget - O Diálogo com a Criança e o Desenvolvimento do Raciocínio de Maria da Glória Seber pela Scipione (1997)
>>> Cem Anos Com Piaget – Substratum Artes Médicas – Volume 1, Nº 1 de Ana Teberosky e Liliana Tolchinsky pela Artes Médicas (1997)
>>> Você e eu- martin buber, presença palavra de Roberto Bartholo Jr. pela Garamond (2001)
>>> Piaget - Experiências Básicas Para Utilização Pelo Professor de Iris Barbosa Goulart pela Vozes (1998)
>>> Revisitando Piaget de Fernando Becker e Sérgio Roberto K. Franco (Org.) pela Mediação (1998)
>>> Eu e Tu de Martin Buber pela Centauro (2001)
>>> Jean Piaget Sobre a Pedagogia - Textos Inéditos de Silvia Parrat e Anastasia Tryphon (Org.) pela Casa do Psicólogo (1998)
>>> Cinco Estudos de Educação Moral de Jean Piaget, Maria Suzana de Stefano Menin, Ulisses Ferreira de Araújo, Yves de La Taille, Lino de Macedo (Org) pela Casa do Psicólogo (1996)
>>> Percursos Piagetianos de Luci Banks-Leite (Org.) pela Cortez (1997)
>>> Piaget e a Intervenção Psicopedagógica de Maria Luiza Andreozzi da Costa pela Olho D'Água (1997)
>>> Fazer e Compreender de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Dicionário do Renascimento Italiano de John R. Hale pela Jorge Zahar (1988)
>>> A Tomada de Consciência de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Psicologia e Pedagogia de Jean Piaget pela Forense Universitária (1998)
>>> Dicionário Temático do Ocidente Medieval de Jacques Le Goff & Jean-Claude Schmitt pela Edusc (2002)
>>> Como Orientar a Criança Excepcional - vol. 8 - Curso de Orientação Educacional de Jay Aruda Piza pela Pontes (2020)
>>> O Estruturalismo de Jean Piaget pela Difel (1979)
>>> Higiene Mental das Crianças e Adolescentes- vol. 7 - Curso de Orientação e Educacional de Dep. de Instrução Pública de Genebra pela Ponte (1972)
>>> O Pós-dramático de J. Guinsburg e Silvia Fernandes pela Perspectiva (2009)
>>> Poesia soviética de Lauro Machado Coelho pela Algol (2007)
>>> Pétala Soletrada pelo Vento de Mariayne Nana pela Urutau (2018)
>>> Tomidez e Adolescência vol. 6 - Curso de Orientação Educacional de Jean Lacroix pela Pontes (1972)
>>> Ensaios Reunidos (1946-1971), V. 2 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (2005)
>>> Como compreender seu Potencial de Myles Munroe pela Koinonia Comunidade (1995)
>>> Louvai a Deus Com Danças de Isabel Coimbra pela Profetizando Vida (2000)
>>> A missão de Interceder de Durvalina B. Bezerra pela Descoberta (2001)
>>> O Contrabandista de Deus de Irmão André. John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (2003)
>>> Ensaios Reunidos 1942 - 1978 Vol. 1 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (1999)
>>> O Dízimo e o Sábado não são Cristãos de Fernando César Roelis Padilha pela Xxxxxxxxxxxx (1995)
>>> Socorro, Temos Filhos! de Dr. Bruce Narramore pela Mundo Cristão (1992)
>>> Fale a verdade consigo mesmo de Willian Backus Marie Chapian pela Betânia (1989)
>>> Como controlar as Tensões no Camento de Bill e Vonette Bright pela Candeia (1990)
>>> Satanás está vivo e Ativo no planeta terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão (1981)
>>> Venha O Teu Reino de David W. Dyer pela Ministério Grão de trigo (1985)
>>> Eu, um Servo? Você está Brincando! de Charles Swindoll pela Betânia (1983)
>>> Que Há Por Trás Da Nova Ordem Mundial? de E. G. White pela Vida Plena (1995)
>>> Cerco de Jericó a caminho da vitoria de Pe. Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Comunicação a Chave para o Seu Camento de H. Norman Wright pela Mundo Cristão (1983)
>>> Princípios de Interpretação da Bíblia de Walter A. Henrichsen pela Mundo Cristão (1983)
>>> Apocalipse versículo por versículo de Severino Pedro da Silva pela Cpad (1985)
>>> Boas Esposas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> O que o Ato Conjugal significa para o Homem de Tim e Beverly LaHaye pela Betânia (2020)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoiévski pela Principis (2020)
>>> Satanismo de Daniel e Isabela Mastral pela Xxxxxxxxxxxx (2001)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/6/2015
Para que serve a poesia?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 10200 Acessos

A pergunta não se cala, assim como o texto não silencia nunca. Em muitas ocasiões, a pergunta surge, ora com ar de curiosidade mesmo, ora com jeito de desafio. Quem disse que pergunta é só pergunta? Geralmente, não é. Deviam ensinar, desde a escolinha, que interrogação não sinaliza só questionamento. Pergunta também serve para provocar, para desestabilizar e para sugerir. Até para ofender. Pergunta redimensiona, alerta e contém. Pergunta rejunta. Pergunta separa. Pergunta perturba. O que quer quem pergunta? É o que devemos perguntar. E quem pergunta para que serve a poesia? O que quer? Depende.

Um escritor novato esteve às voltas com a dificuldade de publicar. Anterior a isso é a dificuldade de escrever. Mas de desafio também é feita a literatura, desde o começo. O escritor novato, então, sente um certo desânimo e passa a se perguntar sobre a serventia das coisas. Que lógica é essa? É que há uns elementos no mundo que já nascem com essa resposta na ponta da língua. Para que serve o pente? Para pentear os cabelos, se você os tiver, diria o careca. Para que serve a luva? Para proteger as mãos. Do frio, diria o esquimó; dos cortes, diria o mecânico; do asfalto, diria o motoqueiro. Para que serve a chave de fenda? Para atarrachar e desatarrachar parafusos, mas apenas os que têm na cabeça uma fenda. Há outros para outras chaves, diria o especialista. E aí vem minha avó dizer que usou chave de fenda para abrir tampa de vidro de azeitona. A empregada disse que fez uso da chave para desentupir um buraco ou para limpar uma greta. Vai ficando difícil dizer, ao certo, para que serve uma coisa qualquer.

Para que serve a poesia?, pergunta o escritor novato. Eu poderia, risonhamente, responder a ele, com jeito incentivador, que "para nos dar trabalho". E não me referiria exatamente ao trabalho como ocupação, como labor pelo qual eu deveria receber dinheiro ou marcar ponto, mas ao trabalho no sentido do custoso, da peleja, do esforço. Uma espécie de nadar contra a corrente, que é cada vez mais viciada.

Vem o gestor de cultura e pergunta para que serve a poesia? Ele provavelmente, se for um pouco inteligente, não perguntará isso de qualquer jeito, a qualquer um. Talvez prefira o recinto fechado e o secretário puxa-saco. Vão dizer: a poesia não serve para nada, meu caro colega. Mas é preciso mostrar aquele verniz. Poesia é verniz, e dos bons. Faz brilho em quem parece sabê-la. Poesia não abre lata e nem limpa pia. Poesia não penteia, não desparafusa e não guarda presunto. Poesia não esquenta água nem esfria cerveja. Poesia não liga e desliga.

Mas a garota inteligente vai dizer assim aos queridos colegas que, sim, é preciso saber metáfora para entender um pouco melhor o que pode fazer a poesia. Poesia acende e esquenta, ela dirá a ele, olhando-o nos olhos. Sabe por que um país se apaga do mapa? Porque seus cidadãos não vêm luz em nada. Quando eles usam a inteligência, pode ser que fiquem mais possantes. Mas não usarão enquanto não puderem se entender e se expressar. A poesia alerta, incendeia, clareia. Se alguém é capaz do espanto, gostará da poesia de um e de outro. A poesia perturba. Não sei se é uma experiência comum, mas é forte. O leitor lê um poema e sente, de verdade, um mal-estar. Um aperto, um susto, um descompasso. E faz perguntas, daquelas de desestabilizar: será? Mas será? Mas é isso? E quando o leitor começa a se ligar? É isto! É isto! E consegue compreender que há uma coisa chamada identificação.

A poesia pode tratar do mundo. Mas não desse mundo das chaves e dos pentes - embora também o possa. Conheço poeta que fala de mesa, de cadeira e de lápis. No entanto, nessa poesia, as coisas não são só elas e nem apenas o que parecem. As coisas extrapolam olhares restritos. A poesia serve também para isso. A poesia ressignifica o que parecia estar quieto ali, sem grandes afetações, por uma vida inteira.

O que seria o amor, sem a descrição poética? O amor serve para quê? Diríamos, talvez, em uníssono: "para nos dar trabalho". Pode ser. Às vezes, não é. Para que servem os filhos? Depende. Para nos arrimar, para trazer chinelo, para resolver nossas vidas mal resolvidas, para dar preocupação, para dar beijo. Há coisas que se formam de uma complexidade de serventias tão, mas tão grande, que nós preferimos não questioná-las.

Para que serve a literatura? Para nada. Se não serve para nada, por que a perseguem? Por que ela precisa ser limpinha e corretinha para adentrar a escola? Por que ela precisa ser inocente para ser comprada pelos editais públicos? Por que ela precisa ser ecológica para ser tratada em aula? Por que ela precisa ser evitada? Por que ela precisa ser regulada, em termos de idade, temas, registros de linguagem? Deve ser porque ela não serve para nada.

Eu fiquei brava, dia desses, porque a escola indicou um livro no "projeto literário". Quando li, junto com meu filho, fui torcendo o nariz para aqueles ensinamentos sobre efeito estufa. Era tudo, servia para muita coisa, sem dúvida, mas não era literatura. Não era arte, não era nada. Que fosse para o projeto ecológico, para o projeto de ciências, para outra coisa. Não podia estar no projeto literário. Assim, meu filho não saberá nunca o que é literatura e como ela é perturbadora. Prefiro, quando for o caso, que ele leia Ignácio de Loyola Brandão ou outro que possa tratar das mazelas do mundo por meio da arte, que serve, podemos dizer, para acender, aquecer e perturbar.

Uma vez, na escola, li um poema que me bateu. Chocou-me ao ponto de eu paralisar a leitura e não conseguir retomá-la, por um tempo. O poema me varreu do meu lugar, me sugou, me empurrou - para frente. Com algumas poucas palavras, o poema me derrubou. Mas derrubou e me deu as mãos, em seguida. Eu me levantei mais forte. Não tinha palavrão, não falava de morte, não era um poema assassino nem prostituto. Não precisava ser, mas poderia ter sido. Era um poema bom, com o qual eu me identificava, naquele momento. Era um poema que me dizia coisas que ninguém diria. Porque muitas coisas importantes e interessantes estão escritas e não serão ditas. A poesia me demoveu ou me convenceu. Pode ser que eu use um poema para conquistar, para ofender e para ensinar. Pode ser que não. É que a poesia é palavra. E a palavra, bom, parece que serve para tudo neste mundo.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 26/6/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pandemia de Albert Camus de Wellington Machado
02. A que ponto chegamos, EUA! de Celso A. Uequed Pitol
03. Na hora do batismo de Marta Barcellos
04. Caiu na rede, virou social de Fabio Gomes
05. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2015
01. Para que serve a poesia? - 26/6/2015
02. A pomba gíria - 1/5/2015
03. Como ser um Medina - 16/1/2015
04. Momento ideal & conciliação - 25/9/2015
05. Leitura, curadoria e imbecilização - 11/9/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRASIL: THE EMERGING ECONOMIC BOOM 1995 - 2005
STEPHEN KANITZ
MAKRON BOOKS
(1995)
R$ 5,00



A SAGA DO IMPÉRIO - VOLUME 3 - A SENHORA DO IMPÉRIO / FICÇÃO NORTE-AMERICANA
RAYMOND E. FEIST E JANNY WURTS / TRADUÇÃO: RUI AZE
ARQUEIRO
(2016)
R$ 20,00



A LEGIÃO (NOVO, LACRADO)
MARCELA DE JESUS
NOVO SÉCULO
(2014)
R$ 18,00



A DESCOBERTA DA AMÉRICA PELOS TURCOS
JORGE AMADO
RECORD
(1994)
R$ 5,00



TUDO POR BILLY
LARRY MCMURTRY
BEST SELLER
R$ 12,00



UM UNIVERSO NUMA CAIXA DE FÓSFOROS
RAMPAZO, ALEXANDRE
PANDA BOOKS
R$ 19,00



A SERPENTINA NUNCA SE DESENROLA ATÉ O FIM
KEYK PIMENTA
7 LETRAS
(2015)
R$ 21,00



O CORTIÇO
ALUÍSIO AZEVEDO
NOSSA CULTURAL
(1981)
R$ 8,90



PARA GOSTAR DE LER 24 - BALÉ DO PATO
PAULO MENDES CAMPOS
ATICA
(1998)
R$ 5,00



TUDO SOBRE MENINAS - PARA MENINAS
CLÁUDIA FELÍCIO
PLANETA JOVEM
(2004)
R$ 8,00





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês