Real tédio | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> A Mulher Carioca aos 22 Anos de João de Minas pela Dantes (rj) (1999)
>>> O Poder Constituinte 3ª Edição de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva (1999)
>>> Questões Comentadas de Direito Ambiental de Terence Trennepohl e Natascha Trennepohl pela Juspodivm (2008)
>>> Máximo de Mínimos: Poesia Reunida de Elcio Fonseca pela Autor (2004)
>>> Acidente de Trabalho e Moléstias Profissionais de J R Feijó Coimbra pela Edições Trabalhistas (rj)
>>> O Direito e os Advogados nos Eua de Erwin N. Griswold pela Forense (rj) (1967)
>>> Crise e Escritura : uma Leitura de Clarice Lispector e Vergílio de Ivo Lucchesi pela Forense Universitária (1987)
>>> Denunciação da Lide no Direito Processual Civil Brasileiro de Sydney Sanches pela Revista dos Tribunais (sp) (1984)
>>> Estados Unidos - Textos Acadêmicos de Fundação Alexandre de Gusmão pela Fundação Alexandre de Gusmão (2008)
>>> Depositário Judicial de Edilton Meireles pela Lejus (1999)
>>> Crimes Contra a Honra de Marcelo Fortes Barbosa pela Malheiros (1995)
>>> Pragmática da Violência: o Nordeste na Mídia Brasileira de Daniel do Nascimento e Silva pela 7 Letras e Faperj (rj) (2012)
>>> Coisas de Menino (edição 2009) de Eliane Ganem pela José Olympio (2010)
>>> Processo Tributário 2ª Edição de Paulo Cesar Conrado pela Quartier Latin (2007)
>>> Capitalismo e Força de Trabalho de Seminário Ufbahia - 1983 pela Ufba (1983)
>>> Lart Medieval: Histoire de Lart de Elie Faure pela Livre de Poche (1964)
>>> A Cpi Municipal - 4ª Edição de Jose Nilo de Castro pela Del Rey Books (2000)
>>> Educação para o Século XXI de Jorge Cardelli, Miguel Duhalde e Laura Maffei pela Instituto Polis (sp) (2003)
>>> Fundamentos Filosóficos de La Clinica Homeopática de Dra Maria Clara Bandoel pela Albatros Ediciones (1986)
>>> Pensando o Espaço e o Território na Metrópole do Rio de Janeiro de Antonio de Ponte Jardim pela Autor (rj) (2007)
>>> A Politica Positiva e Seus Commentadores de Alfredo Severo pela Jornal do Commercio (rj) (1941)
>>> Portugal no Presente de Joaquim José Freire Lagreca pela Indústria Gráfica (1975)
>>> Time Out Amsterdam de Time Out pela Time Out (1995)
>>> Enciclopédia Estudo: 1500 Palavras Quarta Edição de Américo Areal (edição Portuguesa) pela Asa (1989)
>>> Revista de Filosofia Nº117 Jan Junho de 2008 de Ufmg pela Ufmg (2008)
>>> El Quarto Protocolo de Frederick Forsyth pela Plaza e Janes (1984)
>>> Superdotados & Psicomotricidade de Rosa M. Prista pela Vozes (petrópolis, Rj) (1993)
>>> Ensino a Distância: Módulo 2 - Questões e Exercícios Navegação de Ministério da Marinha, Diretoria de Portos pela Dir de Portos e Costa (mm) (1996)
>>> Del Libro y Su Historia de Gaston Litton pela Bowker (buenos Aires, Argentin (1971)
>>> A Outra Face do Coronel de Antônio José do Couto Soares pela Bagaço (2001)
>>> The New Nineteenth-century European Paintings And de Gary Tinterow, Susan Alyson e Barbara Burn (comp.) pela Metropolitam Museum (n. Y.) (1993)
>>> O Advogado Perante a Previdência e a Assistência Social no Brasil de Francisco Costa Netto (dedicatória) pela Casa do Advogado (1976)
>>> Windsurf: Prancha À Vela de Jean-luc Marty pela Ediouro (tecnoprint - Rj) (1982)
>>> Ii Simpósio Nacional Sobre Aterosclerose Coronária de J. Eduardo M. R. Sousa (editor); Lylian Vasco pela Ayesrst Sp) (1973)
>>> Paraísos Fiscais (capa Dura) de Alexis Cavicchini (editor) pela Tama (sp)
>>> Português sem Segredos de Miriam Margarida Grisolia e Renata C Shorgia pela Madras (2004)
>>> Ministério Público: Provas e Concursos de Glauber Tatagiba (org) pela Del Rey (belo Horizonte) (2004)
>>> O Dicionário do Futuro: as Tendências e Expressões Que Definirão de Faith Popcorn e Adam Hanft pela Campus (2002)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 1 de Câmara dos Deputados pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 8 de Câmara dos Deputados (vol 8) pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Eduquer En Seduquant de Louis Evely pela Presto Print (bruxelas)
>>> Londres: Citypack Guia + Plano de Louise Nicholson; El País pela El País (2011)
>>> Abraham Lincoln: the War Years (1864-1865) Vol 3 de Carl Sandburg pela A Laurel (1963)
>>> Pour et Contre Saussure: Vers Une Linguistique Sociale de Louis Jean Calvet pela Petite Bibliotheque (1975)
>>> Court Serpent de Bernard Du Boucheron pela Gallimard Blanche (2004)
>>> Padrão de Balanços de Carlos Sanmartin e Solano Carlos Sanmartin pela Autor (rj) (1974)
>>> La Bourse des Valeurs et les Opérations de Bourse de Gaston Défossé e Yves Flornoy (12 Edition) pela Presses Universitaires (paris) (1984)
>>> La Otan... a Lo Claro 2ª Edicion de Luís Otero (elaboracion) pela Editorial Popular (madri) (1981)
>>> Perfect Phrases For Motivating and Rewarding Employees Second Ed de Harriet Diamond, Linda Eve Diamond pela Mcgraw-hill Education (2010)
>>> Eficácia das Normas Constitucionais Sobre Justiça Social de Celso Antônio Bandeira de Mello (relator) pela Conferência Nacional Oab (1982)
COLUNAS

Segunda-feira, 18/2/2002
Real tédio
Arcano9

+ de 2000 Acessos

Qual é o jornal mais lido de Londres? O divertido The Sun e sua mulher com os peitos à mostra, sempre na página 3? Não. O The Guardian? O The Times? O The Independent? Também não. A pergunta tem uma resposta realmente difícil se você nunca morou por aqui, pegando todo dia o Tube para trabalhar. Se esse é o seu caso, saiba que o jornal mais lido é o gratuito Metro - o jonal do metrô. Publicado todos os dias da semana, exceto sábados, domingos e feriados, ele é feito pela mesma empresa que faz o Evening Standard e circula não só em Londres, mas em outras cidades da Grã-Bretanha. As pilhas de Metro são colocadas todas as manhãs bem cedinho ao lado das catracas das estações para os sonolentos londrinos ficarem sabendo das últimas pachouchadas de Tony Blair ou idiossincrasias de George W. Bush. E o jornal é bem feito - tem fotos coloridas, textos curtos e o inevitável noticiário sobre os últimos tests de cricket envolvendo a equipe da Inglaterra e a da Índia.

Para muita gente - especialmente os operários mais mão-de-vaca, que trabalham 13 horas por dia e não aceitam gastar seus 30 pence num The Sun, nem tem ânimo para assistir as notícias da BBC às 22h quando chegam em casa à noite - o Metro é a única fonte de informação. Foi através do Metro, por exemplo, que eu acompanhei incrédulo o avanço da epidemia de febre aftosa que destroçou o gado bovino britânico, no ano passado; que eu degustei a última parada dos protestantes na Irlanda do Norte; e que eu testemunhei a reação cética dos ingleses quando viram o lançamento do euro. Geralmente, coisas importantes para os ingleses tem destaque no Metro. Coisas muito importantes, muito destaque. Mas nem sempre é assim. Às vezes, o que é importante não tem destaque nenhum.

Voltemos à última quinta-feira, dia 7. A capa é uma foto do Tony Blair falando que vai seguir em frente com a temida privatização do metrô de Londres - que muitos acreditam que venha a sucatear o serviço. Na página três, um artigo com uma grande ilustração sobre um campo de golfe que o guitarrista do The Who, Pete Townsend, mandou construir nos jardins do palácio que chama de casa. E, enfim, na página 4, uma fotolegenda: a Tower Bridge, ao fundo, e um canhão sendo disparado em primeiro plano. A 62-gun salute flashes across the Tower of London yesterday to mark the Queen's Golden Jubilee.

Na quarta-feira, a rainha Elizabeth II (foto acima), suprema monarca do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, chefe de estado dos 54 países da Comunidade Britânica, dona de dezenas de propriedades reais, origem da efígie reproduzida em todas as moedas, cédulas e selos britânicas, mantenedora de uma tradição que se vem desde idos do século XVII.... A rainha Elizabeth fez 50 anos de reinado. Você sabe o que significa reinar 50 anos? É muito tempo. Apenas outros 4 monarcas reinaram meio século na Grã-Bretanha, Elizabeth II é a quinta. Ainda assim, ainda que seja inegável a importância da Rainha, inegável a riqueza das jóias da coroa e a imponência do palácio de Buckingham, olha só que coisa: ninguém deu a mínima bola para a data em que se celebraram 50 anos de reinado dela. Principalmente o Metro. A morte da princesa Margaret, irmã da Rainha, no sábado seguinte, foi o único fato que realmente chamou a atenção da mídia nesse período.

Ora direis, monarquista e tomador de chá sexagenário, as reais celebrações do jubileu virão no decorrer do ano. De fato: dentro de algumas semanas, Elizabeth II inicia uma viagem por grande parte dos países da Comunidade Britânica e depois pelo próprio Reino Unido. E em junho, a Rainha decidiu ser magnânima e vai abrir o jardim privado do Palácio de Buckingham para que seja lá realizado um show de rock, do qual devem participar Paul McCartney e Mick Jagger. Mas, caro monarquista, eu insisto: a data dos 50 anos foi nesta semana, entende? E ninguém prestou atenção. Passou em brancas nuvens. A Rainha inaugurou um hospital, mandou uma mensagem agradecendo os súditos, e os jornais, revistas, estudantes, turistas, jornalistas bocejaram em uníssono.

A monarquia, amigo, a monarquia está numa situação deplorável. Ninguém se importa. E houve o tempo em que se dizia que a monarquia era a Grã-Bretanha - se ainda o for, este país está fedendo. Fedendo de podre. E é fácil entender porque.

A Rainha enfrentou muitos momentos difíceis nestes 50 anos, e sempre esteve no meio do tiroteio entre os progressistas - que queriam ver uma monarca diferente, mais humana, mais próxima de seu povo, mais risonha - e os conservadores. Para estes, a Rainha deve ser o que sempre foram os governantes britânicos: representantes da decência, da civilidade, do paternalismo e do nariz levantado. Seduzida pelo legado de sua antepassada Vitória, Elizabeth tomou o segundo caminho. Quem se lembra de uma única vez que ela tenha aparecido em público sem as suas indefectíveis luvas, uma coisa tão fora de moda? Sabe por que as luvas? Para poder dar as mãos ao povo sem se contaminar com os germes. E o seu sorriso? Sabe que existe uma lenda por aqui - a de que Elizabeth II só pergunta duas coisas a seus súditos em eventos públicos: algo como "como vai você?" e "você mora muito longe?" Nunca nada diferente. Nenhum comentário irônico (como a sua mãe costuma fazer). Nunca uma gafe (como as do marido, o principe Philip). Nunca uma demonstração pura e simples de humanidade (como a de Charles, que já nem esconde mais seu caso com Camila Parker-Bowles). Nada. Elizabeth II, o iceberg. Rainha de Gelo. Não é de se estranhar que ela gostasse tanto da ex-primeira-ministra Margaret Thatcher, a Dama de Ferro.

Essa imagem absolutamente antipática da Rainha foi ainda mais intensificada durante o fatídico ano de 1997. Ah, como Elizabeth II deve ter tomado Earl Gray para esquecer daquele verão em que Diana, aquela perversa, morreu bêbada em um acidente de carro. Diana virou "a princesa do povo", "para sempre nossa Rainha". Os portões do palácio de Kensington ficaram bloqueados de flores e mensagens de carinho pela falecida, que em meio a sua guerra com Elizabeth e seus mais conservadores aliados no Palácio de Buckingham, havia jogado no lixo toda a etiqueta. Foi caminhar com uma equipe de desarmadores de minas em Angola. Pegou nos braços garotos negros morrendo de Aids. Falava como eu e você falamos. Não era santa, apaixonou-se pelo filho de um árabe. Já pensou como ia pegar mal a mãe do futuro rei da Inglaterra casada com um árabe? Não é à toa que até hoje há as teorias conspiratórias, aquelas que atribuem a morte de Diana a um plano muito bem arquitetado pelos sangue-azuis londrinos. Verdadeiro ou não esse plano diabólico, a Rainha cometeu um erro ao não fazer declarações públicas lamentando a morte da princesa. Cometeu muitos erros ao se isolar no Palácio de Buckingham, não perceber que Londres estava parada e que o mundo inteiro estava estupefato. Cometeu suicídio ao seguir com suas trocas da guarda diárias para turista ver. Ela se afastou ainda mais do povo, muito mais. Se afastou tanto, tanto, que deu raiva.

E no caso de Camila Parker-Bowles. Uma recente pesquisa divulgada pelo Daily Telegraph indica que a maioria dos britânicos não é contra Charles se casar com Camila, apenas contra o fato dela se tornar Rainha, na eventualidade de Charles assumir o trono. Mas Camila continua a ser isolada, marginalizada, reprimida, como um hábito detestável do primogênito, comparável ao de cutucar o nariz ou lamber a faca depois do jantar. A mulher se uniu a Charles sabe-se lá porque. Vontade de tomar o lugar de Diana no coração dos britânicos? Seria ingenuidade. Ambição, vontade de fazer parte da realeza e desfrutar das propriedades reais e dos jantares suntuosos? Talvez seja isso que a Rainha esteja pensando, e talvez seja por isso que ela não se dá ao trabalho de falar sobre Camila. Ela seria apenas um mosquito querendo sugar um sangue azul. É a única interpretação que encontro para a forma com que a Rainha ignora Camila. Espero que ela um dia pense na possibilidade de que Charles já está bem crescidinho e que está na hora dele buscar sua felicidade, e que deve saber identificar se essa felicidade é Camila mesmo.

Nem todos acham que a Rainha está mais fraca hoje do que há 50 anos. Há súditos, especialmente aqueles bem velhinhos, que viram Elizabeth II crescer no trono, que acham que ela agora tem controle total, e que isso é bom. Que, antes, era insegura. Que, agora, sabe até onde vai sua autoridade. E que, melhor, agora é velha e por isso pode ser mais respeitada, porque os idosos são sempre mais respeitados, porque são sábios, porque viveram, tem a cabeça branca. A Rainha tem 75 anos. Defensora dos bons costumes, da tradição. Se ela não defender esses valores, quem vai? Sacerdotisa máxima da Igreja Anglicana. História viva. Sim, a Rainha representa muita coisa, e não pode mudar de um dia para o outro, nem vai, nem se espera dela isso. O povo também não espera mais nada da Rainha. Só a ocasional mensagem de agradecimento, a inauguração de um hospital, a nostalgia. Sim, papel decorativo, nada mais. Por falar nisso, olha que coisa... é por isso que o Metro não deu destaque ao dia do Jubileu de Ouro de Elizabeth II. Porque não interessa, não interessa nem um pouco. Não empolga, não seduz. É assim, a Rainha lá, nós aqui. Mais ou menos como sempre foi. Mas é fácil entender o peso da tradição num país de tradições. É fácil entender como essa tal de monarquia continua por aqui. Como as pessoas podem sustentar esse bando de vagabundos que vivem em palácios. Se a Rainha for humana, se a Rainha chorar, não será mais Rainha. Ela vai aparecer nos jornais por não ser Rainha, por não ser forte, por não ser tudo o que sempre foi. E seria uma vergonha para o país.

O Metro só deu uma foto sobre o Jubileu. Ufa, ainda bem. Nada de novo no reino da Inglaterra. Que tédio.


Arcano9
Londres, 18/2/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
02. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio
03. Obscura paisagem em peça de Mirisola e Oliveira de Jardel Dias Cavalcanti
04. Letras de Pilar Fazito
05. Literatura de auto e baixo-ajudas de Marcelo Spalding


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2002
01. It’s my shout - 18/3/2002
02. Bom esse negócio de Hit Parade - 7/1/2002
03. Sua empresa faz festa de Natal? - 27/12/2002
04. Quatro nomes para o êxtase britânico - 10/6/2002
05. Ganha-pão - 29/4/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO SE ESCREVE? MORFOLOGIA SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS VOL 6
EDUARDO PERÁCIO (COLABORADOR)
ABRIL RECREIO
R$ 5,00



DESMUNDO
ANA MIRANDA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2017)
R$ 26,90



SITUAÇÃO VACINAL DOS TRABALHADORES DA SAÚDE NUM MUNICÍPIO DO INTERIOR
JOSÉ MILTON DE SENA FILHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ETNOGRAFIA VIRTUAL DOS ÍNDIOS PANKARARU NO SERTÃO PERNAMBUCANO
RICARDO BITENCOURT UND JURACY MARQUES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



LUXAÇÃO CONGÊNITA DO QUADRIL EM CAMPO GRANDE/MS
AURELIO FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 153,00



RECENT PAINTINGS
STEVEN CAMPBELL
RIVA YARES GALLERY
(1989)
R$ 30,00



DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DE COMPRESSIBILIDADE DO SOLO
JERFSON LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



CONTROLE ATIVO DE ESTRUTURAS COMPOSTAS INTELIGENTES COM INCERTEZAS
THALES RENATO BERTOLAZZO TREVILATO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FELIZ ANO VELHO
MARCELO RUBENS PAIVA
BRASILIENSE
(1985)
R$ 10,00



LES PIERRES PRECIEUSES
HENRI JEAN SCHUBNEL
PUF
(1968)
R$ 22,82





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês