Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
30040 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme lança novo videoclipe com faixa do álbum ALUMIA
>>> Almundo traz até 40% de desconto em seu primeiro Outlet 2019
>>> Ex-Titã Paulo Miklos apresenta seu terceiro álbum no Sesc Belenzinho
>>> Companhia de Teatro Heliópolis coloca em cena as duas faces da justiça em nova montagem
>>> Cunha realiza 2ª edição do Verão na Montanha - Cunha Fest, festival de jazz e blues
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
Últimos Posts
>>> Assim eu quero a vida
>>> Um sujeito chamado Benício
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Direções da véspera (Introdução)
>>> O tempo nos ensina - frase
>>> O Cinema onde os fracos não tem vez
>>> Senhor do Corpo e da alma - poema
>>> Fotogenia
>>> É Natal
>>> Canções de amor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> mare
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> Do desprezo e da admiração
>>> WikiLeaks em documentário
>>> Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil
>>> Todos querem ser cool
>>> Açougueiro mesmo é o diretor
>>> O pior cego é o que vê tevê
>>> De Middangeard à Terra Média
Mais Recentes
>>> O queijo e os vermes de Carlo Ginzburg pela Companhia das Letras (Companhia de Bolso) (2006)
>>> Era dos Extremos: O breve século XX (1914-1991) de Eric Hobsbawn pela Companhia das Letras (2009)
>>> O Sol e a Sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Perdidamente de Júlio Emílio Braz pela Ftd (2000)
>>> As Armadilhas do Consumo - Acabe com o endividamento de Márcia Tolotti pela Campus / Elsevier (2007)
>>> O noivado de Bilac- com a correspondência inédita do poeta à sua noiva D.Amélia de Oliveira (raridade) de Elmo Elton pela Organiozação Simões (1954)
>>> Gramática Reflexiva: texto, semântica e interação - 3ª ed. de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2019)
>>> O Xangô de Baker Street de Jô Soares pela Companhia das Letras (1997)
>>> TCP/IP a bíblia de Rob Scrimger pela Campus (2002)
>>> Universidade h4ck3r de Henrique Ulbrich e James pela Digerati Books (2011)
>>> Hackers expostos de Joel Scambray pela Makron (2001)
>>> Manual completo do hacker de Gorkin Starlin pela Book Express (2001)
>>> Por que os gerentes falham de John J. Mc Carthy pela Makron (1994)
>>> Inteligência emocional de Daniel Goleman pela Objetiva (2001)
>>> Economia de Paul Wonnacott pela Makron (1994)
>>> Integração: qualidade e recursos humanos para os anos 2000 de Philip B. Crosby pela Makron (1993)
>>> Empresas sem chefes de Charles C. Manz pela Makron (1996)
>>> O complexo de perfeição de Colette Dowling pela Record (1993)
>>> Primeira filosofia - Tópicos de filosofia geral de Armando Mora de Oliveira pela Brasiliense (1992)
>>> Princípios de administraçao científica de Frederick W. Taylor pela Atlas (1995)
>>> Veronika decide morrer de Paulo Coelho pela Objetiva (1998)
>>> Hardware curso completo de Gabriel Torres pela Axcel Books (2001)
>>> Petrobrás - Administrador júnior - nível superior de José Almir Fontella Dornelles pela Vestcon (2011)
>>> Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle de Philip Kotler pela Atlas (1996)
>>> Marketing verde de Jacquelyn A. Ottman pela Makron (1994)
>>> Síndrome da Passividade: o processo de reengenharia em recursos humanos de Dirceu Moreira pela Makron (1994)
>>> Inveja nas organizações de Patrícia Amélia Tomei pela Makron (1994)
>>> As novas regras de John P. Kotter pela Makron (1997)
>>> Administração industrial e geral de Henri Fayol pela Atlas (1989)
>>> Problemas? Oba! Arevoluçãopara vocêvencer no mundo dos negócios de Roberto Shinyashiki pela Gente (2011)
>>> Como conquistar um ótimo emprego: e dar um salto importante em sua carreira profissional de Thomas A.Case pela Makron (1997)
>>> Iniciando os conceitos da qualidade total de Equipe Grifo pela Pioneira (1994)
>>> Redação empresarial - escrevendocom sucesso na era da globalização de Miriam Gold pela Makron (1999)
>>> Empregabilidade: de executivo a consultor bem-sucedido de Thomas A. Case pela Makron (1997)
>>> Pesquisa Operacional de Ermes Medeiros da Silva pela Atlas (1998)
>>> Contabilidade Introdutória + Livro de exercícios de Equipe de Professores da FEA/USP pela Atlas (1993)
>>> Princípios de Administração Financeira + Manual de Software de Lawrence J. Gitman pela Harbra (1997)
>>> Primeira filosofia - Aspectos da história da filosofia de Armando Mora de Oliveira pela Brasiliense (1992)
>>> Reinvente-se: você pode fazer melhor ainda de Claudio V. Nasajon pela Campus (2001)
>>> História da Política Exterior do Brasil de Amado Luiz Cervo Clodoaldo pela UnB (2002)
>>> Iniciação ao direito do trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (1998)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Juarez de Oliveira pela Saraiva (1995)
>>> Formação Econômica do Brasil de Celso Furtado pela Cia Ed Naciona (1979)
>>> Código de proteção e defesa do consumidor de Juarez de Oliveira pela Saraiva (1994)
>>> Biotecnologia em discussão de Wilhelm Hofmeister pela Fundação Konrad Adenauer (2000)
>>> O alquimista de Paulo Coelho pela Rocco (1988)
>>> O Brasil e Suas Riquezas de Waldemiro Potsch pela Não Infirmado
>>> Amor de perdição de Camilo Castelo Branco pela Klick (2000)
>>> A revolução dos campeões de Roberto Shinyashiki pela Gente (1995)
>>> Viva com esperança de Mark Finley / Peter Landness pela Afiliada (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 27/9/2016
Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2400 Acessos



Um livro impactante. É o mínimo que se pode falar do romance Simpatia pelo Demônio, que Bernardo Carvalho acaba de lançar, pela editora Companhia das Letras.

Abrindo com o bisturi da linguagem, sem anestesia geral, o corpo das relações de amor e de guerra, para mostrar o quanto os dois universos se alimentam de forças humano-demoníacas, o livro de Carvalho nos faz mergulhar nos intricados universos do terrorismo político/religioso e das tramas do coração como se fossem o mesmo campo de força.

O escritor decidiu colocar sobre a mesa operatória esses dois corpos que se mutilam em nome da redenção (o amor e o terrorismo religioso/político) e a consequência é que o leitor é obrigado a tocar, cheirar e provar dessas entranhas que movimentam as forças do mal, criadas essencialmente pelos homens em sua busca pela totalidade.

Da defesa irracional que os homens fazem do “narcisismo coletivo a que chamamos nação”, ao desespero e artimanhas criados pela necessidade de amor, o livro abre as feridas da máquina infernal que é o ser humano.

A literatura de Bernardo Carvalho é construída através de cortes que vão nos fazendo pular de uma ação à outra, entre o tempo presente e as reminiscências, deslocando seu personagem do campo do terrorismo para o campo das lembranças amorosas, criando no leitor a intensidade do perigo que envolve as duas ações.

Para ficar mais claro, vamos à trama de Simpatia pelo Demônio. O principal personagem do livro, chamado Rato, é um funcionário de uma agência humanitária, estudioso da questão da violência, que recebe como missão entrar em uma zona de guerra comandada por radicais islâmicos e pagar o resgate por um refém. A trama se passa no momento em que Rato, em situação de perigo, se vê preso a um quarto de hotel ao lado de um terrorista que tem o corpo coberto de explosivos, depois que acontece uma explosão de um carro bomba na frente deste mesmo hotel em que está hospedado. Narrando esta situação de perigo de morte iminente, através de cortes na narrativa, vai se reconstituindo a memória da aventura amorosa de Rato com um homem que conheceu em um teatro em Berlin.

Tanto a situação de guerra como a situação amorosa em que Rato se meteu, são descritas como reflexo do colapso de sua vida. Casamento, carreira e família sobre um precipício o levam a dois precipícios maiores (campo de guerra e paixão irracional), razão talvez porque cair nestes desfiladeiros seja uma opção: Fausto buscando Mefistófeles.

A literatura de Bernardo Carvalho não tem piedade quanto a mexer nas entranhas do demônio. E o sangue respinga impiedosamente sobre o leitor. Seus personagens não são vítimas, mas são seres humanos em busca da completude, mas que pagam com o terror, a morte, a desolação, a irracionalidade as consequências de seus atos. “Vítima era a última coisa que o Rato queria representar naquela farsa. Não sentia nem estava se fazendo de vítima. Ao contrário, estava cego e apaixonado, pronto para ir à guerra e para matar, se preciso fosse.”

Na avaliação do romance, tanto a situação política das guerras preventivas (combate ao terrorismo) como as situações do coração de Rato (e porque não de Chihuahua, seu amante) não passavam “de um mecanismo de defesa já comprometido, como o das células enganadas por um vírus”. E as duas situações podem ser resumidas na ideia que o romance faz do amor, portanto qualificando a situação da dominação política, que gera a guerra e o terrorismo, como a mesma que trama o enredo dos amantes: “Talvez seja só isso o amor, a possibilidade entre um parasita e seu hospedeiro.”

O amante, tal como os países imperialistas, é um “vampiro disfarçado de donzela”. Na base disso, a definição da natureza do homem como um predador por instinto. O homem faz as suas guerras e constitui as suas relações amorosas usando os mesmos instrumentos para sua realização, é o que nos joga na cara a literatura de Bernardo Carvalho.

Um outro personagem importante em Simpatia pelo Demônio, é a terapeuta de casais. Ela amplia com suas falas a dimensão do buraco abismal que é a relação amorosa entre Rato e Chihuahua. E nos faz pensar também nas relações políticas entre os países, não deixando a culpa apenas sob responsabilidade de um dos lados.

Em um de seus comentários isso fica claro: “O predador não pode ser incapaz de amar, mas é antes aquele que, ao reconhecer o amor no outro, começa a caçar. A vulnerabilidade desperta os piores instintos. Para o predador, não há diferença entre o generoso e o vulnerável, são ambos fracos. E daí que não vê porque que se sentir agradecido nem culpado pela entrega do outro. (...) A paixão do predador só tem chance de sobreviver como luta entre os iguais, relação entre predadores.”

Se um personagem pede ao outro para agir como ele mesmo age, é como se a resposta à violência só fosse possível com a violência. Ao terror corresponde o terrorismo. “Foi exatamente o que Chihuahua chegou a pedir ao Rato, num momento de sincera tristeza, ao vê-lo desnorteado em suas mãos: pediu que tentasse agir como ele agia, para o bem dos dois.”

Só que o que o romance nos apresenta, é que essa estratégia de relação não criou um bem para os dois, mas o mal para a tortuosa relação. Pois o resultado do instinto humano para a dominação é a angústia e a desolação ainda maior da incompletude: “Sem o Chihuahua, agora ele sabia, não havia ligação cósmica possível, ele estava condenado a pecar.” Mesmo sabendo que “Sade [também] não era alternativa ao amor burguês”, como também a “paz” não era sempre a alternativa para a democracia burguesa.

A imagem dessa intricada relação, que o romance une nas perigosas condições tanto do terrorismo quanto do amor, se traduz como uma busca desenfreada dos humanos pela transcendência em ideais nacionalistas, na realização da vontade de Deus ou na democracia. Transcendência e dominação acabam por se aproximar e seu resultado é a violência. O estupro político/amoroso se realiza apenas no não consentimento, apenas no “desejo dominador” (...), quando invadia à força o interior do corpo dos outros, como se os colonizasse com seu esperma, tomando o que não lhe pertencia, fazendo seu o território alheio”.

Ao nos colocar nessas duas zonas de guerra (a existência particular e os dilemas da contemporaneidade política, onde as notícias estão a berrar na nossa fuça as imagens dos restos humanos que o terrorismo político e religioso fabricam e o fracasso da nossa afetividade num mundo onde os humanos se objetificam), Bernardo Carvalho desprovincianiza nossa literatura, levando nossas percepções a um campo mais aberto, para além do nosso quintal, mesmo que o mal seja a face do espelho do mundo que ele nos oferece.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 27/9/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
02. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti
03. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti
04. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo de Heloisa Pait


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor - 1/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FÉ E RAZÃO NA RENASCENÇA
TALYTA CARVALHO
É REALIZAÇÕES
(2012)
R$ 30,00



MINAS DO OURO
FREI BETTO
RAACO
(2018)
R$ 20,00



O AGENTE DO VATICANO
JOSÉ EL-JAICK
ROCCO
(2007)
R$ 18,00



O AMOR DE MÍTIA & O PROCESSO DO TENENTE HELÁGUIN
IVAN BUNIN
OPERA MUNDI
(1971)
R$ 20,00



O EVANGELHO SEGUNDO JESUS CRISTO
JOSÉ SARAMAGO
COMPANHIA DE BOLSO
(2005)
R$ 6,00



A MÚSICA NO RIO DE JANEIRO NO TEMPO DE D. JOÃO VI
VASCO MARIZ
CASA DA PALAVRA
(2008)
R$ 25,00



LIBERTE-SE DA DEPRESSÃO E DO MEDO
ZAYDAN ALKIMIN
PALLAS
(1994)
R$ 10,00



ACEITAÇÃO
JEFF VANDERMEER
INTRÍNSECA
(2016)
R$ 38,00



AS REPORTAGENS DA PENÉLOPE - ANNA MUYLAERT (LITERATURA INFANTIL)
ANNA MUYLAERT
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(1997)
R$ 8,00



SEGREDOS PROFISSIONAIS - SEGREDOS DE APRESENTAÇÕES
MARTIN MANSER
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 41,00





busca | avançada
30040 visitas/dia
1,0 milhão/mês