Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Bossa Nova Mall homenageia músicos brasileiros com a programação especial Cantos e Encantos do Brasi
>>> SESC CARMO REALIZA CICLO DE OFICINAS VIRTUAIS SOBRE DIREITOS SOCIAIS E PRIMEIRA INFÂNCIA
>>> Tiras da Niara viram livro
>>> “Relatos da Era Digital”: novo álbum celebra a cultura sound system
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Wear Sunscreen
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> L.S.D.eus
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Also known as
>>> No line on the horizon, do U2
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> Carteiros do Condado
>>> Amor fati
Mais Recentes
>>> A Revolução Russa - 4ª Edição - Série Discutindo a História de Maurício Tragtenberg pela Atual (1988)
>>> Apostila SESI 9º Ano Ensino Fundamental Anos Finais Caderno 1 de Serviço Social da Industria pela Somos (2020)
>>> O vencedor está só de Paulo Coelho pela Agir (2008)
>>> A Chave do Tesouro de J. Carlos de Assis pela Paz e Terra (1983)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 1 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2020)
>>> Tudo Sobre Meninas para Meninos de Cláudia Felício pela Planeta (2006)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 3 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> Comentários as Súmulas do Tst de Francisco Antonio de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Ecologia Objetiva de Dervile Ariza pela Nobel (1979)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> A Importância de Crer de R R Soares pela Graça (1999)
>>> O Desafio das Emoções Biblioteca Mente e Cérebro de Gláucia Leal Org. pela Duetto (2013)
>>> O Melhor do humor na internet - volume 2 de Netto Augusto M. Costa pela Best Seller (2010)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 2 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> O Resgate - Ele Não Desistiu de Você de Sergio Corrêa pela Unipro (2018)
>>> Sobre a China de Karl Marx e Friedrich Engels pela Publicações Escorpião (1974)
>>> O livreiro de cabul de Asne Seierstad; Grete Skevik pela Record (2006)
>>> O livro do bar de Carlos hauber pela Ediouro (1987)
>>> Ramses v.2 - the eternal temple de Christian Jacq pela Warner Books (1998)
>>> A Travessa Americana de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (1985)
>>> Educar sem Culpa - a Gênese da Ética de Tania Zagury pela Record (2003)
>>> A História da Aranha de Berny Stringle (Autor), Jackie Robb (Autor) pela Atica (2004)
>>> O Bichinho Da Maca de Ziraldo pela Melhoramentos (2001)
>>> Mr. Romance de Leisa Rayven pela Globo Alt (2017)
COLUNAS

Terça-feira, 27/9/2016
Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4000 Acessos



Um livro impactante. É o mínimo que se pode falar do romance Simpatia pelo Demônio, que Bernardo Carvalho acaba de lançar, pela editora Companhia das Letras.

Abrindo com o bisturi da linguagem, sem anestesia geral, o corpo das relações de amor e de guerra, para mostrar o quanto os dois universos se alimentam de forças humano-demoníacas, o livro de Carvalho nos faz mergulhar nos intricados universos do terrorismo político/religioso e das tramas do coração como se fossem o mesmo campo de força.

O escritor decidiu colocar sobre a mesa operatória esses dois corpos que se mutilam em nome da redenção (o amor e o terrorismo religioso/político) e a consequência é que o leitor é obrigado a tocar, cheirar e provar dessas entranhas que movimentam as forças do mal, criadas essencialmente pelos homens em sua busca pela totalidade.

Da defesa irracional que os homens fazem do “narcisismo coletivo a que chamamos nação”, ao desespero e artimanhas criados pela necessidade de amor, o livro abre as feridas da máquina infernal que é o ser humano.

A literatura de Bernardo Carvalho é construída através de cortes que vão nos fazendo pular de uma ação à outra, entre o tempo presente e as reminiscências, deslocando seu personagem do campo do terrorismo para o campo das lembranças amorosas, criando no leitor a intensidade do perigo que envolve as duas ações.

Para ficar mais claro, vamos à trama de Simpatia pelo Demônio. O principal personagem do livro, chamado Rato, é um funcionário de uma agência humanitária, estudioso da questão da violência, que recebe como missão entrar em uma zona de guerra comandada por radicais islâmicos e pagar o resgate por um refém. A trama se passa no momento em que Rato, em situação de perigo, se vê preso a um quarto de hotel ao lado de um terrorista que tem o corpo coberto de explosivos, depois que acontece uma explosão de um carro bomba na frente deste mesmo hotel em que está hospedado. Narrando esta situação de perigo de morte iminente, através de cortes na narrativa, vai se reconstituindo a memória da aventura amorosa de Rato com um homem que conheceu em um teatro em Berlin.

Tanto a situação de guerra como a situação amorosa em que Rato se meteu, são descritas como reflexo do colapso de sua vida. Casamento, carreira e família sobre um precipício o levam a dois precipícios maiores (campo de guerra e paixão irracional), razão talvez porque cair nestes desfiladeiros seja uma opção: Fausto buscando Mefistófeles.

A literatura de Bernardo Carvalho não tem piedade quanto a mexer nas entranhas do demônio. E o sangue respinga impiedosamente sobre o leitor. Seus personagens não são vítimas, mas são seres humanos em busca da completude, mas que pagam com o terror, a morte, a desolação, a irracionalidade as consequências de seus atos. “Vítima era a última coisa que o Rato queria representar naquela farsa. Não sentia nem estava se fazendo de vítima. Ao contrário, estava cego e apaixonado, pronto para ir à guerra e para matar, se preciso fosse.”

Na avaliação do romance, tanto a situação política das guerras preventivas (combate ao terrorismo) como as situações do coração de Rato (e porque não de Chihuahua, seu amante) não passavam “de um mecanismo de defesa já comprometido, como o das células enganadas por um vírus”. E as duas situações podem ser resumidas na ideia que o romance faz do amor, portanto qualificando a situação da dominação política, que gera a guerra e o terrorismo, como a mesma que trama o enredo dos amantes: “Talvez seja só isso o amor, a possibilidade entre um parasita e seu hospedeiro.”

O amante, tal como os países imperialistas, é um “vampiro disfarçado de donzela”. Na base disso, a definição da natureza do homem como um predador por instinto. O homem faz as suas guerras e constitui as suas relações amorosas usando os mesmos instrumentos para sua realização, é o que nos joga na cara a literatura de Bernardo Carvalho.

Um outro personagem importante em Simpatia pelo Demônio, é a terapeuta de casais. Ela amplia com suas falas a dimensão do buraco abismal que é a relação amorosa entre Rato e Chihuahua. E nos faz pensar também nas relações políticas entre os países, não deixando a culpa apenas sob responsabilidade de um dos lados.

Em um de seus comentários isso fica claro: “O predador não pode ser incapaz de amar, mas é antes aquele que, ao reconhecer o amor no outro, começa a caçar. A vulnerabilidade desperta os piores instintos. Para o predador, não há diferença entre o generoso e o vulnerável, são ambos fracos. E daí que não vê porque que se sentir agradecido nem culpado pela entrega do outro. (...) A paixão do predador só tem chance de sobreviver como luta entre os iguais, relação entre predadores.”

Se um personagem pede ao outro para agir como ele mesmo age, é como se a resposta à violência só fosse possível com a violência. Ao terror corresponde o terrorismo. “Foi exatamente o que Chihuahua chegou a pedir ao Rato, num momento de sincera tristeza, ao vê-lo desnorteado em suas mãos: pediu que tentasse agir como ele agia, para o bem dos dois.”

Só que o que o romance nos apresenta, é que essa estratégia de relação não criou um bem para os dois, mas o mal para a tortuosa relação. Pois o resultado do instinto humano para a dominação é a angústia e a desolação ainda maior da incompletude: “Sem o Chihuahua, agora ele sabia, não havia ligação cósmica possível, ele estava condenado a pecar.” Mesmo sabendo que “Sade [também] não era alternativa ao amor burguês”, como também a “paz” não era sempre a alternativa para a democracia burguesa.

A imagem dessa intricada relação, que o romance une nas perigosas condições tanto do terrorismo quanto do amor, se traduz como uma busca desenfreada dos humanos pela transcendência em ideais nacionalistas, na realização da vontade de Deus ou na democracia. Transcendência e dominação acabam por se aproximar e seu resultado é a violência. O estupro político/amoroso se realiza apenas no não consentimento, apenas no “desejo dominador” (...), quando invadia à força o interior do corpo dos outros, como se os colonizasse com seu esperma, tomando o que não lhe pertencia, fazendo seu o território alheio”.

Ao nos colocar nessas duas zonas de guerra (a existência particular e os dilemas da contemporaneidade política, onde as notícias estão a berrar na nossa fuça as imagens dos restos humanos que o terrorismo político e religioso fabricam e o fracasso da nossa afetividade num mundo onde os humanos se objetificam), Bernardo Carvalho desprovincianiza nossa literatura, levando nossas percepções a um campo mais aberto, para além do nosso quintal, mesmo que o mal seja a face do espelho do mundo que ele nos oferece.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 27/9/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vamos pensar: duas coisas sobre home office de Fabio Gomes
02. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
03. Nunca fomos tão vulgares de Julio Daio Borges
04. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem de Duanne Ribeiro
05. Qual é, afinal, a melhor idade? de Marcelo Spalding


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) - 1/11/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




130 anos - Em Busca da República
9788551004968
Intrínseca
(2019)



As lutas do povo brasileiro - Do descobrimento a Canudos (História do Brasil)
Júlio José Chiavenato
Moderna
(1988)



Iracema / Ubirajara
José de Alencar
Edigraf



Mensagens Espirituais
Kahlil Gibran
Record



Educação e Reflexão
Pierre Furter
Vozes
(1973)



Das Confusões Desse Mundo de Águas
Adelson José Fontes Santos
Angellara
(1996)



O Fenômeno Humano Vol 16
Pierre Teilhard de Chardin
Tavares Martins
(1970)



Club Penguin - um Dia de Puffle
Disney
Melhoramentos
(2010)



Jango e Eu - Memórias de um Exílio sem Volta
João Vicente Goulart
Civilização Brasileira
(2016)



Vivendo Durante um Cancer
Marie Paule
Edusc
(1999)





busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês