Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Atmosphere
Mais Recentes
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
>>> Trajetória do Silêncio de Maria do Céu Formiga de Oliveira pela Massao Ohno-Roswitha Kempf (1986)
>>> Zezinho, o Dono da Porquinha Preta de Jair Vitória pela Ática (1992)
>>> Aconselhamento Psicológico de Ruth Scheeffer pela Atlas (1981)
>>> Razão e Revolução de Herbert Marcuse pela Paz e Terra (1978)
>>> A Doutrina de Buda de Bukkyo Dendo Kyokai pela Círculo do livro (1987)
>>> Somos Todos Inocentes de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (1997)
>>> Luzia-Homem de Domingos Olímpio pela Escala (1980)
>>> Vida e Obra de Anália Franco de Maria Cândida Silveira Barros pela Copidart (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 18/9/2018
Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Renato Alessandro dos Santos

+ de 1100 Acessos

Você pode ter vários motivos para ler Paris é uma festa: uma viagem que se aproxima para a Europa; conhecer a Geração Perdida; descobrir mais sobre os escritores americanos que foram morar lá; passar algumas horas agradáveis com um bom livro... Quaisquer que sejam os motivos, nenhum me parece mais apropriado do que lê-lo a fim de tomar notas sobre a arte de escrever, como se você fosse um aspirante a escritor. Vale dar uma chance ao velho Ernest, mas, se não gostar do livro, sempre há o piparote de Brás Cubas a quem quer desfazer-se das coisas que desativam a vida.

Em uma época como agora, quando as redes sociais servem de tribuna e auditório àqueles que dominam os descaminhos da escrita, os que, além de atravessar um bom livro do início ao fim, pretendem dominar técnicas de diálogos, de como escrever contos, de como lidar com outros escritores, bem, esses tendem a ser os leitores ideais de Paris é uma festa, esse pequeno romance de Hemingway, escrito em San Francisco de Paula, Cuba, em 1960, décadas depois dos acontecimentos ali narrados, mas que ao lado de um filme como ½ noite em Paris preenche o imaginário de leitores que hoje querem saber mais a respeito dos escritores expatriados que beberam, dançaram, atiraram-se no rio Sena e, em seguida, regressaram para casa, do outro lado do oceano, sem nunca abandonar a luz da cidade, até porque Paris is a moveable feast.

O autor, ou melhor, seu narrador, adverte que o romance pode ser lido como um trabalho de ficção, ou não, porque os personagens têm seus nomes verdadeiros e trata-se de fatos ocorridos com ele e com seus amigos.

Acompanhamos Hemingway morando razoavelmente bem em Paris. Ele não tem dinheiro que sobre, mas vive feliz com a esposa em um apartamento, ocasionalmente com uma chaminé entupida e sem banheiro. Tem, às vezes, por falta de dinheiro, de pular uma refeição e, por isso, quase sempre faminto, deixa referências à comida, que aparecem a todo instante diante do leitor, o que é um prazer, porque há sempre uma pequena alegria ao se ler que alguém colheu o fio de azeite de um prato com um pedacinho de pão; sem contar o vinho, consumido como a água, o suco, o refrigerante e a cerveja de nossas refeições brasileiras de cada dia. Há a sofisticação de Paris, escritores por toda parte e curiosamente, como em O sol também se levanta, nada de guerra, o que é estranho, porque essa mesma guerra anos antes havia varrido a autoestima europeia para baixo do tapete. Em vez disso, literatura. Brito Broca, nosso retratista da vida literária brasileira, se tivesse sobrevivido ao besta atropelamento do qual foi vítima, teria ficado espantado e orgulhoso com a destreza de Hemingway.

Lemos sobre a livraria de Silvia Beach, a Shakespeare and Company, onde era possível os cotovelos roçar com James Joyce, Ezra Pound, Hemingway antes da fama, e expatriados, Fitzgerald, Ford Madox Ford ― e sobre Gertrude Stein e a forma como captou aquela geração, descrevendo-a como une génération perdue. Tal sugestão ocorreu a ela depois que um velho Ford T fora maltratado numa oficina por um mecânico atabalhoado, o qual foi repreendido pelo chefe, que de graça sugeriu o bordão à perspicácia de Stein. Vemos a indelicadeza de Hemingway com Ford Madox Ford, a quem despreza, ou por outro lado sua devoção hagiográfica a Ezra Pound.

É muito prazeroso ler sobre a viagem, infelizmente malfadada, que Hemingway e Fitzgerald fizeram ao interior da França logo ao início da amizade entre ambos. O autor de O grande Gatsby não foi poupado e surge como alguém a quem um único copo de vinho era sinônimo de encrenca, tal o estágio de sua relação com o álcool... Lemos sobre a loucura de Zelda tão logo a doença passe a brilhar em seus olhos.

Por sua vez, muitos leitores podem decepcionar-se com a suposição de que todos aqueles escritores só bebiam e se divertiam. Não era bem assim. Hemingway levava a literatura ao primeiro plano de sua vida. Não bebia antes de escrever e cuidava de seus contos com devoção, algo que fez dele um mestre no gênero.

Finalmente, voltando ao início deste texto: quem gosta de literatura, de escrever contos e, com isso, vive submerso em aspirações literárias, deve seguir os passos deixados pelo autor neste livro. Terá muito a ganhar: a prosa de Hemingway, uma das pontas de lança da geração perdida, ainda continua uma festa. Como Paris.

Renato Alessandro dos Santos, 46, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (Engenho e arte), seu mais recente livro. A ilustração é de Helton Souto. Este texto que lê aqui faz parta da obra, que pode ser adquirida pelo e-mail do autor (realess72@gmail.com).



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 18/9/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
02. Fotonovela: Sociedade/ Classes/ Fotografia de Duanne Ribeiro
03. A cidade do improvável de Elisa Andrade Buzzo
04. Sobre o Hino Nacional Brasileiro de Ricardo de Mattos
05. Teoria dos jogos perdidos de Vicente Escudero


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2018
01. O massacre da primavera - 29/5/2018
02. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela - 13/11/2018
03. Inferno em digestão - 17/10/2018
04. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba - 31/7/2018
05. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia - 20/3/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ORDEM
HUGH HOWEY
INTRÍNSECA
(2015)
R$ 21,00



CATEGORIAS CONCEITUAIS DA SUBJETIVIDADE
FABIO THÁ
ANNABLUME
(2007)
R$ 18,00



A EQUAÇAO DOS SONHOS
GISELE CHABOUDEZ
CIA DE FREUD
(2000)
R$ 15,00



AJUDE SEU FILHO A CONVERSAR COM VOCÊ - TEORIA E CLÍNICA FONOAUDIOLÓGICA E PSICOMOTORA
HELENA MARINHO
REVINTER
(2012)
R$ 24,90



ENCONTRO COM OS DEUSES
JAIME GUEDES
MANDÁLIA
(1978)
R$ 10,00



A QUEDA PARA O ALTO - HERZER (LITERATURA BRASILEIRA - MEMÓRIAS)
HERZER
VOZES
(1987)
R$ 7,00



PALAVRAS DE UM PROFESSOR
SAN TIAGO DANTAS
FORENSE
(2001)
R$ 130,00



VARIANDO O CARDÁPIO VOL. 1
VÁRIOS AUTORES
NESTLÉ
(1991)
R$ 15,00



INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DA FILOSOFIA VOL. 1 DOS PRÉ-SOCRÁTICOS
MARILENA CHAUI
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 60,00



MASTERS OF CINEMA: ALFRED HITCHCOCK
ALFRED HITCHCOCK; BILL KROHN
PHAIDON PRESS
(1972)
R$ 30,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês