Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Caí na besteira de ler Nietzsche
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Santa Xuxa contra a hipocrisia atual
>>> Há vida inteligente fora da internet?
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Mais Recentes
>>> Um bebê em casa - um guia prático com informações, dicas e curiosidades, da gravidez ao primeiro aninho. de Chis Flores pela Panda Books (2011)
>>> O Pensamento Político De Érico Veríssimo de Daniel Fresnot pela Graal (1977)
>>> Sobre a Literatura de Marcel Proust pela Pontes (1989)
>>> Poemas Sacros de Menotti Del Picchia pela Martins (1992)
>>> O Grotesco Na Criação De Machado De Assis de Maria Eurides Pitombeira de Freitas pela Presença (1981)
>>> Machado De Assis Para Principiantes de Org. Marcos Bagno pela Ática (1998)
>>> A Barca Dos Amantes de Antônio Barreto pela (1989)
>>> O Tao da Respiração Natural de Dennis Lewis pela Pensamento (1997)
>>> O Aprendiz Da Madrugada de Luiz Carlos Lisboa pela Gente (1994)
>>> Vencendo nos Vales da Vida de Ray Conceição pela Holy Bible (1995)
>>> Eça, Discípulo De Machado de Alberto Machado Da Rosa pela Editora Fundo De Cultura (1963)
>>> Perdão A Cura para Todos os Males de Gerald G. Jampolsky pela Cultrix (2006)
>>> Em Quincas Borba De Machado De Assis de Ivan C. Monteiro E Outro pela Livraria Acadêmica (1966)
>>> A Liberação Da Mente Através Do Tantra Yoga de Ananda Marga pela Ananda Marga Publicaçãoes (2002)
>>> O Oráculo Interior de Dick Sutphen pela Nova Era (1994)
>>> Manual Do Terapeuta Profissional De Segundo Grau de David G. Jarrell pela Pensamento (1995)
>>> O Discurso Da Libertação na Sinagoga De Nazaré de org. Leonardo Boff entre outros pela Vozes (1974)
>>> O Pensar Sacramental REB 35 de org. Leonardo Boff entre outros pela Vozes (1975)
>>> Meditações Diárias Para Casais de Dennis e Barbara Rainey pela United Press (1998)
>>> Machado De Assis de org. por Luís Martins pela Iris
>>> Massagem Para Energizar Os Chakras de Marianne Uhl pela Nova Era (2001)
>>> O Mundo Social Do Quincas Borba de Flávio Loureiro Chaves pela Movimento (1974)
>>> Pensamento Diário de Elsa kouber (entre outros) pela Rádio Transmundial (2019)
>>> O Que É Esta Religião? de Ibps do Brasil (org) pela Ibps do Brasil
>>> Meditando a Vida de Padma Samten pela Peirópolis (2001)
>>> O Poder Da Paciência de M. J. Rayan pela Sextante (2006)
>>> Liberdade? Nem Pensar! de Aquino e Bello pela Record (2001)
>>> Desafio Educacional Japonês de Merry Whitte pela Brasiliense (1988)
>>> As Flores Do Mal Nos Jardins De Itabira de Gilda Salem Szklo pela Agir (1995)
>>> A Era Do Inconcebível de Joshua Cooper Ramo pela Companhia Das Lestras (2010)
>>> A Voz e a Série de Flora Süssekind pela Sette Letras (1998)
>>> Cure Seu Corpo de Louise L. Hay pela Best Seller (2004)
>>> História Viva De Um Ideal de Hélio Brandão pela Do autor (1996)
>>> Cure Seu Corpo de Louise L. Hay pela Dag Gráfica
>>> Índice Analítico Do Vocabulário De Os Lusíadas J-Z de Org. por A. G. Cunha pela Instituto Nacional Do Livro (1966)
>>> Sempre Zen Aprender Ensinar E Ser de Monja Coen pela Publifolha (2006)
>>> I Ching O Livro das Mutações de Não Informado pela Hemus (1984)
>>> Via Zen Reflexões Sobre O Instante e O Caminho de Monja Coen pela Publifolha (2004)
>>> Praticando o Poder Do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2005)
>>> La Théologie De La Foi Chez Bultmann de J. Florkowski pela Du Cerf (1971)
>>> Quatre Vingt Neuf de Georges Lefebvre pela Sociales (1964)
>>> Haikai de Paulo Franchetti (e outros) pela Unicamp (1991)
>>> As Razões Da Inconfidência de Antônio Torres pela Itatiaia (1956)
>>> Estratégias e Máscaras de um Fingidor, Crônicas de Machado De Assis de Dilson F. Cruz Jr pela Nankin editorial (2002)
>>> Anjo Caído de Daniel Silva pela Arqueiro (2013)
>>> A Paz Interior de Joseph Murphy pela Nova Era (2000)
>>> A Pedra e o Rio ( uma interpretação da poesia de João Cabral de Melo Neto) de Lauro Escorel pela Livraria Duas Cidades LTDA. (1973)
>>> Como Utilizar O Seu Poder De Cura de Joseph Murphy pela Nova Era (1997)
>>> Os sete Crimes De Édipo de Pedro Américo Corrêa Netto pela Agir (1987)
>>> Transportes Pelo Olhar de Machado de Assis de Ana Luiza Andrade pela Grifos (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 21/7/2020
Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2700 Acessos



Uma empregada nua começa a se vestir sob a luz escassa do amanhecer. Trata-se de uma pintura que deu o que falar em Paris e na Argentina.

No ano de 1887 o pintor argentino Eduardo Sívori (Buenos Aires, 1847 - 1918) apresentou no Salão de Paris a obra O despertar da empregada doméstica (Le alavanca de la bonne), um nu realista. O quadro de Sívori foi interpretado pela crítica francesa como obra derivada da literatura de Zola, sendo um nu “excessivo” na representação de um corpo que foi visto como feio, sujo e desagradável.

Em 1887 a pintura realista já ocupava um lugar de destaque no Salão de Paris, como uma das tentativas - que surgira já na primeira metade do século XIX com os pintores românticos Delacroix e Géricault - de renovar a estética oficial do Salão, da Academia de Belas Artes e o gosto do público.

Na segunda metade do século XIX a presença de pintores como Manet, Courbet e Millet já apresentavam uma alteração iconográfica na pintura francesa (com a figuração de pessoas do povo, temas camponeses e nus, todos a partir de uma representação de caráter realista), com temas muitas vezes relacionados à literatura de Zola e Victor Hugo, nem sempre bem recebidos pelos jurados, imprensa e público.

O mesmo quadro de Sívori foi apresentado na Argentina, na Sociedad Estímulo de Bellas Artes, em 1888. A recepção não foi também positiva. O quadro tornou-se objeto de uma enorme polêmica na imprensa que qualificou a pintura de “indecente” e “pornográfica”. Em resposta, a reação de intelectuais e artistas acabou criando uma unidade em defesa da renovação da pintura moderna argentina.



O quadro O despertar da empregada doméstica tem como base uma imagem fotográfica. Há algumas diferenças entre as duas imagens. Não podemos saber se as alterações aconteceram para a exposição de Paris ou, em função das críticas após a apresentação francesa, ao ser enviado para a exposição na Argentina o artista teria retirado os elementos mais perturbadores.

Na fotografia, podemos ver sobre a mesa uma jarra e uma bandeja (elementos de higiene), usualmente usado pelas prostitutas após o coito. O que faz a imagem parecer a representação de uma “faubourgienne”, tema muito caro à vanguarda artística, tanto literária como das artes plásticas.

Na tela, esses elementos foram substituídos por um candelabro com uma vela, o que não fez com que a obra deixasse de ser classificada como a representação de uma prostituta e considerada pornográfica.

O que pode ter acontecido (uma suposição) é que a transformação do tema da “prostituta”, emergente no Salão de Paris, para o “tema social da criada”, pode ter sido considerado pelo artista para diminuir a crítica sobre a obra no momento de sua exposição na Argentina.

O tema do nu popular, de qualquer forma, já era em si mesmo um afronta à delicada pintura acadêmica dos nus mitológicos. Sabemos da recepção negativa dos nus de Manet e Courbet nos Salões de Paris.



A afronta do quadro de Sívori está relacionado à mesma questão que envolvia os escandalosos nus realistas franceses. Por exemplo, o quadro As Banhistas de Courbet, de 1853, provocou escândalo no Salão do mesmo ano, não só pela obesidade chocante do nu, mas por representar uma personagem de classe média, incompatível com as exigências da representação distanciada do real dos nus idealizados. Outra questão é que, como crítica à tradição da pintura acadêmica, Courbet elevava o tema da classe média ao nível da pintura histórica. Ainda havia o desrespeito à beleza, que agredia o regulamento da pintura dos Salões. E uma possível ironia nos gestos clássicos da moça e que se repetem na sua criada, satirizando o tema das "Dianas ao banho".

No quadro de Sívori é apresentada uma jovem da classe trabalhadora, num ambiente com mobiliários simples, com roupas amontoadas sobre a cama. Ela parece estar começando a se vestir. A expressão crua da materialidade do nu, este corpo que se apresenta ao espectador voyer em sua nudez poderosa, real, afirma o peso erótico da carne, em volumosos seios, braços e pernas. É como se violássemos a intimidade da criada, no seu despertar.

O quadro expõe o corpo sob uma luz que se deita sobre seu tronco e pernas, deixando os outros elementos numa leve penumbra. Seu rosto e penteados aparecem mais nítidos na fotografia do que na tela. O que reforça a presença corporal é, sem dúvida, o foco de luz que a ilumina provindo da esquerda em contraste ao fundo mais escuro da parede. O rosto ensimesmado está atento à meia que prepara para calçar. As pernas cruzadas uma sobre a outra reforçam a presença dos volumes do quadril. Os pés são pesados, podemos até dizer que são “toscos” ou maltratados, diferente das representações delicadas da pintura clássica. A pele tende ao escuro, o oposto da pintura marmórea de uma Vênus de Cabanel, apresentando variação do tom de cor em função do jogo de luz. O púbis encontra-se escondido entre as pernas cruzadas, o que não reduz a sensação de nudez absoluta da personagem no quadro.



Por causa dessa tela, Sívori é considerado o introdutor e um dos expoentes importantes do realismo pictórico argentino no final do século XIX. Filho de genovês, comerciantes ricos e armadores, entrou em contato com a pintura nos museus da Europa, onde o negócio da família o levara. Juntamente com seu irmão Alejandro, Eduardo Sívori é o grande promotor da criação da Sociedade Estímulo de Bellas Artes em 1876. Em 1883, ele fez várias colaborações artísticas na La Ilustracion Argentina, publicação fundada por Pedro Bourel. Entusiasta da arte moderna francesa, o destino que escolhe para viver alguns anos é Paris, onde frequenta a Academia Colarossi e estuda com Raphaël Collin, Puvis de Chavannes e Jean-Paul Laurens, este último professor de grande prestígio entre os artistas hispano-americanos que residem na capital francesa.

Em 1887, ele foi admitido pela primeira vez no Salão de Paris com o Le Lever de la bonne. Sívori está novamente presente no Salão de Paris em 1888 com La Mort d'un paysan e Sans famille; em 1889, com Dolce far niente e Femmes médécins; e em 1890 com Près du feu. Ele participou da Exposição Universal de 1889 e, dois anos depois, retornou a Buenos Aires, onde fez parte do grupo de artistas e intelectuais que, em 1892, fundou o Athenaeum, cujo primeiro salão, organizado no ano seguinte, oficiou como júri e expositor apresentando seis obras. Em 1894, Sívori expôs no segundo salão da Ateneo Coquetterie, Entre dos Luces e Las Guachitas, este um dos poucos trabalhos vendidos em toda a exposição.

No final do século, sua pintura tornou-se luminosa e radiante, afastando-se cada vez mais da natureza naturalista de seus primeiros trabalhos. Por outro lado, ele é reconhecido como um dos primeiros artistas argentinos a se aventurar na técnica de gravura.

Em 1905, sendo presidente da Sociedade de Estímulos, organizou a transferência para o Estado Nacional da Escola de Belas Artes fundada em 1876 por essa instituição. A Escola passou a se chamar Academia Nacional de Belas Artes, e Sívori é seu primeiro diretor adjunto, acompanhando Ernesto de la Cárcova, que é diretor. Posteriormente, ele atua como representante da Comissão Nacional de Belas Artes, dependente da entidade dedicada à organização das comemorações dos cem anos da Revolução de Maio. Esta comissão prepara a Exposição Internacional de Arte do Centenário, aberta ao público em 1910.

Artista prolífico, continuou pintando e enviando obras para os Salões Nacionais desde a sua fundação em 1911 até o ano de sua morte, que ocorreu em 1918.

O quadro O despertar da empregada doméstica encontra-se hoje no Museo Nacional de Bellas Artes de Buenos Aires.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 21/7/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um software em crise existencial de Wellington Machado
02. Ser brasileiro nas Olimpíadas de Daniela Sandler


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
02. Entrevista com Gerald Thomas - 7/1/2020
03. A poesia de Carol Sanches - 12/5/2020
04. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020
05. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RELAÇÕES PÚBLICAS: CASOS ATUAIS - PERSPECTIVAS FUTURAS
ANTONIO DE LISBOA MELLO E FREITAS
SULINA / ARI
(1985)
R$ 20,00



OS MELHORES GESTORES, SUAS LIÇÕES
PAUL B. THORNTON
CLÁSSICA
(1993)
R$ 16,50



AMOR DIVIDIDO
BARBARA PYM
RECORD
(1978)
R$ 7,90



CRIANÇAS OK
ALVYN E MARGARET FREED
ARTENOVA
(1977)
R$ 10,00



É FÁCIL SER AUDITOR
ROGÉRIO PFALTZGRAFF
PALLAS
(1975)
R$ 5,00



EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A LÓGICA DAS COMPETÊNCIAS
FERNANDO FIDALGO/ MARIA AUXILIADORA/ NARA LUCIENE
VOZES
(2007)
R$ 18,00



PRODUÇAO GRAFICA - NOVAS TECNOLOGIAS
CLAUDIO SILVA
NÃO INFORMADA
(2009)
R$ 54,90



RENASCIMENTO E HUMANISMO
TERESA VAN ACKER
ATUAL
(1992)
R$ 9,80



DICIONÁRIO DE ÉTICA ECONÔMICA
GEORGES ENDERLE/ KARL HOMANN E OUTROS
USINOS
(1997)
R$ 9,90



OS PALESTINOS
MARCOS MARGULIES
DOCUMENTARIO
(1979)
R$ 7,90





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês