Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas | Ronald Polito | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> A Flip como Ela é... I
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/12/2022
Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
Ronald Polito
+ de 3700 Acessos

"Precedeu o silêncio à Criação.
Silêncio era o incriado e nós, os criados, viemos do silêncio [...]
De silêncio fomos e ao pó do silêncio voltaremos."
(Antonio Di Benedetto, O silencieiro)

Diante de um trabalho sobre o silêncio, talvez a postura mais coerente seria fazer “eco” ao seu tema e não dizer nada. Mas é apenas um aparente paradoxo que, para considerar o silêncio, seja preciso se pronunciar. Porque o silêncio demanda, para se instituir, o que lhe é contrário: o som, o ruído, o barulho. É o que se tentará aqui.

Em 2021, foi publicado um trabalho de Adolfo Montejo Navas intitulado 66 novos silêncios/ 66 nuevos silêncios e parece que passou despercebido. Trata-se de uma bela edição bilíngue, com costura aparente, projeto gráfico da Dupla Design e tiragem de 150 exemplares assinados pelo autor. O título faz referência a trabalho anterior de Adolfo, 49 silêncios/ 49 silencios, publicado em 2004, também bilíngue e em tiragem de 150 exemplares.

Ambas as edições têm o mesmo “conceito” gráfico engenhoso, ou seja, há duas capas, o leitor lê o original em um sentido, vira a edição ao contrário e lê a tradução. Assim, o colofão da edição em espanhol está impresso atrás da capa da tradução e vice-versa. São edições para serem não apenas lidas, mas manipuladas com prazer pelo seu design pouco usual. O longo “silêncio” entre as duas edições foi bastante rentável, serviu para o primeiro trabalho passar por um amadurecimento do qual agora extraímos um silêncio talvez mais gritante, mais incisivo.

Naturalmente, sendo uma investigação sobre o silêncio, seria inadequado que o autor ficasse falando muito... Em ambos os volumes, portanto, a forma é a da concisão, do aforismo, da máxima, no que Adolfo é um mestre praticamente sem discípulos num país de poesia e prosa geralmente tagarelas, verborrágicas. A preferência pela forma breve, inclusive, corta toda a trajetória de Adolfo.

Para ficarmos em alguns exemplos, cabe citar Limiares/Lindes, que acaba de ser publicado pela Editora Patuá (2022), reunindo um conjunto extenso de aforismos, Da hipocondria (7 Letras, 2005), com 416 sentenças, Na linha do horizonte/Conjuros (7 Letras, 2003), com poemas breves, e Pedras pensadas (Ateliê Editorial, 2002), com 660 aforismos. Na contramão de uma legião de palradores, Adolfo busca dizer o máximo com o mínimo de palavras porque sabe que qualquer excesso de linguagem produz sua entropia ou sua diluição em mero ruído sem significado.

Pela própria natureza das formas breves que Adolfo privilegia, estamos diante de uma poesia-prosa do pensamento. Se há imagens inquietantes e sonoridades inesperadas, e há, o alvo é precipuamente a dimensão reflexiva, o objetivo é levar o leitor a pensar, inclusive acerca das condições de seu pensamento. Esses aforismos não pretendem, como tradicionalmente se configuram, ser uma ética, uma moral, mas uma abertura para questionarmos éticas e morais dominantes. Antes que máximas, estamos diante de “máximos”, os limites dos vários absurdos que nos cercam.

Assim, se muitas de suas formulações atingem uma dimensão abstrata, geral, outras se dirigem precisamente a condições contemporâneas de nosso cotidiano, nossa vida política e social, enlaçando, desse modo, as duas pontas da linha fundamental que nos organiza: o que escapa ao tempo imediato e o que se afunda na concretude da realidade.

“Apesar da proibição,/ o silêncio resiste”; “O invisível, outra/ gestão do silêncio”; “Quando todos fazem barulhos,/ o silêncio está proibido”. Formulações assim dizem bastante sobre o tempo presente, quem faz mais barulho se impõe, quem cala necessariamente não consente, o que é inaudível, imperceptível em meio à algazarra geral.

“O tolo é mais amigo/ do ruído que do silêncio”. Essa formulação diz muito sobre o cotidiano em que vivemos. Neste país, quem pede silêncio é apedrejado com berros, nas ruas só se ouvem gritos, carros e motos estridentes, aparelhagens de sons próximos da arrebentação dos tímpanos, qualquer diálogo é sustado por aquele que grita mais alto.

Sendo ainda mais explícito, localizado, ou observando a contraface da microfísica: “(Totem) O silêncio de/ Estado monopoliza qualquer/ tipo de silêncio”. A intransparência do poder, sua ocultação planejada, sua invisibilidade constituem as modalidades atualizadas, reconfiguradas do mando de baixo para cima, da suposta impessoalidade das regras do jogo que pressupõe dominantes e dominados como algo natural, vencedores e vencidos como normalidade da história. Nenhum consentimento nesse silêncio da dominação, muito pelo contrário, estratégia feroz de quem supostamente não deve explicações para a implantação do terror, a perpetuação da desigualdade, do monopólio da violência institucionalizada.

É preciso alcançar o rendimento do silêncio, sua “economia política”, quando se torna plataforma para a superação de muitos estados de coisa. Que sirva de exemplo a arte. Em mais um paradoxo aparente, a música, que vem nos educando a potencializar o som por sua ausência: “4,33, a prova infalível/ de Jonh cage de que/ o silêncio bebe tudo”; “Músicos que cultuam o silêncio/ sincopado, o aumentam: monk,/ miles, Tristano, shorter, Jarrett,/ lloyd, garbarek, abercrombie,/ towner, stenson, wasilewski...”

Isso para “Gente que não conhece a/ música do silêncio, seu tremor”, para “Na música calada do silêncio,/ ouvir suas pausas”. Afinal, é “O silêncio, a partitura mor”; “A voz em off do silêncio não/ deixa de ser uma partitura maior”. Mas não só a música nos instrui para o silêncio, é preciso não esquecer o mestre maior: “Aquele silêncio das estrelinhas/ descoberto por mallarmé [...]” É fundamental ir “Letra a letra até/ o silêncio nascer”, prestar atenção no “Silêncio do branco no branco,/ a página a semear”, “Escrever nas margens do silêncio/ palavras que o ressuscitem”. E, ecoando a epígrafe deste texto, esta constatação básica: “No começo era o silêncio,/ depois chegou o verbo/ e outro silêncio”.

Mas não só de arte vivemos, ou melhor, há um fosso intransponível entre vida e arte, mesmo com todas as tentativas em contrário. Por isso é preciso criar estratégias na própria vida para que ela seja minimamente mais possível, para que ela valha a pena.

Entre elas, “Uma lição sonora: escutar/ o que o silêncio tem a dizer”. Em outra direção, “O ideal seria recolher os frutos/ silenciosamente, tão atados/ à profundidade do coração”. Porque “Há uma montanha de silêncios/ esperando a volta da tua fé”. Outras tarefas: “Estuda a relação entre/ o silêncio e a paciência,/ a tolerância, os foros internos”. O desejo deve ser purificado: “Abençoado seja o amor/ que se faz silencioso”. Uma vez atingido, “Como se fosse um pão,/ aquele silêncio era repartido/ em partes iguais”. Isso para chegarmos à grande “Conquista: ter um silêncio/ feito à medida”. E, assim, “Em homenagem ao silêncio,/ reza sem palavras”; “Fecha os olhos,/ teu silêncio o agradece”. Tudo em vista a realizar a maior tarefa: “Cada qual tem um silêncio/ próprio para construir.”

As dificuldades são enormes, acachapantes, sobretudo desanimadoras, porque o barulho ensandecido do mundo é maior e mais poderoso que um iceberg. Gritar é fácil, raro é abster-se de dizer o que realmente não importa ser dito. Afinal, difícil é saber ouvir, particularmente o próprio silêncio, lugar do espanto, da dúvida, mas também do encontro mudo, motor para outra forma de vida.

Para ir além



Ronald Polito
Juiz de Fora, 8/12/2022

Mais Ronald Polito
Mais Acessadas de Ronald Polito
01. Sim, Thomas Bernhard - 17/11/2023
02. Kafka: esse estranho - 5/4/2023
03. O engenho de Eleazar Carrias: entrevista - 17/3/2023
04. Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas - 8/12/2022
05. Modernismo e além - 30/1/2023


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Por Que Elas São Infiéis
Leneide Duarte Plon
Ediouro
(2006)



Menina Mãe
Maria da Gloria de Castro
Moderna
(1998)



O Segredo Chinês
Chen Guidi , Wu Chuntao
Record
(2008)



A Cidade do Sol + A Utopia
Tommaso Campanella, Thomas Morus
Atena
(1956)



Sonho Estrelado
Ubaldo José Baiano
Jardim dos Livros
(2014)



Kuery
Júlio Emílio Braz
Moderna
(2014)



Ciranda do Tempo
Jussara Braga
Do Brasil
(1987)



Great War Speeches
Sir Wiston Churchill
Corgi Books
(1965)



Livro Literatura Estrangeira As Enganadas
Jo Soares
Companhia das Letras
(2011)



Sempre Foi Você
Carrie Elks
Universo Dos Livros
(2014)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês