Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas | Ronald Polito | Digestivo Cultural

busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Equilibrando” oferece oficinas e apresentações gratuitas de circo
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caipiras sobre Rodas
>>> Folia de Reis 2011
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
>>> Sexta feira, 13
>>> Que seja eterno enquanto dure
>>> The Early Years
>>> Ruy Proença: poesia em zona de confronto
>>> E a Turma da Mônica cresceu
>>> FLIP 2006 III
>>> Franz Kafka, por Louis Begley
Mais Recentes
>>> Memórias de Adriano de Marguerite Yourcenar pela Nova Fronteira (1980)
>>> O Cão dos Baskerville de Arthur Conan Doyle pela Ática (1999)
>>> Livro - Fundamentos de Matemática Elementar Vol. 6 - Complexos, Polinômios, Equações de Gelson Iezzi pela Atual (2013)
>>> Livro de bolso - Atendimento Fraterno de Manoel Philomeno de Miranda pela Leal (1998)
>>> Educação pelo argumento de Gustavo Bernardo pela Rocco (2000)
>>> Livro - Little Oxford Dictionary & Thesaurus de Sara Hawker pela Oxford University Press (2004)
>>> Livro - As Crônicas de Gelo e Fogo: A Fúria dos Reis - Livro 2 de George R. R. Martin pela Leya (2011)
>>> O Negociador Experiente - Estratégias, Táticas, Motivação, Comportamento e Liderança de Raymond Saner pela Senac São Paulo (2002)
>>> A obra em negro de Marguerite Yourcenar pela Nova Fronteira (1982)
>>> Livro - Frommers - China de Simon Foster e Outros pela John Wiley e Sons (2012)
>>> O eu e o inconsciente de C. G. Jung pela Vozes (2014)
>>> Livro - A Guerra dos Tronos: as Crônicas de Gelo e Fogo - Vol. 1 de George R. R. Martin pela Leya (2010)
>>> Livro - Alvinho, a Apresentadora de Tv e o Campeão - Aventuras de Alvinho de Ruth Rocha pela Ftd (2004)
>>> Livro - A Criação das Criaturas de Tacus pela Vangurada (1977)
>>> Um lugar perigoso de Luiz Alfredo Garcia Roza pela Companhia Das Letras (2014)
>>> Livro - Mao - Vol. 05 de Takahashi, Rumiko pela Panini Books
>>> Livro - Lúcia já Vou Indo; Lagartixa Pintada de Maria Heloísa Penteado pela Ática (2012)
>>> O belo sol de Ana Cristina de Mattos Ribeiro pela Happy Books (2021)
>>> A Arte da Guerra - Para Mulheres de Chin Ning Chu pela Fundamento (2006)
>>> Livro - Criaturas Noturnas de Guilherme Domenichelli pela Panda Books (2018)
>>> Livro - The Rules of Acting de Michael Simkins pela Ebury Press (2013)
>>> Livro - O Coelho sem Orelhas de Klaus Baumgart; Til Schweiger pela Panda Books (2012)
>>> Livro - Card Captor: Sakura de Clamp pela Jbc (2004)
>>> Livro - Reflexoterapia Pelos Pés de Hanne Marquardt pela Manole (2005)
>>> Livro - Desmontando o Tatu de Renata Bueno pela Ftd (2010)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/12/2022
Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
Ronald Polito
+ de 1400 Acessos

"Precedeu o silêncio à Criação.
Silêncio era o incriado e nós, os criados, viemos do silêncio [...]
De silêncio fomos e ao pó do silêncio voltaremos."
(Antonio Di Benedetto, O silencieiro)

Diante de um trabalho sobre o silêncio, talvez a postura mais coerente seria fazer “eco” ao seu tema e não dizer nada. Mas é apenas um aparente paradoxo que, para considerar o silêncio, seja preciso se pronunciar. Porque o silêncio demanda, para se instituir, o que lhe é contrário: o som, o ruído, o barulho. É o que se tentará aqui.

Em 2021, foi publicado um trabalho de Adolfo Montejo Navas intitulado 66 novos silêncios/ 66 nuevos silêncios e parece que passou despercebido. Trata-se de uma bela edição bilíngue, com costura aparente, projeto gráfico da Dupla Design e tiragem de 150 exemplares assinados pelo autor. O título faz referência a trabalho anterior de Adolfo, 49 silêncios/ 49 silencios, publicado em 2004, também bilíngue e em tiragem de 150 exemplares.

Ambas as edições têm o mesmo “conceito” gráfico engenhoso, ou seja, há duas capas, o leitor lê o original em um sentido, vira a edição ao contrário e lê a tradução. Assim, o colofão da edição em espanhol está impresso atrás da capa da tradução e vice-versa. São edições para serem não apenas lidas, mas manipuladas com prazer pelo seu design pouco usual. O longo “silêncio” entre as duas edições foi bastante rentável, serviu para o primeiro trabalho passar por um amadurecimento do qual agora extraímos um silêncio talvez mais gritante, mais incisivo.

Naturalmente, sendo uma investigação sobre o silêncio, seria inadequado que o autor ficasse falando muito... Em ambos os volumes, portanto, a forma é a da concisão, do aforismo, da máxima, no que Adolfo é um mestre praticamente sem discípulos num país de poesia e prosa geralmente tagarelas, verborrágicas. A preferência pela forma breve, inclusive, corta toda a trajetória de Adolfo.

Para ficarmos em alguns exemplos, cabe citar Limiares/Lindes, que acaba de ser publicado pela Editora Patuá (2022), reunindo um conjunto extenso de aforismos, Da hipocondria (7 Letras, 2005), com 416 sentenças, Na linha do horizonte/Conjuros (7 Letras, 2003), com poemas breves, e Pedras pensadas (Ateliê Editorial, 2002), com 660 aforismos. Na contramão de uma legião de palradores, Adolfo busca dizer o máximo com o mínimo de palavras porque sabe que qualquer excesso de linguagem produz sua entropia ou sua diluição em mero ruído sem significado.

Pela própria natureza das formas breves que Adolfo privilegia, estamos diante de uma poesia-prosa do pensamento. Se há imagens inquietantes e sonoridades inesperadas, e há, o alvo é precipuamente a dimensão reflexiva, o objetivo é levar o leitor a pensar, inclusive acerca das condições de seu pensamento. Esses aforismos não pretendem, como tradicionalmente se configuram, ser uma ética, uma moral, mas uma abertura para questionarmos éticas e morais dominantes. Antes que máximas, estamos diante de “máximos”, os limites dos vários absurdos que nos cercam.

Assim, se muitas de suas formulações atingem uma dimensão abstrata, geral, outras se dirigem precisamente a condições contemporâneas de nosso cotidiano, nossa vida política e social, enlaçando, desse modo, as duas pontas da linha fundamental que nos organiza: o que escapa ao tempo imediato e o que se afunda na concretude da realidade.

“Apesar da proibição,/ o silêncio resiste”; “O invisível, outra/ gestão do silêncio”; “Quando todos fazem barulhos,/ o silêncio está proibido”. Formulações assim dizem bastante sobre o tempo presente, quem faz mais barulho se impõe, quem cala necessariamente não consente, o que é inaudível, imperceptível em meio à algazarra geral.

“O tolo é mais amigo/ do ruído que do silêncio”. Essa formulação diz muito sobre o cotidiano em que vivemos. Neste país, quem pede silêncio é apedrejado com berros, nas ruas só se ouvem gritos, carros e motos estridentes, aparelhagens de sons próximos da arrebentação dos tímpanos, qualquer diálogo é sustado por aquele que grita mais alto.

Sendo ainda mais explícito, localizado, ou observando a contraface da microfísica: “(Totem) O silêncio de/ Estado monopoliza qualquer/ tipo de silêncio”. A intransparência do poder, sua ocultação planejada, sua invisibilidade constituem as modalidades atualizadas, reconfiguradas do mando de baixo para cima, da suposta impessoalidade das regras do jogo que pressupõe dominantes e dominados como algo natural, vencedores e vencidos como normalidade da história. Nenhum consentimento nesse silêncio da dominação, muito pelo contrário, estratégia feroz de quem supostamente não deve explicações para a implantação do terror, a perpetuação da desigualdade, do monopólio da violência institucionalizada.

É preciso alcançar o rendimento do silêncio, sua “economia política”, quando se torna plataforma para a superação de muitos estados de coisa. Que sirva de exemplo a arte. Em mais um paradoxo aparente, a música, que vem nos educando a potencializar o som por sua ausência: “4,33, a prova infalível/ de Jonh cage de que/ o silêncio bebe tudo”; “Músicos que cultuam o silêncio/ sincopado, o aumentam: monk,/ miles, Tristano, shorter, Jarrett,/ lloyd, garbarek, abercrombie,/ towner, stenson, wasilewski...”

Isso para “Gente que não conhece a/ música do silêncio, seu tremor”, para “Na música calada do silêncio,/ ouvir suas pausas”. Afinal, é “O silêncio, a partitura mor”; “A voz em off do silêncio não/ deixa de ser uma partitura maior”. Mas não só a música nos instrui para o silêncio, é preciso não esquecer o mestre maior: “Aquele silêncio das estrelinhas/ descoberto por mallarmé [...]” É fundamental ir “Letra a letra até/ o silêncio nascer”, prestar atenção no “Silêncio do branco no branco,/ a página a semear”, “Escrever nas margens do silêncio/ palavras que o ressuscitem”. E, ecoando a epígrafe deste texto, esta constatação básica: “No começo era o silêncio,/ depois chegou o verbo/ e outro silêncio”.

Mas não só de arte vivemos, ou melhor, há um fosso intransponível entre vida e arte, mesmo com todas as tentativas em contrário. Por isso é preciso criar estratégias na própria vida para que ela seja minimamente mais possível, para que ela valha a pena.

Entre elas, “Uma lição sonora: escutar/ o que o silêncio tem a dizer”. Em outra direção, “O ideal seria recolher os frutos/ silenciosamente, tão atados/ à profundidade do coração”. Porque “Há uma montanha de silêncios/ esperando a volta da tua fé”. Outras tarefas: “Estuda a relação entre/ o silêncio e a paciência,/ a tolerância, os foros internos”. O desejo deve ser purificado: “Abençoado seja o amor/ que se faz silencioso”. Uma vez atingido, “Como se fosse um pão,/ aquele silêncio era repartido/ em partes iguais”. Isso para chegarmos à grande “Conquista: ter um silêncio/ feito à medida”. E, assim, “Em homenagem ao silêncio,/ reza sem palavras”; “Fecha os olhos,/ teu silêncio o agradece”. Tudo em vista a realizar a maior tarefa: “Cada qual tem um silêncio/ próprio para construir.”

As dificuldades são enormes, acachapantes, sobretudo desanimadoras, porque o barulho ensandecido do mundo é maior e mais poderoso que um iceberg. Gritar é fácil, raro é abster-se de dizer o que realmente não importa ser dito. Afinal, difícil é saber ouvir, particularmente o próprio silêncio, lugar do espanto, da dúvida, mas também do encontro mudo, motor para outra forma de vida.

Para ir além



Ronald Polito
Juiz de Fora, 8/12/2022

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Menos que um, novo romance de Patrícia Melo de Jardel Dias Cavalcanti
02. O turista imobiliário de Marta Barcellos
03. O papel ainda importa de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Ronald Polito
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Posso Te Dar Meu Coração? - Confira!
Ganymédes José
Moderna
(2003)



O Falecido Mattia Pascal Seis Personagens À Procura de um Autor
Luigi Pirandello
Nova Cultura
(2003)



Sutras Sagradas / 9ª Ed
Da Editora / Capa Dura
Seicho-no-ie
(2007)



What If...?
Liane Moraes
Richmond
(2011)



Crime e Castigo (volume Unico)
Fiódor Dostoiévski
Mimética
(2002)



Aprendendo a Amar
Cristiana Clavijo
Papoula
(1980)



A Ilha dos Dragões
Matheus de Souza Barra Teixeira
Global
(2003)



Livro - Você Quer Ser um Milionário? - Transforme Sua Pequena Empr...
Clate Mask Scott Martineau
Universo dos Livros
(2012)



A Coragem de Mudar
Júlio Emílio Braz
Ftd
(1993)



Socialismo e Globalização Financeira
João Sayad/tania Bacelar/reinaldo Gonçalves/ronald
Fundação Perseu Abramo
(2003)





busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês