Paulo Maluf, Crowding Out e o fim da Democracia | Marcelo Brisac | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/4/2001
Paulo Maluf, Crowding Out e o fim da Democracia
Marcelo Brisac

+ de 1800 Acessos

É muito interessante ouvir os depoimentos de Alan Greenspan junto ao congresso norte-americano. O tema mais abordado nos últimos pronunciamentos do presidente do FED foi a redução de impostos. Com seu discurso impecável, ele explica que a arrecadação do Estado é função da taxa de impostos e do produto interno bruto do país. Se hoje o governo arrecada mais do que gasta, é graças ao excepcional crescimento da economia americana na última década. Surge então a questão do que se fazer com esse excedente de arrecadação e como se preparar para épocas de recessão, onde o PIB diminui levando a uma diminuição da arrecadação pública.

Superávit orçamentário versus tamanho do Estado

A resposta óbiva é poupar. Contra essa solução simplista, Greenspan argumenta que fatalmente, o excesso de dinheiro será utilizado por políticos defendendo os mais diversos interesses. Contratação de mais professores, ampliação do sistema de saúde, construção de mais estradas. Além disso, como o exemplo brasileiro sempre ilustrou, é fácil encontrar novas maneiras de gastar dinheiro, mas é muito difícil cortar despesas em épocas de recessão. Assim, o presidente do FED defende que é melhor reduzir impostos agora; poupar, mas em menor escala, e aumentar os impostos caso o Estado volte a precisar de recursos no futuro.

Finalmente, por quê diminuir o Estado é tão importante? Por quê não deixar o governo gastar livremente e contrair dívidas para financiar o crescimento do país? Por quê Fernando Henrique, e tantos outros presidentes modernos cometem o enorme sacrifício politico de tentar diminuir o Estado? Para preservar a democracia! Uma sucessão de politicos gastadores, que negligenciam as finanças públicas, fatalmente levará à extinção da ordem democrática.

Nunca fui Malufista, mas sempre me considerei meio idiota por causa disso. Sejamos honestos, quem não quer um tunel da porta de sua casa até o clube? É preciso uma grande dose de ingenuidade e altruísmo para votar em coisas abstratas como bem-estar social e estabilidade econômica. Principalmente quando a opção é andar de fura- fila e se sentir um Jetson na cidade do futuro.

A lógica do processo

Para realizar essas obras, o governo precisa de dinheiro. Como qualquer empreendedor, o Estado pede dinheiro emprestado aos bancos e investidores. Esses investidores financiam o governo e ficam sem dinheiro para emprestar aos micro empresários, ou a qualquer outra atividade produtiva.

Colocando de outra forma, Governo e iniciativa privada competem pelos escassos recursos disponíveis nas mãos dos investidores. Nessa competição, o Estado normalmente vence e acaba expulsando (crowds out) a iniciativa privada.

Quando o presidente Clinton se elegeu há oito anos atrás com o slogan: "-It's the economy, stupid". Ele consertou a economia fazendo o Estado caber dentro das suas receitas. Sem ter o poder público para financiar, os bancos ficaram com uma enorme quantidade de dinheiro disponível. Foi, por isso, que empresas completamente inviáveis como pets.com e Iridium conseguiram levantar milhões e milhões de dólares em empréstimos. Além desses casos mais chocantes, um grande número de empresas com projetos mais factíveis também encontraram financiamento e cresceram. O crescimento da economia deixa o Estado arrecadar mais dinheiro com impostos e, no fim, o circulo virtuoso está fechado.

Infelizmente, casos como o americano são acidentais. Não se explicam logicamente em sociedades individualistas.

O individualismo e a dissolução do Estado

Num dado momento da história democrática, os eleitores descobrem que podem votar em benefícios para si mesmos elegendo politicos gastadores. É uma comportamento bastante racional. Votar em quem assegura os meus interesses. Votar em quem construirá um tunel da porta da minha casa até a porta do meu escritório. Votar em quem vai construir uma escola para os meus filhos aqui no meu bairro. Evidentemente, o politico que prometer atender a todas as necessidades de todos os cidadãos será eleito. O resultado é uma espécie de "Teorema de Impossibilidade". Demonstrado por Kenneth Arrow, esse teorema prova que comportamentos individualmente racionais não levam a uma racionalidade coletiva.

À partir desse ponto, o Estado vai satisfazer mais e mais desejos individuais. O crescimento exagerado de Leviatã vai acabar com a iniciativa privada, que terá sido expulsa da corrida por capitais (crowded out).

Temos aqui, o mesmo fenômeno observado nos países comunistas. O fim do poder econômico individual. Como nenhuma empresa consegue obter recusros para financiar seu negócio, elas fecham e as pessoas vão trabalhar para o único empregador do país. O Governo. Sem um poder que se oponha ao poder politico, o Estado continua crescendo e se tornando cada vez mais autoritário.

As democracias sobrevivem no equilíbrio entre o poder politico e o poder econômico. Pessoas ricas podem se defender de Estados autoritários financiando a "oposição" ou abandonando o país. Pessoas pobres emprestam seu poder político a alguns "eleitos" que combatem as elites e defendem seus interesses. Esse eterno confronto modera e limita o Estado. Sem ele, quem pode se opor aos políticos e à sua busca por poder? Quem pode se erguer contra o Governo, que além de comandar a polícia e o exército é o único empregador e fonte de sustento do país?

Terminamos numa ditadura comunista sem revolução. O Estado, ao invés de confiscar fábricas e fuzilar burgueses, simplesmente quebrou todas as empresas. Uma forma extremamente eficaz de promover a distribuição de renda.

Balanço

Acho que não existe nenhum exemplo real onde as coisas tenham se dado com a precisão matemática descrita acima. O caos econômico normalmente leva a uma revolução (e ditadura?) antes que o "crowding out" destrua toda a iniciativa privada. A longevidade da demoracia Americana também desafia minha tese.

Mesmo assim, continuo fiel à minha teoria. Os países comunistas e as experiências do facismo e nazismo nos mostram a verdadeira face do Estado quando o poder econômico é suprimido. Políticos gastadores são e sempre serão uma ameaça à toda democracia.

Termino esse artigo com um pequeno pensamento para a reflexão do leitor. João Goulart assumiu a presidência do Brasil após a renúncia de Jânio Quadros. Temendo as inclinações esquerdistas de Goulart, o exército tomou o poder na revulação de 64 e terminou com mais um breve período de democracia na nossa história. Jânio Quadros suscedeu Juscelino Kubitschek, um grande defensor do Estado empresário.


Marcelo Brisac
Nova York, 9/4/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
02. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
03. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
04. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
05. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marcelo Brisac
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PSICOLOGIA APLICADA À EDUCAÇÃO VOL. 1
KURT MÜLLER
EDUSP
(1977)
R$ 22,00



BREAKING THE CHAIN
WILLY VOET
YELLOW JERSEY
(2001)
R$ 24,00



PAPOULAS VERMELHAS DE ALAI UM ROMANCE DO TIBETE
ALAI
OBJETIVA
(2003)
R$ 10,00



FALANDO DE AMOR
FLÁVIO GIKOVATE
MG
(1976)
R$ 9,93



POLLYANNA
ELEANOR H PORTER
NACIONAL
R$ 25,00



BUILDING SKILS FOR THE TOELF - SECOND EDITION
CAROL KING AND NANCY STANLEY
NELSON
(1989)
R$ 15,00



RIGOLETTO
GUSTAVO MARCHESI & OUTROS
AZZALI
(1985)
R$ 22,31
+ frete grátis



PSICOLOGIA E SENTIDO DO PECADO
MARC ORAISON
PAULINAS
(1974)
R$ 12,00



PROCEDIMENTOS ESPECIAIS
ANTONIO CARLOS MARCATO
ATLAS
(2008)
R$ 30,00



TRABALHO EM GRUPOS E AUTONOMIA COMO INSTRUMENTOS DE COMPETIÇÃO
ROBERTO MARX
ATLAS
(1998)
R$ 10,00





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês