Índio quer apito, celular e conta nas Caymán | Alexandre Ramos | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> A vida mais ou menos
Mais Recentes
>>> Meu dia com Padre Gregório, scj de Padre Gregorio pela N/a
>>> O Primeiro Bilhão de Christopher Reich pela Best Seller (2004)
>>> Poderes do Pensamento de Omraam Mikhaël Aïvanhov pela Prosveta (2018)
>>> Manual do Astrólogo de Landis Knigh Green pela Pensamento (1975)
>>> Noções de Symbologia Esoterica de Circulo Esotérico pela Circulo Esotérico (1941)
>>> Juventude e Revolução de Hermes Zaneti Junior pela Unb (2001)
>>> Dharma de Annie Besant pela Pensamento (2008)
>>> Fome do Cão de Táki Athanássios Cordás pela Maltese (1993)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Harper Usa (2000)
>>> Gandhi Autobiographie ou mês Expériences de Vérité (Francês) de Gadhi pela Puf (2010)
>>> Tábuas de Casa para o Hemisfério Sul de Carlos Alberto Boton pela Pensamento (1993)
>>> Tao Te King de Lao Tsé pela Attar (1988)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Jacira X Ronaldo de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1980)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Simone X Angela de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1979)
>>> Guia Prático de manobras de Eric Tabarly pela Edições marítimas (1983)
>>> Pegadas de Roberto Adami Tranjan pela Gente (2005)
>>> Como Planejar sua Carreira de Varios Autores pela Povo (2003)
>>> Perguntas Bíblicas Extrovertidas de Tio Cornélio pela J&f Artes Gráficas (2004)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Macmillan Pub Co (1984)
>>> Gestão Financeira de Negócios de Aurélio Hess pela Cart-Impress (2005)
>>> Luz Emergente A Jornada de Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (2003)
>>> Jesus, um Profeta do Islão de Muhammad Áta Ur-rahim pela Al Furqán (1995)
>>> Buda O Mito e a Realidade de Hérodoto Barbeiro pela Madras (2005)
>>> Gandhi O Apóstolo da Não - Violência de Martin Claret pela Martin Claret (1983)
>>> Concentra-te em Ti Mesmo de Miguel Lucas pela Loyola (1987)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/4/2002
Índio quer apito, celular e conta nas Caymán
Alexandre Ramos

+ de 3000 Acessos

Depois de mais uma Campanha da Fraternidade quase nos fazer esquecer que existe a Quaresma, e das recentes efemérides que colocam no mesmo pacote Tiradentes, índios e o Descobrimento, não tive como deixar de lembrar de um discurso(1) feito há dois anos, na missa dos Quinhentos Anos, por um sujeito chamado Jerry Adriani Santos de Jesus, vulgo Matalauê, ou Matalauê, vulgo Jerry Adriani Santos de Jesus, índio pataxó. Sobre esse bendito discurso tenho, até hoje, duas perguntinhas que, como diz o clichê, não querem calar.

Primeiro ele dizia que "...vocês, quando chegaram aqui, essa terra já era nossa". Vocês, quem? Se alguém ali presente esteve na esquadra do Cabral, deve ser imortal como aqueles personagens do filme Highlander.

Depois ele continuava, afirmando que os "povos nativos e donos desta terra vivem em harmonia com a natureza: tupi, xavante, tapuia, caiapó, pataxó e tantos outros".

Sobre a tal "harmonia com a natureza", Ricardo Arnt, conceituado jornalista da área científica, diz o seguinte: "Índios não são ecologistas. A antropologia conhece várias histórias indígenas de predação de recursos naturais e caça exterminadora. Só Kevin Costner acredita que índios não matam fêmeas grávidas. Graças a mal-entendidos como esses, o mito do bom selvagem, tão caro às populações urbanas nostálgicas de uma vida natural, entronizou-se: no espelho partido do homem calculável reflete-se o fantasma do índio memorável erigido em Homem Ecológico. O pequeno impacto demográfico das sociedades indígenas, suas tecnologias brandas e sua imersão em um território no qual a sobrevivência depende do ambiente ajudam a construir o mito".

Além disso, também não havia a menor harmonia entre as tribos citadas e mais umas tantas, que viviam tranqüilamente massacrando umas às outras, com direito a banquetes canibais, até a hora em que chegou o cruel invasor lusitano e acabou com a brincadeira(2). Ainda hoje, enterrar vivas crianças nascidas gêmeas ou em decorrência de adultério, bem como a expulsão da mãe adúltera da tribo, fazem parte da pacífica cultura indígena.

Tão pacífica, aliás, que não tem tido a menor dificuldade em adotar costumes bárbaros dos brancos, como seqüestro e extorsão. Os caiapós da aldeia Baú, no sul do Pará, têm se mostrado especialistas no assunto, dando preferência a dinheiro para o pagamento dos resgates, mas mostrando boa vontade ao aceitar gasolina, alimentos e ferramentas.

O curioso é que esse pessoal, que fala português fluentemente e ostenta todos os símbolos de consumo, é considerado ininputável pela lei brasileira. O cacique Raoni - aquele cara que carrega um cd do Sting no beiço - alega que os seqüestros são uma forma de luta pela demarcação das terras indígenas. Sinta-se o leitor completamente livre para acreditar nisso.

Não tem essa estória de "vocês que chegaram aqui". A imensa maioria da população brasileira é constituída justamente por brasileiros, gente que não é índia, nem africana, nem européia, mas nascida aqui de pais que nasceram aqui. Temos ainda um grande contingente de imigrantes de várias nacionalidades que, sabe-se lá por quais insondáveis mistérios, acreditaram um dia que poderiam ter algum futuro nesta terra, e vêm dando um duro danado para ajudar a construir um país que, afinal, é de todos nós.

O curioso é que, ao discurso do índio - que tem aliás, como qualquer um de nós, o seu jus sperniandi - as respostas estão abaixo de meia-boca. Do meio daquele baita complexo de culpa bem classe-média, aparentemente não há entre intelectuais, políticos, e religiosos, ninguém capaz de dizer: Mas que invasão, rapaz, e por acaso havia um país para ser invadido? Cadê a organização política e econômica, as cidades, a cultura nacional(3)? E como poderia, sem dedo de algum cara-pálida, se declarar proprietária de terras gente que até hoje é nômade?

Falando em invasão, vejamos o caso de Portugal. Bem antes de o país existir, a região foi ocupada (como aconteceu aqui) pelos romanos, e antes ainda pelos celtas. O país mesmo só foi surgir justamente durante as guerras da Reconquista, que expulsaram os muçulmanos da Península Ibérica. Mais tarde o país (aí sim) foi invadido por Napoleão, evento que deu origem ao processo que culminou na independência do Brasil.

É claro que as reivindicações dos índios são justíssimas, a começar pela demarcação das terras. O que não dá para aceitar é esse complexo de inferioridade que nos querem enfiar à força, que tem origem no exterior - especialmente nos EUA - e ao qual os nossos fabulosos libertadores se prestam a servir sem sequer remotamente se darem conta.

O governo brasileiro deve servir aos índios exatamente da mesma forma como aos demais cidadãos desse país, os quais, de modo algum, precisam se sentir culpados com esse papo chocho de "vocês, invasores".

E é lamentável que tantos bispos e padres - muitos de fato comprometidos com a justiça social que deriva de uma adesão séria ao Evangelho - volta e meia se envolvam em episódios demagógicos como esse.

Entre uma elite deslumbrada e uma classe média patética que só aceitam o que tem carimbo de proveniência estrangeira, e essa mistura indigesta de macumba, orações infalíveis para Santo Expedito e tchans rebolativos que querem nos fazer engolir como expressões legítimas da assim chamada "cultura popular", o que está mesmo nos fazendo falta é uma cultura brasileira de verdade, que possa nos dar uma identidade e acabar de vez com essa esquizofrenia, essa ciclotimia que nos exalta com o futebol da Seleção (atualmente nem isso) e em seguida nos deprime no vale-tudo da corrupção.

Será possível que nunca vamos poder olhar nos olhos, com tranqüilidade e firmeza, para o americano que vê em nossas camisas os nomes de universidades de seu país, que sequer imaginamos onde ficam, nem para um índio com nome de cantor da Jovem Guarda, que sem mais aquela nos chama de invasores?

Olha aí, Jerry: pega esse teu nome ridículo, teu tênis Nike e tua filmadora digital (vejam como as coisas andaram do gravador do Juruna pra cá) e vai reclamar da invasão em Lisboa. Aqui, não.

(1) O qual, mesmo com toda a minha fé na imensa capacidade do ser humano para o ridículo, não me pareceu de procedência 100% silvícola.

(2) Aliás, foi prática comum de várias tribos fazer alianças com portugueses e outros europeus contra as tribos inimigas.

(3) A não ser que se chame de nação, como lembra João Ubaldo Ribeiro, uma penca de "tribos inimigas entre si, vivendo num território na maior parte desabitado, e se considere alta cultura a ausência de escrita, contar até três e dominar uma tecnologia que, com boa vontade, pode ser classificada como neolítica". Evandro Faustino lembra ainda, com extrema oportunidade, que poderíamos denunciar "as influências maléficas sofridas pela cultura ocidental, como o hábito indígena de fumar. Haveria um tribunal que aceitasse um processo conta os índios e os missionários, pedindo uma indenização pelos males que o fumo brasileiro fez nos costumes, na cultura e na saúde dos europeus? Ou deveremos pelo menos exigir dos índios um pedido de perdão pela propagação da nicotina na Europa"?


Alexandre Ramos
Teresópolis, 26/4/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti
02. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
03. Contra a breguice no Facebook de Marta Barcellos
04. Escola (e escolinha) de Julio Daio Borges
05. Brasil em novo tempo de cinema de Humberto Pereira da Silva


Mais Alexandre Ramos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mediadas Provisórias
Leon Frejda Szklarowsky
Rt
(1991)



Moçambique Com os Mirage Sul Africanos a 4 Minutos
Licínio Azevedo
Global
(1980)



Entre La Guerre et La Paix: 1944-1949
Roger Céré
Presses Universitaires França
(1949)



Budismo
Dalai Lama
Universo dos Livros
(2005)



Coaching de carreira
Jaques Grinberg, Maurício Sita
Literare Books International
(2019)



A Mãe Judia, o Gênio Cibernético e Outras Histórias
Paulo Wainberg
Age
(2001)



De Pneuzinho a Tanquinho
C. W. Randolph e Genie James
Best Seller
(2011)



Como Não Ser Enganado Nas Eleições
Gilberto Dimenstein
Atica
(1994)



Manifesto do Nada na Terra do Nunca
Lobão
Nova Fronteira
(2013)



Em Defesa do Marxismo
Julio Magri
Outubro
(1992)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês