Índio quer apito, celular e conta nas Caymán | Alexandre Ramos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/4/2002
Índio quer apito, celular e conta nas Caymán
Alexandre Ramos

+ de 2800 Acessos

Depois de mais uma Campanha da Fraternidade quase nos fazer esquecer que existe a Quaresma, e das recentes efemérides que colocam no mesmo pacote Tiradentes, índios e o Descobrimento, não tive como deixar de lembrar de um discurso(1) feito há dois anos, na missa dos Quinhentos Anos, por um sujeito chamado Jerry Adriani Santos de Jesus, vulgo Matalauê, ou Matalauê, vulgo Jerry Adriani Santos de Jesus, índio pataxó. Sobre esse bendito discurso tenho, até hoje, duas perguntinhas que, como diz o clichê, não querem calar.

Primeiro ele dizia que "...vocês, quando chegaram aqui, essa terra já era nossa". Vocês, quem? Se alguém ali presente esteve na esquadra do Cabral, deve ser imortal como aqueles personagens do filme Highlander.

Depois ele continuava, afirmando que os "povos nativos e donos desta terra vivem em harmonia com a natureza: tupi, xavante, tapuia, caiapó, pataxó e tantos outros".

Sobre a tal "harmonia com a natureza", Ricardo Arnt, conceituado jornalista da área científica, diz o seguinte: "Índios não são ecologistas. A antropologia conhece várias histórias indígenas de predação de recursos naturais e caça exterminadora. Só Kevin Costner acredita que índios não matam fêmeas grávidas. Graças a mal-entendidos como esses, o mito do bom selvagem, tão caro às populações urbanas nostálgicas de uma vida natural, entronizou-se: no espelho partido do homem calculável reflete-se o fantasma do índio memorável erigido em Homem Ecológico. O pequeno impacto demográfico das sociedades indígenas, suas tecnologias brandas e sua imersão em um território no qual a sobrevivência depende do ambiente ajudam a construir o mito".

Além disso, também não havia a menor harmonia entre as tribos citadas e mais umas tantas, que viviam tranqüilamente massacrando umas às outras, com direito a banquetes canibais, até a hora em que chegou o cruel invasor lusitano e acabou com a brincadeira(2). Ainda hoje, enterrar vivas crianças nascidas gêmeas ou em decorrência de adultério, bem como a expulsão da mãe adúltera da tribo, fazem parte da pacífica cultura indígena.

Tão pacífica, aliás, que não tem tido a menor dificuldade em adotar costumes bárbaros dos brancos, como seqüestro e extorsão. Os caiapós da aldeia Baú, no sul do Pará, têm se mostrado especialistas no assunto, dando preferência a dinheiro para o pagamento dos resgates, mas mostrando boa vontade ao aceitar gasolina, alimentos e ferramentas.

O curioso é que esse pessoal, que fala português fluentemente e ostenta todos os símbolos de consumo, é considerado ininputável pela lei brasileira. O cacique Raoni - aquele cara que carrega um cd do Sting no beiço - alega que os seqüestros são uma forma de luta pela demarcação das terras indígenas. Sinta-se o leitor completamente livre para acreditar nisso.

Não tem essa estória de "vocês que chegaram aqui". A imensa maioria da população brasileira é constituída justamente por brasileiros, gente que não é índia, nem africana, nem européia, mas nascida aqui de pais que nasceram aqui. Temos ainda um grande contingente de imigrantes de várias nacionalidades que, sabe-se lá por quais insondáveis mistérios, acreditaram um dia que poderiam ter algum futuro nesta terra, e vêm dando um duro danado para ajudar a construir um país que, afinal, é de todos nós.

O curioso é que, ao discurso do índio - que tem aliás, como qualquer um de nós, o seu jus sperniandi - as respostas estão abaixo de meia-boca. Do meio daquele baita complexo de culpa bem classe-média, aparentemente não há entre intelectuais, políticos, e religiosos, ninguém capaz de dizer: Mas que invasão, rapaz, e por acaso havia um país para ser invadido? Cadê a organização política e econômica, as cidades, a cultura nacional(3)? E como poderia, sem dedo de algum cara-pálida, se declarar proprietária de terras gente que até hoje é nômade?

Falando em invasão, vejamos o caso de Portugal. Bem antes de o país existir, a região foi ocupada (como aconteceu aqui) pelos romanos, e antes ainda pelos celtas. O país mesmo só foi surgir justamente durante as guerras da Reconquista, que expulsaram os muçulmanos da Península Ibérica. Mais tarde o país (aí sim) foi invadido por Napoleão, evento que deu origem ao processo que culminou na independência do Brasil.

É claro que as reivindicações dos índios são justíssimas, a começar pela demarcação das terras. O que não dá para aceitar é esse complexo de inferioridade que nos querem enfiar à força, que tem origem no exterior - especialmente nos EUA - e ao qual os nossos fabulosos libertadores se prestam a servir sem sequer remotamente se darem conta.

O governo brasileiro deve servir aos índios exatamente da mesma forma como aos demais cidadãos desse país, os quais, de modo algum, precisam se sentir culpados com esse papo chocho de "vocês, invasores".

E é lamentável que tantos bispos e padres - muitos de fato comprometidos com a justiça social que deriva de uma adesão séria ao Evangelho - volta e meia se envolvam em episódios demagógicos como esse.

Entre uma elite deslumbrada e uma classe média patética que só aceitam o que tem carimbo de proveniência estrangeira, e essa mistura indigesta de macumba, orações infalíveis para Santo Expedito e tchans rebolativos que querem nos fazer engolir como expressões legítimas da assim chamada "cultura popular", o que está mesmo nos fazendo falta é uma cultura brasileira de verdade, que possa nos dar uma identidade e acabar de vez com essa esquizofrenia, essa ciclotimia que nos exalta com o futebol da Seleção (atualmente nem isso) e em seguida nos deprime no vale-tudo da corrupção.

Será possível que nunca vamos poder olhar nos olhos, com tranqüilidade e firmeza, para o americano que vê em nossas camisas os nomes de universidades de seu país, que sequer imaginamos onde ficam, nem para um índio com nome de cantor da Jovem Guarda, que sem mais aquela nos chama de invasores?

Olha aí, Jerry: pega esse teu nome ridículo, teu tênis Nike e tua filmadora digital (vejam como as coisas andaram do gravador do Juruna pra cá) e vai reclamar da invasão em Lisboa. Aqui, não.

(1) O qual, mesmo com toda a minha fé na imensa capacidade do ser humano para o ridículo, não me pareceu de procedência 100% silvícola.

(2) Aliás, foi prática comum de várias tribos fazer alianças com portugueses e outros europeus contra as tribos inimigas.

(3) A não ser que se chame de nação, como lembra João Ubaldo Ribeiro, uma penca de "tribos inimigas entre si, vivendo num território na maior parte desabitado, e se considere alta cultura a ausência de escrita, contar até três e dominar uma tecnologia que, com boa vontade, pode ser classificada como neolítica". Evandro Faustino lembra ainda, com extrema oportunidade, que poderíamos denunciar "as influências maléficas sofridas pela cultura ocidental, como o hábito indígena de fumar. Haveria um tribunal que aceitasse um processo conta os índios e os missionários, pedindo uma indenização pelos males que o fumo brasileiro fez nos costumes, na cultura e na saúde dos europeus? Ou deveremos pelo menos exigir dos índios um pedido de perdão pela propagação da nicotina na Europa"?


Alexandre Ramos
Teresópolis, 26/4/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
02. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro
03. De louco todos temos um pouco de Cassionei Niches Petry
04. Notas confessionais de um angustiado (II) de Cassionei Niches Petry
05. Depois do chover de Elisa Andrade Buzzo


Mais Alexandre Ramos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONTOS COMPLETOS LIMA BARRETO
LIMA BARRETO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2010)
R$ 67,12



SINOPSES JURÍDICAS. PROCEDIMENTOS ESPECIAIS - VOLUME 13
VÁRIOS AUTORES
SARAIVA
(2013)
R$ 35,90



OS CAMPOS TORNARAM-SE VERDES
FRANCES PARKINSON KEYES
ITATIAIA
(1959)
R$ 7,19



A IMAGEM DA GALIZA EM PORTUGAL
CARLO PAZOS-JUSTO
ATRAVÉS
(2016)
R$ 30,00



PLANTAS E FLORES ORNAMENTAIS PARA SUA CASA E JARDIM
CARLOS PERRY
ARTENOVA
(1975)
R$ 20,00



ENCONTROS COM A VERDADE
ELISA MASSELI
MENSAGEM DE LUZ
(2007)
R$ 20,00



MEVITEVENDO
ARTUR DA TÁVOLA
SALAMANDRA
(1977)
R$ 7,90



A ILHA
ALDOUS HUXLEY
RIOGRÁFICA
(1986)
R$ 8,00



O MASSACRE DE SABRA E CHATILA
AMNON KAPELIOUK
VEGA NOVO ESPAÇO
(1983)
R$ 4,60



CURSO DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL - VOLUME II
HUMBERTO THEODORO JÚNIOR
FORENSE
(2007)
R$ 10,00





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês