Amores e caçadas | Marcelo Barbão | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 2/9/2002
Amores e caçadas
Marcelo Barbão

+ de 2300 Acessos

"Se na África você não se sentir louco a maior parte do tempo, então você é louco de verdade". Com essa frase, Ernest Hemingway consegue resumir a sua relação com o meio ambiente selvagem e, ao mesmo tempo, acolhedor do grande continente. Em meio a rifles, caçadas e leões, Hemingway cria a memória ficcional de seu último safári.

O livro Verdade ao amanhecer, apesar de girar ao redor do tema recorrente da morte, mostra um otimismo frente ao mundo que o autor evitou em outros momentos (tanto na literatura como na sua vida particular). Talvez por isso, o livro, escrito em 1953, só tenha sido publicado 46 anos depois, em 1999.

Totalmente a vontade em um acampamento no Quênia (na época colônia britânica), Hemingway e sua quarta esposa, Mary, ficam responsáveis por uma extensa área de caça. E é em torno desta atividade, por isso a recorrência da morte, que gira o dia-a-dia do autor.

Em nenhum momento, Hemingway abre mão de um fino senso de humor que torna a narrativa única, se compararmos com as suas outras obras "aventureiras", como O velho e o mar ou Por quem os sinos dobram. Este humor pode ser encontrado em momentos tão diferentes como na relação do autor com as diferentes tribos africanas que vivem na região, com sua esposa e uma namorada local ou com os animais, importantes coadjuvantes.

A história inicia com Hemingway sendo "empossado" no cargo de Bwana da Caça da região. Mais do que um funcionário colonial, Hemingway descobre que sua obrigação é cuidar para que tudo funcione perfeitamente, incluindo, em suas tarefas, o cuidado com as pessoas que vivem no local. Logo descobrirá as tensões entre diferentes tribos e os aspectos maléficos que a entrada da civilização causa entre os nativos.

Sem tornar-se panfletário, Hemingway mostra o problema da bebida entre os africanos e as mudanças que são impostas, na maioria das vezes, de forma artificial. Ele usa de humor e ironia para tratar destes temas. Isso pode ser visto principalmente na sua narrativa sobre a religião. Sem esconder uma certa tensão entre os cultos nativos, a religião muçulmana professada por muitos e o cristianismo trazido pelos colonizadores, Hemingway conta, divertido, como criou uma nova religião onde ele próprio era o profeta. O fato de, no livro inteiro, esta criação religiosa ser citada algumas poucas vezes, torna o fato mais instingante e divertido, dando um toque surreal à situação. É inevitável pensar, como teria ficado aquela gente toda, quando o escritor foi embora. Estarão ainda esperando a volta do profeta branco?

Mas a relação mais espirituosa e interessante de todo o livro é justamente com a esposa Mary, a única pessoa branca a permanecer o tempo todo com o autor. Na verdade, a história do livro é, basicamente, a luta de Mary contra um grande leão. A preparação, as lendas criadas e a caçada que resulta na morte do chamado rei das selvas são contadas de forma simples e clara por Hemingway. A tensão criada em torno deste episódio ganha um colorido especial com a postura de Mary após a grande caçada e a resposta de Hemingway. Novamente, o humor ressurge depois dos momentos mais dramáticos.

Usando imagens simples de uma caçada e esta ironia onipresente, Hemingway é capaz de discutir temas sérios como a obsessão e o vazio decorrente. E também o amor, contando a relação com uma jovem nativa apaixonada. Hemingway chega a cogitar tomá-la como segunda esposa, conforme os costumes locais. Mais um dos pontos onde nunca será possível separar a ficção da realidade. A infidelidade é contada de uma forma singela. Também é dessa forma que os abalos que essa relação extra-conjugal trazem ao seu casamento são contados.

Existe também mais um personagem que sempre é muito caro a Hemingway: a natureza. As descrições das paisagens e dos animais criam um interessante quadro da região e explicam a paixão que a África despertou no casal. Mesmo quando caça, a descrição mostra uma importante reverência ao animal. Em alguns momentos, a narrativa toma ares de cerimônia, como se os animais abatidos fossem sacrifícios dedicados ao deus da religião fictícia que Hemingway criou. Gostando ou não de caçadas, aprovando ou reprovando este chamado esporte (questionamentos que o próprio autor faz), é impossível não sentir a emoção na narrativa.

Verdade ao amanhecer foi lançado no centenário do nascimento de Ernest Hemingway e repercutiu favoravelmente no mundo inteiro. Um fecho de ouro para o vencedor do Prêmio Nobel de Literatura de 1954.

Para ir além





Marcelo Barbão
São Paulo, 2/9/2002


Mais Marcelo Barbão
Mais Acessadas de Marcelo Barbão em 2002
01. Viver para contar - parte 1 - 18/11/2002
02. Cuentos da Espanha - 23/9/2002
03. Tiques nervosos na ponta da língua - 25/7/2002
04. A idolatria do século XXI - 19/8/2002
05. Viver para contar - parte 2 - 2/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONDE ESTIVESTE ADÃO?
HEINRICH BOLL
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 10,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO INGLÊS
HUNTER BOOKS (ORG)
HUNTER
(2014)
R$ 20,00



SEM MEDO DE TER MEDO
TITO PAES DE BARROS NETO
CASA DO PSICOLOGO
(2000)
R$ 90,00



RICK E A GIRAFA
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
ÁTICA
(2012)
R$ 5,00



É TUDO VERDADE - ITS ALL TRUE 2001
AMIR LABAKI (ORG.)
CCBB
(2001)
R$ 8,11



CARNAVAL E SAMBA EM EVOLUÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO
MARIA APPARECIDA URBANO
PLÊIADE
(2006)
R$ 23,00



UM MEDO POR DEMAIS INTELIGENTE, AUTOBIOGRAFIAS PESSOAIS
AMERICO LINDEZA DIOGO E ROSA SIL MONTEIRO
ANGELUS NOVUS
(1994)
R$ 33,07



CAVERNA DOS MONSTROS
STELLA CARR
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 5,00



JOGOS E BRINCADEIRAS
VARIOS
VOZES
(2018)
R$ 26,95



DA GORDURA À FORMOSURA EM QUALQUER IDADE
SARÍ HARRAR ALISA BAUMAN
PLÁTANO
(2000)
R$ 77,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês