O Agressor, de Rosário Fusco | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/10/2002
O Agressor, de Rosário Fusco
Ricardo de Mattos

+ de 6800 Acessos

O objecto da coluna de hoje é a obra O Agressor, de Rosário Fusco.

O escritor Rosário Fusco nasceu em 1.910 na cidade de Cataguases, Estado de Minas Gerais. Tinha doze anos de idade quando ocorreu a semana modernista paulista de 1.922, mas poucos anos mais tarde, junto com outros quatro rapazes, foi responsável pela versão mineira, realmente local, do evento. Este mesmo grupo também editou a famosa revista literária Verde, hoje alvo de cobiça de estudiosos e bibliófilos, dada sua qualidade. Há menções a este periódico no volume Uma Vida Entre Livros, de José Mindlin, cuja propaganda encontrava-se recentemente aqui mesmo, no Digestivo Cultural. Mesmo superficial, o livro do Sr. Mindlin é de excelente leitura e, para quem gosta do assunto, típica obra que nos faz desatender ao tempo.

Em 1.930, Fusco muda-se para o Rio de Janeiro, onde dedica-se à crítica literária. Na década de quarenta, a segunda geração modernista assume seu lugar na literatura nacional, saindo do anterior realismo social, e dirigindo-se à investigação formal, de cunho psicológico. Neste ambiente literário lança sua obra principal, O Agressor, com nítida influência de Dostoievski e Kafka. Com esta obra, o escritor de Cataguases posiciona-se ao lado de Murilo Rubião, Clarice Lispector e Graciliano Ramos (de Angústia). Ao citado grupo de autores e obras, creio que devemos acrescentar Noite, de Érico Veríssimo, escrita na década seguinte.

O Agressor não é a única obra de Fusco, deixando além da poesia – começou em 1.928 na obra colectiva Poemas Cronológicos -, crítica, ensaios, teatro, o romance Dia do Juízo, de 1.961. Deixou também os inéditos Vacachuvamor, ASA – Associação dos Solitários Anónimos, Um Jaburu Na Torre Eiffel e Erótica Menor – poesia.

Fusco pode estar esquecido hoje, mas foi reconhecido no mundo literário da época. Quando esteve no Brasil, Orson Welles cogitou a filmagem d’O Agressor, não levando adiante o plano. O sucesso literário que teve não reflectiu em sua vida pessoal: casou-se sete vezes com a mesma mulher e encerrou sua jornada no ano de 1.977, entregue à bebida – sem fazer tipo com isso -, na cidade onde nasceu.

Temos aqui um livro denso em suas 151 páginas de texto, com uma linguagem enxuta, clara e formal. Não há experimentos linguísticos aparentes. Lendo-se com atenção, percebe-se seu esquema circular, pois os factos mencionados nas últimas páginas do último capítulo levam directamente àqueles das primeiras páginas do primeiro capítulo. Por isso, não é correcto falar em interrupção abrupta do romance. Todos os factos também estão alternadamente ligados, formando um todo coeso. Assim, temos os acontecimentos A, B, C e D. C traz a resposta aos problemas apresentados em A, verificando-se a mesma relação entre B e D. A obra não aceita uma leitura apressada, pois a intenção percebida de Fusco era demonstrar a lenta evolução da patologia psíquica do personagem principal. Ainda que leve esta patologia aos extremos, o escritor parece querer mostrar a plausibilidade do narrado, achemos aquilo um absurdo ou não. Uma comparação bem superficial: deixamos Kafka sabendo que nunca acordaremos pela manhã transformados em barata – assim espero, ao menos. Não encerramos a leitura d’O Agressor, porém, com tanta certeza em não encontrar alguém daquele jeito pela frente. Chamo o testemunho de um caso pessoal. Certa vez cheguei ao escritório e enquanto esperava o computador ligar, um homem entra, coloca sua pastinha encardida sobre o balcão, e mal cumprimentando, começa sua estória. Disse ter consultado "muitos advogados, investigadores e delegados", e todos teriam concordado com ele em certo caso. Mostrando-me uma foto, perguntou-me se eu não via nela um atentado ao pudor. Olhando o cromo, vi apenas uma moça com uma mão sobre o ombro de uma senhora. Ocorre que, seja por relaxamento muscular, seja por perspectiva, o indicador da moça aproximou-se em demasia do polegar, quase fechando o círculo. Expliquei-lhe isso, mostrando um exemplo com minha própria mão. Confirmando se realmente uma causa penal não teria futuro, despediu-se com um sorriso de desapontado cinismo. Eu soube de sua descrença, como soube que não seria o último a ser procurado por ele. Ele queria perseguir a moça. Aqui Fusco aproxima-se mais de Dostoievski. Fique bem claro que o autor nacional não é nenhum mero repetidor de estilo dos autores estrangeiros. Pode ser associado a eles, mas tem voz própria.

O personagem principal do livro é David (escrito conforme a grafia da época. Lê-se “Daví” mesmo, nada de “Deividi”), contador de uma decadente chapelaria do Rio de Janeiro da década de quarenta, cujo maior movimento limitava-se ao carnaval. Esta é uma presunção que se confirmada, reforçaria o carácter realista do livro. Fusco escrevia para as pessoas da sua época mostrando a possibilidade de ali mesmo no meio delas aparecer uma figura como a do personagem. David é marcado por sua personalidade psicopática, e sem querer ir muito adiante onde não fui chamado, pode ser classificado como psicopata anancástico, classificação daquele sujeito inseguro, ao qual um estímulo mínimo pode desencadear um comportamento fóbico insuportável. Encaminhei-me por aqui, pois isso fica bem evidente no livro.

O mal de David é agravado a cada capítulo. Quando todas as situações preocupantes são esclarecidas, ele não está mais em condições de aceitar a razoabilidade de qualquer argumento, seja seu, seja alheio. Termina o livro esmurrando a proprietária da pensão onde mora, justamente a personagem que não lhe causou dano algum. Esmurrou-a, mas poderia tê-la assassinado, estuprado, ou mesmo voltado sua violência contra si, suicidando-se. Fusco deixou seu personagem de tal forma desajustado, de tal forma transtornado, que todo acto pode ser esperado.

Há quem só almeje um pouco de amor. Outro busca a fama, e aquele quer o reconhecimento profissional. No ser vítima de um assassinato parece estar o ideal de David. Por conta de sua patologia, item aliado a sua insignificância social, o personagem parece até frustrar-se ao desconfiar de que ninguém quer matá-lo: “Alguém precisa querer dar cabo de mim”, suspeita-se ser o raciocínio a entupir-lhe o cérebro. Detalhes insignificantes e desculpáveis vão ganhando corpo, acrescendo-se a outros, gerando uma aflição insuportável.

E realmente banal o que desencadeou a loucura do personagem. Seu local de trabalho na loja era vizinho ao depósito de mercadorias, separado por uma parede de madeira. Certo dia, começa a ouvir ruídos no depósito, e em vez de descobrir logo a causa, fica especulando. Muito estupidamente, pergunta: “Como é isto? É gato ou é gente?” e ouve a resposta “É gato ...”. Só isso. Uma chacota deu origem a investigações minuciosas realizadas por David, que recebia, entendia e concluía a seu jeito cada descoberta. Vê coisas inexistentes, ligações descabidas, desconfia de suas próprias razões, intromete-se em assuntos que lhe não dizem respeito e até prejudica terceiros inocentes, ao denunciar seu patrão na delegacia e pedir á polícia protecção contra ele. Depois disso, tem-se todo o desenrolar da doença. É o leitor quem vai descobrindo as birutices de David, porque o autor dificilmente ajuda. É uma obra realmente digna de leitura.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 3/10/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Blindagem das palavras? de Daniel Bushatsky
02. 2011 e meus álbuns de Rafael Fernandes
03. Impressões sobre São Paulo de Nanda Rovere


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




200 RECEITAS FABULOSAS PARA O NATAL
HAMLYN
PUBLIFOLHA
(2010)
R$ 7,50



SANTA CRUZ DOS ENFORCADOS
NUTO SANTANNA
ROSSOLILLO
(1937)
R$ 50,00
+ frete grátis



OS MAIAS
EÇA DE QUEIROZ
ATELIÊ
(2001)
R$ 35,90



TODAYS HERBAL HEALTH: THE ESSENTIAL GUIDE
LOUISE TENNEY
WOODLAND PUB
(1997)
R$ 35,28



O NEURÔNIO APAIXONADO
ROBERTO LENT
VIEIRA & LENT
(2007)
R$ 15,90



PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO
MAURO CAON; IRINEU G. N. GIANESI
ATLAS
(2007)
R$ 60,00



ENERGY POLITICS
BRENDA SHAFFER
PENN
(2009)
R$ 60,00



PAULO EMILIO SALLES GOMES
MARIA DO ROSÁRIO CAETANO
MARIA DO ROSÁRIO CAETANO
R$ 60,00



TIO E SOBRINHO
GRACILIANO RAMOS E OUTROS
ATUAL
R$ 6,00



MENTES QUE LIDERAM
HOWARD GARDNER
ARTES MEDICAS
(1996)
R$ 75,00





busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês