Paisagens Originais & Detalhes De Um Pôr do Sol | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/11/2002
Paisagens Originais & Detalhes De Um Pôr do Sol
Ricardo de Mattos

+ de 3800 Acessos

Primeiro Paisagens Originais, de Olivier Rolin. O livro deste romancista e editor francês tem dois méritos: trazer ao leitor informações úteis dos autores sobre os quais fala, sem cair no anedótico, e estimular novas leituras. Sua proposta é buscar na infância de cinco escritores nascidos no mesmo ano - Hemingway, Nabokov, Borges, Michaux e Kawabata; o ano, 1.899 - elementos cuja presença seja notada em suas obras, mesmo naquelas da velhice. A base é declaradamente psicológica: conforme a intensidade, algumas ocorrências na infância podem mais tarde pontuar, de forma velada ou não, a vida do indivíduo. Em se acostumando com o estilo do autor, parece escrever dando risadinhas nervosas, temos um livro agradável e de alguma utilidade.

Quem não conhece alguns dos autores - nunca ouvi falar de Kawabata ou de Michaux - pode colher aqui seus primeiros dados. Lê com maior atenção a obra que lhe interessar mais depois da apresentação. Olivier Rolin visita os locais de nascimento, informa-se com contemporâneos acerca de animais, lugares, pessoas e relações marcantes para os futuros escritores e depois procura ecos de suas descobertas nas obras.

Ernest Miller Hemingway nasceu em 21 de julho de 1.899 na pacata e conservadora cidade de Oak Park, a mesma onde Edgar Rice Burroughs criou as primeiras histórias de Tarzan, e alcançou fama o arquitecto Frank Lloyd Wrigt. Veio ao mundo filho de um pai fraco e de uma mãe histérica, cuja mania era vesti-lo de menina para formar par com a irmã mais velha. O pai transmitiu-lhe o amor à caça e pesca, bem como o trágico exemplo do suicídio. Todavia é no Michigan, n'um chalé às margens do lago Wallon, onde Rolin buscou os elementos senão relevantes ao menos insistentes na obra do escritor. A caça, a pesca da truta, o bosque onde acampava para fugir do ambiente doméstico e no qual, sobre o chão coberto de agulhas de pinheiro, conheceu o amor com uma índia. A ligação feita por Rolin entre essas agulhas de pinheiro - folhas secas - e os cabelos cortados de algumas personagens precisa ser melhor examinada. Hemingway suicidou-se em dois de julho de 1.961 em Kechtum, Estado de Idaho.

Pulo Nabokov e continuo com Jorge Luis Borges (Buenos Aires, 24/08/1.899 - Genebra, 14/06/1.986). Quem tem alguma noção da biografia de Borges não encontra aqui grande novidade. Retoma-se seu fascínio pelos tigres - os asiáticos, ele fazia questão de diferenciar, não a onça sul-americana -, seu envolvimento com os livros da vasta biblioteca paterna, o surgimento dos labirintos, espelhos, admiração pelos antepassados e a contrastante atracção do menino intelectualizado pelos personagens rudes, muitas vezes assassinos, de Palermo. Aqui o livro de Rolin revela-se um pouco superficial, mas falei que serve para uma primeira apresentação. Além disso, pode ser lido em um só dia, o que não mata ninguém.

O poeta Henri Michaux (Namur, 24/05/1.899 - Paris, 19/10/1.984) não me era familiar antes, nem passou a sê-lo mais após a leitura. Neste capítulo o estilo do autor torna-se um pouco vago, confuso, um tanto impreciso. Ainda mais por tratar-se de um poeta: sabe-se lá onde foi buscar suas imagens, ou como apresentou em seus versos as trazidas da infância, se é que as trouxe. É apresentada a vida familiar composta por um pai caracterizado pela ânsia da ociosidade e de uma mãe amargurada e furiosa, a vida no internato, a descoberta das obras de autores místicos, alguma hesitação entre o uso do francês ou do flamengo.

Já o capítulo sobre Yasunari Kawabata (Osaka, 11/06/1.899 - Tóquio, 16/04/1.972) conduz satisfatoriamente o leitor, principalmente se desacostumado ou mesmo ignorante da literatura nipónica. N'um período de quinze anos Kawabata perdeu toda sua família e viu-se totalmente só no mundo. Os pais faleceram tuberculosos poucos anos após seu nascimento, impedindo-lhe qualquer referência em relação a este laço: eram-lhe em absoluto desconhecidos e fotografias nada diziam-lhe. Foi criado durante certo tempo pelos avôs idosos, mas a ideia segundo a qual "pai é aquele que cria", em vigor no nosso meio, não teve lugar em sua vida. Contudo, já não sei dizer se isso é uma idiossincrasia, ou mentalidade nacional. Doença e morte, portanto, encharcam sua vida e obra. Não só o acontecimento da Morte, mas os rituais fúnebres, o cadáver em si, com o acréscimo do medo de morrer jovem. Mórbido, doentio e franzino, exalta o Belo e demonstra seu fascínio pela beleza física, e a necessidade de tocar, cheirar, sentir os corpos. Escreveu um conto, As Belas Adormecidas, no qual parece misturar à morbidez esta busca do Belo. Curioso: como morreu inalando gás - respirando, portanto - seu filho adoptivo contesta a menção a um real suicídio, acto este a exigir maior derramamento de sangue, como o famoso haraquiri.

Agora sim, torno a Vladimir Vladimirovitch Nabokov (ou seja, Vladimir, filho de Vladimir Nabokov; São Petersburgo, 10/04/1.899 - Lausanne, 02/07/1.977) embora ele seja o segundo tratado no livro. Reparo no costume do autor em pesquisar os jornais do dia de nascimento dos escritores para verificar as notícias. Outro ponto: sempre cita na biografia de um alguma observação do próximo a ser estudado, de forma a bem ligar as cinco partes. Traz Rolin um pouco da infância aristocrática de Nabokov, os lugares percorridos em São Petersburgo, a casa da família com cómodos específicos, a presença dos trens, as jóias de sua mãe levando às cintilações e destas por sua vez à presença e observação das cores. O notável amor aos pais e pela família - e isso transparece no conto Armoles - e fugindo já da infância para a adolescência, o advento da Revolução Bolchevique de 1.917, fuga da Rússia e perda do fausto.

Detalhes de Um Pôr do Sol
Do próprio Nabokov temos o feliz lançamento do livro de contos intitulado Detalhes de Um Pôr do Sol. Pode-se procurar nele os elementos apontados por Rolin, é certo - e serão encontrados em profusão, como se ele houvesse lido apenas os contos deste livro -, mas isso deve enriquecer a leitura, não a empobrecer limitando-se a procurar borboletas aqui e ali. São doze contos escritos entre 1.924 e 1.935 um melhor que o outro, embora não sejam de leitura fácil. Nestas histórias fala-se muito da perda, e entre suas várias formas predomina a da terra natal. São contos escritos por um exilado, nos quais a maioria dos personagens são exilados, assim como o público específico dos jornais em que foram publicados - emigrantes russos.

Detalhes de um Pôr do Sol é um excelente convite à quebra da primitiva ligação feita entre Nabokov e Lolita, sua obra principal, muito mais comentada que lida. Do mesmo mal padece Balzac, escritor de uma obra monumental, porém conhecido pela pior delas, o terrível romance A Mulher de Trinta Anos.

São contos independentes entre si, mas percebemos uma inesperada ligação entre O Passageiro e A Campainha da Porta. Sugiro até uma leitura em sequência. No primeiro, um escritor e um crítico discutem o papel da Realidade na literatura, concluindo por sua suficiência e desnecessidade de acréscimos ao oferecido pela vida. Para chegar a esta conclusão, o escritor narra um facto ocorrido n'uma viagem de trem, interrompendo bruscamente a trama que estávamos a formar. No segundo conto somos pegos novamente de surpresa, tal como se Nabokov dissesse-nos: "Já não falei para não se antecipar antes de certo progresso da narrativa?". N'A Campainha ... as primeiras linhas mostram o personagem recordando-se de uma mulher e ansioso por reencontrá-la. Logo é revelado ser esta mulher sua mãe, e não sua amante. Nada de edipiano aqui (pode-se até indicar o "lugar-comum", seja qual for, como algo desconhecido pelo escritor): Nabokov apenas conta a estória de uma expectativa de sentimentos não correspondida na intensidade desejada. A conclusão pela suficiência da Realidade não impede seu adorno para a apresentação de uma circunstância, como n'O Temporal, no qual o recurso ao fantástico é apenas aparente.

Um livro guardado n'uma estante deixa-nos ver apenas sua lombada. Isso não é motivo para uma editora imprimir somente n'ela seu logotipo, nome do escritor e título da obra, e enrolar o volume n'uma tira de papel. Este óptimo livro de contos ficará em péssimo estado com o tempo mesmo seu proprietário sendo cuidadoso. Não é bom isso virar moda.

Gosto muito de contos. Permitem a manutenção diária da leitura. Li recentemente Padre Sérgio, de Liev - ou Leon - Tolstói. Um volume muito bem feito, mas no qual se poderiam acrescentar outras narrativas curtas - a exemplo d'O Diabo e Outras Histórias, exactamente da mesma editora. É a rápida narrativa do príncipe Kassátski desde a sua infância à sublimação religiosa, passando pela carreira militar, mosteiro e eremitério. Tolstói quer mostrar-nos que a Santidade não está necessariamente em uma vida santa, se essa vida segue apenas a formalidade de um culto estabelecido. Tem a subtileza de mostrar que não ocorreria da mutilação de um dedo pelo próprio personagem, caso sua fé fosse verdadeiramente sólida. A grandeza de Tolstói está justamente na agudeza utilizada para mostrar situações e inclinações muitas vezes despercebidas ou ignoradas - propositadamente ou não. Em Padre Sérgio lemos o duelo entre a Ostentação e a Sinceridade no pendor religioso, com a vitória da última, mais em conformidade com as ideias do escritor ao final da vida. Um pouco de crítica, sim, mas não é a cor predominante.

Dedico minhas noites à leitura exclusiva de Guerra e Paz. A mesma agudeza na observação das pessoas e relações. Olhando o mundo ao seu redor com a maestria característica, não é de se admirar a reviravolta de Tolstói em certa altura de sua vida. Como enojado de todo o visto e relatado, fugiu e tentou viver em consonância a princípios religiosos e filosóficos considerados verdadeiros. Quem muito vê, muito sofre, e talvez este grande escritor tenha sido sufocado em suas próprias observações. Levou sua determinação até o fim, mesmo não se saindo socialmente bem.

Para ir além







Ricardo de Mattos
Taubaté, 7/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
03. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos
04. Morrer, na literatura de Marta Barcellos
05. A coisa tá preta de Cassionei Niches Petry


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONDE ESTIVESTE ADÃO?
HEINRICH BOLL
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 10,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO INGLÊS
HUNTER BOOKS (ORG)
HUNTER
(2014)
R$ 20,00



SEM MEDO DE TER MEDO
TITO PAES DE BARROS NETO
CASA DO PSICOLOGO
(2000)
R$ 90,00



RICK E A GIRAFA
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
ÁTICA
(2012)
R$ 5,00



É TUDO VERDADE - ITS ALL TRUE 2001
AMIR LABAKI (ORG.)
CCBB
(2001)
R$ 8,11



CARNAVAL E SAMBA EM EVOLUÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO
MARIA APPARECIDA URBANO
PLÊIADE
(2006)
R$ 23,00



UM MEDO POR DEMAIS INTELIGENTE, AUTOBIOGRAFIAS PESSOAIS
AMERICO LINDEZA DIOGO E ROSA SIL MONTEIRO
ANGELUS NOVUS
(1994)
R$ 33,07



CAVERNA DOS MONSTROS
STELLA CARR
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 5,00



JOGOS E BRINCADEIRAS
VARIOS
VOZES
(2018)
R$ 26,95



DA GORDURA À FORMOSURA EM QUALQUER IDADE
SARÍ HARRAR ALISA BAUMAN
PLÁTANO
(2000)
R$ 77,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês