Para levar a Mônica a sério | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
38289 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 27/1/2003
Para levar a Mônica a sério
Arcano9

+ de 3500 Acessos

Na ordem decrescente, os meus super-heróis favoritos, e porque eu gosto deles:

5) Cavaleiro da Lua (Marvel) - Hummm... nunca entendi direito seus poderes. Também, foi pouco publicado no Brasil. Mas o que eu me lembro que me fascinava e continua me fascinando nele é que trata-se de um super-herói formado por sete pessoas diferentes. Sete! Sete pessoas tinham que deixar de existir momentaneamente para que o Cavaleiro da Lua pudesse sair por aí lutando contra o crime. Difícil entender como o super-herói consegue pensar com tanta voz diferente na cabeça.

4) Surfista Prateado e Rom (Marvel) - Coloco os dois juntos na minha lista porque, filosófica e espiritualmente, para mim, são muito parecidos. Suas histórias sempre eram mergulhos na reflexão sobre a solidão das estrelas e a inevitabilidade do destino. Lírico. Belíssimo.

3) X-Men e Novos Titãs (Marvel e DC) - De novo, estão juntos na mesma gaveta da minha mente. Acho que é porque os dois grupos são tão heterogêneos, coloridos... e sempre tiveram alguma coisa de draminha adolescente... adorava ver o Mutano apaixonado pela Estelar, que não lhe dava a mínima bola (na época que o George Péres desenhava os Titãs), ou a Kitty Pride tentando mostrar aos outros X-Men que ela era "digna" de ser incluída nas missões principais (na época que o Dave Cockrun desenhava os X-Men).

2) Monstro do Pântano (DC) - Há uns dois anos, ele certamente seria meu número 1. Eu lembro de ter chorado lendo uma história da inesquecível série de argumentos escritos pelo Alan Moore. Até hoje trato a leitura do Monstro do Pântano como uma espécie de ritual - o quarto precisa estar meio escuro, velas precisam estar acesas, eu preciso fazer meia hora de meditação antes. Acho que o que mais me fascina no personagem nem é o fato dele representar a necessidade de se pensar nas forças da natureza e levá-las a sério, mas sim seu romance com a humana Abigail Cable (acredite: cheguei a pensar em tingir meu cabelo de branco e negro, como ela.)

1) Mônica - Isso mesmo: a Mônica do bairro do Limoeiro, amiga da Magali.

Antes de dar mais detalhes sobre o porquê da minha insólita escolha para medalha de ouro, é melhor explicar o motivo que me leva a escrever sobre quadrinhos. Na esteira de "A Ciência de Jornada nas Estrelas" foi lançado nos EUA e aqui na Grã-Bretanha um livro que, certamente, vai ser comprado por impulso por muitos nerds aí no Brasil: "The Science of Superheroes" (Lois H. Gresh e Bob Weinberg, Wiley Publishing, 200 páginas). Como o próprio título já deixa claro, trata-se de uma obra que visa analisar e explicar, à luz da ciência que atualmente temos acesso, o que é possível, o que é plausível e o que é balela no mundo dos superpoderes da Marvel e DC - e até da Disney. Quando eu vi o livro a venda na Queensway já era tarde demais: já havia pago as 16 libras e o estava devorando enquanto aguardava meu burrito em um tex-mex no shopping Whiteleys.

Livros de ciência para fácil digestão por pessoas não iniciadas não são uma novidade. É incrível o sucesso que fazem. Estou falando das obras do Stephen Hawkins, como "O Universo numa Casca de Noz", ou mesmo "A Ciência de Jornada Nas Estrelas", a que me referi acima. Por que fazem sucesso? Hummm... minha teoria é que, ao contrário do que acontecia com a maioria de nós nas aulas de física e química do colegial, quando tínhamos que lutar contra o sono para nos empolgar em entender um pouco mais por que vinagre e bicarbonato de sódio juntos criam bolinhas, esses livros lidam com o que realmente sempre entendemos por ciência: o ir ao limite, o desafiar do impossível. Máquinas do tempo, principalmente, mas também voar à velocidade da luz, vencer a força da gravidade, criar vida do nada. Entender porque não daria para ouvir uma explosão em pleno espaço é entediante, por que fala da limitação causada pelas leis físicas que castram nossa imaginação. Mas entender como uma nave poderia singrar as estrelas e nos levar até Alfa Centauro é excitante, porque fala de como a ciência poderia ser amassada e jogada no lixo. É tudo uma questão de chamar de idiota aquele professor de física que reside no nosso inconsciente e que sempre nos lembra do que não podemos fazer, e não do que poderíamos fazer.

Assim como "A Ciência de Jornada nas Estrelas", "The Science of Superheroes" é particularmente apelativo para pessoas que têm ou tiveram alguma relação com o tópico. Eu li muito gibi quando era jovem, e não posso negar que tinha curiosidade em saber, de fato, se seria possível um homem respirar em baixo d'água, como o Aquaman, ou ser reduzido ao tamanho de um átomo ou ganhar poderes fabulosos devido a uma mutação genética. Essas dúvidas o livro respondente, nunca perdendo de vista o bom humor. Um momento interessante é quando o livro tenta explicar a sério os principais poderes do Super-homem. A superforça de Clark Kent é atribuída a dois elementos principais: o primeiro é que Kripton, onde teria nascido o herói, circundava um sol vermelho. O efeito do sol amarelo do nosso sistema solar fortaleceria, assim, o herói - mas os autores do livro rapidamente explicam que isso não tem o mínimo fundamento científico. O segundo elemento é que Kripton tinha uma gravidade muito maior à da Terra antes de explodir. Assim como um humano que consegue levantar 100 kg na Terra pode levantar 600 kg na Lua, Super-homem se aproveita da gravidade fraquinha do nosso planeta. Mas aí entram os cálculos. Segundo os autores do livro, se o Super-homem realmente pudesse erguer com seus braços, por exemplo, um caminhão, a gravidade que deveria existir em Kripton para que ele tivesse essa habilidade indica que o planeta natal do herói seria... 1000 vezes maior que o Sol, que já é centenas de vezes maior que a Terra. É claro que os autores ignoram a hipótese de que existam planetas com uma maior densidade de matéria, e isso pode ser um detalhe importante. Mas ainda que Kripton tivesse existido com esse tamanho imenso, ou com essa densidade imensa, dá para imaginar a força que o foguetinho que trouxe o Super-homem à Terra precisaria ter para se libertar da gigantesca força gravitacional de Kripton?

É claro que o livro também fala do que é completamente possível. Adivinha que herói poderia existir sem problemas, segundo o livro? Batman, é claro. Não se trata de algo de se estranhar, visto que Bruce Wayne não tem superpoderes. No entanto, há algumas décadas, acreditava-se que os itens de seu famoso cinto de utilidades não passassem de sonhos impossíveis: mini bombas de gás e explosivos, cordas super-resistentes... Pois é, mas aí os quadrinhos, seguindo a tradição de Julio Verne ou outros escritores de fantasia, antecipou o futuro. Praticamente todos os itens do cinto de utilidades, que antes julgavam ser impraticáveis, hoje já estão disponíveis. Batman, o visionário.

Também há os heróis que o livro aponta como impossíveis não por causa das leis da física apenas - como o super-homem, mas por causa de leis ainda mais incontornáveis: as da lógica. Tomo como exemplo o Flash. De onde ele tira tanta energia para correr? De suas refeições? Se for assim, quantas refeições por dia ele faz? E quanto ele come em cada uma delas? Você poderia argumentar que ele tem um metabolismo acelerado, e que pode comer mais e processar tudo mais rápido. Ainda assim, o Flash teria que passar boa parte de seu dia comendo ou no banheiro, se desfazendo dos restos da digestão. E quanto ao calor causado por tanta corrida? Será que o Flash sua? Se ele suar, deve suar prá caramba. "All that running might steam off the sweat, but the chemical residue might make the Flash the superheroe whose body odour announces his presence before he arrives!", brincam os autores.

Além de explicar de modo leve os dilemas envolvendo alguns dos super-heróis mais famosos, o livro também tem um outro lado interessante, já que mescla a ciência com um pouco da história dos heróis. Ele explica quais foram as eras de ouro e prata dos heróis, e porque eles foram criados, muitas vezes por pura pressão mercadológica. O livro também termina com uma série de entrevistas com alguns artistas envolvidos na atual produção de quadrinhos. O interessante, nesse caso, é que quase todos falam a mesma coisa no tocante à presença da ciência nas histórias em quadrinhos: deve haver um esforço para que as regras do universo sejam respeitadas, mas esse esforço nunca deve tiranizar a imaginação necessária para criar boas histórias. É isso aí. Histórias em quadrinhos não devem ser feitas para ser lidas na sala de aula. Elas são principalmente para o horário do recreio. É claro que um pouco de ciência não faz mal a ninguém, e pode até ajudar a história a ser mais legal.

Quanto à Mônica, agora. Ler a Mônica me dá superpoderes. Eu viajo no tempo e no espaço - retorno a um período da minha infância onde as tardes eram quentes e indolentes, e o futuro vasto e desconhecido. E meu pai vinha do trabalho toda a noite e me levava pela mão para comprar paçoca Amor no bar da esquina. E eu brincava com uns moleques na rua de terra. E empinava pipa. Sim, a Mônica é certamente minha maior ligação com o arcano9 que só existe na lembrança. Quanto à sua superforça, há várias explicações - que não constam do livro, mas que são evidentes após diligente pesquisa em tomos de biologia: a menina nasceu com uma disfunção hormonal que a faz ter mais testosterona que as meninas e os meninos de sua idade. Isso certamente é aliado à predisposição genética para desenvolver músculos e a um desequilíbrio comportamental que a faz ter ataques de fúria, que por sua vez a faz bater no Cebolinha com toda a força em seu corpinho, causando no pobre menino todo tipo de concussões e hematomas. Tudo isso é extremamente plausível. Olha só. Acho que a dentucinha merece ser levada mais a sério...


Arcano9
Miami, 27/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
02. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
03. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
04. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
05. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2003
01. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? - 10/2/2003
02. Um brasileiro no Uzbequistão (V) - 8/9/2003
03. Um brasileiro no Uzbequistão (III) - 28/7/2003
04. Um brasileiro no Uzbequistão (I) - 30/6/2003
05. Empolgação - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PAULA
ISABEL ALLENDE
BERTRAND BRASIL
(2013)
R$ 18,00



A VOLTA DO FRADIM
HENFIL
GERAÇÃO
(1992)
R$ 15,00



EMPRESA JÚNIOR ESPAÇO DE APRENDIZAGEM
LUÍS MORETTO NETO E OUTROS
EMPRESA JÚNIOR ESPAÇO
(2004)
R$ 19,90



PSICOLOGIA USP - VOLUME 16 - NÚMERO 3
CARL GUSTAV
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
(2005)
R$ 6,50



REVISTA CAPITAL CURITIBA - 2 EDIÇÕES
VÁRIOS AUTORES
CIA DE REVISTAS
(2005)
R$ 7,90



BICICLETAS DE MONTREAL
CARLOS DALA STELLA
IMPRENSA OFICIAL (CURITIBA)
(2002)
R$ 23,28



AS CORES DA REVOLUÇÃO - A LITERATURA DE JORGE AMADO NOS ANOS 30
LUIZ GUSTAVO FREITAS ROSSI
UNICAMP
(2009)
R$ 25,00



GESTAO DE CARREIRA - SETE PRINCIPIOS BIBLICOS DA
CRISTIANO STEFENONI
CPB DIDATICOS
(2011)
R$ 35,90



O MÉDICO E O MONSTRO - COLEÇÃO REENCONTRO INFANTIL
ROBERT LOUIS STEVENSON
SCIPIONE
(2006)
R$ 15,00



LOCKE - COLEÇÃO GRANDES FILÓSOFOS
MICHAEL AYERS
UNESP
(2013)
R$ 13,90





busca | avançada
38289 visitas/dia
1,4 milhão/mês