Farinhas fundidas | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/2/2003
Farinhas fundidas
Eduardo Carvalho

+ de 6000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Pruduzindo farinha

Nada expõe com mais precisão a personalidade de uma pessoa - seu gosto, sua preferência, sua inteligência, etc. - do que a atividade a que ela se dedica em seu tempo livre. Nada é mais eficiente, então, quando se pretende conhecer melhor alguém, do que descobrir o que ele faz quando não precisa fazer nada - a não ser aquilo que, sem nenhuma pressão externa, ele voluntariamente se dispõe a praticar. Profissionais e estudantes são sistematicamente obrigados a dedicar parte de seu tempo a tarefas que, com algumas exceções, são desgastantes e desagradáveis. Mas nem o estilo da profissão nem o tema de estudo são suficientes para tirarmos conclusões superficiais sobre alguém. Um chaveiro pode, na aconchego de seu lar, passar o fim de semana lendo Evelyn Waugh; um motorista de táxi pode freqüentar assiduamente exposições de orquídeas selvagens; um diretor de banco pode preferir, ao movimento urbano, uma pescaria em uma lagoa distante. E nesse momento de lazer, sem exigências e sem compromissos, é que profissionais, competentes ou não, revelam quem realmente são, sem poses forçadas ou máscaras felizes.

Porque, além dos prováveis exemplos citados, há também o chaveiro viciado em cocaína; o motorista de táxi que, ao chegar em casa, costuma espancar a mulher; e o diretor de banco que, em vez de pescarias tranqüilas, gosta de brigar em boates. E vivem por conta dessas preferências. Essas opções são, evidentemente, mais confiáveis para a análise de uma personalidade do que a atividade a que, no horário comercial, as pessoas são obrigadas a se dedicar. No ambiente acadêmico, desde escolas primárias a cursos de pós-graduação, a relação é mais ou menos a mesma: ou seja, praticamente não há relação entre as notas obtidas por um aluno e seu verdadeiro interesse extra-curricular. Normalmente, alto desempenho curricular está mais ligado a uma personalidade suscetível a cumprir obrigações do que a um legítimo interesse em aprender sobre, por exemplo, o processo de reprodução dos protozoários. Um aluno com boas notas pode ser tão imbecil quanto um executivo baladeiro e briguento. Insisto: não é a nota, como não é o salário, o que esclarece com mais fidelidade o estilo de vida de uma pessoa. Parece óbvio.

Não é. Bons alunos, como os pais querem e as escolas exigem, são quase sempre os que tem naturalmente mais capacidade de armazenar dados - e não, ao que parece, os que realmente são movidos por um irreprimível interesse em ampliar seus conhecimentos, para, assim, entenderem melhor como o mundo funciona. Uma coisa é acumular dados dispersos e conseguir reproduzi-los quando exigido. Outra é a habilidade para coletar e selecionar informações, relacionando assuntos e idéias, e, depois, extrair conclusão original sobre o tópico analisado. E é essa segunda capacidade que falta aos bons alunos convencionais - e também, não é preciso dizer, aos maus alunos normais -, porque exige o que, na maioria das vezes, a escola não entrega e não estimula: ampla cultura geral; curiosidade por temas diversos; dedicação ao estudo solitário; necessidade de desenvolver e expressar opiniões próprias. E essas qualidades pessoais são, cada vez mais, desprezadas e anuladas, por um rebanho intolerante e agressivo. É preciso, então, antes de tudo, vontade e coragem para se distanciar do rebanho.

O que percebo com nitidez, no entanto, por experiências pessoais - em ambientes, eu diria, cientificamente adequados - , é que a diferença entre um aluno aprovado no vestibular do curso mais concorrido de graduação do Brasil e uma dançarina de axé incapaz de articular uma frase de forma correta é, em muitos casos, quase nula. E, quando existe, é mais comum que seja uma simples questão de gosto musical - se a dançarina é "apaixonada por axé", o estudante é "viciado em rap". O estudante, por sorte - ou, talvez, azar -, á capaz de decorar datas e fórmulas, e, em alguns casos, por hábito ou obrigação, dedica parte do seu tempo a isso. A dançarina completou o colegial, mas, por esses acasos naturais, tem dificuldade em acumular informações e em se concentrar regularmente. Conclusão: enquanto um prefere as atividades acadêmicas, em que tem facilidade, o outro deriva para a "carreira artística", onde pode desenvolver seus talentos e esconder seus defeitos. Suas personalidades são aparentemente divergentes. Aparentemente, apenas. No fundo, porém, os interesses se fundem.

O trote aplicado em diversas universidades brasileiras é, aliás, um exemplo claro de semelhança entre jovens absolutamente incultos e estudantes supostamente educados. A severidade do vestibular não tem a menor ligação com a civilidade do ritual. Ou tem, mas inversa: parece mesmo que existe uma correlação positiva entre a pontuação exigida pelo vestibular e a barbaridade da recepção dos alunos. Basta visitar um baile funk - ou, para aproveitar o caso anterior, um show de axé - e, depois, o churrasco de recepção dos bixos de uma faculdade concorrida. As coincidências são óbvias: adolescentes semi-nus, de todos os sexos e preferências; desconhecidos se beijando calorosamente; fundo musical horrível (o mesmo, normalmente); insinuações de posições eróticas e esfregações pornográficas. É verdade, e pode servir como desculpa: os hormônios, nessa idade, estão a todo vapor. Mas não há nada que justifique a insistência obsessiva em brincar quase exclusivamente com prostitutas, travestis, cueca, calcinha, vibrador, foto e imagem de gente pelada, algemas e correntes. Entre tantas possíveis opções, a escolha por esse único assunto parece menos erupção libidinosa do que barbarismo espiritual. A principal intenção dos organizadores desses churrascos é, afinal, que todos se divirtam ao máximo.

E o estudante com currículo brilhante se diverte exatamente do mesmo modo que sua ex-colega de escola, que alimenta sua prole dançando semi-nua. Os dois são assíduos espectadores de Big Brother - mas preferem, cada um, um participante. Ambos lêem devotamente John Grishan e Danielle Steel - mas preferem, cada um, um livro. Ambos apreciam estilos de música que, sob um exame mais rigoroso, dificilmente seriam considerados música - mas preferem, cada um, um estilo. Ambos idolatram personalidades famosas, cada um em seu ambiente, sem reservas ou revisões - um, Marilena Chauí; outro, Hebe Camargo. Pode ser que, para quem vive com os mesmos modelos e referências, essas personalidades sejam inconciliáveis, quase opostas.

Como se existisse diferença profunda entre participantes do Big Brother, e não houvesse uma uniformidade evidente em pessoas desinteressantes e vendidas. Como se autores ruins conseguissem produzir obras realmente distintas, e não estivessem condenados pela homogeneidade medíocre. Como se, enfim, Hebe Camargo e Marilena Chauí, afora os gostos em maquiagem, não fossem essencialmente semelhantes: péssimo gosto para roupas; relação infantil com política; distância oceânica dos debates atuais e internacionais; chatice inesgotável e insuperável - a não ser por elas mesmas. A diferença que existe, então, no fundo, entre o estudante exemplar e a dançarina de axé é, mesmo com sutis divergências, praticamente nula: os seja, quase a mesma que separa Hebe Camargo de Marilena Chauí.

O saco que as embala pode, portanto, apresentar ligeiras alterações. Mas a farinha é a mesma - e a data de vencimento também.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 17/2/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. É um brinquedo inofensivo... de Cassionei Niches Petry
02. Lisboa obscura de Elisa Andrade Buzzo
03. A situação atual da poesia e seu possível futuro de Luis Dolhnikoff
04. Elis vive de Fabio Gomes
05. Arte sem limites de Fabio Gomes


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2003
01. Preconceito invertido - 4/7/2003
02. Da dificuldade de se comandar uma picanha - 25/7/2003
03. Contra os intelectuais - 12/12/2003
04. Não li em vão - 17/10/2003
05. Geração abandonada - 14/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/2/2003
01h44min
Edu, parabéns, ótimo texto. Concordo com o que você escreveu. Inclusive, esse foi um assunto no qual discuti, com alguns amigos, no final de semana, pois participei do último churrasco dos 'bichos' da faculdade onde estudo. Se por um lado havia gente que estava ali para se divertir e dar boas vindas aos novos estudantes, havia outras muitas que estavam para amolá-los e sacaneá-los. E foram em pequenos gestos em que pude perceber atitudes de grosseria, egoísmo e infantilidade. Àqueles que costumam a julgar o próximo e àqueles que julgam o quão desprezíveis são as músicas e as bandas de rap e axé, antes deveriam fazer uma auto-análise. Isso serve para demonstrar o quanto nossa sociedade é hipócrita, uma vez que costumamos a cobrar posturas e atitudes das pessoas as quais nem nós mesmos temos capacidade de realizar.
[Leia outros Comentários de Felipe Tavares]
17/2/2003
09h03min
Concordo com o texto só queria acrescentar que geneticamente somos uma verdadeira salada de frutas e o meio que convivemos geralmente é o mais prejudicial para uma boa formação. Sendo assim quem se atreve a jogar a primeira pedra num trabalhador ou num calouro que se revolta contra a sociedade que lhe é imposta.
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
17/2/2003
09h52min
Caro Eduardo, seu texto é interessante. eu, como aluno de pós-graduação em História, tenho notado a mesma coisa. Os alunos tornaram-se meros pprofissionais do curso que escolheram, em busca do diplominha, lendo e pensando apenas o necessário a esse objetivo, descuidando-se de conhecer o "cânone ocidental"(ao menos isso) e mostrando-se extremamente reacionários em questões como aborto, droga, religião, política. Na verdade, desatualizados do debate. Se enveredarmos pela cultura filosófica, literária, cinematográfica, política, científica - é o fim. O máximo que fazem é cumprir a obrigação de lerem a famosa "referência teórica" que precisam para justificar a camisa de força que usarão para aprisionar nacos mínimos do tema que estudam. Conversar com esses seres é dificílimo: 99% das palavras referem-se a dinheiro e a possibilidade ou impossibilidade de comprar novos objetos tecnológicos (celulares, DVDs, telas planas, etc). A cultura, como experiência viva, como vivência mesmo, perdeu-se nestes meios. é notável a total falta de fusaõ e adequação de suas vidas com a cultura. são apertadores de parafuso da vida acadêmica - e com uma arrogância digna de um trabalhador do cais do porto. como não sabem a medida da cultura universal, que passa de Homero, Dante, goethe, shakespeare, mallarmé, bach, debussy, berio a tantos que não cabem nesta página, o que eles fazem, os apertadores de parafuso? desconhecendo esta medida, medem tudo pelo insignificante umbigo que têm e se acham "demais!"(expressão típica do grupo). Seu texto é um alerta geral. por isso, valeu. jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
17/2/2003
16h24min
Como ousa comparar Marilena Chauí com Hebe Camargo? A Hebe é muito mais interessante!
[Leia outros Comentários de Fernando Paiva]
19/2/2003
15h28min
Eduardo, achei o texto muito interessante, principalmente porque concordo com os princípios dos quais vc partiu para escrevê-lo.... Porém acho que nunca deve-se julgar alguém por qualquer atividade, uma pessoa q assiste Big Brother pode muito bem estar procurando algo para se entreter durante alguns minutos, falo porque assisto Big Brother, mas nem por isso deixo de me interessar por coisas cultas e com um grau de inteligência um pouco mais elevada, como por exemplo esse site... Existe hora pra todos os tipos de diversão.
[Leia outros Comentários de Maria]
25/2/2003
17h44min
De vez em quando te "leio".És inteligente.Mas cáustico.Deliberadamente, claro.Mas os silogismos são terríveis, se bem que divertidos.
[Leia outros Comentários de Luiz Alberto Dias]
8/3/2003
11h16min
Caro Eduardo. Um bom texto, sem dúvida, pois não livra a cara dos pretensos "atenados com a cultura", uma vez que estão no mesmo saco das dançarinas de axé. O movimento ladeira abaixo de nosso preparo intelectual é gritante e é um fenônemo mundial. Evito em falar de falência cultural, pois cultura é cultura, não é qualitativo posto que é somente substantivo, com resultado de todos os movimentos e atividades de um povo, seja lendo "O vermelho e o negro" ou ouvindo "Minha eguinha pocotó", infelizmente. O propalado empobrecimento cultural só é visto por poucos, cada vez menos. No futuro, dado que o nivelamento por baixo será inevitável, os que quiserem ler Adous Huxley ou Philip Roth terão que fazê-lo escondido...Abs. Bernardo Carvalho - Goiania-GO
[Leia outros Comentários de Bernardo Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Português Linguagens 7ª Série Manual Professor
Willian Roberto Cereja Thereza Cochar Magalhães
Atual
(2006)



Economia Bandida (lacrado)
Loretta Napoleoni
Bertrand Brasil
(2010)



DEF 2000/01 Dicionário de Especialista farmacêuticas
Não informado
Jornal Brasileiro de Medicina
(2000)



Finanças Corporativas
José Carlos Franco de Abreu Filho
Fgv
(2008)



Teoria do Reforço para Professores
Madeline Hunter
Vozes
(1981)



Guerra Civil
Stuart Moore
Novo Século
(2016)



Como Lidar com a Mídia
Paulo Henrique Amorim
Geração
(2019)



Completa Biblioteca do Ensino Atual - História, Soc., Filos e Psic.
Não informado
Difusão Cultural do Livo
(2006)



O Caso - Sem Aviso - O Bagalô - Segundas Chances
r Lee Child - David Rosenfelt - Sarah Jio - Nick Trout
Seleções Reader`s Digest
(2015)



Brasil Iluminado
Gustavo Soares
Arteensaio
(2011)





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês