Pobre, porém limpinho | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
58424 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Crise

Segunda-feira, 16/3/2009
Pobre, porém limpinho
Pilar Fazito

+ de 5300 Acessos

O cinema em época de crise

Assim que a crise norte-americana foi divulgada, no segundo semestre de 2008, falei com uma amiga atriz, que vive em Nova York há muitos anos. Ela praticamente cresceu lá, então é compreensível que partilhe um bocado da identidade daquele povo. Minha amiga não parava de falar do lado de lá do Skype e eu, do lado de cá, imaginava que, finalmente, os extraterrestres haviam pousado no teto da Casa Branca e faziam o presidente Bush de refém. Parecia que o próximo passo seria dominar a rede de televisão e explicitar suas ameaças ao resto do mundo. Os ETs, provavelmente, estariam sugando os cofres públicos com dragas enormes e estariam preparando a ativação de "ovos" de criaturas adormecidas, deixados na Terra há muito tempo para que agora, finalmente, saíssem das profundezas do magma, a fim de matarem os seres humanos e dominarem o planeta.

Minha amiga é atriz, mas não é desmiolada. Não tanto. Ela apenas achava, como toda a população norte-americana, que a economia ocidental estava acabando, os Estados Unidos estavam desmoronando e, por consequência, havia chegado o apocalipse. Eu tentava acalmá-la, dizendo que o pior que poderia acontecer era voltarmos ao sistema de trocas, à monocultura e à sociedade tribal nômade. Tentava dizer que a crise não ia afetar em nada os bosquímanos na África, nem o matuto que planta tomate em seu quintal, no interior de Minas Gerais.

Mas não adiantou muito. Como disse, minha amiga é atriz e vive em Nova York, único lugar em que a indústria do cinema se desenvolveu plenamente ao longo dos anos como um ramo econômico rentável e poderoso, capaz de influenciar a história da humanidade, além de empregar milhares de pessoas ― desde costureiras e cabelereiros a eletricistas, arquitetos, administradores etc.

Passado o desespero inicial, os norte-americanos começam a aprender a lidar com a moderação e a mudar seus hábitos consumistas que, convenhamos, sempre estiveram em um patamar astronômico e escandaloso, em relação a muitos países ― e não me refiro a países do terceiro mundo. Eles também estão vendo que a pobreza não é uma escolha e que, por pior que seja, não é o fim do mundo.

Depois de todos esses meses, minha amiga já está mais calma. Em todo caso, vem tentar a sorte no Brasil, veja só. É que as produções cinematográficas e audiovisuais nos Estados Unidos foram as primeiras a sofrerem com os cortes orçamentários. Algo bastante previsível, já que, nessas horas, cultura e entretenimento viram "superfluosidades", como diria o Manolito, personagem das tiras da Mafalda.

Nesse sentido, a premiação do Oscar deste ano diz muito. Com um orçamento de 15 milhões de dólares, Quem quer ser milionário? foi o grande vencedor da noite, desbancando O curioso caso de Benjamin Button, que consumiu nada menos do que 150 milhões de dólares em sua produção. Mais do que promover uma discussão em torno da qualidade cinematográfica atual, isso sinaliza uma nova tendência em tempos de crise financeira e manda dois recados: o primeiro deles é que, neste momento, o dinheiro indiano é muito bem-vindo nos Estados Unidos; o segundo é que as produções norte-americanas têm que baixar um pouco a bola, afinal, uma produção cara não é condição necessária para que uma boa história seja contada ― dentre outras medidas a serem tomadas, as estrelas de cinema têm que sair do céu, pôr o pé na calçada da fama e baixar um pouco o valor de seus cachês milionários.

Desde a cerimônia de entrega do prêmio, a Índia vive uma espécie de feriado nacional ou de carnaval brasileiro. Acho que no dia em que um filme nosso abocanhar uma mísera estatuetinha daquelas, faremos o mesmo alvoroço, não só porque isso implicaria o reconhecimento de um produto nacional, mas porque alavancaria a profissão de quem ganhasse.

Aí, os brasileiros começam a sonhar: se os indianos ganharam o Oscar com 15 milhões, falando sobre um favelado, nós podemos ser os próximos. Bem, favelado é o que não falta no nosso país. Já os 15 milhões para fazer filme... Se o Brasil chegar a ganhar um Oscar, a comemoração deverá ser ainda mais emocionada, já que nossos filmes, quando muito, conseguem ser feitos com 5 milhões. De reais. Na verdade, boa parte da nossa produção não passa de 3 milhões de reais. Falo daquelas produções chamadas "independentes" que têm que pedir permissão à ANCINE e, em seguida passar o chapéu, batendo à porta de tudo quanto é empresa e esmolando um pouquinho de contribuição para o lanche do ator principal.

Como disse, uma produção cara não garante que um filme conte uma boa história. Mas um orçamento risível como o nosso dá menos garantia ainda.

Neste exato momento, determinado filme brasileiro, cujas filmagens se deram no sertão da Bahia, está sendo finalizado. Ouvi boatos de que seu orçamento gira em torno dos 20 milhões de reais, o que é uma fortuna para os padrões nacionais. Isso permitiu não apenas a contratação de um grande preparador de lutas marciais, conhecido mundialmente, como também assegurou a utilização de bons equipamentos, remuneração adequada para toda a equipe, contratação de uma direção de arte e de fotografia de tirar o chapéu e por aí vai.

O problema é que, meses depois, a cidadezinha usada como locação recebeu a equipe de produção de um outro longa metragem brasileiro. O orçamento, desta vez, é bem mais modesto e não chega a 3 milhões de reais. Preciso dizer que a tarefa mais árdua tem sido fazer a população local entender por que, desta vez, não se pode pagar valores maiores para a figuração, aluguel de casas, diárias de pousadas, pagamento de refeições etc?

Enquanto o Oscar faz os norte-americanos entenderem que devem reduzir os custos em tempo de crise, o cinema brasileiro vive uma crise permanente, independentemente de como anda a economia do nosso país. É que, infelizmente, essa condição se deve menos à falta de dinheiro no Brasil do que à falta de visão de políticos, empresários e administradores, que não percebem os benefícios de uma produção cinematográfica para a sociedade. Além de gerar muitas vagas de trabalho temporário, mobilizar a economia local e promover o turismo, os filmes divulgam a identidade e os valores de um povo, atraem público em festivais e mostras e têm potencial para ser usados no setor da educação.

Aí, você me diz que o cinema nacional é ruim. E que, exceto por Se eu fosse você e 2 Filhos de Francisco, os filmes brasileiros não dão bilheteria. Vamos por partes, como já disse Jack, o estripador...

O cinema no Brasil tem sua origem nos cinejornais e nas radionovelas. Por um tempo, espelhou-se nos musicais de Hollywood, mas o que fez sucesso por aqui mesmo foram as chanchadas, as pornochanchadas e as produções que não guardam muita diferença daquelas que são feitas para TV. Não menciono os filmes do Cinema Novo, do Udigrudi e outros movimentos "alternativos". O que sempre atraiu o público aqui foram as comédias escrachadas, cujo enredo não traz complexidade e que costumam ser esquecidos assim que o sujeito deixa a sala de cinema. Então, a gente questiona se a qualidade dos filmes é ruim porque o povo só quer ver filme ruim ou se o público vê filme ruim porque não há nada melhor para se ver. Não sou eu quem vai responder a essa pergunta jurássica. Só o que posso dizer é que ela resume os dois principais problemas do cinema brasileiro: a distribuição e o roteiro.

A distribuição é um tema já batido nos círculos cinematográficos. Todo mundo sabe que é muito cruel disputar com as superproduções norte-americanas de 150 milhões de dólares. Do mesmo modo, é difícil disputar com um filme feito e distribuído por uma grande distribuidora. São justamente esses filmes os que têm mais grana para torrar com sua divulgação. Consequentemente, eles atraem mais o público e permanecem por mais tempo em cartaz.

Já o roteiro é um tema tabu. Dizer que não temos bons roteiros é pedir para levar uma pedrada nos festivais de cinema do país. Mas a verdade é que, no geral, não temos mesmo bons roteiros. Isso se deve à falta de formação e de reconhecimento da profissão no Brasil. Mal temos cursos de graduação em Cinema, que dirá uma formação superior e especializada em roteiro. O resultado disso é que nossos filmes são escritos por profissionais de áreas afins, oriundos, sobretudo, da TV e da literatura. Só que televisão e literatura não são cinema e, na maioria das vezes, o texto que se apresenta para uma equipe de filmagens não foi trabalhado à exaustão, como deveria, e está cru, mesmo que a intenção seja boa.

As técnicas empregadas na construção de uma história são determinadas, em parte, pelo suporte midiático e orçamento (ou por restrições orçamentárias). Existem ainda outras condições que determinam a duração da narrativa e o modo como esse tempo e o tema serão distribuídos na tela.

Além disso, cinema é uma atividade muito cara ― mesmo para a nossa média de 3 milhões de reais ― e, por isso, nenhuma frase de um roteiro pode ser gratuita. Isso faz com que sua escrita seja um trabalho demorado e minucioso, ao contrário de roteiros de tv, que lidam com o imediatismo.

Como se não bastasse o imediatismo, os índices do Ibope também interferem nas histórias contadas na tv. Por isso, não é raro que o público perceba quando a trama se arrasta numa embromação sem fim ou, ao contrário, muda do dia para a noite, com a inserção ou a morte abrupta de personagens, acontecimentos radicais e um deus ex machina no final, ingrediente que salva todo mundo de uma única vez.

Quanto à literatura, a diferença é ainda maior. Só o fato de não podermos usar o tempo passado, o futuro, adjetivos, períodos longos e fluxo de consciência nas ações e rubricas de um roteiro cinematográfico já mostra o quanto o cinema é mais pobre, em termos verbais.

Escrever e publicar um livro também é algo bastante pessoal; as decisões concernem basicamente ao escritor e ele faz o que lhe der na telha. Já o roteirista de um filme é a primeira engrenagem de um sistema muito maior, e a história que inventa só se torna uma obra de verdade depois de passar por uma infinidade de gente que acredita naquilo que ele escreveu e que dará a sua contribuição profissional. O trabalho, como se vê, é coletivo, por mais que a idéia inicial tenha sido sua.

As diferenças entre tv, cinema e literatura são enormes e merecem uma crônica própria. Eu mesma tive dificuldades em aceitar que elas existem e que, de fato, precisamos investir na formação de roteiristas no Brasil. Essa é, sem dúvida, a forma mais barata de se investir no cinema nacional. Precisamos aprender a explorar todas as formas possíveis de narrativas visuais e absorver o máximo de técnicas de escrita de roteiros ― até mesmo para poder subvertê-las e recriá-las ao nosso modo.

Só com muita criatividade e conhecimento técnico poderemos fazer com que nossos 3 milhões de reais médios sejam capazes de concorrer com produções estrangeiras caras, em que uma única cena de um submarino atacando um rebocador, por exemplo, custa mais do que um longa-metragem brasileiro.

E os norte-americanos é que dizem que estão em crise...


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 16/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim é... de Marta Barcellos
02. Mazelas do coronelismo de Diogo Salles
03. Inunda meus olhos de Elisa Andrade Buzzo
04. Blogueiros vs. Jornalistas? ROTFLOL (-:> de Lisandro Gaertner
05. Hoje é dia de Maria de Marcelo Maroldi


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. @mores bizarros - 6/4/2009
04. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


Mais Especial Crise
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PASCAL FILÓSOFO CRISTÃO - LIVRO NOVO 2A. EDIÇÃO
EDUARDO ABRANCHES DE SOVERAL
ELCLA
(1995)
R$ 31,90



O LIVRO DAS PÉSSIMAS BOAS MANEIRAS
BABETTE COLE
MARTINS FONTES
(1998)
R$ 15,00



JESUS E O POVO
SERVIÇO DE ANIMAÇÃO BÍBLICA
PAULINAS
(1995)
R$ 6,00



SÃO PAULO MEDICO ANO 15 VOL 2 NÚMEROS 1 - 6 JULHO A DEZEMBRO
DIVERSOS AUTORES
ND
(1942)
R$ 33,49



IT NEVER SNOWS IN ENGLAND
PETER FERGUSON
LONGMAN
(1979)
R$ 9,87



ADULTÉRIOS
ALDO NAOURI
WMF MARTINS FONTES
(2009)
R$ 20,00



A RESISTÊNCIA INDÍGENA
JOSEFINA OLIVA DE COLL
L&PM
(1986)
R$ 44,00



O DIREITO EM FRANGALHOS
IVES GANDRA DA SILVA MARTINS
EDIÇÕES CEJUP
(1989)
R$ 20,00



SÃO BERNARDO - GRACILIANO RAMOS (LITERATURA BRASILEIRA)
GRACILIANO RAMOS
RECORD
(1978)
R$ 10,00



DO PRÉ-NATAL AO PARTO MANUAL DE ROTINAS EM OBSTETRÍCIA
ANTONIO CARLOS VIERA CABRAL E OUTROS
BELO HORIZONTE
(1996)
R$ 5,00





busca | avançada
58424 visitas/dia
1,8 milhão/mês