Uma dádiva celestial - Ein musikalisches Opfer | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/6/2001
Uma dádiva celestial - Ein musikalisches Opfer
Rafael Azevedo
+ de 3100 Acessos

Já no fim de sua vida, ao redor dos sessenta anos de idade, J. S. Bach apreciava uma vida aparentemente calma, desfrutando muito pouco ou quase nada da notoriedade que seu nome tem em nossos dias. Ocasionalmente sua fama de tecladista virtuoso lhe rendia convites e tributos da parte de monarcas e aristocratas mais iluminados. Uma dessas "ocasiões memoráveis" deu-se em 7 de maio de 1747, quando Frederico da Prússia (a.k.a. Friedrich der Große) resolveu convidar Sebastian para um espetáculo ao órgão de sua corte, em Potsdam. Entre outras coisas, Bach tocou uma série de improvisos sobre um tema de autoria do próprio Frederico, ele próprio um músico esforçado; isto provocou uma reação imediatamente favorável tanto da parte do público como do Rei que Bach retornou a Leipzig carregado de presentes. Como retribuição, preparou imediatamente em partitura a primeira desta série de peças baseadas numa melodia de Freddy, dedicadas como "uma oferenda musical" à S. Majestade. A partitura contém diversas anotações com a caligrafia do próprio Bach, tais como "assim como as notas aumentam também a boa fortuna do rei aumente" ou "assim como as modulações sobem seja a fama do nosso monarca exaltada". Algumas peças (7 das 16) contêm flauta em seu arranjo; aparentemente este era o instrumento de escolha do monarca, que o tocava (dizem os registros) com grande habilidade. A música de Bach é fantástica. Tudo se inicia somente com o cravo, tocando a melodia Real, à qual se seguem duas vozes contrapuntísticas, e a partir daí o que Bach faz com a melodia deixa, nalgum ponto obscuro, de ser apenas música - impossível de ser transposto para essas vergonhosas coisas chamadas palavras. Seguem-se sequências fantásticas, experiências harmônicas, trocas de tonalidade enquanto as melodias se cruzam, se perseguem, brincam num semi-uníssono para então desvencilharem-se totalmente umas das outras partindo em rumos diferentes. Você pensa que esse ricercar a 3 voci foi impressionante, até que você ouve o ricercar a 6 (!) voci, que volta a se iniciar somente com a melodia Real, e se desenvolve numa fantástica avalanche até que subitamente seis vozes estão repetindo de maneira incessante melodias fantásticas num só cravo, tocado por, no máximo, duas mãos... Em duas peças, nos dois cânones que precedem a sonata, Bach deixou, intencionalmente a partitura incompleta - deixou de marcar o ponto preciso em que as vozes entram como que "ecoando" a melodia principal, e acrescentou ao lado o comentário "Suchet, so werdet ihr finden" - procure e descobrirás - pois a falta de indicação precisa dá margem a diversas possibilidades contrapuntísticas, mas somente uma será - e Johann Sebastian o sabia - característica de Bach, terá sua "marca registrada". E ainda apesar de minha descrição canhestra e de tudo o que já se escreveu e se disse sobre Bach, esta obra não soa como uma espécie de equação matemática musicada, mas como sentimentos - os mais belos e os mais puros! Pudera nosso mundo limitar-se apenas aos belos campos e às sombreadas colinas de mundo de Bach.
A versão que tenho em meu poder, única que ouvi da Oferenda, é de muito boa qualidade; o sr. Gustav Leonhardt, que tive o prazer de ver num espetáculo único em SP conduz, do cravo solo, toda a patota: os três irmãos Kuijken (Barthold na flauta transversal, Sigiswald no primeiro-violino barroco e Wieland na viola-baixo), a sra. Marie Leonhardt, que toca o segundo-violino barroco e Robert Kohnen no cravo contínuo. Interpretam com um fantástico equilíbrio entre o virtuosismo e a emoção, uma das coisas que mais aprecio sempre que ouço uma boa ensemble de instrumentos de época, essa pequena extravagância de nossos tempos.

Alpinismo literário - pequeno e íngreme lamento
Escalo todo dia vertiginosos Everests, íngremes e frios; não pedi para fazê-lo, e o perigo de despencar cresce a cada segundo.. sem que haja, na verdade, risco algum; o que quer que eu faça, a rotina assumirá meu controle e conduzirá tudo novamente ao ponto de partida. Não tenho nenhum sherpa para me auxiliar na subida, muito menos iaques para carregar os pesos de minha consciência. Acostumei-me já aos cadáveres de meu passado cujos esqueletos encontro congelados durante minha escalada, rodeados de assombrações de meu futuro. Jamais pareço chegar ao seu cume, não importa quanto me esforce; acordo, e estou de volta ao sopé da montanha.
Meu estranhamento com relação a tudo e todos que me cercam é total; luto incessantemente contra a idéia que sou obrigado a aceitar de que sou vivo, de que sou o que sou, queira eu ou não. Estranho, e muito, ter pele, ossos, cabelo, voz, pelos, cheiros, reflexos, sombra, e até pensamentos como este... Sinto-me às vezes como parte integrante dum grande nada pelo qual anseio em voltar, para nele me perder, cessar simplesmente de ser. Machuca-me a desordem dos pensamentos alheios, as vozes dos outros me soam altas demais, me incomodam; estranho tamanho desacordo com a minha confusa mas já conhecida balbúrdia interna. Minha misantropia é total e irrestrita. Paulo Francis dizia preferir livros a pessoas. Eu nem isso. Não me atrai a idéia de "pensar pelos outros", mesmo que estes sejam Tolstoi ou Shakespeare. Prefiro o nada aos dois - o nada dos meus pensamentos e memórias, que passam por mim, e têm vontade própria para fugir de meu alcance quase sempre que os quero. Thinkin' makes nuttin'. As ações e atos, que fazem a vida, são estranhos para mim - falam um idioma que aparentemente não domino. Fico com a inerte solidão de minha mente, só o que tenho, só o que me interessa e o que tanto me atormenta.

"A misantropia é uma terrível moléstia; ela nos faz ver as coisas tais como são."
Abade Mongault

"Os que mais desprezam os misantropos são justamente aqueles por cuja causa os misantropos existem."
J. L. A. Commerson

"A misantropia é a sátira da espécie humana."
Marquês de Maricá



Rafael Azevedo
São Paulo, 22/6/2001

Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
03. Os males da TV - 6/7/2001
04. La Guerra del Fin del Mundo - 16/11/2001
05. State of the art - 31/8/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Alexandre e Outros Heróis
Graciliano Ramos
Record
(1978)



Livro Esoterismo Planets in Aspect Understanding Your Inner Dynamics
Robert Pelletier
Whitford Press
(1974)



Os Três Anos de Vigência do Novo Código de Processo Civíl
Mattos Filho
Do Autor
(2019)



The Burnt House
Faye Kellerman
Harper
(2007)



Mistério e magia do amor
Krishan Chopra
Larousse
(2008)



Comunicação/incomunicação no Brasil
José Marques de Melo
Loyola
(1976)



Livro História do Brasil Pesquisas e Depoimentos para a História Reconquista do Brasil Nova Série Volume 60
Tobias Monteiro
Itatiaia
(1982)



Tudo aquilo que nunca foi dito
Marc Levy
Suma
(2008)



Perfis Problemas na Literatura Brasileira
Eduardo Portella e Outros
Tempo Brasileiro
(1985)



Livro Infanto Juvenis
Júlio Verne
Ftd
(2007)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês