Comentários de Juliana | Digestivo Cultural

busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 28 de Abril #digestivo10anos
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O jornalismo que dá nojo
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Útil paisagem
>>> O Brasil da inovação
>>> A terra das oportunidades
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Two lost souls living in a fish bowl
Mais Recentes
>>> Manuscrito revista de Filosofia Volume II No 2 abril 1979 de Gérard Lebrun, Herman Parret, Yuval Lurie e outros pela Unicamp (1979)
>>> Ele ela 71 março 1975 de Diversos autores pela Bloch (1975)
>>> Tex especial de férias 10 de Mythos editora pela Mythos (2011)
>>> Novo Vocabulário Político Volume Um - Hegemonia e Pluralismo de Pedro Claudio Cunca Bocayuva; Sandra Mayrink Veiga pela Fase-Vozes (1992)
>>> Costos sociales de las reformas neoliberales en America Latina de Anita Kon / Catalina Banko / Dorothea Melcher / Maria Cristina pela Miguel Á. Garcia / Venezuela (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> Câes de guerra de Frederick Forsyth pela Circulo do Livro (1974)
>>> Gre-nalzinho é sempre gre-nalzinho de Kalunga pela Maneco (2011)
>>> Receitas Comemorativas de Rede feminina de combate ao cancer pela Do autor (1999)
>>> Sob Pressão de Bruce Hoverd pela Gente (2015)
>>> Ai comprei um bode e um bezerro de Nilton Ferreira pela Kirios (2013)
>>> Casa de vó é sempre domingo de Marina Martinez pela Nova Fronteira (2014)
>>> O mundo de Sofia de Jostein Gaarder pela Jostein Gaarder (1996)
>>> Introdução à psicologia vol. 100 de Ernest R. Hilgard / ///Richard C. Atkinson pela Nacional (1979)
>>> Teologia do Antigo Testamemto de Eugene H. Merriell pela Shedd (2009)
>>> Scientia et Virtus Julho 1956 de Colegio Estadoal Lemos Junior pela Do autor (1956)
>>> La guerra de Matisse de Peter Everett pela Circe (1998)
>>> Compêndio de Teologia Apologética de François Turretine pela Cultura Cristã (2011)
>>> Alergia na infância de Maria Candida Faria Rizzo pela Lemos (2002)
>>> Archivos de la universidad de Buenos Aires año 26 n 1 de Diversos autores pela Meuba (1951)
>>> Anais do Primeiro congresso de câmaras Municipais do estado de São Paulo 1° volume de Diversos autores pela Ibge (1948)
>>> Os filhos da África em Portugal: Antropologia, multiculturalidade e educação (2ªed.) de Neusa Maria Mendes de Gusmão pela Autêntica (2006)
>>> A arte de desenhar Perspectiva 14 de Renato Silva pela Conquista
>>> Almanaque do tchê! de Diversos autores pela Tchê (1984)
>>> Cinderela - coleção fantasminha de Cordélia Dias D'Aguiar pela Ediouro (1975)
>>> Signale der Sinnlichkeit erotik de Wolf Donner pela Whilhelm heyne (1989)
>>> King's English 3ª série Ginasial de Harold Howard Binns pela Companhia Nacional (1944)
>>> Ele Ela 70 Rosemary de Bloch editora pela Bloch (1975)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2020)
>>> Les Deux Nigauds de La condesse de Segur pela Hachette
>>> Navegação - Curso para pescador profissional especializado de Ministério da Marinha pela Marinha (1985)
>>> Riquinho 32 de Editora Globo pela Globo (1990)
>>> x-9 229 março 1951 O mistério do 5° homem de Roberto Marinho diretos pela Vecchi (1951)
>>> Aulas de artesanato Apostila n° 2 Pintura em Madeira de Lazeres da Família pela L da familia
>>> Almanaque Total sagitário de André De Biasi pela Três
>>> Obra Imatura de Mário de Andrade pela Agir (2009)
>>> Plotinus - ennead ii, v.2 de Plotino; A. Hilary Armstrong pela Loeb (1966)
>>> A Vida dos Grandes Compositores de Harold C. Schonberg pela Novo Século (2012)
>>> Não Há Silêncio Que Não ermine de Ingrid Betancourt pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Almirante Nelson -0 O Homem que derrotou Napoleão de Armando Vidigal pela Contexto (2012)
>>> No ser DIOS - Una Autobiografía a Cuatro Manos de Gianni Vattimo e Piergiorgio Paterlini pela Paidós Entornos 7 (2008)
>>> Pilares para uma Vida Saudável de Mohamad Barakat pela Vital (2017)
>>> Anticâncer Prevenir e vencer usando nossas defesas naturais de David Servan-Schreiber pela Fontanar (2008)
>>> A Marca da Vitória de Phil Knight pela Sextante (2016)
>>> O Grande Livro da Saúde Natural - 73 Segredos da Cura Sem Remédios de Jolovi Natural Health pela Jalovi Natural (2018)
>>> Slapstick Lonesome no more! de Kurt Vonnegut pela Dell (1976)
>>> Relatos de uma Quarentena de Acioli Junior pela Promove (2020)
>>> Les Fiançailles D'Imogène de Exbrayat pela Champs - Elysees (1971)
>>> Ce Jésus Qu'on Applle Christ de Jacques Loew pela Fayard-Mame (1970)
>>> The Enciclopedia of Reality - A Guide to the New Age de Kalinka Matson pela Granada (1979)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Domingo, 17/11/2002
Comentários
Juliana


deixa o volodya fora disso
Obrigada pela menção, Alexandre. Não sou de maneira alguma uma “escritora” – mas o título não cairia mal num país em que a Marilena Chauí é considerada uma .... filósofa!!! O outro porém: o Martim tem razão. Ser "de direita" é falar exatamente a língua da "esquerda". Talvez eu seja “de direita” - mas a "direita" de que talvez façamos parte – me recuso a pensar que somos uma “comunidade” - é incompreensível ao Marcelo Barbão, por exemplo, que insiste em nos martelar com "fatos" nos quais um dia já tivemos a inocência - disfarçada de argúcia - de acreditar, assim como próprio Francis. Como já ouvi dizer por aí, quem nunca foi "de esquerda" não tem coração. Quem continua na esquerda acaba por ficar sem cérebro. O Marcelo insiste em dizer que a "direita" (ardilosos vampiros do mal e seres das trevas) trabalha na calada da noite. Risível, risível. A esquerda,esta sim – ainda segundo o Marcelo - trabalha às claras, de martelo e foice na mão, revolucionando o mundo. Podemos deduzir dos argumentos do Marcelo que a esquerda não precisa usar desses artifícios subversivos para “mudar o mundo”. Não dá pra acreditar é em tamanha inocência, Marcelo. A esquerda, em sua tradição marxista, sempre foi a melhor nos truques do esconde-esconde, do newspeak, da sutil lavagem lingüística e ideológica. E, sim, o pai do Nabokov foi assassinado por um “direitista” insano - só que parece que mais uma vez você varre fatos para debaixo do tapete. O tiro que matou Vladimir Dmitrievich Nabokov não o fez senão por acaso. O alvo era o amigo que Nabokov tentara proteger, Pavel Nikolaevich Milyukov, também um antidéspota – título que para você, imagino, deve automaticamente ser equiparado a “ser de esquerda”, assim como deve ter sido automática sua conclusão de que os novos “escritores” de blog serão Pinochets e Pedro Carmonas no futuro. Milyukov era historiador e escreveu sobre o perigo que os Bolcheviques representavam. O sonho dos Kadets, ao instituir o “Pervaya Duma”, ou Primeiro Parlamento, era fazer da Rússia uma República ou uma monarquia constitucional como a Inglaterra. Sob o paradoxal regime tzarista, o pai de Nabokov foi proibido de participar nas eleições públicas, mas podia ainda trabalhar em publicações “esquerdistas”. Como disse o próprio escritor, àquela época “justice and public opinion could still prevail occasionally in old Rússia; they had only five years to go” ou, ainda, “The history of Russia could be considered from two points of view: first, as the evolution of the police (a curiously impersonal and detached force, sometimes working in a kind of void, sometimes helpless, and at other times outdoing the government in brutal persecution); and second, as the development of a marvelous culture. Under the Tsars, despite the fundamentally inept and ferocious character of their rule, a freedom-loving Russian had had incomparably more means of expressing himself, and used to run incomparably less risk in doing so, than under Lenin”. Mas claro que todo mundo prefere entender errado. Você parece ser outro que prefere acreditar no mundo cor-de-rosa dos esquerdistas bonzinhos e sonhadores contra direitistas malvados e inescrupulosos. O pai de Nabokov não era um “esquerdista” no fétido sentido – redolente aos que salivam de emoção romântica ao ver o “filho do povo” chegar à Presidência, tão semelhantes aos servos hipnotizados por um Lenin, um Hitler, um Mao, um Stalin – que a esquerda brasileira imprime à coisa. E veja que curioso: o assassino do pai de Nabokov era tão “de direita” que foi nomeado por Hitler como o administrador da “busca” alemã aos eventuais emigrés que deixassem a Rússia – gente, por exemplo, como Véra Nabokov, judia, e nada menos que a mulher do escritor cujo pai fora assassinado. Claro que você, como defensor da sacrossanta esquerda, acredita que o Nazismo era “um regime de direita”, não é mesmo? Ah, sim: meu caro Antonio Castellane, se conviveu mesmo com o Francis, dele não aprendeu nada. Aliás, para ter convivido com Francis, você tem de ter pelo menos uns 30 anos de idade – o que estranhamente não condiz com seu infantil hábito de mandar e-mails a pessoas que desconhece, chamando-as de “apple-polisher”. Vai lustrar o sapato do Jabor que você lucra mais, meu filho.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Juliana
17/11/2002 à
01h40 200.193.244.177
 
quanta "percepssão", Alexandre
Assim não dá, Alexandre. Vê se escreve uma coisa ruim pra variar.Todo texto teu tem alguma referência a algum de meus heróis. Lembro que descobri Nöel Coward (não tem um trema charmoso ali?) lendo "Mad Dogs and Englishmen" num (pasme!) quadro pendurado num banheiro de danceteria, há milênios. Love at first sight, apesar da situação bizarra.

[Sobre "Lula Já É Um Coitado"]

por Juliana O'Flahertie
20/10/2002 à
00h30 200.193.253.117
 
a cabeça aberta
É porque ele tem "a cabeça aberta e ligada no que acontece no mundo" - mundo sendo o seu próprio umbigo (é comum aos "umbiguistas" usar um "argumento" deste tipo logo de início) e as sensações fisiológicas abaixo dele.

[Sobre "Hipermediocridade"]

por Juliana O'Flahertie
8/10/2002 às
19h29 200.193.244.180
 

você esqueceu do Vlad no quesito adjetivos e advérbios estranhos (ah, eu e minhas obsessões).

[Sobre "Onze pontos sobre literatura"]

por Juliana
12/9/2002 às
03h09 200.193.251.244
 
Vlaaaad, o maaaaalvado
Vlad era o mais terno dos escritores maus. Mas era mau. Ô. Aquele pedantismo cruel, que rechaçava os filisteus, tinha muitos ecos em Waugh também. E aquela linha fininha entre a ternura e uma atitude standoffish. Crueldade servida em xícaras de chá de porcelana, acompanhadas de tartes au miel. Nhamnham.

[Sobre "3 Grandes Escritores Maus"]

por Juliana O'Flahertie
17/7/2002 à
01h44 200.193.250.48
 
awwwwwwwnnn
assim eu fico com ciúmes. :)

[Sobre "dulcíssima dulcinéia"]

por Juliana O'Flahertie
21/4/2002 às
15h07 200.193.251.12
 
poetas feiosinhos
Eu quero essa antologia! Será que é fácil de achar aqui na "capital da esperança"? Esqueceram do Yeats - ele era assim, meio "gauche", com aquele narigão e a obsessão pela sua Maud Gonne. Ainda bem que era narigudo e triste - senão não teríamos seus poemas. Se quiser se prostituir à Academia, Alexandre, faça como minha "professora" de Renascimento Português: os aluninhos faziam seminários comparando Camões com MPB. Quatro meses de tortura ouvindo aquela retardada falar. Pobre Camões. Mas ela, no caso, estava muitíssimo satisfeita com sua sapiência e com as aulas ministradas, claro. E quanto à mulherada: vai tranqüilo. Sempre tem uma beldade, uma "bimbo" que morre de amores pelo professor de literatura "blasé".

[Sobre "Antologia dos Poetas Feios"]

por Juliana O'Flahertie
21/4/2002 às
14h47 200.193.251.12
 
cadê meu sonrisal???
Putz, parei de ler o lenga-lenga da Ana quando ela diz que cita Jorge Amado e Chateano Veloso "com orgulho". Nem pra citar gente que presta (João Gilberto, Caymmi etc). Resolvid dar mais uma chance à moça "consciente e revoltada", mas aí ela cita notícia de cunho socialista dos "sábios" da ONU (ou social-democrata, ou de terceira-via, ou o raio-que-o-parta dos filhotinhos de Marx). Meu estômago é forte mas nem tanto, sabe.

[Sobre "o carnaval dos animais"]

por Juliana O'Flahertie
23/3/2002 às
13h00 200.193.253.53
 
'eu te disse!' (george orwell)
Mesmo que os adoradores de Cuba sejam tratados nos "excelentes" hospitais de lá, mesmo que visitem a ilha, mesmo que se demonstre por a + b que aquilo em que acreditam é falso, eles não darão o braço a torcer. O 'newspeak' é uma das coisas mais impressionantes já imaginadas pelo ser humano.

[Sobre "poesia, roseana, cuba e outras palhaçadas"]

por Juliana O'Flahertie
17/3/2002 às
12h38 200.193.250.28
 
suspiro
Bengalas. Luvas de pelica. Duelos. Menos filhotes de Leminski e mais filhotes de Chatterton (e Chesterton). Cavalheirismo. Ah, que mundo seria, não?

[Sobre "Reação"]

por Juliana O'Flahertie
17/3/2002 às
12h36 200.193.250.28
 
merci beaucoup!
E nem as 'belles infidèles'! :) Obrigada pelo texto, Paulo. Tenho enorme interesse pelo campo da tradução e coleciono tudo a respeito - pelo menos tudo que julgo importante, deixando os Derrida de lado. Mais uma vez, obrigada. E citarei seu artigo no meu weblog (http://missveen.blogspot.com).

[Sobre "A saída clássica"]

por Juliana O'Flahertie
17/2/2002 às
10h53 200.193.252.128
 
daddy is right there for you
Oi, Fábio. É claro que a maioria está do lado do ministro, por dois motivos: acreditam piamente que a medida adiantará de alguma coisa, e se sentem reconfortados quando sabem que bigbrotheriswatchingyou, digo, quando papai-Estado está cuidando da saúde deles. Afinal, fomos educados para isso: se governantes fazem leis "para o nosso bem", então, pensam todos, é claro que querem o nosso bem. Quanto à suposta "sapiência" da sociedade (que não é um indivíduo e, portanto, não pode ser sábia ou ter consciência de nada - se tivermos 3.000.000 pessoas, temos 3.000.000 de consciências, não 3.000.001), vale sempre citar Anatole France (embora, estou certa, ele fosse contrário à opinião que acabo de expor): "Se 50 milhões de pessoas dizem uma coisa idiota, ainda é uma coisa idiota". E seus textos continuam ótimos. Parabéns.

[Sobre "fumo porque é fumo"]

por Juliana O'Flahertie
17/2/2002 às
10h14 200.193.252.128
 
adieu, adieu, remember me
Só agora li seu texto sobre o Francis. Waaal. Ele faz uma falta enorme, apertada. Vai ser difícil aparecer outro - quem sabe daqui a uns 100 anos?

[Sobre "Ele, Francis"]

por Juliana O'Flahertie
14/2/2002 às
18h16 200.181.82.214
 
com nosso dinheiro, claro
Pois é, o idiota do Serra pensa (ou finge que pensa) que os fumantes NÃO sabem que cigarro faz mal. Aloysio-filhotinho-de-Che-Guevara tem uma infinidade de rabos presos e simpatias curiosas, não? Só o pessoal metido a guerrilheiro que não vê. Também, é para isso que foram treinados: não conseguir enxergar o óbvio, só o sonho ofuscante da utopia.

[Sobre "fumo porque é fumo"]

por Juliana
14/2/2002 às
14h58 200.252.62.139
 
a fêmea branca oprimida
tenho uma teoria de que as feministas têm como inspiração para seus excessos o não-entendimento do "convívio íntimo entre os dois sexos". sentem-se "ameaçadas" pelos homens e tentam "retaliar" querendo coçar o proverbial saco em público, achando cafona mulher que acha lindo receber flores e lendo Susan Faludi. deviam é tentar entender a natureza humana - dos homens ou delas mesmas. além de se depilar e gastar umas 2 horas se aprontando para seduzir um homem sedutor. garanto que seriam mais felizes.

[Sobre "amor anão"]

por Juliana
8/2/2002 às
17h48 200.181.83.145
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PARAPHRASE DA EPISTOLA AOS PISÕES COMMUNMENTE DENOMINADA ARTE POETI...
GASTÃO FAUSTO DA CAMARA COUTINHO
JOSE BATISTA MORANDO
(1853)
R$ 198,00



ARRAIÁ DE FOGO - 4ª EDIÇÃO
JOSÉ MAURO DE VASCONCELOS
MELHORAMENTOS
(1969)
R$ 7,00



ON CHESIL BEACH
IAN MCEWAN
VINTAGE
(2008)
R$ 15,00



IDEOLOGOA E TÉCNICA DA NOTÍCIA
NILSON LAGE (2ª EDIÇÃO)
VOZES (PETRÓPOLIS, RJ)
(1982)
R$ 31,28



A INTERVENÇÃO ESTATAL NAS TELECOMUNICAÇÕES
LEONOR AUGUSTA GIOVANE CORDOVIL
FORUM
(2005)
R$ 15,00



COMO SER FELIZ APESAR DE TUDO
HUGH PRATHER
SEXTANTE
(2010)
R$ 5,00



TEOTONIO GUERREIRO DA PAZ
MARCIO MOREIRA ALVES
VOZES
(1984)
R$ 6,90



O SENHOR DAS TERRAS
WILSON FRUNGILI JÚNIOR
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPÍRITA
(1998)
R$ 6,99



TRADIÇÃO LIBERAL E POLÍTICA EXTERNA NOS ESTADOS UNIDOS: UM DIÁLOG
GERALDO ZAHRAN
APICURI
(2012)
R$ 14,82



JOVEM,O CAMINHO SE FAZ CAMINHANDO
DUNGA
CAMÇAO NOVA
(2018)
R$ 6,00





busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês