Comentários do IP 200.152.98.9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sugestão de pauta - Lançamento 'Presenças' de Millo Ribeiro
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma análise sociossemiótica do trabalho
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Poesia em Xadrez, BH
>>> O filósofo da contracultura
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> 1984, de George Orwell, com Fromm, Pimlott e Pynchon
>>> Hora de parar... ou de voltar!
>>> Do Comércio Com Os Livros
>>> Em Londres, à caça do mito elementar
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
Mais Recentes
>>> Amor - 14ª Estação de Miguel Jorge pela Kelps (1997)
>>> O Médico e o Monstro - Lpm Pcket 267 de R. L. Stevenson pela LPM Pocket (2003)
>>> Amizade Que Vale a Pena de Adriana Rosa e Outros pela Prazer de Ler (2021)
>>> O amor está no ar de Jennifer Echols pela Pandorga (2014)
>>> De repente de Nichole Chase pela Pandorga (2013)
>>> Veleiros ao mar de Sarah Mason pela Bertrand Brasil (2013)
>>> A Salamandra de Morris West pela Record (1973)
>>> Longe demais de Jennifer Echols pela Pandorga (2012)
>>> A rainha da fofoca fisgada de Meg Cabot pela Galera (2013)
>>> A rainha da fofoca em Nova York de Meg Cabot pela Galera (2010)
>>> A rainha da fofoca de Meg Cabot pela Galera (2010)
>>> Férias, amor e chocolate quente de Patrícia Barboza pela Verus (2017)
>>> Quase Santo de Anne Tyler pela Companhia das Letras (1992)
>>> Preparacion de motores para auto de competicion de Federico Kirbus pela Federal-Mogul (1974)
>>> Introdução ao novo testamento de Raymond E. Brown pela Paulinas (2004)
>>> Você Sabe Estudar? de Claudio de Moura Castro pela Penso Editora Ltda
>>> Você sabe conversar? de Pedro Bloch pela Revinter (2003)
>>> O Mestre e o Herói de Domingos Pellegrini pela Moderna (2006)
>>> Escola estadual especial Renascença: Cinquenta anos de história (1956-2006) de WS editor pela WS editor (2006)
>>> Contra a Maré Vermelha de Rodrigo Constantino pela Editora Record
>>> Missão como com-paixão de Roberto E. Zwetsch pela Sinodal (2008)
>>> História das ideias pedagógicas de Moacir Gadotti pela Ática (2005)
>>> A Irmã de Freud de Goce Smilevski pela Editora Bertrand Brasil Ltda
>>> Os Des Mandamentos (+1) de Luiz Felipe Pondé pela Três estrelas
>>> Meu Colóquio Litúrgico Com Deus Vol 3 - A Liturgia Contemplada de Dom Dadeus Grings pela Evangraf (2008)
>>> O livro de Marina: a formiguinha que se enamorou do sol de Adelino Gabriel Pilonetto pela ESTEF (2018)
>>> Monsignor Luigi Talamoni: Tutto è nulla se non è nell'amore di Dio de Cristina Siccardi pela San Paolo (2004)
>>> Farewell de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1996)
>>> Tristão e Isolda - O Mito da Paixão de Maria Nazareth Alvim de Barros pela Mercuryo (1996)
>>> Apostila manual de peças e serviços Faet de Parcelias pela Parcelias (2006)
>>> Apostila Parâmetros Curriculares Nacionais. História - Geografia. de Ministério da Educação pela Mec (1997)
>>> Soul Mates: Honoring the Mysteries of Love and Relationship de Thomas Moore pela Harper Collins (1998)
>>> Apostila "A mais nova maneira de trabalhar em casa" de Vários pela Herba (2006)
>>> Apostila Sebrae "As relações Humanas no trabalho" de Sarah Araújo da Silva pela Sebrae (2001)
>>> Ciências Para Nosso Tempo 9° Ano de Washington Carvalho - João Alves - Laércio Caetano. pela Positivo (2011)
>>> Puer Aeternus: a Luta do Adulto Contra o Paraíso da Infância de Marie-Louise von Franz pela Paulinas (1992)
>>> A Era da Manipulação de Wilson Bryan Key pela Scritta (1993)
>>> Revista a Bíblia no Brasil n°257 ano 69 de Vários pela Sbb (2018)
>>> Relações humanas na família e no trabalho de Pierre Weil pela Vozes (1992)
>>> Alter Ego+ A1 - Cahier d'activités de Annie Berthet, Emmanuelle Daill, Catherine Hugot e Monique Waendedries pela Hachette (2015)
>>> Educar para um outro mundo possível de Moacir Gadotti pela Publisher (2007)
>>> Contabilidade 3D - questões comentadas FCC + teoria sintetizada de Sérgio Adriano pela Método (2012)
>>> Planejar gêneros acadêmicos de Anna Rachel Machado (coordenadora) pela Parábola (2009)
>>> Resumo de Anna Rachel Machado (coordenadora) pela Parábola (2010)
>>> Mobile A1 - Méthode de Français, com DVD de Alice Reboul, Anne-Charlotte Boulinguez e Géraldine Fouquet pela Didier (2013)
>>> Mobile A2 - Méthode de Français, com DVD de Laurence Alemanni e Caherine Girodet pela Didier (2012)
>>> A árvore do conhecimento de Humberto R. Maturana, Francisco J Varela pela Palas Athena (2001)
>>> Crer depois de Freud de Carlos Domínguez Morano pela Loyola (2003)
>>> O poder latente da alma de Watchaman nee pela Publicações pão diario (2019)
>>> A dispensacao do mistério de T. austin-Spacks pela Phileo (2015)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Sábado, 29/6/2002
Comentários
200.152.98.9


Sem vara de condão
A discussão sobre cinema no Brasil é tão antiga, mas tão antiga, que já morreram Mário Peixoto, Alberto Cavalcante, morreram a Vera Cruz, a Atlântida, as revistas de cinema, os velhos cinemas de praça do país e ainda não sabemos onde chegar. Será que somos tão incompetentes, imaturos, ou ignorantes mesmo, a ponto de não conseguirmos elucidar uma questão tão necessária? Sim, somos. Tudo isso e muito mais. Venho acompanhando a discussão sobre a ANCINE, desde as propostas de sua criação - coisa de uns dois ou três anos atrás. Venho acompanhando algumas poucas discussões nos bastidores, travadas entre cineastas de longa data e aspirantes. O que se percebe é um misto de angústia adolescente e de disparates egocêntricos. De um lado, advoga-se a causa do cinemão, da criação de uma indústria, mas voltada para o grande público, quando as bases que aí temos, os tais "fundamentos", estão explícitos neste artigo. Como se a arrecadação de um tributo fosse satisfazer a necessidade histórica de profissionalização de uma imensa cadeia produtiva. De outro, os chatos de sempre - não chatos porque reclamam, mas porque são chatos mesmo - quebram com qualquer iniciativa que pretenda dar viabilidade à indústria - em qualquer acepção que a palavra possa tomar -, uma vez que inseridos em um mercado audiovisual, terão que caminhar com as próprias pernas, sem o ancoradouro seguro das benesses concedidas pelo Estado. Mas antes de qualquer mal-entendido, é preciso dizer uma coisa: não são só estes que querem evitar a todo custo a retirada do seio estatal. Também muitos dos velhos cineastas aguardam a varinha de condão salvar as suas idéias e transformá-las em grandes obras de longo alcance, como mísseis culturais. O que resta são os parcos cinemas pelo território brasileiro, inundados de porcarias made in qualquer lugar, seja Brasil, EUA ou mesmo França, a meca da pseudo-intelectualidade. Uma certeza podemos ter. E é uma certeza que pode nos auxiliar a pensar em saídas. Há espaços para todos os gostos, para todas as produções. O que precisamos ocupa uma boa lista: boas escolas de cinema, técnicas e críticas; que o Estado deixe de atrapalhar a produção (já seria uma grande ajuda); que se criem verdadeiros produtores no país, com conhecimento sobre o mercado, sobre a indústria; e demais mecanismos que permitam a auto-suficiência. Sem ela, não há como se pensar sequer em médio prazo.

[Sobre "Que tipo de cinema se quer fazer no Brasil?"]

por Homer
29/6/2002 às
14h51 200.152.98.9
(+) Homer no Digestivo...
 
Atirar no escuro
Pois é, meu caro Rafael (não vou aqui te chamar pelo apelido, porque pode tornar-se incômodo). Olha a ironia, olha a ironia! A seu convite apareci para saborear a sua primeira coluna gastronômica e posso te dizer que o seu futuro, meu amigo, o seu futuro é o infinito! Brilhante coluna, como aquelas que se espargem. É como naqueles pequeníssimos vasilhames de perfume francês, que borrifados alcançam séculos de história da arte dos odores. Escrever é atirar a esmo, já dizia um amigo meu. E eu, naqueles tenros anos de zona colegial e frustração intelectual, a tentar e tentar tornar-me um verdadeiro "sniper", ilhado no bairro da Glória ou, agora, aqui em São Conrado. Aguardo ansiosamente por nossa ida à "Vênus de Milo". Espero poder quebrar alguns pratos, embora minha consciência de ocidental boboca ainda me traga alguns pesares pela culpa do vandalismo inexistente. Se não me segurarem, acabo por quebrar Versalhes no dia seguinte. Ou pelo menos o Palácio do Itamaraty, que fica aqui mais perto. Abraços!

[Sobre "Quebrar pratos com Afrodite"]

por Homer
30/5/2002 às
10h46 200.152.98.9
(+) Homer no Digestivo...
 
México
Marcelo, grande artigo! Mesmo para quem conhece bem a história do chocolate, foi uma bela rememoração. Intrigante foi que estive em março no México, justamente um dos principais sítios de cultura do cacau e do tchocolatl na América Pré-Colombiana, e hoje percebe-se que o chocolate ganha mais páginas de livros de História que vida prática nas cozinhas e restaurantes mexicanos. Os americanos foram em muito ultrapassados pela tecnologia e pelo gosto que desenvolveram os europeus pelo produto derivado do cacau. As poucas chocolaterias que lá se encontram são, em sua maior parte, insossas e vívidas como uma daquelas lojinhas de chocolate brasileiras que vendem produtos industrializados como Garoto e afins. É triste. Ainda mais se contrastarmos a realidade dos dias de hoje com a riqueza que emana dos murais de Rivera no Palácio Nacional na Cidade do México, onde o cacau é alçado à catergoria de patrimônio das culturas aztecas, tlaxcalanos e tarascanos.Mas ainda há uma prato de resistência que é um dos poucos resquícios da força que teve o chocolate na cultura mexicana: o Mole Poblano, considerado um dos pratos nacionais, originário de Puebla que é uma carne de peru cozida, coberta por um molho escuro emuito rico, feito com os oniprsentes chilis, condimentos especiais, nozes e um pouco de chocolate, justamente o que confere a cor tão singular do molho que também é utilizado em outros pratos da cozinha poblana. Abraços e votos de sucesso.

[Sobre "Eu só quero chocolate"]

por Homer
30/5/2002 às
10h12 200.152.98.9
(+) Homer no Digestivo...
 
Menos
Gostei do texto, especialmente pelo tom irônico. Seria legal, no entanto, para adicionar ainda mais ironia, que aqueles operários fossem apenas um grupo de amigos literatos, como Bukowski e pares, num dia de trabalhos nos correios da cidade angelical, ignorados em suas facetas mais verdadeiras pela visão míope do observador, apenas a descansar sobre a relva urbana. Creditar à leitura a qualidade da superação da condição humana, que aqui já se traveste de proto-humana, como bem deve ser ressaltado, é de bom tom acatar. Mesmo porque a crença segue igual sentido. Interessante é que o autor parte do princípio que ser homo literalis já é, para si próprio, uma verdade tão absoluta, que a refutação é digna de considerações obsequiosas. De um cavalo ao chão poderia ter nascido a teoria newtoniana. Foi de uma maçã. Bem, ao menos alguns podem nisso crer: Um charuto também pode ser só um charuto. Menos, Alexandre, menos. Mas ainda assim, meus parabéns.

[Sobre "Quem Não Lê Não É Humano"]

por Homer
3/5/2002 às
09h55 200.152.98.9
(+) Homer no Digestivo...
 
Doce irresponsabilidade
Civilization é um jogo que faz parte das minhas intermináveis batalhas mentais entre a responsabilidade de estudar para uma prova, que se aproxima mais e mais, e a doce irresponsabilidade de passar horas a fio, com a bunda doendo ao cabo de uma madrugada, sentado em frente a uma tela de computador. E o prazer da vingança, como bem ressaltado, é tão forte, que me lembro até hoje das boas sovas que dei em franceses, romanos e persas - nesses últimos principalmente - após mais um acordo de cessar-fogo quebrado. Adeus, que tenho que ir para a aula...

[Sobre "Civilizado?"]

por Homer
3/5/2002 às
09h55 200.152.98.9
(+) Homer no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Verso Le Mete
L. Gessi M. Longhi
L Cappelli
R$ 38,77



Indicadores sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações
Paulo de Martino Jannuzzi
Alínea
(2012)
R$ 40,00



Pelas veias da selva.
Vito d* alessio
Ftd
(1992)
R$ 16,00



O Enigma dos Desaparecidos
Leandro Ribeiro
Reggraf
(2009)
R$ 30,00



Plantas de Interior Jardinagem Prática
Pierre Nessmann
Girassol
(1996)
R$ 27,19



TEATRO EM CONFIDENCIA (Entrevistas)
Artur Joseph
Tiempo Nuovo
(1970)
R$ 20,00



Construindo uma Sociedade Mais Justa
Milton Bigucci
Assahi
(2005)
R$ 5,00



Bling Ring: a Gangue de Hollywood
Nancy Jo Sales Cláudio Figueiredo Andrea Gottlieb
Intrinseca
(2013)
R$ 5,00



Ahora Sí Bienvenido Al Idioma Espanõl Básico 1
Manoel Dias Martins - María Teodora R. M. Freire
Novos Livros
(1996)
R$ 12,00



Ejecución Provisional de Sentencias Civiles - Teoría y Práctica
Xulio Ferreiro Baamonde
Juruá
(2014)
R$ 52,82





busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês