Civilizado? | Juliano Maesano | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> Zé Carioca Nº 1821 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> The Theory of Economic Development de Lord Robbins pela Macmillan (1968)
>>> Matemática - Magistério 1 de Ruy Madsen Barbosa pela Atual (1985)
>>> Do alto da tribuna de Ademar rigueira neto pela Lumen juris (2017)
>>> A Vida de D. Pedro I - Tomo I de Octávio Tarquínio de Sousa pela José Olympio (1972)
>>> Novos Canticos de Dolares Bacelar Espíritos Diversos pela Não Informada (1983)
>>> O Clube do Filme de David Gilmour; Luciano Trigo pela Intrinseca (2009)
>>> Zé Carioca Nº 1820 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> Cozinha do Mundo: Itália Vol. 1 de Abril Coleções pela Abril Coleçoes (2010)
>>> Who's Best? de Varios Autores pela Foundations Reading Library (2006)
>>> The Elements of Typographic Style de Robert Bringhurst pela Hartley & Marks (1997)
>>> Doctor Who: Adventures in time and space de Vários autores pela Bbc (2009)
>>> Cálculos Trabalhistas de Adalberto José do Amaral Filho pela Ltr (2002)
>>> A Fenda do Tempo de Dionísio Jacob pela Infanto Juvenis (2005)
>>> Lobo Solitário 8 de Kazuo Koike e Goseki Kojima pela Cedibra (1989)
>>> Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter de Mário de Andrade pela Penguin Companhia (2016)
>>> Oficina de História - Volume único de Flávio Campos pela Leya (2012)
>>> Zé Carioca Nº 1818 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Romance Senzala de Salvador Gentile pela Instituto Difusão Espirita (1993)
>>> Cartas Chilenas de Tomás Antônio Gonzaga pela Martin Claret (2007)
>>> Skate - Guia Passo a Passo Ilustrado de Clive Gifford pela Zastras (2008)
>>> Mensagens de Matthew Mckay; Martha Davis; Patrick Fanning pela Summus (1999)
>>> Zé Carioca Nº 1798 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Ente Osso agora de Maitê Proença pela Record (2015)
>>> Aprendi com meu pai - 54 pessoas bem-sucedidas contam a maior lição que receberam do seu pai de Luís Colombini pela Virsar (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/5/2002
Civilizado?
Juliano Maesano

+ de 3900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Quem aqui costuma jogar em seu computador, vai saber do que falo: da última versão da obra-prima de Sid Meier, Civilization III. Isso mesmo, muitos anos após a primeira versão do "joguinho" Civilization e de seus inúmeros clones como Warcraft, Settlers, Age of Empires e outros, temos em mãos a mais nova alegria queimada em CD que alguém poderia pedir a Deus...

Para jogar Civilization não é preciso ser nenhum nerd. Pode confiar em mim e jogar sem medo: se você não se pegar acordado, com o dia amanhecendo, aí, sim, você é anormal. Batata: não há ninguém que jogue "Civ" (para os íntimos) e não "vare a madruga" no processo. Parece até que o jogo é feito pra isso...

Eu explico: é que é tão viciante, e suas rodadas são tão demoradas, que você pode, com certeza, passar horas sentado no computador, quase sempre esperando a sua vez de jogar. E não pense que isso é chato, não... É de um suspense feroz! Sem esse componente não daria pra ir ao banheiro ou até à geladeira pegar aquela outra nova maravilhosa invenção (que veio atrasada): a Fanta Uva Light.

OK, OK, vou dar uma explicada geral para os leigos: o Civ é um jogo de estratégia que remonta à história dos povos desde a Idade da Pedra. Você escolhe sua "raça" entre várias como Americanos, Chineses, Japoneses, Russos, Franceses, Aztecas e começa seu império. Eu sempre escolho uma raça dessas, mas a renomeio inteira para "Brasileiros", claro. Também nomeio o líder de "Imperador Juliano Maesano" ou até de Lula ou Fernando Henrique Cardoso, dependendo do meu estado de espírito. Com certeza, algum maluco já deve ter jogado como "Osama Bin Laden"...

Ao criar a sua raça, você também pode fazer um mundo totalmente novo para jogar, escolhendo a característica da "Terra" que quiser: como mais ou menos ilhas, continentes, clima frio ou quente etc. Isso tudo influi no jogo, que é por demais complexo (e simples ao mesmo tempo, pra quem desejar...).

Depois de toda essa farra, você sai jogando, o que consiste em: criar cidades com seus exploradores, tomar outras cidades "na porrada" com seus exércitos (que começam com machadinhas e terminam com tanques, aviões e bombas atômicas, uns seis mil anos depois...), espionar inimigos, fazer alianças com outras raças, quebrar alianças covardemente, estabelecer rotas de comércio, tentar ser o Conselheiro Geral da ONU ou até criar uma base espacial, e uma espaçonave, para a sua civilização deixar o planeta que, a essa altura do jogo, deve estar sofrendo com o excesso de bombas atômicas... Não se engane, isso tudo, como eu disse antes, pode ser muito, muito divertido.

Não se iluda ao pensar que é muito simples. Em cada etapa você também lida com a ciência, para fazer descobrimentos como o ferro, a roda, a matemática, o vôo, a pólvora, a fissão nuclear etc. Só com esses "descobrimentos" é que você avança culturalmente (o que também vale muito) e pode criar novas unidades militares. Só com a roda é que se pode fazer uma carruagem de ataque (se você também tiver acesso a cavalos)... Só com a pólvora é que se pode fazer unidades munidas de mosquetões, para limpar a terra daqueles imundos e fracos inimigos (atrasados) que te enfrentam com lanças...

Essas descobertas também lhe proporcionam munir suas cidades com todo melhoramento, o que será crucial, como bancos, mercados, quartéis, muralhas, fábricas e centros de reciclagem, para combater a poluição que você causou anos antes (descobrindo, por exemplo, a usina a carvão)...

Pegou o espírito da coisa? Pra piorar, você também pode, com as descobertas e avanços, ser o criador de uma Maravilha do Mundo, uma construção única, da qual só a sua raça poderá usufruir, como as Pirâmides, os Jardins Suspensos, a Cura do Câncer e o Projeto Manhattan. São diversas Maravilhas dos "mundos" Antigo e Moderno...

E você ainda acha que dá para parar de jogar e dormir ou sair com seus amigos, logo quando você está a uma rodada de descobrir o conceito de Monarquia, por exemplo? Ou quando falta uma rodada para construir aquela tão sonhada Maravilha, que o ajudará a "virar" a sofrida guerra? Ou quando falta só uma cidade inimiga para acabar com, sei lá, os Franceses?

Então, esse é o problema: no Civ, cada rodada é assim, sempre faltam poucas coisas pra você manter sua esperança acesa de que agora sua civilização vai engrenar... E é aí que mora o perigo, afinal, a cada rodada você também sofre reveses, pois seus inimigos (e aliados) igualmente evoluem...

Sabe de outro sentimento muito importante no jogo? A vingança... Ah, como você sofre se for preciso, perdendo o sono e até horas de trabalho, só pra poder dar um "corretivo" na Grécia, por aquela quebra de "contrato" contra você... "Covardes, como podiam nos apunhalar pelas costas e virar a casaca bem na hora da guerra contra os Zulus? Eles não tardam por esperar, deixa só a minha civilização colocar a mão num submarino e um destróier... Eles vão ver!!!"

E ainda dizem que eu é que não sou civilizado...


Juliano Maesano
São Paulo, 2/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Mulher Invisível ou a literatura como salvação de Elisa Andrade Buzzo


Mais Juliano Maesano
Mais Acessadas de Juliano Maesano em 2002
01. Trem Fantasma - 11/4/2002
02. Figurinhas - 25/4/2002
03. Utopia - 7/3/2002
04. Oscar 2002 - 21/3/2002
05. Civilizado? - 2/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2002
09h55min
Civilization é um jogo que faz parte das minhas intermináveis batalhas mentais entre a responsabilidade de estudar para uma prova, que se aproxima mais e mais, e a doce irresponsabilidade de passar horas a fio, com a bunda doendo ao cabo de uma madrugada, sentado em frente a uma tela de computador. E o prazer da vingança, como bem ressaltado, é tão forte, que me lembro até hoje das boas sovas que dei em franceses, romanos e persas - nesses últimos principalmente - após mais um acordo de cessar-fogo quebrado. Adeus, que tenho que ir para a aula...
[Leia outros Comentários de Homer]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




De fora da arca
Ana Maria Machado e Ziraldo
Salamandra
(1996)



Eurico, o Presbítero - Clássicos de Ouro
Alexandre Herculano - Apresentação Antônio Soares
Ouro
(1969)



Lucréce Borgia
Cecil Saint-laurent
Stock
(1988)



O Aprendiz da Madrugada
Luiz Carlos Lisboa
Gente
(1994)



Psicologia Moderna
Antônio Xavier Teles
ática
(1983)



Dirigindo Com Sabedoria sem o Cd
Tony Gandra
Abrather
(2002)



Direito do Comercio Internacional
Antonio Carlos Rodrigues do Amaral
Edicoes Aduaneiras
(2005)



O vento nas vidraças
Roberto Bittencourt Martins
Lpm
(1983)



História: Sociedade & Cidadania - 7º Ano
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(2015)



Fundamentos da Reforma Íntima
Abel Glaser pelo Espírito Cairbar Schutel
O Clarim
(2011)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês