Civilizado? | Juliano Maesano | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> A vida mais ou menos
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
Mais Recentes
>>> Odisséia de Homero pela Abril Cultural (1981)
>>> Sobre a morte e o morrer de Elisabeth Kübler-Ross pela Martins Fontes (1994)
>>> O deus odioso, o diabo amoroso de Jacques Cazotte pela Escuta (1991)
>>> Odisséia de Homero pela Abril Cultural (1981)
>>> Sobre a morte e o morrer de Elisabeth Kübler-Ross pela Martins Fontes (1994)
>>> Chapeuzinho Vermelho e Outras Histórias Fábulas de Ouro de Paulinas pela Paulinas (2001)
>>> Biologia Volume Único 5ª Edição de César; Sezar; Caldini pela Saraiva (2011)
>>> Move Up Intermadiate Students Book de Simon Greenall pela Macmillan (1995)
>>> Move Up Advanced Students Book de Simon Greenall pela Macmillan (1999)
>>> Biologia Integrada Volume Único Ensino Médio de Luiz Eduardo Cheida pela Ftd (2003)
>>> Universo da Química Volume Único + Caderno de Resoluções de Bianchi; Albrecht; Daltamir pela Ftd (2005)
>>> Emagreça & Apareça! - Autografado de Wilson Rondó Júnior pela Gaia (2007)
>>> Entrega ao Deus Interior de Eva Pierrakos; Donovan Thesenga pela Cultrix (1999)
>>> Nosso Homem Em Havana de Henry Graham Greene pela Abril Cultural (1972)
>>> A Luz no Túnel de Jorge Amado pela Record (1982)
>>> Prática de Ensino os Estágios na Formação do Professor de Anna Maria Pessoa de Carvalho pela Pioneira (1987)
>>> Adolescência, psicanálise e educação: o mestre "possível" de adolescentes de Beatriz C. Cruz Gutierres pela Avercamp (2003)
>>> Nas Terras do Rei Café de Francisco Martins pela Melhoramentos (1973)
>>> A startup enxuta de Eric Ries pela Lua de Papel (2012)
>>> Prática pedagógica, aprendizagem e avaliação em educação a distância de Iolanda, B. de Camargo Cortelazzo pela Intersaberes (2013)
>>> Em Tudo, uma Lição água da Vida de Árvore da Vida pela Árvore da Vida (2001)
>>> Qutro vidas de um cachorro de W. Bruce Cameron pela Harper-Collins (2016)
>>> Adolescência, psicanálise e educação: o mestre "possível" de adolescentes de Beatriz C. Cruz Gutierres pela Avercamp (2003)
>>> A Pedagogia de Jesus de J. M. Price pela Juerp (1975)
>>> Os colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (2004)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/5/2002
Civilizado?
Juliano Maesano

+ de 3700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Quem aqui costuma jogar em seu computador, vai saber do que falo: da última versão da obra-prima de Sid Meier, Civilization III. Isso mesmo, muitos anos após a primeira versão do "joguinho" Civilization e de seus inúmeros clones como Warcraft, Settlers, Age of Empires e outros, temos em mãos a mais nova alegria queimada em CD que alguém poderia pedir a Deus...

Para jogar Civilization não é preciso ser nenhum nerd. Pode confiar em mim e jogar sem medo: se você não se pegar acordado, com o dia amanhecendo, aí, sim, você é anormal. Batata: não há ninguém que jogue "Civ" (para os íntimos) e não "vare a madruga" no processo. Parece até que o jogo é feito pra isso...

Eu explico: é que é tão viciante, e suas rodadas são tão demoradas, que você pode, com certeza, passar horas sentado no computador, quase sempre esperando a sua vez de jogar. E não pense que isso é chato, não... É de um suspense feroz! Sem esse componente não daria pra ir ao banheiro ou até à geladeira pegar aquela outra nova maravilhosa invenção (que veio atrasada): a Fanta Uva Light.

OK, OK, vou dar uma explicada geral para os leigos: o Civ é um jogo de estratégia que remonta à história dos povos desde a Idade da Pedra. Você escolhe sua "raça" entre várias como Americanos, Chineses, Japoneses, Russos, Franceses, Aztecas e começa seu império. Eu sempre escolho uma raça dessas, mas a renomeio inteira para "Brasileiros", claro. Também nomeio o líder de "Imperador Juliano Maesano" ou até de Lula ou Fernando Henrique Cardoso, dependendo do meu estado de espírito. Com certeza, algum maluco já deve ter jogado como "Osama Bin Laden"...

Ao criar a sua raça, você também pode fazer um mundo totalmente novo para jogar, escolhendo a característica da "Terra" que quiser: como mais ou menos ilhas, continentes, clima frio ou quente etc. Isso tudo influi no jogo, que é por demais complexo (e simples ao mesmo tempo, pra quem desejar...).

Depois de toda essa farra, você sai jogando, o que consiste em: criar cidades com seus exploradores, tomar outras cidades "na porrada" com seus exércitos (que começam com machadinhas e terminam com tanques, aviões e bombas atômicas, uns seis mil anos depois...), espionar inimigos, fazer alianças com outras raças, quebrar alianças covardemente, estabelecer rotas de comércio, tentar ser o Conselheiro Geral da ONU ou até criar uma base espacial, e uma espaçonave, para a sua civilização deixar o planeta que, a essa altura do jogo, deve estar sofrendo com o excesso de bombas atômicas... Não se engane, isso tudo, como eu disse antes, pode ser muito, muito divertido.

Não se iluda ao pensar que é muito simples. Em cada etapa você também lida com a ciência, para fazer descobrimentos como o ferro, a roda, a matemática, o vôo, a pólvora, a fissão nuclear etc. Só com esses "descobrimentos" é que você avança culturalmente (o que também vale muito) e pode criar novas unidades militares. Só com a roda é que se pode fazer uma carruagem de ataque (se você também tiver acesso a cavalos)... Só com a pólvora é que se pode fazer unidades munidas de mosquetões, para limpar a terra daqueles imundos e fracos inimigos (atrasados) que te enfrentam com lanças...

Essas descobertas também lhe proporcionam munir suas cidades com todo melhoramento, o que será crucial, como bancos, mercados, quartéis, muralhas, fábricas e centros de reciclagem, para combater a poluição que você causou anos antes (descobrindo, por exemplo, a usina a carvão)...

Pegou o espírito da coisa? Pra piorar, você também pode, com as descobertas e avanços, ser o criador de uma Maravilha do Mundo, uma construção única, da qual só a sua raça poderá usufruir, como as Pirâmides, os Jardins Suspensos, a Cura do Câncer e o Projeto Manhattan. São diversas Maravilhas dos "mundos" Antigo e Moderno...

E você ainda acha que dá para parar de jogar e dormir ou sair com seus amigos, logo quando você está a uma rodada de descobrir o conceito de Monarquia, por exemplo? Ou quando falta uma rodada para construir aquela tão sonhada Maravilha, que o ajudará a "virar" a sofrida guerra? Ou quando falta só uma cidade inimiga para acabar com, sei lá, os Franceses?

Então, esse é o problema: no Civ, cada rodada é assim, sempre faltam poucas coisas pra você manter sua esperança acesa de que agora sua civilização vai engrenar... E é aí que mora o perigo, afinal, a cada rodada você também sofre reveses, pois seus inimigos (e aliados) igualmente evoluem...

Sabe de outro sentimento muito importante no jogo? A vingança... Ah, como você sofre se for preciso, perdendo o sono e até horas de trabalho, só pra poder dar um "corretivo" na Grécia, por aquela quebra de "contrato" contra você... "Covardes, como podiam nos apunhalar pelas costas e virar a casaca bem na hora da guerra contra os Zulus? Eles não tardam por esperar, deixa só a minha civilização colocar a mão num submarino e um destróier... Eles vão ver!!!"

E ainda dizem que eu é que não sou civilizado...


Juliano Maesano
São Paulo, 2/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. A Puta, um romance bom prá cacete de Jardel Dias Cavalcanti
03. Como Passar Um Ano Sem Facebook de Dani Arrais
04. Educação divertida e diversão educativa de Carla Ceres
05. Quando a neve chega ao Sul de Celso A. Uequed Pitol


Mais Juliano Maesano
Mais Acessadas de Juliano Maesano em 2002
01. Trem Fantasma - 11/4/2002
02. Figurinhas - 25/4/2002
03. Utopia - 7/3/2002
04. Oscar 2002 - 21/3/2002
05. Civilizado? - 2/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2002
09h55min
Civilization é um jogo que faz parte das minhas intermináveis batalhas mentais entre a responsabilidade de estudar para uma prova, que se aproxima mais e mais, e a doce irresponsabilidade de passar horas a fio, com a bunda doendo ao cabo de uma madrugada, sentado em frente a uma tela de computador. E o prazer da vingança, como bem ressaltado, é tão forte, que me lembro até hoje das boas sovas que dei em franceses, romanos e persas - nesses últimos principalmente - após mais um acordo de cessar-fogo quebrado. Adeus, que tenho que ir para a aula...
[Leia outros Comentários de Homer]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Hotel Salusse Em Nova Friburgo
Sérgio Ioset Salusse Bittencourt Sampaio
Zmf (rj)
(1997)



Lunité Française - 2ª Edição
Régine Pernoud
Puf
(1949)



Aprender Matemáticas, Es Cosa de Juego
Juan Luis Hidalgo Guzmán
Pueblo Nuevo (méxico)
(2005)



Private Renaissance
Maria Bellonci (capa Dura)
William Morrow (nova Iorque)
(1989)



Panoramas de Educação: Contribuições À Formação de Professores
Vuilmar Malacarne, Adrian Alvarez e Outros
Crv (curitiba)
(2015)



O Treco
Artur Eduardo Souza
Gutenberg
(2008)



Viver Melhor: É Possível?
Rubens Azevedo
Helvetia
(2016)



Newinterchange Students Book 2a
Jack C. Richards, J. Hull e Susan Proctor
Cambridge
(1997)



Womens Devotional Guide to the Bible, The
Jean E. Syswerda
Thomas Nelson
(2006)



Bispo Sa: a Igreja Universal do Reino de Deus e o Exercício
Odemio Antonio Ferrari
Ave Maria
(2007)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês