Pré-Hefner, pré-Gugu, pré-Rufo | Jean Scharlau

busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mário Botas ou o Regresso de Narciso
>>> Pronétaires, unissez-vous!
>>> O mapa da África
>>> Tem café?
>>> Dois anos de Cinema Independente
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> O comércio
>>> Isto é para quando você vier
>>> A vez dos veteranos
>>> A morte e a morte de jorge amado
Mais Recentes
>>> Mengele- A historia completa do Anjo da Morte de Auschwitz - Biografia de Gerald L. Posner e John Ware pela Cultrix (2019)
>>> Poesia Que Transforma - Poesia de Braulio Bessa pela Sextante (2018)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (2007)
>>> Um Caso Perdido (hopeless) de Colleen Hoover pela Galera (2014)
>>> O Vale dos Anjos de Leandro Schulai pela Novo Seculo (2010)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini; Claudio Carina pela Globo Livros (2013)
>>> Maria de Rodrigo Alvarez pela Globo Antigo (2015)
>>> Aprendendo a Ser Pai Em Dez Lições de Valdir Reginato pela Paulinas (2004)
>>> Satori Em Paris de Jack Kerouac pela L&pm Editores (2010)
>>> James Bond in License Renewed de Ian Flemings pela New York (1987)
>>> Dia a Dia - Reflexoes (livro de Bolso) de Ricky Medeiros pela Mundo Maior (2011)
>>> Gotas de Animo para Descobrir as Coisas Simples da Vida de Margot Velez de Pava pela Paulinas (2004)
>>> Felicidade Em Poucas Palavras de Andrew Matthews pela Sextante (2008)
>>> Der Mann Mit Den Messern de Heinrich Böll pela Erzählungen
>>> Persuasão (pocket) de Jane Austen pela L&pm (2018)
>>> A Abadia de Northanger (pocket) de Jane Austen pela L&pm (2017)
>>> Razão e Sentimento (pocket) de Jane Austen pela L&pm (2017)
>>> Orgulho e Preconceito (pocket) de Jane Austen pela L&pm (2019)
>>> O Tripulante de Aeronaves e a Radiação Ionizante de Cmte. Amilton Camillo Ruas pela Bianch (2017)
>>> Précis de Thérapeutique et de Pharmacologie de A. Richaud pela Masson (1914)
>>> A Virgem Nossa Senhora de Federico Suárez pela Quadrante (2003)
>>> Hospital dos Médiuns de Carlos A. Baccelli pela Leepp (2007)
>>> O Lobo do Mar - Coleção Obra-prima de Cada Autor de Jack London pela Martin Claret
>>> Ghostgirl de Tonya Hurley pela Agir (2011)
>>> Mecanismos de Mediunidade de Chico Xavier pela Feb
COMENTÁRIOS

Sexta-feira, 11/7/2003
Comentários
Leitores


Pré-Hefner, pré-Gugu, pré-Rufo
Olha Julio, esta é uma charada barata: fácil de matar. Em 1946 não existia a Playboy, a Capricho, a Ele e Ela, a Contigo. Não existia a tv. No cinema passavam filmes para a família; Carlitos era ousado. As rádios tocavam marchinhas e sambas-canção, novelas moralistas (se é que já as havia) e noticiários sóbrios. Por um lado, lia-se mais livros. Por outro, havia carência extrema de qualquer informação bem definida e expressiva que tratasse da temática sexual e amorosa, ou a explorasse de um modo não sofisticado. Esta lacuna foi preenchida por Nelson Rodrigues, e seu texto conseguia, se não satisfazer, instigar e corresponder-se com as expectativas de homens e mulheres. Depois o tema sexual-amoroso-popular tornou-se um imenso e segmentado mercado. Que tal este tema para um ensaio?

[Sobre "Digestivo nº 139"]

por Jean Scharlau
11/7/2003 às
21h20 200.203.38.51
(+) Jean Scharlau no Digestivo...
 
A "lavagem" de Lulu Santos
Quer dizer então que o subproduto de Lulu Santos é arte? Achava que era mercadoria. Agradeço ao articulista pelo esclarecimento. P.S. Aos incautos, aviso que se trata de uma ironia.

[Sobre "Lulu Santos versus Faustão"]

por Fabio Cardoso
11/7/2003 às
08h43 200.186.151.97
(+) Fabio Cardoso no Digestivo...
 
Matrix é internet
Matrix é a linguagem da internet. Rica em possibilidades mas que nos induz a superficialidade. Fragmentado. Agradável aos olhos. Para saber mais é preciso clicar mais: seja no site, animatix ou em outro meio que ainda há de vir.

[Sobre "Matrix, Reloaded e Revolutions"]

por Patrícia Machado
9/7/2003 às
17h35 200.206.165.209
(+) Patrícia Machado no Digestivo...
 
Bem redigido
Bem redigido, o texto. Gostaria de mais informações sobre o próprio Cyrano. A citada obra é acessível?

[Sobre "Cyrano de Bergerac"]

por lério
9/7/2003 às
12h26 200.198.147.29
(+) lério no Digestivo...
 
Gostei muito
Muito informativo, bem escrito, claro e objetivo. Gostei muito.

[Sobre "O cinema mordaz de Billy Wilder"]

por Iara Sydenstricker
8/7/2003 às
16h01 200.187.7.193
(+) Iara Sydenstricker no Digestivo...
 
Que recém-chegado sabe sair?
Metade da população mundial viver na pobreza-miséria é horrível. Já metade da população mundial viver acima da linha de pobreza-miséria é ótimo. Isto quer dizer que está um por um. Se um do lado de cá alcançar a mão e içar um do lado de lá, a balança pende menos de um bilionésimo, agora se cada um do lado de cá estender a sua mão e içar apenas um do lado de lá, nós trazemos todo mundo, colocamos o barco no prumo. Não sou um conhecedor de história, mas parece-me que já estivemos várias vezes em situações bem mais desproporcionadas e para pior. Como aumentamos muito em número, ficaram mais evidentes a pobreza e a riqueza, salta mais aos olhos a disparidade e os problemas advindos daí. Não recomendo o conformismo, nem o pessimismo, sequer o realismo, ou o otimismo, todos causas de imobilismo, mas um pragmatismo positivo, para consigo e para com os outros, e que dentre esses outros esteja um dos outros aqueles, que afogam-se sob a linha da pobreza, a linha que demarca nosso medo, o medo de que ao estender a mão seremos puxados para baixo. Este medo não tem razão, porque quem se debate sob a linha d'água quer é ser guindado e não afundar outro. Quanto à pobreza e ao empobrecimento/embrutecimento cultural especificamente, sim é um fato, porém em grande medida por conta da imensa quantidade de informações disponíveis, o que tende a levar a uma impressão generalizada de banalização. Quando há super oferta o preço fica vil, joga-se a mercadoria fora, deixa-mo-la apodrecer, e quando tudo nos parece valer pouco ou nada, as próprias referências ficam prejudicadas, já não se fazendo muita distinção entre grama, litro, ou metro. O caos, ao perdurar, leva ao vazio, que leva à necessidade, que leva à busca, que volta a por preço no que é buscado. Uma vez, não há muito tempo, só tínhamos rádios AM e dois ou três canais de tv, não muito diferentes do que há hoje, e sobrevivemos. Depois vieram as FM, mais canais de tv e os vídeo-cassetes. Até hoje, com a tv por assinatura, o cd e o dvd, parece-me continuarmos quase na mesma. O que faz diferença é a internet, ainda pouco usada. O resto continua sendo, na quase totalidade, entretenimento e colonização. O i-reality show perfeito é o ser ibopapável olhando na tv seu brother, que em frente à sua big tv olha outro brother, que em frente à sua tv olha outro brother e assim por diante.

[Sobre "A pobreza cultural nossa de cada dia"]

por Jean Scharlau
7/7/2003 às
05h36 200.180.176.167
(+) Jean Scharlau no Digestivo...
 
Cuidado com o amor virtual
olha minha historia de amor virtual: no dia do 12/05/2002, conheci um homem q parecia maravilhoso, eu tinha acabado de sair de uma historia de 5 anos, ele foi um amor comigo, ate q depois começou a mostrar sua verdadeira face deu varios golpes em minha cidade e agora ninguem localiza ele. portanto quero pedir as pessoas q tomem cuidado com esta historia de amor virtual, peço q curem suas carências primeiro p/ depois acreditar nas historias q sao contadas nas salas de bate papo ou em sites de relacionamento. cuidado pessoal, o relacionamento tradicional ainda e o melhor, zele pelo seu bem estar afetivo. cuidado com os principes encatados virtuais, pois eles podem se tornar verdadeiros sapos...

[Sobre "A internet e o amor virtual"]

por luciene
6/7/2003 às
16h30 200.175.154.202
(+) luciene no Digestivo...
 
A Passarela do Preconceito
Ótima a crônica. Finalmente alguém fugiu do "politicamente correto". Os próprios GLS é que alimentam o preconceito. Aliás uma posição muito cômoda. Só assim podem obter ajuda do Estado e fazer uma cidade de passarela. Eles querem é flash!

[Sobre "Preconceito invertido"]

por Jean
6/7/2003 à
00h36 200.247.89.11
(+) Jean no Digestivo...
 
Por um outro Da Vinci
Ao que parece, este texto mostra nada mais óbvio, que Leonardo Da Vinci era antes de tudo um homem normal mais do que muitos, e também um grande artista. Seus inventos, loucuras, desenhos, obras inacabadas e outras citações, refletem a banalidade despretenciosa de qualquer pessoa dotada de uma certa dose de sabedoria e que é despertado para pensar,analisar, escrever, mostrar ou não. Enfim: - Jamais saberemos o que este artista pretenderia com seus feitos. O que nos interessa e sabemos sem suposições é que Da Vinci usou também seus dons durante toda a sua existência realizando preciosas obras de arte de talento tão grandioso, que todos os homens atuais, artistas, críticos, leigos, deveriam ter o direito de parar por alguns instantes e somente "apreciar" a beleza imensurável de cada obra sua. Talvez seríamos menos problemáticos, mais felizes, menos pobres e menos juízes das mentes alheias.O resto, não nos interessa mais. Passou, nunca ninguém saberá dizer o que Da Vinci pretendia com suas "loucuras". A beleza grandiosa que ficou impressa em suas obras, esta é que nos interessa. É infinita

[Sobre "Por um outro Da Vinci"]

por Ana Ascencio
5/7/2003 às
02h07 200.171.251.245
(+) Ana Ascencio no Digestivo...
 
Palhaçada
É verdade mesmo, Fabio. Eu nunca vi tanta gente malhar o Michael Moore como aqui no Brasil. Nosso povo não vale nada, mesmo... Concordo que o Moore pode não ser lá tudo isso, que tem o rabo preso ou que faz jogo de cena... Mas daí a só meter o pau no cara é demais! Se Moore fosse um francês, os brasileirinhos todos aplaudiriam seus discursos....

[Sobre "A Oposição Adestrada"]

por Juliano Maesano
4/7/2003 às
12h46 200.158.145.103
(+) Juliano Maesano no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Vida Positiva Em um Mundo Negativo
Neil Eskelin
Vida
(1981)



Novo Testamento
Edições Loyola
Loyola
(1979)



Conecte Matemática 1- Box Completo - 3 Livros
Gelson Iezzi e Outros
Saraiva
(2014)



Concreto Armado Eu Te Amo: para Arquitetos - 2ª Edição - Revista e ...
Manoel Henrique Campos Botelho
Blucher
(2011)



A Ditadura dos Cartéis: Anatomia de um Subdesenvolvimento
Kurt Rudolf Mirow
Civilização Brasileira
(1978)



Vocal Arts Medicine
Michael S Benninger
Thieme
(1994)



Como Se Preparar para a 2ªfase Exame de Ordem - Tributario -teoria e P
Pedro Barretto
Gen Metodo
(2014)



1602 Parte 2
Neil Gaiman e Outros
Marvel
(2004)



As Aventuras na Netoland Com Luccas Neto - 1ª Edição
Luccas Neto
Pixel
(2018)



Ética a Força do Cidadão
Sebastião Martins André Carvalho

(1999)





busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês