Todos viraremos suco | Carlos Alberto Dória

busca | avançada
63075 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 22/8/2005
Todos viraremos suco
Carlos Alberto Dória

+ de 5600 Acessos
+ 5 Comentário(s)

“O capital intelectual é a matéria-prima da qual são feitos os resultados financeiros” (Thomas Stewart)

Ganhar dinheiro na bolsa, converter os lucros no carro do ano, realizar viagens internacionais também todo ano – uma passagem obrigatória por Nova York ou conhecer lugares exóticos do Oriente –, comer ao menos uma vez nos restaurantes dos grandes chefs franceses da nouvelle cuisine, colecionar quadros de artistas emergentes, quiçá ouvir óperas no festival anual de Salzburg. Esta era a parte do ideal da vida dos “colarinhos brancos” que ganhavam dinheiro na década de 70 – os yuppies. Uma escada-rolante ascendente, que levava ao paraíso do consumo, seria a melhor metáfora para descrever sua percepção da vida naqueles anos já distantes do século passado.

Trinta anos depois, o personagem que está na posição daquele yuppie – o executivo de uma empresa transnacional – pinta em novas cores o seu mundo: “A dinâmica hoje do mercado é uma escada rolante que desce. É para a empresa dessa forma, em relação ao mercado, e para a pessoa com relação à empresa. É tudo uma cadeia”. Agora, já não é empregado, mas “associado” ou “colaborador” da transnacional. “Terceirizado”, como dizemos caboclamente. Tem lá o contrato entre a sua “pessoa jurídica” e a transnacional, mas o vínculo é tênue.

O executivo também fala sobre a própria família como uma “mini-empresa” e conclui, diante do risco permanente em que vive: “Eu assumo responsabilidades aqui, mas não consigo demitir minha mulher, demitir meu filho, e do outro lado o que a sociedade me oferece, o quê?”. Já se tornou normal – na publicidade sobre um curso ou uma palestra que pode ser sobre vinhos, filosofia antiga ou “buraco negro” e outras maravilhas da física – aparecer no lugar tradicional do preço ou custo, uma nova palavra: “investimento”.

Tenhamos presente que aquele executivo costuma fazer este tipo de curso. Mas estávamos acostumados a associar “investimento” ao capital, não ao consumo. Ninguém “investe” numa barra de chocolate, numa geladeira, num carro ou numa viagem ao deserto de Atacama. Mas consumir qualquer coisa considerada “cultura” ou “conhecimento” significa, hoje, fazer um “investimento”. Assim como conhecer as pessoas certas e os lugares certos.

Se o indivíduo se considera uma “empresa”, como se fosse uma unidade de capital, trata-se de um investimento em si próprio. Finalmente surgiu o “você S/A”. Fomos mesmo convertidos em unidades de capital, a julgar pela tese de doutorado que o sociólogo argentino Osvaldo Javier López-Ruiz acaba de defender, em que mostra o novo modo como os executivos se inserem no mundo do trabalho e como transformam as suas próprias vidas a partir dessa novidade.

Segundo ele, tudo começou no já distante ano de 1960, quando o economista Theodore Schultz, da Universidade de Chicago, escreveu um pequeno artigo, intitulado “Investimento em Capital Humano”, que produziu uma grande polêmica entre economistas. Quarenta anos depois, as idéias de Schultz acabaram se espraiando por toda a sociedade e resumem o que se pensa modernamente sobre o papel do trabalho no capitalismo ultramoderno.

O que Schultz queria entender era o porquê de sociedades afluentes, como os Estados Unidos, terem crescido muito além dos índices que normalmente expressam o crescimento (investimentos, dispêndios em salários etc.). Ele chegou à conclusão de que “os modelos de crescimento econômico que tratam as alterações na força de trabalho contando o número de operários”, as estruturas físicas, os equipamentos, as mercadorias, já não explicavam o essencial. É fundamental, dizia, considerar a heterogeneidade do trabalho, não mais tomado como uma “força” uniforme.

Schultz destruiu a noção clássica de “força de trabalho” e colocou em seu lugar as habilidades inatas ou adquiridas – habilidades que não contribuíam da mesma maneira para a “riqueza da nação”. Desapareceu, assim, a categoria “recursos humanos” das empresas.

O que parecia uma conversa enfadonha entre economistas era, na verdade, uma revolução na economia política desde os seus fundadores: o capital deixava de ser visto como homogêneo, e o trabalho, que era a categoria oposta, passava a ser considerado capital ou, mais precisamente, “capital humano”, que se materializa quando o capital “pega esse talento e consegue botá-lo na corporação”.

A revolução conceitual do “capital humano” demorou décadas para conquistar o mundo dos negócios, até que as teorias de administração, as empresas de consultoria, as revistas técnicas e tudo o que possa “fazer a cabeça” dos executivos se curvassem diante dela. Agora que ela se vulgarizou, a nova teoria faz com que os indivíduos se comportem como “capitalistas de si próprios” e, portanto, o consumo que signifique qualificação, diferenciação, sofisticação cultural, será considerado “investimento”. É um novo modo de se ver e de ser visto pelo mercado. A “mudança” permanente, o aperfeiçoamento pessoal, o elogio dessa atitude, virou o mantra do nosso tempo, conforme López-Ruiz. Em outras palavras, “você é o seu projeto”.

Mas não se trata apenas de uma mudança subjetiva. Este novo “ethos”, no qual o antigo trabalhador passa a se comportar como um átomo de “capital humano”, fundamenta uma nova cultura empresarial, uma nova forma de exploração do trabalho.

O primeiro grande passo foi a eliminação do “emprego”. Os antigos executivos foram transformados em “sócios” das grandes corporações. Como diz um capitalista, “os acionistas investem dinheiro em nossas empresas, os empregados investem tempo, energia e inteligência”. Junto com as participações nos ganhos do capital, foram socializados também os riscos da atividade capitalista. Eles já não ganham “altos salários”, mas parcelas do lucro quando este resulta da sua atividade. Às vezes – como nos Estados Unidos, no escândalo do caso Eron ou, na Itália, no caso Parmalat –, falsificam lucros para ganhar mais.

Entre os que trilham o trabalho honesto, vê-se uma corrida frenética para se qualificar sempre mais e mais. O que antes era acesso à educação se transformou em “capacitação” para o trabalho ultracompetitivo do dia-a-dia. A própria vida privada é administrada como se fosse uma “empresa” que se integra à corporação na busca do lucro. Ir a um concerto, conhecer novas pessoas, saber discorrer sobre vinhos: tudo faz parte do bom desempenho dessa “empresa” nova, que só é competitiva se apresenta uma alta dose de “capital humano”, isto é, conhecimentos e habilidades de “ganhadores”.

Um dia, tudo isso acaba. Jovens mais “competitivos” aparecem por todos os poros do mercado para deslocar os mais velhos. Mas o que se segue não é o “desemprego”, pois já não havia o “emprego”. É apenas uma sociedade entre capitais que se desfaz. E, aí, mediante uma série de tentativas e erros, o trabalhador das corporações busca inaugurar a sua “segunda carreira”.

A metáfora desta “segunda carreira” é o famoso caso do início dos anos 80 do século passado, quando um engenheiro desempregado abriu uma lanchonete na avenida Paulista, em São Paulo, e a batizou com a frase que resumia a sua vida: “O engenheiro que virou suco”, definindo assim um personagem que foi explorado pelo filme “O homem que virou suco”, de João Batista de Andrade. Mas, antes de “virar suco”, o trabalhador tentará virar consultor, escrever livros, enfim, fazer “render” aquelas suas velhas habilidades que o mercado acabou de lhe dizer que já não valem nada. Como “terceirizado”, tem uma empresa que é contratada para serviços específicos. É remunerado pelo “tempo total” trabalhado e só por ele, sem qualquer um dos velhos custos trabalhistas (previdência, seguro saúde, vale-refeição etc.).

O estudo de Osvaldo Javier López-Ruiz não nos diz quantos viraram ou virarão suco, mas sim como se vira suco. É um estudo qualitativo. E mostra que o executivo não vira suco no espremedor de laranjas do designer Philippe Starck que ele geralmente tem na sua cozinha muito bem equipada. A coisa é bem mais cruel, como na imagem da escada rolante que desce, e o sujeito que, em sentido contrário, se esforça para não sair do lugar.

A metáfora revela uma classe média que, antes, fazia a sua poupança e se educava para garantir a ascensão social, mas que hoje transformou a “poupança” em consumo (“investimento em si”), que reduziu a educação à capacitação para competir e que, no lugar da mobilidade social ascendente, luta para não decair. Na medida em que esse segmento é “formador de opinião”, esse modo de pensar passa a ser o “ethos” de toda a sociedade. Mondo cane, mondovino, mundo cruel, é tudo uma coisa só.

Um mundo onde o produto é a pessoa e o mercado, a vida, onde o curriculum vitae não é mais uma história, mas uma peça de marketing que resume as habilidades utilizáveis (“Você tem um produto para vender, e esse produto é você mesmo”, diz um dos entrevistados por López-Ruiz).

E o autor mostra que o novo “ethos” não se limita a mais uma “teoria da administração” – como tantas outras que se sucedem entre executivos, definindo o perfil do “executivão” de multinacionais, fundamentando a “reengenharia” dos processos de trabalho, a “desintermediação” ou outras panacéias da administração do capital. Ao contrário, com o fim do emprego, a dissolução do operariado, o fim do “chão de fábrica”, a própria categoria trabalho, como valor que o capital suga em troca de um “salário”, desapareceu.

O desaparecimento do trabalho enquanto tempo, ou força e energia aplicadas numa atividade seriada, governada por máquinas, equipamentos e rotinas, converteu o trabalhador numa parcela do próprio capital que se acumula em novos conhecimentos e capacidades. Esta é a base objetiva para que se desenvolvam novas formas de relações sociais, resumidas no “ethos do executivo das transnacionais”.

Se o “trabalhador” era antes o fruto de uma série de lutas históricas, uma categoria concreta da sociedade que resumia um feixe de direitos garantidos pelo Estado e vigiados pelos sindicatos, agora já não é mais esta coisa jurídica, resumindo-se à atividade no mercado. O indivíduo é o empreendedor de si mesmo, o seu próprio capital, e não alguém que realizava uma troca de tempo de trabalho por salário numa condição jurídica “trabalhista”. Suas ações passam a ser pensadas isoladamente em termos de custo/benefício, isto é, segundo a sua racionalidade interna, e não mais como um processo que se desdobra no tempo.

O seu salário, que antes era o preço da sua força de trabalho obtido pelo enfrentamento entre trabalhadores assemelhados, agora assume a forma de uma “renda”, rendimento do seu “capital humano”. Ao agir como uma “empresa”, o trabalhador passa a ser o encapsulamento da subjetividade do capital. Sua “alma” é a alma do capital. Ele levou a si próprio para o coração da empresa ou, nas palavras de um executivo, “os acionistas põem a grana; eu ponho miolos”, e toda a sua subjetividade será moldada a partir do novo enquadramento.

Novas categorias de análise deste admirável mundo vão povoando os textos de economistas e executivos de organismos multilaterais, como o Banco Mundial e a OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico). Em suas mãos, o “capital humano” de Schultz vai se refinando e se convertendo em “capital intelectual” (o ativo da empresa, a maior parte do seu valor real), ou “capital social” e, ainda, “capital territorial” – diferenças sutis que têm em comum o fato de transformar algo intangível em fator de acumulação, seja a sua unidade uma pessoa, uma cultura ou um conjunto de recursos institucionais referidos a um território.

Nessas suas metamorfoses se descortina uma sociedade onde o capital pode se apropriar de todos os conhecimentos como forma de valorizar a si próprio, deixando claro que ele é uma relação social, não coisas palpáveis. Em outras palavras, agora a ciência, a técnica e a “cultura” são tomadas como forças produtivas, e este conhecimento útil em nova embalagem se revela quando é possível conectar pessoas, alavancando o que elas sabem para gerar ganhos no mercado.

Com base nessa nova realidade de mercado dá-se o espetáculo de crescimento econômico, de costas para o Estado e para o espaço público, cujos desdobramentos muita gente, dentro e fora das academias, quebra a cabeça para entender – como nesse trabalho iluminado de Osvaldo Javier López-Ruiz.

Por enquanto, apenas uma certeza: no médio prazo todos viraremos suco.

Nota do Editor
Carlos Alberto Dória é sociólogo e ensaísta, autor, entre outros livros, de Ensaios Enveredados, Bordado da Fama e o recém-lançado Os Federais da Cultura. Este artigo foi publicado originalmente na revista eletrônica Trópico, do UOL, e reproduzido aqui com sua autorização.


Carlos Alberto Dória
São Paulo, 22/8/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Legado para minha filha de Eugenia Zerbini
02. Arquiteto de massas sonoras de Luís Antônio Giron


Mais Carlos Alberto Dória
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/8/2005
08h35min
Olá, Carlos, não sei se interpretei mal seu texto, mas tive a impressão que critica essa nova maneira de encarar o mundo, onde quase tudo é um "investimento". Penso que há maneiras distintas de avaliar isso. Uma viagem para o deserto do Atacama é um investimento, e por que não? Lá você pode meditar, filosofar, criar. Óbvio tem um custo, mas seria melhor fazer uma aplicação financeira para 4 anos depois comprar um carro? Será mesmo que hoje nossa alma é a alma do capital? Se isso fosse verdade o homem atual apenas poparia, pouparia e pouparia. Acho que pelo ao contrário, muitos encaram a vida de uma forma diferente, onde o que importa é a busca da felicidade, da realização pessoal, do enriquecimento da formação. Está claro que o velho capitalismo está mudando de cara. Qual é a verdadeira importância de um currículo hoje? Será que as atititudes não valem mais? Sobre dar as costas ao Estado, concordo em parte, mas está claro que ele não deve ter o peso que teve em seus bons tempos, até porque os tempos são outros. Na verdade precisamos apenas fazer com que o Estado trabalhe adequademente, fiscaliza'-lo e seguir nossas vidas, empreendendo, e "investindo" em nós, em nossa família e em nossa sociedade. Sobre a "segunda carreira", a vida é feita de desafios, é dinâmica. Vejo essa "segunda carreira" como algo muito digno que pode inclusive transformar a vida de uma e mais famílias para muito melhor. Espero realmente que, pelo menos, alguns virem suco.
[Leia outros Comentários de Ricardo Cabral Jahne]
25/8/2005
10h55min
Nao acho que todos estejamos virando suco. É justamente o contrário. A independência, que de um lado pode ser escravizante, permite que cada um escolha se quer virar suco. Num lugar onde o capital está amadurecido, como os Estados Unidos hoje, as pessoas podem escolher o padrão de vida que desejam, e a partir daí estabelecer o tipo de trabalho que irão realizar, e tudo mais. Obviamente, do ponto de vista da regulamentação do estado para o trabalhador, o novo "capital" não é apropriadamente regulado. Por outro lado, nunca houve tanta transferência de riqueza dentro dos EUA, das classes mais ricas para a classe média. Nos últimos anos observamos uma reversão nesta tendência, mais pela incipiente política econômica do governo atual, do que por mudanças estruturais. Quanto aos direitos sindicais do trabalhador, os sindicatos já vem se tornando máquinas de poder político, e, se por um lado, são fundamentais para o direito do trabalhador, por outro, podem atrapalhar sua vida. Um exemplo: até hoje existem recolhedores que trabalham em postos de pedágio, com seus direitos garantidos pelo sindicato. Obviamente esta é uma profissão que não abre oportunidades para o trabalhador envolvido ali, e ainda cria um ciclo vicioso, onde pessoas sem campo se vêem cada vez mais 'a mercê do sindicato. Este sindicato é poderoso, e determinante na eleição dos prefeitos de cidades pequenas. Talvez, agora, o papel do estado, como provedor de saúde e educação, esteja se tornando mais claro. E financeiramente necessário, pipocando aqui e ali entre empresários onerados por ter que oferecer o benefício de saúde (não é mandatório segundo a lei americana). Acho que a grande graça do mundo moderno é esta: ao homem cada vez mais se dá a liberdade de escolher. De fugir de estigmas. E cada vez menos ele faz isso. Se prende 'a grande máquina, e depois se sente vitimizado por ela. Quando é justamente o contrário. Hoje, por ser estudante, vivo com 1/10 do meu salário de ontem. E vivo. Posso ganhar mais, posso viver em outros lugares, posso ser consultor trabalhando de casa das 9 'as 3 da tarde, existem muitas opções. Obviamente, a vida não será a proposta por Hollywood. Quanto ao Brasil, o problema é justamente a falta de direção capitalista. O Brasil não é afeito a lucros, a pessoas ganhando e perdendo. É afeito 'a manutenção do status-quo, que é uma espécie de socialismo trabalhista 'as avessas. Minha alma não é o "capital". Talvez hoje, pela primeira vez, minha alma possa ser livre...
[Leia outros Comentários de Ram]
14/9/2005
00h15min
Caro Carlos, concordo com o seu texto e penso ter compreendido alguns dos seus apontamentos, o sujeito que está sendo produzido por essa sociedade de controle na qual vivemos, está a tal ponto enfeitiçado com essa pseudo liberdade oferecida pelas pseudo oportunidades que esqueceu que não é mais uma individualidade em vias de se constituir plenamente. Realmente essa postura de competição permanente só leva a um caminho do esquecimento de si, o homem é uma máquina, com certeza, porém é uma máquina dotada de potencialidades outras que não a de meramente produzir capital para outro e se produzir como capital de investimento. Será que esse executivo que visita o deserto de Atacama o faz por um caminho de investigação ou para constar no seu corpo(curriculum vitae) esses homens como você bem disse que estão preocupados em adquirir informações e não "Cultura", fazer um curso sobre Platão para conversar no Happy Hour sobre o mito da caverna... São os filisteus da cultura, mas nunca homens que pensam em cuidam de si, a estética que nossos contemporâneos conhecem são as do centro de estetica... Perfeito seu artigo, vou realmente rele-lo com atenção e buscar essas fontes, afinal preciso rumina-lo, lenta, lentamente. Um abraço, até mais... Danilo
[Leia outros Comentários de Danilo S. Cruz]
20/4/2006
00h32min
Olá... seu texto, que somente agora tive a oportunidade de ler, me fez viajar num tempo bem recente onde vivi, muito de perto, "este suco" ao qual se refere. Além de não bastar a extrema superficialidade com que o trabalho vem sendo encarado nas últimas 3 décadas, a questão da idade, aliada à falta de respeito e compromisso das firmas empregadoras, faz, de todos nós, pessoas deterioradas e perdidas, neste imenso universo de conceitos, padrões e idéias abarrotadas de ranso e perfis americanizados... O suco virou alimento... pois, se não for alimento, morremos de fome, frio de alma e amargura... é isso que somos... a geração da armagura... Beijo no coração, Rose
[Leia outros Comentários de Rose]
13/4/2008
02h08min
Boa reflexão. Como sou empreendedor apaixonado, vou tentar resumir: a relação entre trabalho-capital-estado está muito melhor. Liberdade é sempre bem-vinda e aí está o grande lance: pode-se hoje montar um negócio próprio com uma facilidade maior que décadas atrás; ser autônomo ou assalariado, até porque a busca por mão-de-obra qualificada está muito maior que antes. Parece ser mais um problema de qualificação, educação que qualquer outro. Hoje as oportunidades são imensas, existem profissões para todos os gostos, empresas contratam antropólogos, sociólogos, artistas... Sempre há o que melhorar, e temos obrigação disso. Mas poder escolher trabalhar muito, ser obcecado por uma atividade, poder optar por ganhar dinheiro, tempo ou qualquer outro desejo que possuímos é dar liberdade de escolha sem imposição de valores. Hoje, pode-se vender água de coco na praia dormindo na rede ou trabalhar 18 hs por dia para criar a maior rede de lojas do mundo. É só escolher!
[Leia outros Comentários de Sérgio Venuto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVOLUÇÃO DE GUTENBERG, A
JOHN MAN
EDIOURO
(2004)
R$ 20,00



UMA NOVA MANEIRA DE PENSAR
ARNALDO NISKIER
CONSULTOR
(1997)
R$ 7,00



POSITIVE MAGIC: OCCULT SELF-HELP
MARION WEINSTEIN
EARTH MAGIC PRODUCTIONS
(1994)
R$ 50,28



ILLUSTRATED ENGLISH SOCIAL HISTORY VOL 1
G M TREVELYAN (CAPA DURA)
LONGMANS
(1954)
R$ 19,82



TIME DOS SONHOS - PAIXÃO, POESIA E FUTEBOL
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2010)
R$ 10,00



TEOLOGIA ABERTA PARA O LEIGO ADULTO 2 GRAÇA E CONDIÇÃO HUMANA
JUAN LUIS SEGUNDO
EDIÇÕES LOYOLA
(1987)
R$ 40,00



IRINEU MARINHO - IMPRENSA E CIDADE
MARIA ALICE REZENDE DE CARVALHO
GLOBO
(2012)
R$ 21,00



O GRANDE LIVRO
NÃO CONSTA DAS PRINCESAS
CIRANDA CULTURAL
(2010)
R$ 33,49



CINCO MINUTOS E A VIUVINHA
JOSE DE ALENCAR
W BUCH
R$ 6,90



ANKITO - MINHA VIDA... MEUS HUMORES
DENISE CASAIS LIMA PINTO
FUNART
(2008)
R$ 18,00





busca | avançada
63075 visitas/dia
1,8 milhão/mês