Os mandarins musicais | Luís Antônio Giron

busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 5/9/2005
Os mandarins musicais
Luís Antônio Giron

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A dimensão de alguns nomes famosos se extravia com o atropelar do espírito do tempo. Se Mário de Andrade virou uma tarja glamourosa do modernismo brasileiro, Bartók é um rato meio vilão no desenho animado Anastásia. O livro Os Mandarins Milagrosos - Arte e Etnografia em Mário de Andrade e Béla Bartók, da antropóloga mineira Elizabeth Travassos, recupera para o leitor a força da identidade desses dois artistas e musicólogos que tiveram algo em comum, apesar de nunca terem se conhecido.

Paralelamente a suas atividades criativas, o escritor paulista Mário de Andrade (1893-1945) e o compositor húngaro Béla Bartók (1881-1945) atuaram como folcloristas musicais. Colecionaram canções populares num momento em que a etnomusicologia ainda se formava. Cada um desbravou um campo sonoro e poético do passado remoto com o objetivo de reinventar a própria cultura. A comparação parece excêntrica, mas rendeu um ensaio rigoroso sobre o modo de ação dos intelectuais modernistas preocupados na identidade daquilo que se convencionou chamar de "povo".

No balanço das duas aventuras intelectuais, Mário parece sair perdendo (embora Elizabeth não afirme isso) em densidade, mas ganhando em democracia. Suas pesquisas foram esparsas e bem menos ortodoxas do que as do músico húngaro. Ainda assim, entendeu a cultura musical de seu país como um domínio necessariamente multicultural, enquanto Bartók fincou pé no purismo tribal. A contribuição lateral de Elizabeth é dimensionar Mário de Andrade em escala humana e evitar o culto irracional à figura do polígrafo fecundo.

O livro é uma adaptação da tese em antropologia social defendida em 1996 na Universidade Federal do Rio de Janeiro e é uma pena que a versão não compreenda a bibliografia, que parece ter sido extensa, buscada em diversos pontos do planeta. Quem quiser ter acesso a ela, deverá buscar na tese original.

Professora de folclore e etnomusicologia da Uni-Rio, Elizabeth, de 42 anos, se especializou numa área aparentada àquela que seduziu a dupla de artistas: a pesquisa dos cantos xamanísticos dos índios Caiabi. Realizou pesquisa de campo entre 1981 e 1982 nesta tribo. Logo depois, coordenou a seção de Folclore e Cultura Popular da Funarte, onde trabalhou até 1996. Seu ensaio representa um avanço de análise sobre um tema muito estudado na cultura brasileira mais sob a forma de veneração bio-bibliográfica do que por comparação com fenômenos paralelos: a recolha de modinhas e música folclórica realizada por Mário de Andrade nos anos 20 no Norte e Nordeste do Brasil. Apesar de distante territorial e culturalmente, Bartók partiu de impulsos semelhantes e coligiu a música camponesa magiar primitiva num volume de 2.500 títulos desde o começo do século, em viagens que incluíram territórios vizinhos ao da Hungria, como Romênia e Bulgária. O livro é também a reconstituição da estética de ambos sem a presença de um dos males que assola o Brasil atualmente: a superpopulação de etnomusicólogos chatos, corporativistas e analfabetos em solfejo. Além do que ele ensina mais sobre o ideário de Bartók do que muita enciclopédia musical disponível no mercado.

A autora se vale do título de uma peça sinfônica do compositor húngaro, O Mandarim Miraculoso (estreada em Colônia em 1926) para intitular o livro. Mas a motivação é mais profunda. Para ela, tanto Mário como Bartók encarnou a função do mandarim, "capaz de operar maravilhas, olhar para a civilização como um estranho vindo de outro mundo, seduzi-la e ser por ela seduzido". Ambos se afetaram pelo "paradoxo do primitivismo", como diz a etnomusicóloga. O paradoxo é a busca do novo no velho, nas palavras de Mário. Em termos antropológicos, Elizabeth explica assim: "As qualidades presentes em certos grupos humanos e suas expressões culturais são aquelas cuja ausência é percebida em outros, cujo modo de vida foi marcado ela civilização, ao mesmo tempo, os atributos positivos dos primeiros podem ter validade para os últimos e devem ser recuperados". O primitivismo, acentua, é um dos pendores artísticos do Modernismo desde sua fase heróica e vanguardista. Mário e Bartók o assumem de maneira responsável, professando a crença do espírito do povo. Os dois queriam marcar a modernização das artes com base na cultura popular, embora o brasileiro professasse a variedade de uma nação em formação e o húngaro visse nos camponeses magiares o traço distintivo que definiria seu país.

Em um e outro acontece a contestação da supremacia cultural dos centros de civilização. Elizabeth lembra que o Modernismo empreendeu uma batalha contra as instituições acadêmicas. Não é surpreendente que um e outro tenham realizado pesquisas de campo longe do domínio universitário. Os trabalhos de coleta constituíram o alicerce para seus próprios projetos artísticos. Agiram a um só tempo como artistas conscientes e antropólogos intuitivos. "A parcela etnográfica dos seus trabalhos torna os dois especialmente interessantes para uma investigação das relações entre ideologia da arte e estudos de música popular", escreve.

Ela confessa ter mais intimidade com Mário, "modelo de probidade intelectual e do comprometimento com a sorte da cultura nacional" do que com Bartók, misantropo e crítico radical da "semicultura" e do domínio germânico sobre a vida húngara e da presença dos ciganos. De certa forma, Elizabeth compensa o desequilíbrio ao produzir extensos capítulos sobre os problemas políticos que afetaram a Hungria no princípio do Século passado, como o desmembramento territorial, a separação do império habsburgo e a presença dos ciganos. Já a conjuntura brasileira está implícita ao longo da argumentação. Se um dia vir a ser publicado na Hungria, o livro necessitará de uma revisão com capítulos extras sobre a conjuntura brasileira da época.

O livro se organiza em três partes e seis capítulos. A primeira parte trata do modernismo como oposição ao romantismo. São descritas as refregas teóricas de Mário e Bartók contra o virtuosismo, o sentimentalismo e a arte popularesca. A segunda parte enfoca a luta da dupla contra estas manifestações; Mário em relação à música de consumo que descaracterizava os ritmos locais, Bartók às orquestras ciganas.

Mário de Andrade tendia a considerar a modinha, por exemplo, mera música de salão, importante de ser conhecida, mas sem importância estética. Já Bartók atacava a música feita pelos ciganos porque não passava de um leva-e-traz que obliterava o estilo puramente magiar para divertimento da aristocracia rural da Hungria. Negava, assim, a idéia muito comum no final do Romantismo, divulgada pelo compositor húngaro Franz Liszt (1811-1886), segundo a qual a música das orquestras ciganas representaria como nenhuma outra a cultura popular húngara. O compositor considerava essas orquestras meras manifestações de bastardia artística de um povo nômade. A última parte do volume aborda os elementos de análise musical a partir do primitivismo e da mobilidade das tradições. Mário e Bartók queriam levar os cantos arcaicos dos sertões diretamente à sala de concerto, desprezando a música de massa.

A junção utópica entre o cantador popular e o artista erudito caracteriza os safáris sonoros de Mário e Bartók. Os dois ansiavam pela apreensão culta dessa música, ainda que a considerassem tematicamente inferior à criação erudita. A união seria fundada na crença em uma música natural, Urmusik, capaz de fornecer identidade a uma nação. "Eles eram indício de uma mudança cultural, no sentido mais amplo do termo, que alterava a visão global das artes e equivalia a uma nova fé religiosa", afirma Elizabeth. "Os dois autores explicitaram que a compreensão dos valores da canção popular era como uma crença religiosa: a força capaz de mudar o pouso das montanhas, segundo Mário, e a nova Weltanschaung de que falava Bartók".

Enquanto os etnólogos e antropólogos perseguiam na mesma época o pensamento selvagem, a dupla de exploradores ouvia alta elaboração artística no campesinato. Talvez fosse uma maneira de encontrar a si próprios no espelho da suposta natureza essencial do homem arcaico. Os mandarins também são figuras que detêm um certo saber que não é partilhado com o povo. Não surpreende que Mário e Bartók tenham adotado o socialismo e, sobretudo o primeiro, visto na arte um instrumento para o aperfeiçoamento da sociedade.

De acordo com Elizabeth, no final das contas, Mário adotou uma visão antropológica mais universal do que Bartók, apesar de nunca ter saído do país (exceto uma rápida incursão ao Peru). O viajado e mais preparado musicalmente Bartók "defendia os modos de vida enraizados e as comunidades tradicionais" e adotado os ciganos como bêtes noires. Pela leitura do ensaio, fica evidente que os dois produziram conhecimento científico a partir de critérios artísticos e intuitivos e da falta de vínculo universitário. Apesar de enormes diferenças ideológicas, os dois interpretaram o papel do aventureiro intelectual que, quanto mais se distancia do centro produtor da norma culta, mais aprofunda a convicção de que a arte primitiva deve ser cultivada e traduzida por arcanos maiores. As expedições de Mário e Bartók parecem utópicas demais em um mundo globalizado que não só perde o patrimônio natural e cultural das comunidades primitivas como sobretudo reduz o intelectual a personagem de desenho animado. Hoje, o paradoxo do primitivismo deu lugar ao da banalidade. É preciso encontrar elementos mais mesquinhos nos altos cérebros, para rebaixá-los à escatologia.

O livro de Elizabeth Travasso traz um antídoto à frivolidade.

Para ir além






Luís Antônio Giron
São Paulo, 5/9/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Só é louco quem não é de Claudia Lage
02. Crítica literária ainda existe? de José Castello
03. Pierre Seghers: uma exposição de Manoel de Andrade
04. Allen Stewart Konigsberg de André Forastieri
05. Leonard Cohen de Mariana Ianelli


Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003
03. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
04. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002
05. A blague do blog - 11/8/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/9/2005
05h45min
Agora já tenho mais um título para procurar nas livrarias!
[Leia outros Comentários de Carla]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PROFISSIONAUTA
SIMON FRANCO
FUTURA
(2001)
R$ 10,00



TARSILA DO AMARAL - COLEÇÃO FOLHA GRANDES PINTORES BRASILEIROS VOL. 3
FOLHA DE S. PAULO
FOLHA DE S.PAULO
(2013)
R$ 35,00



NOVO MANUAL NOVA CULTURAL - BIOLOGIA
HÉLVIO N. MOISÉS E THAIS H. F. SANTOS
NOVA CULTURA
(1993)
R$ 10,00



HOMEM - ARANHA Nº 17
ROBERT CIVITA
ABRIL
(2001)
R$ 30,00



DEFESA DO CONSUMIDOR
IRACEMA A. VALVERDE, CARLOS SAMPAIO, CLAUDIO
ADCOAS; ESPLANADA
(2001)
R$ 41,28



PSICOLOGIA DA GRAVIDEZ: PARTO E PUERPÉRIO 17ª ED
MARIA TEREZA MALDONADO
SARAIVA
(2005)
R$ 29,00



INFÂNCIA E CULTURA DIGITAL - DIÁLOGO COM GERAÇÕES
JACKSON BENTES
APPRIS
(2016)
R$ 27,00



O DIÁRIO DE ANNE FRANK - 75ª EDIÇÃO ( EDIÇÃO DEFINITIVA / EDIÇÃO INTEGRAL)
OTTO H. FRANK & MIRJAM PRESSLER
RECORD
(2015)
R$ 44,95



AI, QUE ABSURDO!
NARCIZA TAMBORINDEGUY
MATRIX
(2010)
R$ 34,00



DESIGN FOR SAFETY
DAVID B. THURSTON
MCGRAW-HILL
(1980)
R$ 30,00





busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês