A estética de um romântico | Pedro Maciel

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
Mais Recentes
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
ENSAIOS

Segunda-feira, 17/10/2005
A estética de um romântico
Pedro Maciel

+ de 7300 Acessos

Quadros Parisienses, de Dolf Oehler (Companhia das Letras, 1997, 318 págs.), é uma investigação sobre a política embutida nos escritos de Charles Baudelaire (1821-1867) e artistas antiburgueses mais importantes do romantismo, como Heine, Daumier, Flaubert e Courbet. Oehler, filósofo e crítico, discípulo de Adorno, expõe as relações entre arte, literatura e burguesia no período de 1830 a 1837. Por meio de citações, o autor analisa e propõe uma nova leitura da chamada vanguarda artística e literária num contexto histórico que inclui a luta de classes na França entre a Revolução de Julho e a Comuna de Paris. Segundo Roberto Schwarz, na apresentação dos Quadros Parisienses, "o leitor verá que humor satânico, tédio, dandismo, flâneur e demais heroísmos da vida moderna trocam de feição e não ficam menos interessantes – muito pelo contrário – quando repostos em seu contexto de luta de classes."

Os românticos através do culto ao belo vão se afirmar contra a emergente burguesia. Sartre anotou em 1947 que "reconhece-se o burguês por negar a existência de classes sociais e especialmente da burguesia". O termo L'art pour l'art é a síntese antiburguesa dos românticos. A burguesia não acreditava que os apóstolos do Belo pudessem causar-lhes algum mal. Proibiram e censuraram apenas os representantes autênticos da estética antiburguesa. Baudelaire foi um dos mais perseguidos e não mais encontrou editor depois da falência do único que aceitou publicar As Flores do Mal. Em 1857, o editor e o autor se envolveram num processo judicial por ultraje à moralidade. O poeta foi ainda obrigado a retirar do volume seis poemas. A proibição só foi anulada em 1949.

Charles Baudelaire foi "um agente secreto – um agente da insatisfação de sua classe com sua própria dominação", escreveu o filósofo Walter Benjamin, que também reconhece a linguagem do poeta movida com uma certa "ira necessária para reduzir incessantemente a ruínas as construções harmoniosas do mundo... A marca do heroísmo de Baudelaire foi viver no coração da irrealidade, das aparências. Segue-se daí que o poeta, na verdade, não conheceu a nostalgia...". Baudelaire não é entendido por seus contemporâneos e os críticos burgueses criam o "mito Baudelaire" como um "dândi elitista". Escritores vanguardistas, como Bretch, Sartre ou Aragon também incorreram no mesmo erro.

Para Sartre, Baudelaire seria incapaz de enxergar a burguesia histórica porque teria optado pela arte absoluta, pelo o irreal e pela conscience de survol (consciência de sobrevôo). Sartre julga Baudelaire e Flaubert apenas como escritores apolíticos. Paul Valéry, um de seus sucessores, tem a mesma opinião de Sartre quando afirma que As Flores do Mal contém poemas históricos ou lendas, "nada que repouse sobre uma narração. Não se vêem tiradas filosóficas. A política não aparece...". A dedicatória Au Lecteur do livro As Flores do Mal é uma ironia às atrocidades de junho: " Se o estupro, o veneno, o punhal, o incêndio/ Não bordaram ainda com seus desenhos finos/ A tela banal de nossos míseros destinos/ É que nossa alma, ai, não é ousada o bastante." Não foi à toa que Baudelaire lutou ao lado dos insurretos em junho de 1848.

O poeta ironiza a burguesia que teria revogado, depois de junho, seu próprio decreto contra a pena de morte para os crimes políticos de 1848; "Ele sonha com cadafalsos enquanto fuma seu narguilé". A lírica moderna de Baudelaire é um retrato amargo da situação desolada do mundo e revela a face do ódio aristocrático aos reis e à burguesia. As relações capitalistas e burguesas que sempre exploraram sem piedade a inteligência e o trabalho fazem Baudelaire ansiar pela revolução e pelo triunfo das classes oprimidas.

O estilo de Baudelaire não produziu "doces", mas "remédios amargos e verdades cáusticas". No livro Assommons les pauvres!, há um trecho que é um bom exemplo de poesia social: "Ao entrar numa taberna, um mendigo me estendeu seu chapéu com um desses olhares inesquecíveis que derrubariam os tronos se o espírito fosse capaz de mover a matéria, e se o olho de um magnetizador fizesse amadurecer as uvas."

As Flores do Mal e O Spleen de Paris - Pequenos Poemas em Prosa (1869), reunião de textos publicados em periódicos de 1853 a 1865, de Baudelaire, são os arquétipos da sátira ao burguês, como as caricaturas de Daumier, que emprestava à vítima odiada os traços do rei burguês, sempre reconhecível pela cabeça em forma de pêra. A este tipo de arte e literatura, comentou Engels sobre Balzac, de que seria possível aprender muito mais sobre a história da França no período de 1815 a 1848 do que com todos os historiadores burgueses e pequeno-burgueses da época.

Discípulo de Poe deu origem à poesia de autores como Rimbaud

Baudelaire anota em seu projeto de prefácio de As Flores do Mal: "Poetas ilustres dividiram entre si, durante muito tempo, as províncias mais floridas do campo poético etc. Farei portanto algo diferente..." A poesia de Baudelaire deu origem a grandes poetas. Segundo Paul Valéry, Rimbaud e Verlaine continuaram Baudelaire na ordem do sentimento e da sensação, enquanto Mallarmé prolongou-o no campo da perfeição e da pureza poética.

Os preceitos de Edgar Allan Poe sobre poesia influenciaram profundamente as idéias e a arte de Baudelaire. As Flores do Mal e O Spleen de Paris resgatam dos poemas de Poe "o sentimento e a substância". Alguns poemas de Baudelaire contêm versos que são a transposição exata dos versos do poeta anglo-saxão. Os ensaios O Princípio Poético (The Poetic Principle), de Poe, foram traduzidos por Baudelaire e não só o conteúdo o influenciou, mas a forma, que ele considerava como se tivesse sido criada para ele.

A produção poética de Baudelaire foi forjada a partir das experiências vividas. O Spleen de Paris, poemas em prosa, revelam essas experiências e graças ao recurso da prosa poética, que a próxima geração (os simbolistas), redescobre o verso branco com o grande triunfo do movimento. Na dedicatória da coletânea ao redator-chefe do La Presse, Arsène Houssaye, ele revela os motivos dessa experiência: "Quem de nós não sonhou, em dias de ambição, com o milagre de uma prosa poética, musical, sem ritmo nem rima, suficientemente flexível e nervosa para saber adaptar-se aos movimentos líricos da alma, às ondulações do sonho, aos sobressaltos da consciência? Este ideal nasce, sobretudo, da fermentação das grandes cidades, do crescimento da malha e suas inúmeras relações entrelaçadas".

O clássico, diz Jorge Luis Borges, "não é um livro que possui necessariamente tais ou quais méritos; é um livro que as gerações dos homens, urgidos por razões diversas, lêem com prévio fervor e com uma misteriosa lealdade". O Spleen de Paris, de Baudelaire, é um desses livros que merecem ser relidos porque nos ensina algo que não sabíamos.

Para ir além






Pedro Maciel
Belo Horizonte, 17/10/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um kadish para Tony Judt de Sérgio Augusto
02. Morreu Vinicius de Moraes de Affonso Romano de Sant'Anna
03. Global Cities, na Tate Modern de Paula Góes
04. S.O.S. literatura no Brasil de A.P. Quartim de Moraes
05. 20 anos do Dois de Alexandre Matias


Mais Pedro Maciel
Mais Acessados de Pedro Maciel
01. Italo Calvino: descobridor do fantástico no real - 8/9/2003
02. A arte como destino do ser - 20/5/2002
03. Antônio Cícero: música e poesia - 9/2/2004
04. Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa - 14/7/2003
05. Nadja, o romance onírico surreal - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




"ITABIRA É APENAS UMA FOTOGRAFIA NA PAREDE. MAS COMO DÓI!"
FERNANDA DE SOUZA BRAGA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 258,00



ENTRE O CÉU E O INFERNO
JULIO IGLESIAS
RECORD
(1981)
R$ 4,05



HIDROMEL
JOÃO PAULO NIEMES, MARCOS R. DA ROSA UND MARIA L. FELSNER
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



NEOLEITORES-O CORTIÇO
ALUÍSIO AZEVEDO
L E PM
(2007)
R$ 13,50



COMPREENSÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL
LENIR ANTONIO HANNECKER
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 363,00



ELETRÔNICA INDUSTRIAL: CIRCUITOS E APLICAÇÕES
GIANFRANCO FIGINI
HEMUS
R$ 140,00



MACUNAÍMA-LIVROS
MÁRIO DE ANDRADE
CLÁSSICOS DA LITERATURA
(2016)
R$ 10,00



SEGREDOS DE AMOR
DANIELLE STEEL
CÍRCULO DO LIVRO
(1998)
R$ 13,90



RIO DE JANEIRO - COLEÇÃO 7 DIAS
PAULA BASSO JÚNIOR
EUROPA
(2009)
R$ 7,49



CAMINHOS DO ESPÍRITO DUAS VIDAS, UM PROJETO MISSIONÁRIO
AGOSTINHO TAVARES
EDITORIAL A O
(1997)
R$ 21,77





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês