A estética de um romântico | Pedro Maciel

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nuvem Negra*
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
Mais Recentes
>>> Princípios de Finanças Corporativas de Brealey/ Myers/ Allen pela Mcgraw - Hill/ Bookman (2018)
>>> Livro - O Divino Jogo do Ser - Uma nova visão para o despertar espiritual de Roberto Saul pela Alaúde (2005)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Circulo do Livro
>>> Todo Mundo Tem um Anjo da Guarda de Pedro Siqueira pela Sextante (2016)
>>> Livro - A Literatura Inglesa de Anthony Burgess pela Ática (1999)
>>> Cidade dos Ossos 1 de Cassandra Clare pela Galera Record (2014)
>>> Livro - As Valkírias - Coleção Paulo Coelho de Paulo Coelho pela Rocco (1992)
>>> Brasil/ Brazil - Lugares e Histórias/ Places and History de Beppe Ceccato pela Manole (1995)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro de Robert L. Wolke pela Jorge Zahar (2003)
>>> Cidade de Vidro 3 de Cassandra Clare pela Galera Record (2011)
>>> A Menina Que Descobriu o Brasil (6ª Edição) de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (1999)
>>> Clínica do Social de Célio Garcia pela Projeto
>>> Livro - O Crisântemo e a Espada de Ruth Benedict pela Perspectiva (1972)
>>> Processo de Execução e Cautelar de Marcus Vinícius Rios Gonçalves pela Saraiva (2005)
>>> O Silêncio Que Eu Perdi de Roque Schneider pela Paulinas (1981)
>>> As Irmãs Penderwick de Jeanne Birdsall pela Pavio (2009)
>>> Convite para um Homicídio de Agatha Christie pela Record (1950)
>>> Imagens da arte brasileira de Cecília Jucá de Hollanda pela Fundação Cesgranrio (2005)
>>> À Imagem e Semelhança de Deus: uma Analogia Entre o Corpo Humano E... de Philip Yancey e Outros pela Vida (2003)
>>> Livro - O Orgulho de Hannah de Janet Dailey pela Record (1987)
>>> Ventilação Pulmonar Mecânica Em Neonatologia e Pediatria de Werther B. de Carvalho e Outros pela Lovise
>>> Cidade das Cinzas 2 de Cassandra Clare pela Galera Record (2017)
>>> Identificação dos Mortos? uma Sensacional Polêmica de Oscar González- Quevedo pela Loyola (2001)
>>> Livro - Minha Vida Com Boris - Coleção Folha - Mulheres na Literatura #20 de Thays Martinez pela Folha de São Paulo (2017)
>>> O Azulejo em Portugal no século XX de Edições Inapa pela Inapa (2000)
ENSAIOS

Segunda-feira, 17/10/2005
A estética de um romântico
Pedro Maciel

+ de 8000 Acessos

Quadros Parisienses, de Dolf Oehler (Companhia das Letras, 1997, 318 págs.), é uma investigação sobre a política embutida nos escritos de Charles Baudelaire (1821-1867) e artistas antiburgueses mais importantes do romantismo, como Heine, Daumier, Flaubert e Courbet. Oehler, filósofo e crítico, discípulo de Adorno, expõe as relações entre arte, literatura e burguesia no período de 1830 a 1837. Por meio de citações, o autor analisa e propõe uma nova leitura da chamada vanguarda artística e literária num contexto histórico que inclui a luta de classes na França entre a Revolução de Julho e a Comuna de Paris. Segundo Roberto Schwarz, na apresentação dos Quadros Parisienses, "o leitor verá que humor satânico, tédio, dandismo, flâneur e demais heroísmos da vida moderna trocam de feição e não ficam menos interessantes – muito pelo contrário – quando repostos em seu contexto de luta de classes."

Os românticos através do culto ao belo vão se afirmar contra a emergente burguesia. Sartre anotou em 1947 que "reconhece-se o burguês por negar a existência de classes sociais e especialmente da burguesia". O termo L'art pour l'art é a síntese antiburguesa dos românticos. A burguesia não acreditava que os apóstolos do Belo pudessem causar-lhes algum mal. Proibiram e censuraram apenas os representantes autênticos da estética antiburguesa. Baudelaire foi um dos mais perseguidos e não mais encontrou editor depois da falência do único que aceitou publicar As Flores do Mal. Em 1857, o editor e o autor se envolveram num processo judicial por ultraje à moralidade. O poeta foi ainda obrigado a retirar do volume seis poemas. A proibição só foi anulada em 1949.

Charles Baudelaire foi "um agente secreto – um agente da insatisfação de sua classe com sua própria dominação", escreveu o filósofo Walter Benjamin, que também reconhece a linguagem do poeta movida com uma certa "ira necessária para reduzir incessantemente a ruínas as construções harmoniosas do mundo... A marca do heroísmo de Baudelaire foi viver no coração da irrealidade, das aparências. Segue-se daí que o poeta, na verdade, não conheceu a nostalgia...". Baudelaire não é entendido por seus contemporâneos e os críticos burgueses criam o "mito Baudelaire" como um "dândi elitista". Escritores vanguardistas, como Bretch, Sartre ou Aragon também incorreram no mesmo erro.

Para Sartre, Baudelaire seria incapaz de enxergar a burguesia histórica porque teria optado pela arte absoluta, pelo o irreal e pela conscience de survol (consciência de sobrevôo). Sartre julga Baudelaire e Flaubert apenas como escritores apolíticos. Paul Valéry, um de seus sucessores, tem a mesma opinião de Sartre quando afirma que As Flores do Mal contém poemas históricos ou lendas, "nada que repouse sobre uma narração. Não se vêem tiradas filosóficas. A política não aparece...". A dedicatória Au Lecteur do livro As Flores do Mal é uma ironia às atrocidades de junho: " Se o estupro, o veneno, o punhal, o incêndio/ Não bordaram ainda com seus desenhos finos/ A tela banal de nossos míseros destinos/ É que nossa alma, ai, não é ousada o bastante." Não foi à toa que Baudelaire lutou ao lado dos insurretos em junho de 1848.

O poeta ironiza a burguesia que teria revogado, depois de junho, seu próprio decreto contra a pena de morte para os crimes políticos de 1848; "Ele sonha com cadafalsos enquanto fuma seu narguilé". A lírica moderna de Baudelaire é um retrato amargo da situação desolada do mundo e revela a face do ódio aristocrático aos reis e à burguesia. As relações capitalistas e burguesas que sempre exploraram sem piedade a inteligência e o trabalho fazem Baudelaire ansiar pela revolução e pelo triunfo das classes oprimidas.

O estilo de Baudelaire não produziu "doces", mas "remédios amargos e verdades cáusticas". No livro Assommons les pauvres!, há um trecho que é um bom exemplo de poesia social: "Ao entrar numa taberna, um mendigo me estendeu seu chapéu com um desses olhares inesquecíveis que derrubariam os tronos se o espírito fosse capaz de mover a matéria, e se o olho de um magnetizador fizesse amadurecer as uvas."

As Flores do Mal e O Spleen de Paris - Pequenos Poemas em Prosa (1869), reunião de textos publicados em periódicos de 1853 a 1865, de Baudelaire, são os arquétipos da sátira ao burguês, como as caricaturas de Daumier, que emprestava à vítima odiada os traços do rei burguês, sempre reconhecível pela cabeça em forma de pêra. A este tipo de arte e literatura, comentou Engels sobre Balzac, de que seria possível aprender muito mais sobre a história da França no período de 1815 a 1848 do que com todos os historiadores burgueses e pequeno-burgueses da época.

Discípulo de Poe deu origem à poesia de autores como Rimbaud

Baudelaire anota em seu projeto de prefácio de As Flores do Mal: "Poetas ilustres dividiram entre si, durante muito tempo, as províncias mais floridas do campo poético etc. Farei portanto algo diferente..." A poesia de Baudelaire deu origem a grandes poetas. Segundo Paul Valéry, Rimbaud e Verlaine continuaram Baudelaire na ordem do sentimento e da sensação, enquanto Mallarmé prolongou-o no campo da perfeição e da pureza poética.

Os preceitos de Edgar Allan Poe sobre poesia influenciaram profundamente as idéias e a arte de Baudelaire. As Flores do Mal e O Spleen de Paris resgatam dos poemas de Poe "o sentimento e a substância". Alguns poemas de Baudelaire contêm versos que são a transposição exata dos versos do poeta anglo-saxão. Os ensaios O Princípio Poético (The Poetic Principle), de Poe, foram traduzidos por Baudelaire e não só o conteúdo o influenciou, mas a forma, que ele considerava como se tivesse sido criada para ele.

A produção poética de Baudelaire foi forjada a partir das experiências vividas. O Spleen de Paris, poemas em prosa, revelam essas experiências e graças ao recurso da prosa poética, que a próxima geração (os simbolistas), redescobre o verso branco com o grande triunfo do movimento. Na dedicatória da coletânea ao redator-chefe do La Presse, Arsène Houssaye, ele revela os motivos dessa experiência: "Quem de nós não sonhou, em dias de ambição, com o milagre de uma prosa poética, musical, sem ritmo nem rima, suficientemente flexível e nervosa para saber adaptar-se aos movimentos líricos da alma, às ondulações do sonho, aos sobressaltos da consciência? Este ideal nasce, sobretudo, da fermentação das grandes cidades, do crescimento da malha e suas inúmeras relações entrelaçadas".

O clássico, diz Jorge Luis Borges, "não é um livro que possui necessariamente tais ou quais méritos; é um livro que as gerações dos homens, urgidos por razões diversas, lêem com prévio fervor e com uma misteriosa lealdade". O Spleen de Paris, de Baudelaire, é um desses livros que merecem ser relidos porque nos ensina algo que não sabíamos.

Para ir além






Pedro Maciel
Belo Horizonte, 17/10/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um abraço em Moacyr Scliar de José Castello
02. Twitter versus Facebook de Ricardo Freire
03. O que aprendi de Nelson Pereira dos Santos
04. Conhecimento sem sofrimento de Mayrant Gallo
05. Não fui ouvido por Veja de Luís Antônio Giron


Mais Pedro Maciel
Mais Acessados de Pedro Maciel
01. Italo Calvino: descobridor do fantástico no real - 8/9/2003
02. A arte como destino do ser - 20/5/2002
03. Antônio Cícero: música e poesia - 9/2/2004
04. Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa - 14/7/2003
05. Nadja, o romance onírico surreal - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mangá Blade 29
Hiroaki Samura
Conrad
(2004)



Mentes Milionarias - Desvende os Segredos de Quem Ficou Rico
Teresa Aubele
Universo dos Livros
(2021)



Pubis Angelical - 4ª Edição
Manuel Puig
Codecri
(1981)



Exercícios de Matemática Vol 2: Funções e Logaritmos
Manoel Benedito
Policarpo
(1994)



Livro Físico - Palavras Quebrarão Cimento// a Paixão de Pussy Riot
Masha Gessen
Martins Fontes
(2016)



Cidade Dos Ossos - Os Instrumentos Mortais - Vol. 1
Clare,Cassandra
Galera
(2013)



Conversa Sobre o Tempo
Luis Fernando Veríssimo e Zuenir Ventura
agir
(2010)



Azul e Vermelho no Ceu do Caribe
Sergio Roberto Queiroz
Rio Fundo
(1990)



Contos Bruxólicos
Inês Carmelita Lohn
Pistis
(2014)



A Quem de Direito
Martín Caparrós
Companhia das Letras
(2011)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês