Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa | Pedro Maciel

busca | avançada
75735 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Comum como uma tela perfeita
>>> Revista Meio Digital
>>> Do jornalismo como performance
>>> A Nova Revista da Cultura
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Os prédios mais feios de SP
>>> Fup, de Jim Dodge
>>> Harry Potter e eu
Mais Recentes
>>> A Lei Universal da Atração - Psicologia de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Degas de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Cézanne de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Van Gogh de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Rachel O Mundo Por Escrito -Infanto Juvenil de Tercia Montenegro pela Democrito Rocha (2016)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Toulouse-Lautrec de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Tiepolo de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Ticiano de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Renoir de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Rembrandt de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Rafael de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Piero de la Francesca de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Sonetos de Luís de Camões pela Livraria Tavares Martins (1959)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Picasso de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Mondrian de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Miró de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Michelangelo de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Mantegna de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Manet de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Ingres de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Giotto de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Gauguin de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Frans Hals de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - El Greco de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Dürer de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Delacroix de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Courbet de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Caravaggio de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Volta ao mundo em 13 escolas: sinais do futuro no presente de André Gravatá; Camila Piza; Carla Mayumi; Eduardo Shimahara pela Fundação Telefonica (2013)
>>> Tensões na educação de Florestan Fernandes pela Sarahletras (1995)
>>> Empreendedorismo criativo de Mariana Castro pela Portfolio Penguin (2014)
>>> Políticas públicas e agricultura no Brasil de Sérgio Leite (organizador) pela UFRGS (2009)
>>> Contos Húngaros de Apresentação Paulo Rónai pela Biblioteca Universal Popular (1964)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Brueghel* de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Gramática da língua portuguesa para concursos, vestibulares, ENEM, colégios técnicos e militares de Nílson Teixeira de Almeida pela Saraiva (2009)
>>> Administração nos novos tempos de Idalberto Chiavenato pela Campus (1999)
>>> Ensino de empreendedorismo no Brasil de Rose Mary Almeida Lopes pela Alta Books (2017)
>>> Desperte o empreendedor que há em você de Michael E. Gerber pela M. Books (2010)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Botticelli de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Empreendedorismo e educação empreendedora de José J. Previdelli (organizador); Vilma Meurer Sela (organizadora) pela Unicorpore (2006)
>>> Roleplaying game e a pedagogia da imaginação no Brasil de Sonia Rodrigues pela Bertrand (2004)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Bosch de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> The strategy concept: a pragmatic approach de Arnoldo C. Hax; Nicolas S. Majluf pela Prentice Hall (1996)
>>> Análise sintática aplicada de Luiz Cadore pela AGE (2013)
>>> Chagall de François Le Targat pela Livro Técnico SA
>>> Crianças como você: um extraordinário mergulho na vida de crianças do mundo todo de Agop Kayayan pela Ática (2002)
>>> Crianças como você: um extraordinário mergulho na vida de crianças do mundo todo de Agop Kayayan pela Ática (2002)
>>> Enfermagem atual: o X da questão de Francisco Costa pela Revic (2003)
>>> AVES DO BRASIL de AUGUSTO RUSCHI pela VILA RICA (1991)
>>> Atlas dos Estilos Artisticos de R. Fradera Veiga pela Ediciones Jover SA
ENSAIOS

Segunda-feira, 14/7/2003
Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa
Pedro Maciel

+ de 17100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

“Grande Sertão: Veredas” (1956), de Guimarães Rosa, clássico da literatura brasileira deste século, inspirou o artista plástico Arlindo Daibert (1952-1993) a criar uma série exemplar de imagens do sertão. Daibert, em “Imagens do Grande Sertão”; Editora UFMG e UFJF, reinventou a paisagem remota do sertão, onde “o pensamento da gente se forma mais forte do que o poder do lugar”. Lugar não-localizável. Lugar lúdico, metafísico, fabuloso, ligado à oralidade e ao mito. “Ilhas sem lugar”, como bem definiu Fernando Pessoa.

Os desenhos de Daibert nos remetem a um lugar assombrado, de um falar incomum, habitado por Riobaldo, o Urutú-Branco, Diadorim, cordeiro de Deus, Hermógenes, o diabo, o menino Guirigó, o cego Borromeu e Maria Boa-sorte, entre tantos outros personagens místicos, que traçam uma espécie de roteiro de Deus. Riobaldo diz que “às vezes a gente só pode ver o aproximo de Deus na figura do outro”.

O artista Daibert recria cenas como a matança dos cavalos, o duelo, o pacto do diabo; reescreve (a escrita é um caso particular do desenho, segundo Michel Butor) o mundo imaginário de Riobaldo que “conto para mim, conto para o senhor” (interlocutor letrado que nunca aparece), “uma história no meio das outras. Ao quando bem não me entender, me espere.”

Daibert, que já havia dedicado uma série ao “Macaunaíma” de Mário de Andrade, apresenta uma mostra pictórica espetacular em “Imagens do Grande Sertão”, a partir de uma variedade de procedimentos, como a xilogravura, desenho com várias técnicas e objetos. A série é resultado de um prolongado estudo do universo mágico redescoberto por Guimarães.

“Grande Sertão: Veredas” é um manual de satanismo, ação lendária, epopéia/saga do sertão e seus vazios, que é o profundo da gente mesmo; reescritura dos romances medievais, épico, discussão entre Deus e o diabo.

Riobaldo, o narrador, ex-jagunço, barranqueiro que faz um pacto com o diabo, diz: “Deus existe mesmo quando não há. Mas o demônio não precisa de existir para haver — a gente sabendo que ele não existe, aí é que ele toma conta de tudo (...) Deus vem, guia a gente por uma légua, depois larga.”

A última fala de Riobaldo a um ouvinte imaginário diz que “o diabo não há! É o que eu digo, se for... Existe é homem humano. Travessia.” A travessia do velho Riobaldo resgata uma época arcaica, anterior à escrita; rememora um tempo mítico através de histórias inimagináveis. Afinal, só não existe o que não se pode imaginar.

Diadorim, neblina de Riobaldo, é a razão dessas histórias contadas, “e estou contando não é uma vida de sertanejo, seja se for jagunço, mas a matéria vertente. Queria entender do medo e da coragem, e da gã que empurra a gente para fazer tantos atos, dar corpo ao suceder.”

O que sucede com o jagunço Riobaldo Tatarana, o homem sem apego nenhum, “sem pertencências”, são recordações que não se vê a olho nu, estórias sonhadas com lugares que já não são mais os mesmos, perdidos para sempre, mas achados nos escondidos dos devaneios.

Riobaldo retorna a esses lugares, como se, “tudo revendo, refazendo, eu pudesse receber outra vez o que não tinha sido, repor Diadorim em vida”. Diadorim é Reinaldo, homem-mulher, objeto de seu desejo, sua paixão pecadora, que só é descoberta como mulher após morrer lutando contra Hermógenes. Riobaldo então se pergunta: “O senhor me responda: o amor assim pode vir do demo? Poderá!? Pode vir de um-que-não existe?”

A história vivida pelo barranqueiro Riobaldo, que fugia de tiro certo, virava longe no mundo, pisava espaços para correr de tiro dado, fazia todas as estradas para viver um pouquinho mais de instantes ao lado de Diadorim, que “tinha amor em mim” e, morreu desencantada, “num encanto tão terrível”.

Riobaldo quase endoidou-se ao saber que Diadorim era uma mulher. “Diadorim era mulher como o sol não acende a água do rio Urucúia, como eu solucei meu desespero”, que, por Diadorim, “às vezes conheci que a saudade dele não me desse repouso; nem o nele imaginar. Porque eu, em tanto viver de tempo, tinha negado em mim aquele amor, e a amizade desde agora estava amarga falseada; e o amor, e a pessoa dela, mesma, ela tinha me negado. Para quê eu ia conseguir viver?”

Nota do Editor
Ensaio gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Jornal do Brasil, a 19 de junho de 1999.


Pedro Maciel
Belo Horizonte, 14/7/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Passado e futuro da comunicação de Charles Cadé
02. Martins Pena: sonhando com o romance brasileiro de Luís Antônio Giron


Mais Pedro Maciel
Mais Acessados de Pedro Maciel
01. Italo Calvino: descobridor do fantástico no real - 8/9/2003
02. A arte como destino do ser - 20/5/2002
03. Antônio Cícero: música e poesia - 9/2/2004
04. Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa - 14/7/2003
05. Nadja, o romance onírico surreal - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/8/2003
12h15min
Acho que "Grande Sertão: Veredas" é mais do que o ápice de um grande mestre da Literatura Brasileira. Para mim "Grande Sertão: Veredas" representa o ápice da forma, do "logos", em toda a Literatura Mundial! Que outro escritor dominou, sobrepujou, derreteu, forjou, temperou... até transformar a Língua, até recriá-la... como um instrumento único, vivo e distinto de expressão? Que outro escritor ousou (e conseguiu!) alcançar as inconcebíveis profundidades abissais ao buscar o que é apenas intuído pelo homem mas jamais revelado... e em um exercício visionário de roçar as profundidades ocultas do universo humano, decidiu resvalar em um ser-não-ser que é, e também não é, mas que mesmo assim é tudo, e pode não ser nada? O mundo de Guimarães Rosa é o mundo de todo mundo, da gente comum que vive a aventura incomum de tentar entender... o que não pode ser entendido. O amor, em "Grande Sertão: Veredas", atinge uma dimensão tão complexa em toda a simplicidade simplória da vida vivida bruta, que ao leitor atônito, o ato de virar mais uma página do livro se converte em um gesto de aventura: é preciso reunir coragem para ler mais, sentir, tentar entender toda a magia absurda de um universo tão próximo e tão distante, feito de terra, de pobreza, de ignorância, de sabedoria, de valentia, de amor impossível de entender de tão grande, tão grande, feio e bonito quanto o sertão primitivo que o gerou. João Guimarães Rosa ainda não foi descoberto. Nem mesmo no Brasil.
[Leia outros Comentários de Roberto Ferreira Val]
21/8/2003
17h33min
Caro Pedro Maciel:gostei de seu artigo, relembrança de duas personalidades -Arlindo Daibert e Guima- o Daibert foi um grande artista e era formado em literatura,caso raro na arte brasileira. Quanto ao Guimarães Rosa,sua prosa poética,nascida do jeito de falar do sertão somada ao conhecimento que tinha da língua alemã, não há adjetivos que o qualifiquem.Valeu a lembrança de duas personalidades que já começam a ficar esquecidas.AB
[Leia outros Comentários de AlbertoBeuttenmüller]
18/9/2008
10h52min
Acho que nunca iremos cansar de falar sobre/em "Grande Sertão: Veredas", onde Guimarães Rosa faz uma recriação magnífica e audaciosa da linguagem em forma de espetáculo, para que nós, leitores, possamos degustar gota a gota, "recondicionando-a" inventivamente, saindo do lugar-comum a fim de dar maior grandeza ao discurso. Toda a narrativa é marcada pela oralidade (Riobaldo conta seus casos a um interlocutor), portanto, sem possibilidades de ser reformulado, já que é emitido instantaneamente. Ainda tem-se as dúvidas do narrador e suas divagações, onde é percebida a intenção de Riobaldo em reafirmar o que diz utilizando a própria linguagem. O falar mineiro, delicioso e dengoso, associado a arcaísmos, brasileirismos e neologismos faz com que o autor extrapole os limites geográficos de Minas. A linguagem ultrapassa os limites "prosaicos" para ganhar dimensão poético-filosófica.
[Leia outros Comentários de Maria Generosa]
18/9/2008
15h12min
Bem merece um exemplar de imagens dos sertões a obra de Guimarães Rosa. Não conheço na literatura brasileira força do verbo que ultrapasse "Grande Sertão: veredas". Certamente adquiro um exemplar da obra de Arlindo Daibert em breve!
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIVER A VIDA
FREI LUIZ CARLOS DO NASCIMENTO
VOZES
(2004)
R$ 10,00



FORÇA INTERIOR ENSINAMENTOS PRÁTICOS PARA UMA VIDA MELHOR
CARLOS FRANÇA
CÍRCULO DO LIVRO
(1988)
R$ 10,00



COMO CRIAR EM ILUMINAÇÃO
DESIGN MUSEUM
GUTENBERG
(2011)
R$ 10,00



SALVE-SE QUEM PUDER - O FANTASMA DO ESPELHO
KAREN DOLBY
SCIPIONE
(2013)
R$ 10,00



JÓIAS DE OURO PRETO
TOBIAS PINHEIRO
DO AUTOR
(1997)
R$ 10,00



TERRA ESPETACULAR - 4481
DIVERSOS
READERS DIGEST
(1997)
R$ 10,00



MENSAGEM DA BONDADE
P. EDUARDO PAVANETTI
PAULINAS
(1974)
R$ 10,00



OZANAM UM SÁBIO ENTRE OS POBRES
MADELEINE DES RIVIÈRES
LOYOLA
(1984)
R$ 10,00



A GRANDE TRANSIÇÃO PLANETÁRIA: E O EXÍLIO DO HOMEM
JOÃO ISAAC
JOÃO ISAAC
R$ 10,00



LITERATURA SEM SEGREDOS REALISMO (MACHADO DE ASSIS) VOL. 05 - 9063
CLENIR BELLEZI DE OLIVEIRA
ESCALA EDUCACIONAL
(2007)
R$ 10,00





busca | avançada
75735 visitas/dia
2,4 milhões/mês