Nadja, o romance onírico surreal | Pedro Maciel

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
>>> Arte é entropia
Mais Recentes
>>> Ensaio Geral - Poemas de Olavo Drummond pela Nova Fronteira (1984)
>>> Inveja e gratidão de Melanie Klein pela Imago (1974)
>>> O Estado e a Revolução de V. I. Lênin pela Expressão Popular (2010)
>>> Tendências Contemporâneas na Literatura de Otto Maria Carpeaux pela Ediouro
>>> Os Chakras e os Campos de Energia Humanos de M.D. Shafica Karagulla pela Pensamento (1991)
>>> As Águas Glaucas de Pedro Xisto pela Berlendis & Vertecchia (2006)
>>> Damas Turcas - Coleção Estante Policiais Paulistanos (Autografado - Como Novo) de Carlos Castelo pela Global (2012)
>>> Assassinato no avião da meia-noite salve-se quem puder de Gaby Water pela Scipione
>>> Mecânica - Física para 2 grau de Luiz Alberto Guimarães e Marcelo Fonte pela Harbra (1997)
>>> Milagres - Deus faz coisas extraordinárias na vida de quem tem fé de Estevam Hernandes pela Thomas Nelson Brasil (2013)
>>> Cristais de Carmen Cerqueira Cesar pela Massao Ohno (1988)
>>> Esperando por Doggo de Mark B. Mills pela Novo Conceito (2015)
>>> A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar de Esther Earl C3B3 2014 pela Intrínseca (2014)
>>> Historias escolhidas de Lygia Fagundes Telles pela Boa leitura (1961)
>>> Sandman: o livro dos sonhos - 2 volumes de Neil Gaiman e Ed Kramer pela Conard (2001)
>>> A família que se fala, a família que se sofre de J.a Gaiarsa pela Ágora (2005)
>>> L'existentialisme Est Un Humanisme - Sartre de Arnaud Tomes pela Ellipses (1999)
>>> Herculanum:(romance da época romana) de J. W. Rochester pela Conhecimento (2007)
>>> Para viver um grande amor de Vinícius De Moraes pela Publifolha (2008)
>>> A Coragem para Liderar - Trabalho Duro, Conversas Difíceis, Corações Plenos de Brené Brown pela BestSeller (2023)
>>> Hora do espanto o fantasma do porão de Edgar J Hyde pela Ciranda Cultural (2016)
>>> Pink Floyd A Biografia Ilustrada de Marie Clayton pela Lafonte (2014)
>>> O Estreito do Lobo de Olivier Truc pela Tordesilhas (2015)
>>> Discriminação e recismo de Rubens Miranda de Carvalho pela Espaço do autor (2004)
>>> Ética e sociabilidade de Manfredo Araújo de Oliveira pela Edições Loyola (2007)
ENSAIOS

Segunda-feira, 10/3/2003
Nadja, o romance onírico surreal
Pedro Maciel
+ de 13600 Acessos

"Não é o temor da loucura que vai nos obrigar a içar
a meio pau a bandeira da imaginação." (A. Breton)

O movimento surrealista é herdeiro da revolução socialista de Marx e da rebelião romântica de Rimbaud. O poeta tinha a missão de unir em um só ato, a poesia, o amor e a revolta. John Donne diz que, "antes muerto que mudado". André Breton (1896-1966), ideólogo do surrealismo, não mudou de opinião - cultivou ao longo da vida um mesmo sistema de idéias. A paixão e a magia eram fundamentais para a sobrevivência dos mitos e utopias.

Em "Prolegômenos a um Terceiro Manifesto", Breton desabafa: "Enquanto os homens não tomarem consciência da sua condição (...) não vale a pena falar, não vale a pena opormo-nos uns aos outros, ainda menos vale a pena amar sem contradizer tudo o que não seja o amor, ainda menos vale a pena morrer..." Toda a obra de Breton retoma o imaginário de metáforas da própria criação e da "recuperação do ser humano em sua totalidade". O poeta destaca três caminhos para o homem alcançar a harmonia: o amor, a poesia e a liberdade.

"Nadja", romance-colagem, publicado em 1928 (Ed. Imago, tradução de Ivo Barroso), é a prova de uma experiência radical de linguagem e, ao mesmo tempo, é um testemunho de um ser apaixonado: "Por mais vontade que tivesse, e também talvez alguma ilusão, nunca estive à altura do que ela me propunha. Mas afinal, que me propunha? Não importa. Só o amor no sentido em que o compreendo - ou seja, o misterioso, o improvável, o único, o confundível e indubitável amor".

André Breton, narrador-personagem do romance, percorre as ruas de Paris em busca da jovem Nadja. Há encontros do acaso e desencontros planejados. "Nem podia ser de outra forma, considerando o mundo de Nadja, em que tudo tomava imediatamente a aparência da queda ou da ascensão." Ela vaga nos sonhos de Breton. O narrador-personagem, num clima de romantismo fantástico, inventa a misteriosa Nadja para interpretar os seus próprios sonhos.

A narrativa onírica e inconsciente, apóia-se em fotos dos lugares parisienses - sugerindo ao leitor que as histórias são reais. A vida vale pelos sonhos. Hölderlin diz que o homem é um deus quando sonha, um mendigo quando reflete. Nadja apresenta-se de corpo e alma no enredo do romance. O personagem-narrador vê Nadja como "um gênio livre, algo como um desses espíritos do ar que certas práticas de magia permitem momentaneamente fixar, mas em caso algum submeter". Mas Nadja deixa-se enlouquecer pelas excentricidades e é internada no hospício de Vaucluse.

Breton, personagem-autor, aproveita a "deixa" para protestar: "Todos os internamentos são arbitrários. Continuo a não ver por que motivo se privaria um ser humano de liberdade. Prenderam Sade; prenderam Nietzche; prenderam Baudelaire". "Se fosse louco", continua, "aproveitaria o impulso do delírio para assassinar o primeiro - médico, de preferência - que me caísse nas mãos. Ganharia com isso pelo menos, como acontece com os loucos furiosos, o privilégio de ocupar um compartimento sozinho. Talvez assim me deixassem em paz".

"Nadja" é um romance autobiográfico, narrado através da escrita automática, da alucinação e delírio. E nos transporta para além da ficção.

Trecho de "Nadja", de André Breton
"No instante de deixá-la, quero fazer-lhe uma pergunta que resume todas as demais, uma pergunta que somente eu seria capaz de fazer, sem dúvida, mas que, pelo menos desta vez, encontrou resposta à altura: 'Quem é você?' E ela, sem hesitar: 'Eu sou uma alma errante.' Combinamos nos encontrar no dia seguinte no bar que existe na esquina da rua Lafayette com o faubourg Poissonnière. Diz que gostaria de ler um ou outro dos meus livros e insiste quando sinceramente ponho em dúvida o interesse que possa ter por eles. A vida é diferente do que se escreve".

Outro trecho de "Nadja", de André Breton
"Não se espere de mim a narrativa integral do que me foi dado experimentar nesse domínio. Limitar-me-ei aqui a lembrar sem esforços de fatos que, independentemente de qualquer instância de minha vontade, ocorreram comigo, e que me dão, por vias insuspeitáveis, a medida da graça e da desgraça particulares de que sou objeto; deles falarei sem ordens preestabelecida e conforme o capricho da hora que os fizer vir à tona."

Nota do Editor
Ensaio gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no caderno "Prosa & Verso", do jornal O Globo, a 29 de janeiro de 2000.


Pedro Maciel
Belo Horizonte, 10/3/2003
Quem leu este, também leu esse(s):
01. O poeta do pesadelo e do delírio de Pedro Maciel
02. Os escritos rebeldes de um descolonizador de Pedro Maciel


Mais Pedro Maciel
Mais Acessados de Pedro Maciel
01. Italo Calvino: descobridor do fantástico no real - 8/9/2003
02. A arte como destino do ser - 20/5/2002
03. Antônio Cícero: música e poesia - 9/2/2004
04. Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa - 14/7/2003
05. Nadja, o romance onírico surreal - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mais Alegria, Alegria: as Mais Belas Canções de Nossa Infância
Carlos Felipe, Túlio Oliveira
Leitura
(2001)



Do Romantismo ao Modernismo 2ªed. (2010)
Douglas Tufano
Moderna
(2010)



Os Pensadores - Willian, John e Thorstein - Vol Xl
Willian, John e Thorstein
Abril Cultural
(1973)



Cafe e Modernização. a Vida no Tempo do Cafe
Tania Luca
Atual Didático
(2009)



Garra de Campeão
Marcos Rey
Ática
(1988)



Lisa in London
Paul Victor
Longman
(1986)



Numbered Account - Pocketbook
Christopher Reich
Dell
(1999)



Como Eliminar 7 Kilos En 30 Dias
Rita La Rosa
De Vecchi
(1994)



Leste Europeu - a Revolução Democrática
Jayme Brener
Atual
(1990)



3fce Result Students Book
Paul A. Davies
Oxford
(2012)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês