O cinema segundo Borges | Pedro Maciel

busca | avançada
74915 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
>>> Madeirite Rosa apresenta versão online de A Luta
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> História da leitura (IV): a ascensão do romance
>>> Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia
>>> Apresentando a Google TV
>>> Noite branca no cinema
>>> O cérebro espiritual, de Mario Beauregard
>>> Sobre escrever
>>> Os Axiomas de Zurique, de Max Gunther
>>> Sou diabético
>>> 3 de Maio #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Historia de Zezinho e Mariquinha de Silvino Pirauá de Lima pela Não informado
>>> Os melhores Contos Moacyr Scliar de M. scliar pela Global (1988)
>>> As Grandes Profecias de Nostradamos de Kurt Allgeier pela Coquetel tecnoprint (1983)
>>> Grupo de Melhorias de Sérgio Augusto Parastchuk pela Uniporto (2003)
>>> Cinderela Em Quadrinhos de Cristina Klein pela Bicho Esperto (2014)
>>> Brincando Com os Sons - Sons dos Animais de Cidade Musical pela Cidade Musical
>>> Cinderela Em Quadrinhos de Cristina Klein pela Bicho Esperto (2014)
>>> Bolinha Nº 58 - Bolinha Manda o Plínio pra Lua de Abril pela Abril (1981)
>>> S. Bernardo de Graciliano Ramos pela Record (2005)
>>> Bolinha Nº 177 - o Supercombustível de Abril pela Abril (1991)
>>> Humor nos Tempos de Collor de Jô Soares -veríssimo - Millôr Fernandes pela L&pm (1992)
>>> Undeadman -a Saga de um Imortal - Volume 1 Idade Média de Leonardo Melo pela Do Autor (2012)
>>> Juazeiro Guerra no Sertão de Ronivalter Jatobá pela Ática (1996)
>>> Juazeiro Guerra no Sertão de Ronivalter Jatobá pela Ática (1996)
>>> Sonhos, Grilos e Paixões de Carlos Queiroz Telles pela Moderna (1990)
>>> Status Plus - Xuxa - Toda Nudez do Melhor Gol de Pelé de Editora Três pela Três (1981)
>>> Guerras e Revoluções Brasileiras - Guerra do Paraguai de Wanderley Loconte pela Atica (2000)
>>> Inconfidência Mineira de Carla Anastasia pela Ática (1997)
>>> Arte Antiestresse - Maori e Tribal de Livros de Colorir Antiestresse pela Sampa
>>> Como Entender e Aplicar a Nova Ldb de Paulo Nathanael Pereira de Souza pela Pioneira (1999)
>>> A Bola nos Trilhos da História: a Saga do Ferroviário... de Aristides Leo Pardo pela Monstro dos Mares (2018)
>>> A Bola nos Trilhos da História: a Saga do Ferroviário... de Aristides Leo Pardo pela Monstro dos Mares (2018)
>>> 9788565704366 de Rodrigo Berté pela Rodrigo Berté
>>> Viagem ao Reino das Sombras de Luiz Galdino pela Ftd (1987)
>>> O Pequeno Príncipe Em Quadrinhos - Ccapa Dura de Joann Sfar pela Agir (2008)
ENSAIOS

Segunda-feira, 20/10/2003
O cinema segundo Borges
Pedro Maciel

+ de 6000 Acessos

"Quem ousaria ignorar que Charles Chaplin é um dos deuses mais seguros da mitologia de nosso tempo, um colega dos imóveis pesadelos de De Chirico, das ferventes metralhadoras de Scarface Al, do universo finito - mesmo que ilimitado - das costas zenitais de Greta Garbo, dos velhos olhos de Ghandi?", perguntava Jorge Luis Borges em 1931, na nota intitulada "Filmes".

O poeta e ficcionista Borges profetiza em 1941: "Atrevo-me a suspeitar, porém, que Cidadão Kane perdurará como 'perduram' certos filmes de Griffith ou de Pudovkin, cujo valor histórico ninguém nega, mas que ninguém se resigna a rever. Sofre de gigantismo, de pedantismo, de tédio. Não é inteligente, é genial, no sentido mais noturno e mais alemão dessa má palavra."

Estes e outros comentários sobre Cinema e sua magia estão na compilação das críticas publicadas nas revistas Sur e Discussão entre 1931 e 44. Borges em / e / sobre cinema (Ed. Iluminuras), organizado por Edgardo Cozarinski, cineasta, crítico e antes de tudo borgeano, é um livro admirável, porque Borges expõe a sua idéia de cinema ao abordar a narrativa. O livro ainda fala sobre filmes clássicos e sobre diferentes aspectos da linguagem cinematográfica. Para o poeta e ficcionista, o cinema é um repertório de referências, assim como a Encyclopaedia Britannica.

Borges reconhecia em 1935, no prólogo da primeira edição de História universal da infâmia, que as influências que o inspiraram para criar esses "ambíguos exercícios", "derivam, creio, de releituras de Stevenson e Chesterton e também dos primeiros filmes de Von Sternberg e talvez de certa biografia de Evaristo Carriego. Abusam de alguns procedimentos: as enumerações díspares, a brusca solução de continuidade, a redução da vida inteira de um homem a duas ou três cenas". A encenação verbal, o "aspecto plástico da literatura", o procedimento cinematográfico da montagem e a "continuidade de figuras que cessam", sugerem o método adotado por Borges para narrar muitas de suas histórias imaginárias. Toda a literatura fantástica de Borges pode ser lida sobre o prisma da superfície de imagens.

Borges no cinema foi espectador, crítico, vítima de adaptações absurdas e autor de roteiros. Ele é referência para vários cineastas e críticos. Pode-se ler desde uma resenha de Luigi Faccini na revista romana Cinema & Filme, em 1967, contrapondo o filme Terra em Transe, de Glauber Rocha, com "O Aleph", narrativa da qual o autor expõe a dificuldade de conseguir "a enumeração, mesmo parcial, de um conjunto infinito".

Segundo o resenhista, "não é estranho que essa frase de Borges defina completamente as razões filosófico-estruturais do filme", e prossegue afirmando que Terra em Transe é "um aleph desfocado e infinitamente finito (...) dentro do qual se movem inumeráveis alephs regressivos." Nos anos 70, a arte e o gosto literário eram motivos de debate ideológico e semiológico. Pode-se não entender muito bem o que esses novos cientistas estavam articulando mas a palavra de ordem era a semiologia, ciência que estuda os signos e sinais utilizados em comunicação.

Godard, em Alphaville, de 1965, cita Borges através da voz rouca de uma máquina que anuncia a sociedade futura: "O tempo é a substância de que sou feito. O tempo é um rio que me arrebata, mas eu sou o rio; é um tigre que me despedaça, mas eu sou o tigre; é um fogo que me consome, mas eu sou o fogo". Há muitas outras citações da obra de Borges no cinema europeu. Há também versões e "perversões", adaptações de suas narrativas e argumentos originais, que nem sempre agradaram ao autor, como Dias de Ouro, filmado com roteiro de Borges. Hombre de la esquina rosada, baseado no conto homônimo de Borges, também não o agradou, assim como Emma Zunz, filme francês de 1969.

Borges em / e / sobre cinema é um livro imprevisível e surpreendente, porque o autor mistifica os leitores ao comentar filmes que estão inseridos na história universal do cinema. O estilo e a erudição de suas breves críticas revelam a construção de sua estética. Apesar de que, no prólogo do livro Elogio da sombra, Borges anota que "não sou possuidor de nenhuma estética. (...) Descreio das estéticas. Em geral, não passam de abstrações inúteis..."

Quase tudo já se falou do escritor que conta a história da eternidade. Do ensaísta que se transforma em contista, do historiador que recupera o memorialista, do biógrafo que inventa o ficcionista, do poeta que sucede ao lingüista. Ainda não se falou do crítico de cinema que sugere argumentos, do crítico com vocação de mitógrafo, do inventor da tradição, e ainda do crítico que traça paralelos entre a narrativa cinematográfica e a narrativa literária, como na nota sobre o filme O Delator, de John Ford.

Segundo Borges, Ford merece uma censura, porque correu o belo risco de ser inteiramente satisfatório e não conseguiu sê-lo por duas ou três razões: "A primeira é a excessiva motivação dos atos de seu herói. Compreendo que o objeto perseguido seja a verossimilhança, mas os diretores cinematográficos - e os romancistas - costumam esquecer que muitas justificativas (e os muitos pormenores circunstanciais) são contraproducentes. A realidade não é vaga; é vaga nossa percepção geral da realidade. Daí o perigo de justificar demasiadamente os atos ou inventar muitos detalhes." É conhecida sua desconfiança em relação ao romance, sua aversão por narrativas extensas: "Desvario laborioso e empobrecedor o de compor vastos livros; o de espraiar em quinhentas páginas uma idéia cuja perfeita exposição oral cabe em poucos minutos. O melhor procedimento é simular que esses livros já existem e oferecer um resumo, um comentário".

Nota-se em seus comentários sintéticos, que Borges sentiu profundamente os filmes e cada uma de suas reflexões revela a inesgotável magia da arte cinematográfica. Pode-se afirmar que esta coletânea de críticas é mais um exemplar de tão singular escritor.

Nota do Editor
Ensaio gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no jornal O Globo, a 1º de setembro de 2001.

Para ir além





Pedro Maciel
Belo Horizonte, 20/10/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Italo Calvino: descobridor do fantástico no real de Pedro Maciel


Mais Pedro Maciel
Mais Acessados de Pedro Maciel
01. Italo Calvino: descobridor do fantástico no real - 8/9/2003
02. A arte como destino do ser - 20/5/2002
03. Antônio Cícero: música e poesia - 9/2/2004
04. Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa - 14/7/2003
05. Nadja, o romance onírico surreal - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Crime do Século
Dominick Dunne
Círculo do Livro
(1995)
R$ 5,00



Movimentos Sociais no Brasil Contemporâneo
Claudia Moraes de Souza - Ana Claudia Machado
Loyola
(2001)
R$ 9,90



Economia Brasileira ao Alcance de Todos
Eliana A. Cardoso
Brasiliense
(1990)
R$ 15,00



A Segunda Dama
Irving Wallace
Círculo do Livro
R$ 8,00



História da civilização vol. 2
Prof. Eduardo garcia
Egéria
(1979)
R$ 17,00



Cooperativismo e o Novo Código Civil - Série Cooperativismo 1
Guilherme Krueger
Mandamentos
(2003)
R$ 20,00



20 Textos Que Fizeram História
Folha de São Paulo
Folha de S. Paulo
(1992)
R$ 8,00



Estratégia de Empresas Série Gestão Empresarial
Varios Autores
Fgv
(2005)
R$ 7,00



Condições para o Crescimento da Aviação Comercial no Brasil
José Efromovich
Ciee
(2015)
R$ 12,00



Você para sempre
Sandi Lynn
Valentina
(2016)
R$ 20,00





busca | avançada
74915 visitas/dia
2,3 milhões/mês