O cinema segundo Borges | Pedro Maciel

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
Mais Recentes
>>> O Espiritismo Aplicado de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2006)
>>> Luz no lar de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1968)
>>> O Evangelho segundo o espiritismo de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1997)
>>> Sobrevivência E comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Federação Espírita Brasileira (1975)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1944)
>>> História das Religiões de Ivan Ap. Manoel e Nainora M.B. de Freitas pela Paulinas (2006)
>>> O Brilho dos pássaros de Carlos Luz pela Nova Era (1996)
>>> Prosperidade fazendo amizade com o dinheiro de Lair Ribeiro pela Objetiva (1992)
>>> Sessões Prática e Doutrinárias do Espiritismo de Aurélio A. Valente pela Federação Espírita Brasileira (1990)
>>> 100 Impulsos positivos para viver melhor de Eduardo Criado pela Folio (1996)
>>> O Avesso de um Balzac Contemporâneo de Osmar Ramos Filho pela Lachârtre (1995)
>>> O Ser Integral o despertar de uma nova era de Orlando Santos Junior pela Royal Court (1996)
>>> A fé crista Normal de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Vencendo os Limites de Elaine de Melo pela Qualitymark (2000)
>>> Ala Sombra de los Monasterios Tibetanos de Jean M. Riviére pela Kier (1986)
>>> A vida Normal da Igreja Crista de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Esclarecendo os Jovens de Umberto Ferreira pela Goiânia (1993)
>>> O Vôo mais Alto de Luiz Sérgio pela Edição do Autor (1983)
>>> Evolução Espiritual de Narcí Castro de Souza pela Madras
>>> Copos que Andam de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (1994)
>>> O Mistério do Sobrado de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (2001)
>>> Imagem do eterno de Carmen Cinira Macedo pela Moderna (1989)
>>> A Gêneses de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (2000)
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
>>> Filho do Sol de Savitri Devi pela Renes (1981)
>>> Encontros com o Insólito de Raymond Bernard, F. R. C. pela Renes (1970)
>>> Introdução à Filosofia da Rosacruz Áurea de J. van Rijckenborgh pela Escola Espiritual da Rosacruz Áurea (1982)
>>> Biografias de Personalidades Célebres de Prof. Carolina Rennó Ribeiro de Oliveira pela do Mestre (1970)
>>> As Últimas Horas de Gibran de Kahlil Gibran pela Nova época (1980)
>>> El Misterio De Los Templarios de Louis Charpentier pela Bruguera (1970)
>>> Valongo Arte e Devoção de Ana Maria C. Silva De Biasi, Elias Jorge Tambur e Maria Rabello da Motta pela A Tribuna (1995)
>>> Eu, Detetive O Caso do Sumiço de Stella Carr e Laís Carr Ribeiro pela Moderna (2003)
>>> Dinheiro Público e Cidadania de Silvia Cintra Franco pela Moderna (1998)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coração de Vidro de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1972)
>>> Transformadores de Alfonso Martignoni pela Globo (1981)
>>> Guia Técnico do Alumínio - Extrusão de Associação Brasileira do Alumínio pela Tecnica (1990)
>>> História da Literatura em Santo André de Tarso M. de Melo pela Fundo de cultura de santo andré (2000)
>>> Cinco Minutos - A Viuvinha de José de Alencar pela Ática (2001)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 4 de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Amo Poesia de J. Dellova pela Do escritor (1989)
>>> Folhas aos Ventos Maçônicos de Breno Trautwein pela A Trolha (2000)
>>> Os Segredos dos Construtores de Maurice Vieux pela Difel (1977)
>>> Antigos Manifestos Rosacruzes de Joel Disher pela Amorc (1982)
>>> Breve História da Maçonaria de Rubens Barbosa de Mattos pela A Trolha (1997)
>>> Por Mares há Muito Navegados de Álvaro Cardoso Gomes pela Ática (2002)
>>> Isso Ninguém me Tira de Ana Maria Machado pela Ática (1996)
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1996)
>>> Encontro com os Deuses de Jaime Guedes pela Mandála (1978)
ENSAIOS

Segunda-feira, 20/10/2003
O cinema segundo Borges
Pedro Maciel

+ de 5700 Acessos

"Quem ousaria ignorar que Charles Chaplin é um dos deuses mais seguros da mitologia de nosso tempo, um colega dos imóveis pesadelos de De Chirico, das ferventes metralhadoras de Scarface Al, do universo finito - mesmo que ilimitado - das costas zenitais de Greta Garbo, dos velhos olhos de Ghandi?", perguntava Jorge Luis Borges em 1931, na nota intitulada "Filmes".

O poeta e ficcionista Borges profetiza em 1941: "Atrevo-me a suspeitar, porém, que Cidadão Kane perdurará como 'perduram' certos filmes de Griffith ou de Pudovkin, cujo valor histórico ninguém nega, mas que ninguém se resigna a rever. Sofre de gigantismo, de pedantismo, de tédio. Não é inteligente, é genial, no sentido mais noturno e mais alemão dessa má palavra."

Estes e outros comentários sobre Cinema e sua magia estão na compilação das críticas publicadas nas revistas Sur e Discussão entre 1931 e 44. Borges em / e / sobre cinema (Ed. Iluminuras), organizado por Edgardo Cozarinski, cineasta, crítico e antes de tudo borgeano, é um livro admirável, porque Borges expõe a sua idéia de cinema ao abordar a narrativa. O livro ainda fala sobre filmes clássicos e sobre diferentes aspectos da linguagem cinematográfica. Para o poeta e ficcionista, o cinema é um repertório de referências, assim como a Encyclopaedia Britannica.

Borges reconhecia em 1935, no prólogo da primeira edição de História universal da infâmia, que as influências que o inspiraram para criar esses "ambíguos exercícios", "derivam, creio, de releituras de Stevenson e Chesterton e também dos primeiros filmes de Von Sternberg e talvez de certa biografia de Evaristo Carriego. Abusam de alguns procedimentos: as enumerações díspares, a brusca solução de continuidade, a redução da vida inteira de um homem a duas ou três cenas". A encenação verbal, o "aspecto plástico da literatura", o procedimento cinematográfico da montagem e a "continuidade de figuras que cessam", sugerem o método adotado por Borges para narrar muitas de suas histórias imaginárias. Toda a literatura fantástica de Borges pode ser lida sobre o prisma da superfície de imagens.

Borges no cinema foi espectador, crítico, vítima de adaptações absurdas e autor de roteiros. Ele é referência para vários cineastas e críticos. Pode-se ler desde uma resenha de Luigi Faccini na revista romana Cinema & Filme, em 1967, contrapondo o filme Terra em Transe, de Glauber Rocha, com "O Aleph", narrativa da qual o autor expõe a dificuldade de conseguir "a enumeração, mesmo parcial, de um conjunto infinito".

Segundo o resenhista, "não é estranho que essa frase de Borges defina completamente as razões filosófico-estruturais do filme", e prossegue afirmando que Terra em Transe é "um aleph desfocado e infinitamente finito (...) dentro do qual se movem inumeráveis alephs regressivos." Nos anos 70, a arte e o gosto literário eram motivos de debate ideológico e semiológico. Pode-se não entender muito bem o que esses novos cientistas estavam articulando mas a palavra de ordem era a semiologia, ciência que estuda os signos e sinais utilizados em comunicação.

Godard, em Alphaville, de 1965, cita Borges através da voz rouca de uma máquina que anuncia a sociedade futura: "O tempo é a substância de que sou feito. O tempo é um rio que me arrebata, mas eu sou o rio; é um tigre que me despedaça, mas eu sou o tigre; é um fogo que me consome, mas eu sou o fogo". Há muitas outras citações da obra de Borges no cinema europeu. Há também versões e "perversões", adaptações de suas narrativas e argumentos originais, que nem sempre agradaram ao autor, como Dias de Ouro, filmado com roteiro de Borges. Hombre de la esquina rosada, baseado no conto homônimo de Borges, também não o agradou, assim como Emma Zunz, filme francês de 1969.

Borges em / e / sobre cinema é um livro imprevisível e surpreendente, porque o autor mistifica os leitores ao comentar filmes que estão inseridos na história universal do cinema. O estilo e a erudição de suas breves críticas revelam a construção de sua estética. Apesar de que, no prólogo do livro Elogio da sombra, Borges anota que "não sou possuidor de nenhuma estética. (...) Descreio das estéticas. Em geral, não passam de abstrações inúteis..."

Quase tudo já se falou do escritor que conta a história da eternidade. Do ensaísta que se transforma em contista, do historiador que recupera o memorialista, do biógrafo que inventa o ficcionista, do poeta que sucede ao lingüista. Ainda não se falou do crítico de cinema que sugere argumentos, do crítico com vocação de mitógrafo, do inventor da tradição, e ainda do crítico que traça paralelos entre a narrativa cinematográfica e a narrativa literária, como na nota sobre o filme O Delator, de John Ford.

Segundo Borges, Ford merece uma censura, porque correu o belo risco de ser inteiramente satisfatório e não conseguiu sê-lo por duas ou três razões: "A primeira é a excessiva motivação dos atos de seu herói. Compreendo que o objeto perseguido seja a verossimilhança, mas os diretores cinematográficos - e os romancistas - costumam esquecer que muitas justificativas (e os muitos pormenores circunstanciais) são contraproducentes. A realidade não é vaga; é vaga nossa percepção geral da realidade. Daí o perigo de justificar demasiadamente os atos ou inventar muitos detalhes." É conhecida sua desconfiança em relação ao romance, sua aversão por narrativas extensas: "Desvario laborioso e empobrecedor o de compor vastos livros; o de espraiar em quinhentas páginas uma idéia cuja perfeita exposição oral cabe em poucos minutos. O melhor procedimento é simular que esses livros já existem e oferecer um resumo, um comentário".

Nota-se em seus comentários sintéticos, que Borges sentiu profundamente os filmes e cada uma de suas reflexões revela a inesgotável magia da arte cinematográfica. Pode-se afirmar que esta coletânea de críticas é mais um exemplar de tão singular escritor.

Nota do Editor
Ensaio gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no jornal O Globo, a 1º de setembro de 2001.

Para ir além





Pedro Maciel
Belo Horizonte, 20/10/2003

Mais Pedro Maciel
Mais Acessados de Pedro Maciel
01. Italo Calvino: descobridor do fantástico no real - 8/9/2003
02. A arte como destino do ser - 20/5/2002
03. Antônio Cícero: música e poesia - 9/2/2004
04. Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa - 14/7/2003
05. Nadja, o romance onírico surreal - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DUELO FINAL
ELMORE LEONARD
CIRCULO DO LIVRO
(1980)
R$ 7,00



DESTINOS CRUZADOS
WARREN ADLER
RECORD
(2000)
R$ 4,00



PARE DE ACREDITAR NO GOVERNO - POR QUE OS BRASILEIROS NÃO CONFIAM NOS
BRUNO GARSCHAGEN
RECORD
(2015)
R$ 40,90



UM DIA NA VIDA DO SÉCULO XXI - 1654
ARTHUR C. CLARKE
NOVA FRONTEIRA
(1989)
R$ 10,00



A ECONOMIA DE DEUS
JOÃO CÉSAR DAS NEVES
PRINCIPIA
(2001)
R$ 37,00



COMO OBTER RESPOSTA DA SUA ORAÇÃO
ROZANE CUNHA
BELLO PUBLICACOES
(2010)
R$ 16,99



A MORENINHA - 11ª EDIÇÃO
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
MELHORAMENTOS
(1965)
R$ 7,00



CINEASTAS, DO NOSSO TEMPO
PATRÍCIA MOURÃO E PEDRO M GUIMARÃES (ORGS)
AROEIRA (SP)
(2012)
R$ 17,28



REI MOCHO, O - VOL.1 - COLEÇÃO CONTOS DE MOÇAMBIQUE
UNGULANI BA KA KHOSA
KAPULANA
(2016)
R$ 23,86



OS DIREITOS DAS MULHERES
VICTORIA PARKER ILUSTRADO POR ANDREW MCINTYRE
GRADIVA
(1996)
R$ 34,70





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês