Os excessos de Carmen Miranda | Luís Antônio Giron

busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Jingle Bells
>>> Mano Juan, de Marcos Rey
>>> Relationships Matter
>>> Apesar da democracia
>>> Onze pontos sobre literatura
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Morando sozinha II
Mais Recentes
>>> As estranhas e belas mágoas de Ava Lavender de Leslye Walton pela Novo Conceito (2014)
>>> Um Lugar Perigoso de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2014)
>>> Robinson Crusoe de Daniel Defoe pela Ediouro
>>> O pequeno Buda de Gordon McGill pela Círculo do Livro (1998)
>>> O Maior Homem que já viveu de Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados pela Sociedade Torre de Vigia (2020)
>>> Pequot de Vitor Ramil pela Artes e Ofícios (1995)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Record (1979)
>>> O resto é silêncio de Érico Veríssimo pela Globo (1998)
>>> Angústia de Graciliano Ramos pela Globo (2013)
>>> O Recurso de John Grisham pela Rocco (2015)
>>> Os doze mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2020)
>>> Direito Ambiental Positivo de Fabrício Gaspar Rodrigues pela Campus (2012)
>>> Mandado de Segurança de Luiz Fux pela Dir (2011)
>>> Lula: A opção mais que o voto de Cândido Mendes pela Garamond (2006)
>>> Latinomérica de Marcus Accioly pela Topbooks (2015)
>>> Levando a vida leve de Laura Medioli pela Justo Junior (2005)
>>> Les Filles du Feu / Les Chimères de Gérard de Nerval pela Garnier-Flammarion (1965)
>>> Revolucione sua qualidade de vida - Navegando nas ondas da emoção de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Mulheres certas que amam homens errados de Kristina Grish pela Gente (2007)
>>> Pequenos Poemas em Prosa de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> E de Evidência de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> M - O Homem Sensual de Record pela Record (1997)
>>> Verdura? Não! de Claire Llewellyn; Mike Gordon pela Scipione (2011)
>>> @s [email protected] de [email protected] York - as Senhoritas de Nova York de Daniel Piza pela Ftd (1999)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 10 Anos Brasil MTV de MTV pela Mtv
>>> 10 Contos de Natal de Gilberto de Nichile pela Scortecci (2015)
>>> 100 Jogos para Grupos de Ronaldo Yudi K. Yozo pela Agora (1996)
>>> 100 Magias para Aumentar Sua Autoconfiança - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2004)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Segredos das Pessoas de Sucesso de David Niven pela Sextante (2002)
>>> 1000 Formas de Interpretar o Seu Horoscopo de Girassol Edicoes pela Girassol (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Melhores Segredos Rapidos e Faceis para Voce de Jamie Novak pela Arx (2007)
>>> 1001 E-mails de Cynthia Dornelles pela Record (2003)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 101 Brasileiros Que Fizeram História de Jorge Caldeira pela Estação Brasil (2016)
>>> 101 Experiências de Filosofia Cotidiana de Roger Pol Droit pela Sextante (2002)
>>> 101 Livros Que Mudaram a Humanidade - Coleção Super Essencial de Superinteressante pela Superinteressante (2005)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph St. James; Alexandre Rosas pela Best Seller (2010)
>>> 102 Minutos: a História Inédita da Luta de Outros; Jim Dwyer pela Jorge Zahar (2005)
>>> 111 Poemas para Crianças de Sérgio Capparelli pela L&pm (2009)
>>> 117 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Margot Saint-loup pela Ediouro (2005)
ENSAIOS

Segunda-feira, 11/9/2006
Os excessos de Carmen Miranda
Luís Antônio Giron

+ de 9500 Acessos


Caricatura de Luiz Fernandes

Convém não misturar demais vida com biografia. Aquela compreende uma seqüência de eventos em ordem cronológica, muitas vezes com direito a fatos sem sentido, sensações, pesadelos e sonhos irrecuperáveis por quem não a experimentou na sua integridade. Biografia consiste em narrativa, uma ordenação de ocasiões marcantes, trata-se em suma de um gênero literário. Há um abismo entre existir e ser biografado. A cantora luso-brasileira Carmen Miranda (1909-1955) já mereceu pequenas e grandes narrativas biográficas. Nenhuma tem o fôlego da que o jornalista e ficcionista Ruy Castro trouxe à luz. Carmen (Companhia das Letras, 2005, 632 págs.) contém mais de 600 páginas de detalhes, dos mais sublimes aos mais sórdidos, da trajetória daquela que foi a maior embaixadora da música brasileira nos Estados Unidos.

O resultado é sério e não lembra o estilo burlesco de outros livros do autor. É o clássico que estava faltando no assunto, muito embora exageradamente longo e em muitas passagens tão chato de ler quanto um tratado. Ruy Castro se mostra mais sisudo do que nunca, até porque a história da artista é feita de tragédias, amores ocultos, vício, loucura, vaidade e morte. E grande música, porque Carmen marcou sua época com o chamado “it” que diziam ter na voz, um jeito de cantar próprio, sobre o qual Castro dedica muitas páginas, sem chegar a uma definição muito clara. O que lhe importa é a trajetória dessa mulher extraordinária.

A bibliografia sobre Carmen é extensa. O relato mais detalhado da carreira discográfica da cantora foi feito em 1978 pelo grande pesquisador paulista Abel Cardoso Junior (1937-2003) no excelente Carmen Miranda — A Cantora do Brasil. Ao morrer, Abel preparava uma edição definitiva, com novos dados e uma pesquisa detalhada sobre a produção da artista nos Estados Unidos entre 1940 e 1955, entre filmes, discos e participações em shows. Ele iria custear mais uma vez a produção do livro em uma editora de Itu, mas o projeto morreu com ele, infelizmente.

Para reexumar (e reenterrar) o cadáver artístico de Carmen, Ruy Castro consultou todo esse material, pesquisou em fontes primárias e secundárias e tomou os poucos depoimentos que restaram de sobreviventes. Mas o que domina no livro é o engenho narrativo do autor, corajoso em penetrar em boudoirs, ambientes fechados, banheiros e outros recintos que ela freqüentou, sem que ninguém tenha deixado relato preciso. É a porção ficcional que toda biografia carrega. O enredo geral todo mundo já conhece. Seria uma história com final feliz, caso contada em sentido anti-horário: a voz deturpada pelas exigências hispânicas de Hollywood nos anos 50, a chegada triunfal à Broadway em 1940, o sucesso do samba de Caymmi "O que é que a baiana tem?" (1939), o brilho da “Pequena Notável”, que lançou os principais sucessos do auge da chamada época de ouro, entre 1934 e 1939, o início da carreira deliciosa com participações em recitais de música regional (não se chamava ainda música popular) pelas mãos do violonista Josué de Barros, as gravações essenciais da marcha "Taí" e dos sambas "Feitiço Gorado" e "Burucuntum", todas em 1930, momento em que o it daquela voz salta dos alto-falantes das vitrolas e marcam o nascimento da grande intérprete da brejeirice nacional.

Não, não foi assim. O trajeto revelou-se involutivo, do brilho original ao cadáver emudecido e maquiado no caixão. O biógrafo tratou de rechear esses episódios com detalhes que faltavam ao grande quebra-cabeça. Por exemplo, as circunstâncias da emigração da família Miranda da Cunha de Portugal ao Brasil; a vida musical nos anos 30 e as batalhas concorridíssimas pelo sucesso no âmbito do samba e da marcha de Carnaval. Aspecto interessante é o da intensa atividade sexual de Carmen, colecionadora de homens. Ruy Castro demora-se na descrição impiedosa da decadência física da cantora, devastada pelo álcool e barbitúricos (segundo Castro, ela não gostava de maconha e cocaína), o casamento desastroso com o empresário David Sebastian (a quem Castro chama abertamente de “cretino” e “judeu”), que herdou toda a fortuna da mulher.

O melhor do livro está no aspecto mórbido. O autor desce aos infernos para dar conta dos últimos instantes da existência de uma artista esgotada, sob tratamento com choques elétricos, destruída física, moral e criativamente. Nesse sentido, a versão adotada por Ruy Castro é a consagrada pela pletora de estudiosos nacionalistas: Carmen foi abduzida, devorada e excretada pelo star system americano, seu tipo físico e sua alegria rebaixadas à condição de caricatura (ela teve de fazer papéis de latina e falar naquilo que Castro define como “espanhol-metralhadora”), em mais um exemplo de exploração do Império Americano.

O autor se afasta cada vez mais do estilo “humor” que o caracterizou, aperfeiçoando-se na arte de criar literatura comovente. A narração da morte e do enterro contêm momentos dramatizados que dão ao leitor o clima de celebração consternada daquele capítulo derradeiro do velório da cantora na Cinelândia e do cortejo do carro fúnebre ao longo da cidade até o cemitério. Eis uma passagem carregada de literatura e imersões psicológicas talvez abelhudas em demasia, pois Sebastian é retratado como um vilão: “Num dos carros, estava o marido, Dave Sebastian. Finalmente ele viera ao Brasil com Carmen. Para Sebastian, valera a pena suportar todas as humilhações. Carmen se recusara a deixar testamento e, com a morte dela, ele ficaria com as casas de Beverly Hills e Palm Springs e os poços de petróleo (tudo isso adquirido por Carmen antes do casamento — fora, portanto, da comunhão de bens), além das ações, dos depósitos bancários e do dinheiro vivo. À família e ‘ao Brasil’, Sebastian doou os vestidos, fantasias, turbantes, plataformas, balangandãs, adereços de palco, fotos, partituras, objetos pessoais e farta bijuteria de Carmen — tomando o cuidado de conservar as jóias verdadeiras, que estavam a salvo nos bancos. Enfim, conservou os valores e livrou-se do bricabraque”. Como um judeu de romance de Charles Dickens ou um Shylock de Shakespeare, Sebastian surge como o velhaco semita. Teria sido tanto assim? Tudo pelo efeito trágico...

Exageros à parte, a cena final, do povo que carrega o cadáver de sua deusa no ápice de um Carnaval macabro, soa como um melodrama adequado ao estado de espírito dos brasileiros na época, que já haviam perdido um ano antes Getúlio Vargas, o cantor Francisco Alves em 1952 e a Copa do Mundo de 1950. Ruy Castro sugere, talvez sem querer, que Carmen forma um dos ingredientes importantes daquilo que outros de seus biografados, Nelson Rodrigues, denominava “complexo de vira-lata”. Ele subentende que o sonho brasileiro não é o americano. Carmen Miranda foi vítima do excesso de fama. Restam suas três centenas de gravações, feitas entre 1929 e 1953, tesouro imaterial intransferível da música brasileira.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Bravo! de fevereiro de 2006.

Para ir além






Luís Antônio Giron
São Paulo, 11/9/2006

Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003
03. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
04. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002
05. A blague do blog - 11/8/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RETRATO SEM LEGENDA
ANNA MARIA MARTINS
SICILIANO
(1995)
R$ 6,90



VIVIANE - HISTÓRIA DE UMA MULHER
LUIZ CARLOS CARNEIRO
LAKE
(1998)
R$ 14,00



FERRO E O VOTO SECRETO
MONTEIRO LOBATO
GLOBO
(2010)
R$ 18,00



UM CONSTRUTOR DO NOSSO TEMPO - DEPOIMENTO AO CPDOC
EDMUNDO DE MACEDO SOARES E SILVA
CSN
(1998)
R$ 30,81



EL MANUSCRITO INTERRUMPIDO DE MARC BLOCH
MASSIMO MASTROGREGORI
FONDO DE CULTURA ECONÓMICA
(1998)
R$ 16,64



DE HIROSHIMA A BAGDÁ
JOAQUIM ANTUNES
ARTES GEOGRAFICA
R$ 6,90



CASAMENTO , TÉRMINO & RECONSTRUÇÃO - 8ª ED - REVISTA E ATUALIZADA
MARIA TEREZA MALDONADO
INTEGRARE
(2009)
R$ 42,00



TESTE DE WARTEGG
EHRIG WARTEGG
CASA DO PSICÓLOGO
(1987)
R$ 49,16



HISTORIA GERAL DA ARTE - ARTES DECORATIVAS II
EDITORA DELPRADO
DEL PRADO
(1996)
R$ 6,90



DIREITO DO CONSUMIDOR: ESTUDO COMPARADO BRASIL-QUEBEC
PATRÍCIA GALINDO DA FONSECA (CAPA DURA)
EDUFF
(2017)
R$ 65,82





busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês