Machado e os contemporâneos | Ronaldo Correia de Brito

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> A vida mais ou menos
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
Mais Recentes
>>> Xy - Sobre a Identidade Masculina de Elisabeth Badinter pela Nova Fronteira (1993)
>>> Tai-chi Chuan por uma Vida Longa e Saudável de Roque Enrique Severino pela Ícone (1985)
>>> Revista Taschen, Spring 2014 de Vários pela Taschen (2014)
>>> Primeiras e Últimas Páginas de Vladimir Jankélévitch pela Papirus (1995)
>>> A Grande Pirâmide de Tom Valentine pela Nova Fronteira (1976)
>>> Formação do Estado Burguês no Brasil (1888-1891) de Décio saes pela Brasiliense (1989)
>>> A Vida de Shelley de André Maurois pela Companhia Ed. Nacional (1957)
>>> Novos Mistérios do Triângulo do Diabo de Richard Winer pela Record (1975)
>>> Wendy Matraca no Rabo de Crocodilo de Wendy Meddour pela V&R (2014)
>>> Caim e Abel de Jeffrey Archer pela Bertrand Brasil (1987)
>>> Rebelião em milagro de John Nichols pela Best Seller (1988)
>>> Não Contem com o Fim do Livro de Umberto Eco e Jean-Claude Carrière pela Record (2010)
>>> A Madona de Cedro de Antonio Callado pela Nova Fronteira (1997)
>>> Pc Linha Leste de Antonio Carlos Felix Nunes pela Livramento (1980)
>>> Princesa Margarida de Judith Krantz pela Supersellers (1980)
>>> Cidade dos confins de Vieira Simões pela Clube do Livro (1966)
>>> O ensaio de Eleanor Catton pela Record (2012)
>>> Catarinenses: Gênese e história de João Carlos Mosimann pela Fundação Catarinense de Cultura (2010)
>>> Vem 3 Libro de Ejercicios. Español Leugua Extranjera de F. Castro e S. Rosa pela Edelsa (1996)
>>> Notas Contemporâneas de Eça de Queiroz pela Llelo e Irmão (1951)
>>> Macunaíma de Mario de Andrade pela CBT Brasil (2021)
>>> Os Maias - Episódio da Vida Romântica Volume II de Eça de Queiroz pela Lello & Irmãos (1951)
>>> Cada segredo de Laura Lippman pela Record (2011)
>>> Vem 1 Libro del Aluno. Español Leugua Extranjera de F. Castro, F. Marin, R. Morales, S. Rosa pela Edelsa (1990)
>>> O Quarto Número 2 de Cida Simka e Sérgio Simka pela Uirapuru (2019)
ENSAIOS

Segunda-feira, 29/9/2008
Machado e os contemporâneos
Ronaldo Correia de Brito

+ de 3000 Acessos

Muitos escreveram sobre Machado de Assis no aniversário de cem anos de sua morte. São inumeráveis os ensaios críticos, as teses de mestrado e doutorado, os estudos de personagens. Onde é possível iluminar um texto com uma nova luz, esmiuçar uma frase que passara despercebida, aproximar a lente de um enigma mal decifrado surgem estudiosos dispostos a fazê-lo. Nada escapa ao interesse deles: nem a poesia de qualidade pouco reconhecida nem o teatro pouco encenado. Quem investiga Machado alega que mesmo a produção "b" ajuda na compreensão do mestre e de sua obra da maturidade.

No rastro da comemoração, vários autores reescreveram textos de Machado, publicados em três livros. Essa polissemia demonstra a força e a atualidade da obra machadiana, seu poder de multiplicar-se em novos livros e também em filmes, especiais de televisão e revistas em quadrinhos. Machado está mais vivo do que nunca; virou unanimidade brasileira, um cânone internacional. Mas nem sempre foi assim.

Celebrado enquanto vivo, ele foi execrado pelos modernistas de 22, que renegaram quase tudo o que fora produzido nas artes nacionais, antes deles. Considerado artificioso, sem vida e fora da realidade cotidiana pelos "modernos", demorou muito para que esses conceitos fossem revistos, o que aconteceria a partir da década de 70, com alguns ensaios que apontam para a dimensão histórica da obra do Mestre.

Dos estudos literários passaram às especulações e já foram pela vida íntima do autor, suas possíveis façanhas amorosas, até mesmo com a esposa do amigo romancista José de Alencar. Alguns jornais insistiram nessa cor "marrom" em suas efemérides. Nenhum investigou a fundo um quesito fundamental: descobrir quem lê Machado de Assis nos tempos atuais, por deleite e escolha, fora do ofício da crítica e da academia. Num país em que existem um milhão e trezentos mil analfabetos freqüentando a escola, a pergunta é bem pertinente.

Machado de Assis viveu num tempo em que a literatura tinha muito mais prestígio e alcance, não competia com outros meios de expressão artística como o cinema, a televisão e os grandes shows musicais. Não refiro o teatro e os concertos, sempre relacionados ao mundo literário da época. O modo de vida e os costumes favoreciam o ato solitário da leitura, num Brasil em que mais de oitenta por cento das pessoas habitavam o campo. As nossas cidades atuais convidam à dispersão e às atividades em grupo, sobretudo entre os jovens, que não consideram a leitura um prazer, lendo na maioria das vezes por obrigação ou tarefa de escola.

Para quem celebramos Machado de Assis, um escritor que permanece atual a ponto de se atribuir a ele a criação do moderno romance brasileiro? Para velhos ou novos leitores? Seria frustrante constatar que os fogos para o nosso Gênio resultam do labor acadêmico e que os leitores comuns, aqueles celebrados pela escritora inglesa Virgínia Woolf, passam ao largo da obra machadiana. Muitos são até capazes de citá-lo de tanto ouvirem falar em Bentinho e Capitu, Quincas Borba e Brás Cubas, mas não vão além da superficialidade.

Supor que Machado não é lido tanto quanto merece ou desejamos põe em cheque o destino da literatura contemporânea brasileira com suas centenas de novos autores. A força e a permanência de Machado também deve ser medida nos autores que surgiram após ele e que, como ele, também experimentam técnicas de escrita e recursos de linguagem em romances, contos, novelas, consolidando uma literatura nacional de valor universal, que busca leitores dentro e fora do Brasil. Nós precisamos não apenas de um autor canônico de quem possamos nos orgulhar com ufanismo, do jeito que nos orgulhamos de um jogador de futebol ou de um campeão de Fórmula 1. Precisamos ler e conhecer muitos outros talentos.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Terra Magazine, em outubro de 2008. Leia também Especial "Machado de Assis".


Ronaldo Correia de Brito
Recife, 29/9/2008

Mais Ronaldo Correia de Brito
Mais Acessados de Ronaldo Correia de Brito
01. Artistas não são pirados - 23/10/2006
02. Para onde estão me levando? - 3/1/2011
03. O legado de Graciliano Ramos - 19/10/2009
04. Onde botar os livros? - 28/6/2010
05. Entre o jornalismo e a academia - 21/12/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




100 Obras Itaú
Itaú
Masp
(1985)



O Guarda Chuva Azarado
Alcides Goulart
Acaiaca Letras C e D Novos
(2006)



7 Clássicos Americanos
Poe, Melville, Faulkner, Hemingway e Outros
Duetto
(2010)



Flash Fora do Ar - Autografado
Amaury Júnior
Elevação
(1999)



O Brasil e a Nova Geopolítica Européia
Francisco de Assis Grieco
Aduaneiras
(1992)



Hyping Health Risks: Environmental Hazards in Daily Life and The
Geoffrey C. Kabat
Columbia University Press
(2008)



Intervenções Psicopedagógicas
Deborah Lucchini e Outros
Expressao & Arte
(2008)



O Imperio dos Sentimentos e a Ditadura do Prazer
Bayard Galvão
Sobre o Viver
(2007)



Assis Valente - Coleção Folha Raízes da Música Popular Brasileira 22
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo
(2010)



Lunité Française - 2ª Edição
Régine Pernoud
Puf
(1949)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês