O legado de Graciliano Ramos | Ronaldo Correia de Brito

busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Disciplinas isoladas
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
Mais Recentes
>>> A Guerra das Rosas (lacrado) de Leila Meacham pela Rocco (2011)
>>> Krum (lacrado) de Hanoch Levin pela Cobogó (2016)
>>> Medeias Latinas de Márcio Meirelles Gouvêa Júnior pela Autêntica (2014)
>>> Metamorfoses Privadas (lacrado) de Rui Xavier pela Nversos (2012)
>>> A Ditadura Militar e os Golpes Dentro do Golpe - 1964-1969 de Carlos Chagas pela Record (2014)
>>> Zagor Nº 50 de Bonelli pela Mythos (2005)
>>> Teen Mate 2 - Resource Book de Vários Autores pela Difusão de Educação e Cultura
>>> Flores do Alimento de Silvetre Silva pela Empresa das Artes (1998)
>>> Zagor Nº 7 de Bonelli pela Mythos (2001)
>>> Cartas a Davi (lacrado) de Fabiano Pereira pela Thesaurus (2014)
>>> Heróis de Verdade 15ª Edição de Roberto Shin pela Gente (2005)
>>> Imperatriz Leopoldina - o Anjo da Independência do Brasil de Monica Buonfiglio pela Companhia dos Anjos (2002)
>>> Hillary Clinton por Ela Mesma de Lisa Rogak pela Alta Books (2015)
>>> Memórias de Aldenham House de Antonio Callado pela Jose Olympio (2015)
>>> Estudo Dirigido de Educação Musical Nº 2 de Irvany Bedaque Ferreira Frias pela Orfeu (1972)
>>> A Dimensão Normativa da Argumentação (lacrado) de Tiago Neu Jardim pela Lumen Juris (2017)
>>> Ragnarok N° 16 de Lee Myung Jin pela Conrad
>>> O Caneco de Prata de João Carlos Marinho Silva pela Obelisco
>>> Das Mädchen Orchidee de Pearl S. Buck pela Bertelsmann Lesering (1960)
>>> Tutela Penal Ambiental de Thiago Jordace pela Lumen Juris (2016)
>>> Temas Essenciais Em Direito Ambiental (lacrado) de Beatriz Souza Costa pela Lumen Juris (2014)
>>> Manual of Accounting Ifrs 2013 Volume 1 de Vários Autores pela Bloomsbury Professional
>>> O Espírito Piagetiano (lacrado) de Olivier Houde pela Penso (2004)
>>> Saga de Beija-flor (lacrado) de Bernardo Marçolla pela Kbr (2015)
>>> Touro de Max Klim pela Nova Era (2001)
ENSAIOS

Segunda-feira, 19/10/2009
O legado de Graciliano Ramos
Ronaldo Correia de Brito

+ de 6100 Acessos

Em 1948, dez anos após a publicação de Vidas Secas, Homero Sena perguntou a Graciliano Ramos, numa entrevista:

― Acredita na permanência de sua obra?

E ele, um pessimista que reagiu ao convencionalismo da linguagem e sempre brigou com as palavras, convencido de que essa era uma briga essencial, de vida ou morte, respondeu amargo e com sinceridade:

― Não vale nada; a rigor até já desapareceu...

***

Nos setenta anos de publicação de Vidas Secas, o mais sereno e otimista dos romances de Graciliano, escrito sob o signo do silêncio como se tudo nele estivesse apenas velado, é possível reconhecer a permanência dessa cartilha de concisão. Permanência atestada não apenas na escritura do livro, mas nos autores brasileiros que surgiram posteriormente a ele e que se beneficiaram dos seus experimentos, pois Graciliano era um experimentador. Cada uma de suas obras é um tipo diferente de romance, como chamou atenção Aurélio Buarque de Holanda. Todas num estilo próprio, a linguagem trabalhada até a última possibilidade de apuro, mas sem ser literária num modo antigo, luso-brasileiro. Graciliano reagiu à impostura do convencionalismo da linguagem, tornou-se romancista da modernidade brasileira, por mais que tentem vinculá-lo ao naturalismo. Moderno, mas não "modernista", na conotação que ganhou o termo com os modernistas de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Quando Vidas Secas foi publicado, em 1938, a técnica do escritor chegara ao máximo de pessoal, em quatro romances diferentes nos temas e na construção, mas que mantinham o mesmo estilo, "a mesma atitude filosófica perante o Homem, matéria prima da ficção", como observou Wilson Martins. De romance para romance ― Caetés (1933), São Bernardo (1934), Angústia (1938) ― Graciliano se desfaz gradualmente da carga de subjetivismo e angústia que o caracterizam, até que em Vidas Secas, que mais parece um livro de crônicas ou contos, alcança um alto grau de serenidade no estudo psicológico dos personagens: de Fabiano, de Sinhá Vitória, dos meninos, de Baleia e do soldado amarelo.

A paisagem sertaneja, quando descrita, é apenas para realçá-los. Ela só agrava o pessimismo do autor em relação ao mundo; acentua o silêncio das pessoas, que desaprenderam os modos de falar, único jeito de se livrarem de suas memórias. Os entraves de Fabiano, questionando a necessidade da fala, recriminando-se quando comete excessos, nada mais são que os questionamentos de Graciliano em torno da própria escrita, obcecado pela depuração, convencido de que o escritor luta menos com ideias do que com palavras. E que apenas por meio delas pode livrar-se do sofrimento da memória, mergulhando no esquecimento ao escrever.

***

Assumidamente avesso aos resultados da Semana de 22, Graciliano achava que os modernistas brasileiros confundiam o ambiente literário do país com a Academia e traçavam linhas divisórias, mas arbitrárias, entre o bom e o mau, querendo destruir tudo o que ficara para trás, condenando por ignorância ou safadeza muita coisa que merecia ser salva. Com a desconcertante franqueza de sempre, respondeu quando lhe perguntaram se era um "modernista": "Enquanto os rapazes de 22 promoviam seu movimentozinho, achava-me em Palmeira dos Índios, em pleno sertão alagoano, vendendo chita no balcão". Se o regionalismo criado por Gilberto Freyre em reação aos "modernistas" ajudou a polemizar a cena literária brasileira, também acentuou uma linha divisória que nunca se desfez, separando o Brasil em Nordeste e Sudeste.

Há quem se apegue ao uso que Graciliano faz de uma meia dúzia de vocábulos próprios do Nordeste ― que não poderiam ser outros, pois falsificariam Vidas Secas, para datar o romance ou classificá-lo como regionalista, num sentido que diminui sua grandeza. Desde o manifesto escrito por Gilberto Freyre, em que chama os modernistas de inimigos de toda espécie de tradicionalismo e de toda forma de regionalismo, confundem o movimento literário deflagrado por Freyre com regionalismo geográfico. Passaram a ser regionalistas, até os dias de hoje, os que escrevem fora da latitude sudeste, principalmente nordestinos, desde que refiram a linguagem e os cenários em que vivem. Uma danosa herança. Mesmo morando no Rio de Janeiro, a partir de 1937, Graciliano continuou emocionalmente vinculado à sua origem. Preferia o interior à cidade grande, e o contato íntimo com a terra e o povo. Reconhecia vir daí a força de escritores como Rachel de Queiroz, José Lins do Rego e Jorge Amado.

Sendo um dos escritores modernos que melhor manejaram o nosso idioma, convencido de que não há talento que resista à ignorância da língua, deixou o exemplo de luta e querência pela palavra, a escrita como um difícil exercício de construção em meio ao silêncio. Preocupou-se com o estilo, mas não inventou um idioma, como Guimarães Rosa. Sem forçar comparações, pois acredito que os movimentos literários surgem como sintonias de um tempo em vários espaços do mundo, por afinidades estéticas, filosóficas e outras afinidades, reconheço nas obras de Graciliano e do francês Albert Camus um traçado que os aproxima. Essa analogia surpreendente ou evidente foi registrada por Lourival Holanda no seu livro Sob o signo do silêncio. Ele escreve: "Não cabe inquirir influências: o contato de Camus com o Brasil foi mínimo e tardio; Graciliano é já maduro quando conhece Camus". No entanto, ambos captam as ondas de seu tempo, escrevem obras em que reverbera o social, e antecipam mudanças no espírito literário.

Qual o legado de Vidas Secas para a literatura brasileira, nesses 70 anos? São muitas as respostas. Tornou-se quase estereótipo referir a exatidão, as frases curtas e limpas de excessos humanos, o ritmo dado às frases, a escolha certa das palavras, a eliminação de tudo o que não é essencial. Porém, o maior legado de Vidas Secas é o de uma escrita em que é possível reconhecer a linguagem no processo de tornar-se literatura.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Terra Magazine, em junho de 2009.

Para ir além






Ronaldo Correia de Brito
Recife, 19/10/2009

Mais Ronaldo Correia de Brito
Mais Acessados de Ronaldo Correia de Brito
01. Artistas não são pirados - 23/10/2006
02. Para onde estão me levando? - 3/1/2011
03. O legado de Graciliano Ramos - 19/10/2009
04. Onde botar os livros? - 28/6/2010
05. Entre o jornalismo e a academia - 21/12/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dízimo a Arte de Prosperar
Edson Barros ( Pastor )
Do Autor
(2006)



Deus no pasto
Hermilio Borba Filho
Civilização Brasileira
(1972)



Nas Voragens do Pecado
Yvonne A. Pereira / Espirito Charles
FEB
(2009)



História e Cultura Africana e Afro-brasileira
Nei Lopes
Barsa Planeta
(2008)



Técnicas de Pintura e Desenho Desenho por Computador 1
Vários Autores
Ediciones Genesis
(1992)



O Homem plural
Mário Graciotti
Nova época
(1978)



O Velho Logan 6 Derrotado?
Marvel Panini Comics
Panini Comics
(2017)



Fale Espanhol No Táxi - Taxistas E Passageiros
Importado
Importado
(2021)



Direito Tributário e os Conceitos de Direito Privado
Aldo de Paula Junior e Outros
Noeses
(2010)



Helena e Iaiá Garcia
Machado de Assis
Cultrix





busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês