Palavras diurnas e noturnas | Eugenia Zerbini

busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 13/7/2009
Palavras diurnas e noturnas
Eugenia Zerbini

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Eu morava na França e, como exigência final da pós-graduação em Direito Internacional, concluía o mémoire (equivalente à dissertação de mestrado). Era junho, início de verão, e todos os colegas de casa de estudante ― o Foyer International des Etudiants, em Dijon ― arrumavam as malas. Alguns para as férias, outros, como meu namorado americano na época, de volta a seus países de origem. Como francófila assumida desde a infância, era fluente em francês. Mas quase enlouqueci para escrever aquelas cem páginas, sobre um assunto novo (um tratado sobre a venda internacional de mercadorias), com pouca bibliografia, antes do advento da internet e do Google, em uma máquina de escrever manual emprestada.

Foi nessa época de partidas e de pouco dinheiro que fiquei sabendo que García Márquez mantinha o hábito de ter uma flor amarela em cima da mesa em que escrevia. Apesar da minguada bolsa de estudos, esforcei-me na compra de um vasinho com flores daquela cor para tê-lo sobre minha escrivaninha. Não diminuiu minha ansiedade; porém, não sei se por causa delas, passei a acordar de madrugada com mil e uma ideias e o desejo incontrolável de escrever. Tinha impressão de psicografar, tão rápido era o pensamento e a escrita. Mais ou menos como os mágicos cadernos portugueses descritos por Paul Auster em Noite do oráculo. Os textos, em um misto de línguas, longe de serem jurídicos, eram poéticos, com até mesmo algumas reflexões profundas e metáforas originais.

Três meses depois, deixei Dijon, carregando um sonoro título universitário e um diário repleto de trechos oníricos, ao qual às vezes ainda recorro.

Por uma questão de sobrevivência, mas também movida por uma espécie de desafio, experimentei a escrita em diferentes registros: como advogada, professora universitária e, de uns anos para cá, como escritora. Mundos à parte, embora com intersecções frequentes: como todos lembram, em literatura, o movimento romântico brasileiro, por exemplo, cresceu à sombra da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. Nela, quando aluna, fui membro da academia de letras. Fiz jus à cadeira de número 13 ― cujo patrono era Álvares "Se eu morresse amanhã" Azevedo ― depois de apresentar um ensaio sobre o simbolismo europeu e suas influências na poesia brasileira. Trabalho escrito durante as noites de uma semana (trabalhava durante o dia e li o edital próximo à data final). Quando tenho que cumprir um prazo, recordo-me dessa façanha e, principalmente, do exemplo deixado por Balzac, capaz de escrever maravilhas com os credores batendo na sua porta.

O tempo foi passando e não deixei de cultivar o ato de escrever nesses mundos paralelos. Tomei por inspiração o filósofo Gaston Bachelard (1884-1962) que, voltado para a filosofia da ciência (A formação do espírito científico), foi autor, também, de textos de um lirismo infinito (A água e os sonhos, A terra e os devaneios da vontade, entre outros). Ele dava conta de tudo desdobrando seu pensamento em diurno e noturno. Assim, fui autora de uma tese de doutorado, de artigos publicados em revistas jurídicas e de capítulos em obras conjuntas. Nesse campo, arrisco: o difícil é começar; depois, não desistir. Entretanto, nas diferentes oportunidades em que me sentei para escrever cada um desses trabalhos, visualizei uma cena descrita por Erica Jong, em Fanny: Being the true history of the adventures of Fanny Hackabout-Jones. Estrondoso hit dos anos setenta, autora do libelo pró-liberação sexual intitulado Medo de voar, a senhora Jong coloca sua heroína, no século XVIII (uma espécie Casanova de saias), a redigir suas memórias. Essa o faz apoiada em uma elegante papeleira de época, em uma ensolarada casa na Nova Inglaterra. Dos janelões abertos, descortina-se a vista de um imenso gramado. Sem fim, como minhas fantasias. Sim, porque contrastando com esses devaneios, cheguei a escrever tais trabalhos às vezes escondida, como uma ladra, em instantes furtados do trabalho ou da família, ou espremida nas mesas de uso comum das bibliotecas dos departamentos da faculdade em que estudei.

O prazer real em escrever veio com maturidade, quando tomei a decisão de concluir um romance para concorrer ao Prêmio SESC Literatura. Desde a infância desejei ser escritora. Só que me envergonhava disso. Era muita pretensão e, na qualidade de leitora compulsiva, preferia ler. Tudo mudou em julho de 2004, quando soube daquele prêmio. Entre esboços literários inconclusos, escolhi aquele que considerava o menos difícil de tocar: As netas da Ema. O enredo gravitava em torno de um grupo de mulheres baby boomers que alcançaram os fifties (eufemismo menos doloroso para os cinquenta anos). Na sequência, planejei de forma matemática quanto tempo livre eu disporia e comecei. Planejamento de executivo, com metas a cumprir. Assim, descobri ser mais produtivo acordar de madrugada e trabalhar quando tudo dormia. Foram tempos cansativos, mas felizes.

O prazer da escrita era físico. Eu, que sempre achei Hemingway um exagerado, ao afirmar, em Paris é uma festa, que, depois de escrever suas páginas diárias, a sensação que o invadia era parecida com a satisfação do depois do amor... Com ou sem exagero, fiz minha inscrição no último dia do prazo. O resultado ainda não havia sido publicado e eu já tinha o mote para o segundo livro.

Dante, no "Purgatório", descreveu a imaginação como um lugar em que chove: poi piovve dentro a l´alta fantasia. Como um raio, a ideia para esse segundo livro despencou sobre mim. Sendo um romance histórico, exigiu até o presente muita pesquisa e algumas viagens. Escrevê-lo, embora em algumas passagens tenha sido exasperante (a busca do equilíbrio entre ficção e histórico, entre informação e excesso), no cômputo geral está sendo prazeroso.

Como gostaria de ser lembrada enquanto o segundo livro não vem, passei a escrever textos curtos, aventurando-me nos contos. Durante três meses, em 2006, fui semanalmente à Curitiba para assistir às oficinas de criação literária organizadas pelo José Castello. Como Verdi faz cantar Violeta Valéry, na ópera La Traviata: "croce e delizia, delizia e croce". Cruz e delícia. Cansativo, afinal, toda semana seis horas de ônibus para ir, outras tantas para voltar. Mas um deslumbramento, por ser Castello a pessoa generosa e sensível que é. Dois anos depois, em 2008, estreei como contista no jornal Rascunho. Depois desse, outros contos se seguiram.

Por um lado, já sonhei com a abertura de meu terceiro romance. Por outro, tive que pesquisar para escrever alguns de meus contos. De volta à comparação amorosa, são como casos de amor no decorrer de uma vida. Todos, sentimentos; cada qual do seu jeito. Há dias em que escrevo direto no computador, outros, à mão. Às vezes usando lápis e borracha, buscando uma primeira versão organizada. Outras vezes, à caneta, riscando e sujando o rascunho até recear não entender o que está no papel. Já escrevi dentro do carro, esperando filha na saída da escola; escrevi triste e magoada; alegre e esperançosa; comemorando meu aniversário e tomando champagne. E, embora tenha lido que Nélida Piñon se arruma como se fosse sair, todas as manhãs, antes de escrever, passei vários fins de semana de pijama, escrevendo sem parar. Talvez por isso arrisque nunca presidir uma academia.

Nota do Editor
Eugenia Zerbini venceu o Prêmio SESC Literatura 2004 na categoria romance, com o livro As netas da Ema. Tem contos publicados no jornal Rascunho, revista Cult e no blog do caderno "Prosa e Verso" de O Globo.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 13/7/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Encontro com Kurt Cobain de André Forastieri
02. MPB: raízes e antenas conectadas de Carlos Calado
03. 68 e a Música Nova de João Marcos Coelho
04. Cenas de um casamento de Marcelo Rubens Paiva
05. O romance sobre o nada de Eugenia Zerbini


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessados de Eugenia Zerbini
01. O diabo veste Prada - 2/10/2006
02. Para o Daniel Piza. De uma leitora - 16/1/2012
03. O romance sobre o nada - 28/5/2007
04. De vinhos e oficinas literárias - 2/7/2007
05. Retrato edulcorado de uma rainha - 9/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/7/2009
06h52min
Sou um pouco assim, escrevo mais à mão do que no computador. À lápis ou caneta. Em qualquer lugar. Como não tenho prazos a cumprir, apenas as metas que eu mesma me dou, não preciso de regras e disciplinas. Não importa o lugar ou o "como", importa a sensação do que foi escrito (e revisado). Essa sensação é um prazer único. Adorei "As netas da Ema". Quando sai o segundo romance? Vou buscar seus contos no Rascunho... Bjs
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LOS ANGELES
MARIAN KEYES; RENATO MOTTA
BERTRAND BRASIL
(2007)
R$ 8,00



HISTÓRIA DO BRASIL
FRANCISCO DE A. SILVA / PEDRO IVO DE ASSIS BASTOS
MODERNA
(1979)
R$ 9,00



O AZULEJO EM PORTUGAL NO SÉCULO XX
ANA MARIA RODRIGUES/COMISSÃO NACIONAL
INAPA
(2000)
R$ 165,00
+ frete grátis



THE FOREIGNER
MEG CASTALDO
POCKET BOOKS
(2001)
R$ 36,28



FIVE ONE HUNDRED STAR AMERICAN FOLK MASTERPIECES ART
JEAN LIPMAN & ROBERT BISHOP & ELIZABETH WAR
HARRY N ABRAMS
(1990)
R$ 60,00
+ frete grátis



A REVISTA - EDIÇÃO ESPECIAL Nº 3 - CUT - 1983-2003 - VINTE ANOS
CUT
TAKANO
(2003)
R$ 49,90



O VOCABULARIO DA POLITICA
CARLOS LARANJEIRA
C3 ARTE IMPRENSA E PROPAGANDA
R$ 6,82



IRACEMA UBIRAJARA
JOSÉ DE ALENCAR
EDIGRAF
R$ 5,00



O POVO O PODER
MANUEL CORREIA DE ANDRADE
OFICINA DE LIVROS
(1991)
R$ 6,90



ROBOCOP. ADAPTAÇÃO OFICIAL DO FILME
EDWARD NEUMEIER & MICHAEL MINER
ABRIL JOVEM
(1991)
R$ 10,00





busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês