O diabo veste Prada | Eugenia Zerbini

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
>>> Maurice
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
ENSAIOS

Segunda-feira, 2/10/2006
O diabo veste Prada
Eugenia Zerbini

+ de 21100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Quando o cinema toma por base a literatura, a comparação entre filme e livro é inevitável. Excepcionalmente, o filme supera o livro. Um dos raros casos em que isso ocorreu foi em O Jardim dos Finzi Contini, dirigido por Vittorio de Sica, em 1970.

Baseado em romance homônimo de Giorgio Bassani, publicado na Itália, em 1961, e traduzido no Brasil cerca de 20 anos depois, o filme superou a obra que lhe deu origem. Contribuiu para isso a sensualidade que o trio central de atores destilava sobre a platéia. Dominique Sanda e Helmut Berger, como Micòl e Alberto – o rico casal de irmãos judeus, filhos do dono da mansão em Ferrara onde a nata da juventude judaica se reunia nos anos 30 –, ao lado de Fábio Testi, interpretando o amigo socialista de Alberto que seduz Micòl, acrescentaram charme e tensão extras às páginas do livro.

Pela regra geral, este último supera o filme. Nela se enquadra O diabo veste Prada (dirigido por David Frenkel, que respondeu pela direção de episódios de Sex and the City), cuja estréia nos cinemas em São Paulo ocorreu dia 22 de setembro.

O romance do qual foi extraído o filme é a obra de estréia de Lauren Weisberger. Lançado nos Estados Unidos em 2003, conta as desventuras de uma jornalista recém-formada em seu primeiro emprego em Nova York, como assistente da toda poderosa editora de uma prestigiada revista de moda, Runway. Durante seis meses, o livro permaneceu na lista dos mais vendidos do The New York Times; foi traduzido para 27 idiomas. No Brasil, editado pela Record, encontra-se na 11ª edição. Esse sucesso foi alimentado pelo fato de a autora ter trabalhado durante um ano como assistente de Anne Wintour, editora da revista Vogue norte-americana.

Roman à clef? Sim, apesar dos desmentidos solenes de Ms. Weisberger. E, por tratar de moda, o que significa dúzias de grifes – além da Prada do título, Marc Jacobs, Calvin Klein, Chanel, Valentino, Narciso Rodrigues, entre outras – chick lit, literatura de mulherzinhas? Não, porque moda não é assunto exclusivamente feminino (que o diga Colbert, ministro das Finanças de Luiz XIV, que viu no desenvolvimento da indústria do luxo uma forma de ganhar dinheiro e de projetar o poder da França).

O livro O diabo veste Prada é bem escrito. A começar pelo título, por si só espirituoso, o texto é ágil e ritmado. A adaptação da heroína, Andrea Sachs (no filme interpretada por Anne Hathaway, de O Diário da Princesa e O segredo de Brokeback Mountain), desinteressada por moda e ansiosa por uma chance para exercer suas aptidões jornalísticas, ao ambiente fútil da redação da revista Runway e aos crescentes caprichos de sua editora, Miranda Prestley (a cargo do talento de Meryl Streep, vencedora de dois Oscars) rendem boas risadas.

Os livros não precisam ser sempre levados a sério, da mesma forma que nem todas situações da vida, nem todos seres humanos (a começar por nós mesmos). O escritor Luiz Antonio de Assis Brasil, na edição passada do jornal literário Rascunho, aponta para o descaso com que a literatura de entretenimento é tratada pelos autores brasileiros, repetindo as palavras do conceituado José Paulo Paes nesse mesmo sentido. Depois de um livro sério, seguindo o exemplo dado por Assis Brasil, um texto mais leve, sem negligenciar aqueles casos em que o leitor é iniciado nos mistérios literários por meio de um romance que, sendo correto, é descompromissado.

Aqueles que leram O diabo veste Prada, sairão ligeiramente decepcionados do cinema. Embora divertido, o livro é bem mais. Apesar da competente atuação de Meryl Streep, ela não tem o physique du rôle exigido pelo papel de Miranda Priestly. Seu manequim está além dos números 36 ou 38 a que se submetem todas as que trabalham em Runway. Além disso, faltam-lhe não apenas os frios olhos azuis, mas também os cabelos lisos, cortados Chanel à altura do queixo, com franja, no melhor estilo Louise Brooks, descritos com ênfase no livro. E, o fundamental: não rosna, insistindo em seu sotaque britânico (sim, porque no livro Miranda é inglesa), o “Anh-dre-ah” impresso em grande número das páginas.

Particularmente, fui ao cinema curiosa em ver a cena em que, na festa organizada pela Runway, no Metropolitan Museum of Art, a megera fashion surge de vermelho (e Betty Davis, em Jezebel, deu exemplo do que uma mulher em vermelho é capaz de fazer...). Imponente, tendo ao fundo as ruínas do templo de Dandur, Miranda é admirada por uma Andrea Sachs mesmerizada. Para minha frustração, Meryl Streep nessa tomada está de preto, diluída na multidão de mulheres de escuro que participam do evento, não havendo a cena do templo. Nossa imaginação constrói catedrais às vezes inexeqüíveis.

O mais relevante, entretanto, não está nesses detalhes. Interferiu-se de modo significativo em dois pontos do livro. O primeiro deles ao omitir que Andrea, de origem judaica, descobre a certa altura que Miranda não nasceu Miranda Priestly, mas Miriam Princheck, um dos onze filhos de um rabino londrino. Daí, talvez, o grande choque para Andrea escutar de Miranda que seriam iguais. Podem dividir as origens, mas Andrea nega-se a partilhar o destino.

O segundo ponto diz respeito ao final do filme. Seguindo a tradição hollywoodiana de fazê-los felizes e edificantes, o desfecho do livro é alterado no filme. No primeiro, Andrea, sem o namorado, sobrevive às custas do dinheiro que obtém na venda do guarda-roupa e acessórios de grife que ganhara na redação de Runway, enquanto procura, e conquista, seu lugar como jornalista.

Não é a primeira vez que a busca de happy ends altera as últimas páginas de um romance. Em uma versão norte-americana recente de O Conde de Monte Cristo, o célebre romance de Alexandre Dumas (pai) – um dos expoentes da literatura de entretenimento do século XIX – , Edmond Dantés e Mercédès se casam, depois de Dantés matar em duelo o Conde de Morcerf, com quem Mercédès se unira já grávida de Dantés. Uma bobagem, uma vez que, para começar, no livro Morcerf suicida-se e Dantés não tinha filho algum. Longe de comparar Dumas a Weisberger, o certo é que o elegante diabo desta última não está sozinho.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedito por Eugenia Zerbini, escritora, autora de As netas da Ema, romance que recebeu o prêmio SESC-Literatura, em 2005.

Para ir além






Eugenia Zerbini
São Paulo, 2/10/2006

Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessados de Eugenia Zerbini
01. O diabo veste Prada - 2/10/2006
02. Para o Daniel Piza. De uma leitora - 16/1/2012
03. O romance sobre o nada - 28/5/2007
04. De vinhos e oficinas literárias - 2/7/2007
05. Retrato edulcorado de uma rainha - 9/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/10/2006
13h20min
Querida Eugenia, muito bom o texto! Você deveria fazer comentários e críticas de livros e filmes para algum jornal, pois estamos precisando de gente competente e preparada, enfim, culta como você. Depois de assistir ao filme vou reler seu artigo. Parabéns e um abraço!
[Leia outros Comentários de Teresa]
2/10/2006
22h02min
Olá Eugenia! Também li o livro antes de ver o filme e encontrei muitas contradições. A que mais me surpreendeu foi a atuação da atriz Merryl Streep, que, na minha modesta opinião, apesar de ótima, não chegou perto da arrogância da "Miranda Prestley" descrita no livro. A tensão no ambiente da revista também foi mal trabalhada porque passou uma impressão de cena construída; nada natural. Alteraram muitos trechos relatados no livro. Mostra um pouquinho dos muiiitttooos absurdos envolvidos nos setores ligados ao luxo... mas enfim, interessante. Um abraço!
[Leia outros Comentários de Liz]
3/10/2006
14h45min
Querida Eugenia, Assisti e gostei do filme. Agora, graças ao seu artigo, estou curiosa para ler o livro! Seu texto é maravilhosamente bem escrito! Escreva mais sobre o assunto, por favor! Abraços!
[Leia outros Comentários de Christina ]
4/10/2006
22h44min
Acho muito difícil comparar livro e filme - principalmente desta espécie. São coisas diferente demais. Vi o filme e, coincidentemente, escrevi sobre este assunto no meu blog.
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
30/10/2006
18h03min
Olá! Achei o texto muito bem escrito, apesar de não concordar com algumas idéias expostas nele. Primeiro, acredito que, quando um filme é "baseado" em um livro, ele não precisa seguir todas as linhas fielmente. Por isso, diz-se que a produção é "baseada" em um livro. Em Código Da Vinci ocorreu o mesmo e, mesmo assim, achei o filme muito bom. Eu não li o livro e achei o filme bom, principalmente pela atuação da Meryl que, para mim, faz com que o filme valha a pena ser visto. Mas, a verdade mesmo é que dificilmente um filme ultrapassa a qualidade de um livro. Enquanto no filme está tudo exposto lá e você apenas assiste, no livro você torna-se parte integrante da história, a partir do momento em que as imagens e a construção das cenas são formadas de acordo com a nossa imaginação.
[Leia outros Comentários de Carla Martins]
23/11/2006
16h21min
Eugênia, conheço seu trabalho como escritora e pode soar repetitivo dizer que você tem o perfeito equilíbrio entre erudição e cultura popular. Aprecio o modo como busca paradigmas da vida real nos clássicos da literatura (e, agora, no cinema!). Você enfatiza a idéia de que a arte imita a vida e vida imita a arte. Não li o livro, vi o filme. Confesso que fui para ver os modelitos e os sapatos, é claro! Superou as expectativas! Coincidentemente, nesses dias, estou lendo o roteiro de um filme baseado em um livro que conheço bem. Acho difícil que um roteiro possa ser fiel a um livro, pois este é tecido com linhas diferentes. O cinema utiliza as imagens para dizer tudo (um dia ele foi mudo!). O livro tem que usar as palavras certas para nos levar aos perfis que devemos ver, sejam eles dos personagens ou dos ambientes. O livro é escrito por uma só mão. O filme, admite a intervenção de muitas idéias, pessoas e patrocinadores. Para nós, apreciadores do cinema e dos livros, o melhor é o dialogo.
[Leia outros Comentários de Cristina Almeida]
30/6/2007
23h08min
Eugenia, eu gostei muito do seu livro, como também do filme. Você deveria fazer comentários e críticas de livros e filmes para algum jornal.
[Leia outros Comentários de dr. Miranda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Responsabilidade Civil por Erro Médico
Fábio Motta da Cunha
Cbj
(2007)



Educação Linguistica Em Perspectivas e Horizontes
Khalil Salem
Fiuza
(2011)



Vencendo a Própria Crise
Carlos Wizard Martins
Record
(1993)



Filha da Magia
Justine Larbalestier
Galera



O Tempo Não Apagou
Don R. Christman
Casa
(1987)



A princesa que tudo sabia,,,,menos uma coisa
Rosane paplona, Nino B junior
Brinque-Book
(2001)



Tecnologia Em Gestão e Marketing para Pequenas e Médias Empresas Vol 2
Pedro Hiane e Outros
Uniderp
(2007)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



Para Sempre uma Aprendiz
Maria Glória Francener Deschamps
Gaia
(2004)



Moda & Sustentabilidade: Design para Mudança - 1ª Edição
Kate Fletcher & Lynda Grose
Senac Sp
(2012)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês