O diabo veste Prada | Eugenia Zerbini

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
Mais Recentes
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
ENSAIOS

Segunda-feira, 2/10/2006
O diabo veste Prada
Eugenia Zerbini

+ de 20100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Quando o cinema toma por base a literatura, a comparação entre filme e livro é inevitável. Excepcionalmente, o filme supera o livro. Um dos raros casos em que isso ocorreu foi em O Jardim dos Finzi Contini, dirigido por Vittorio de Sica, em 1970.

Baseado em romance homônimo de Giorgio Bassani, publicado na Itália, em 1961, e traduzido no Brasil cerca de 20 anos depois, o filme superou a obra que lhe deu origem. Contribuiu para isso a sensualidade que o trio central de atores destilava sobre a platéia. Dominique Sanda e Helmut Berger, como Micòl e Alberto – o rico casal de irmãos judeus, filhos do dono da mansão em Ferrara onde a nata da juventude judaica se reunia nos anos 30 –, ao lado de Fábio Testi, interpretando o amigo socialista de Alberto que seduz Micòl, acrescentaram charme e tensão extras às páginas do livro.

Pela regra geral, este último supera o filme. Nela se enquadra O diabo veste Prada (dirigido por David Frenkel, que respondeu pela direção de episódios de Sex and the City), cuja estréia nos cinemas em São Paulo ocorreu dia 22 de setembro.

O romance do qual foi extraído o filme é a obra de estréia de Lauren Weisberger. Lançado nos Estados Unidos em 2003, conta as desventuras de uma jornalista recém-formada em seu primeiro emprego em Nova York, como assistente da toda poderosa editora de uma prestigiada revista de moda, Runway. Durante seis meses, o livro permaneceu na lista dos mais vendidos do The New York Times; foi traduzido para 27 idiomas. No Brasil, editado pela Record, encontra-se na 11ª edição. Esse sucesso foi alimentado pelo fato de a autora ter trabalhado durante um ano como assistente de Anne Wintour, editora da revista Vogue norte-americana.

Roman à clef? Sim, apesar dos desmentidos solenes de Ms. Weisberger. E, por tratar de moda, o que significa dúzias de grifes – além da Prada do título, Marc Jacobs, Calvin Klein, Chanel, Valentino, Narciso Rodrigues, entre outras – chick lit, literatura de mulherzinhas? Não, porque moda não é assunto exclusivamente feminino (que o diga Colbert, ministro das Finanças de Luiz XIV, que viu no desenvolvimento da indústria do luxo uma forma de ganhar dinheiro e de projetar o poder da França).

O livro O diabo veste Prada é bem escrito. A começar pelo título, por si só espirituoso, o texto é ágil e ritmado. A adaptação da heroína, Andrea Sachs (no filme interpretada por Anne Hathaway, de O Diário da Princesa e O segredo de Brokeback Mountain), desinteressada por moda e ansiosa por uma chance para exercer suas aptidões jornalísticas, ao ambiente fútil da redação da revista Runway e aos crescentes caprichos de sua editora, Miranda Prestley (a cargo do talento de Meryl Streep, vencedora de dois Oscars) rendem boas risadas.

Os livros não precisam ser sempre levados a sério, da mesma forma que nem todas situações da vida, nem todos seres humanos (a começar por nós mesmos). O escritor Luiz Antonio de Assis Brasil, na edição passada do jornal literário Rascunho, aponta para o descaso com que a literatura de entretenimento é tratada pelos autores brasileiros, repetindo as palavras do conceituado José Paulo Paes nesse mesmo sentido. Depois de um livro sério, seguindo o exemplo dado por Assis Brasil, um texto mais leve, sem negligenciar aqueles casos em que o leitor é iniciado nos mistérios literários por meio de um romance que, sendo correto, é descompromissado.

Aqueles que leram O diabo veste Prada, sairão ligeiramente decepcionados do cinema. Embora divertido, o livro é bem mais. Apesar da competente atuação de Meryl Streep, ela não tem o physique du rôle exigido pelo papel de Miranda Priestly. Seu manequim está além dos números 36 ou 38 a que se submetem todas as que trabalham em Runway. Além disso, faltam-lhe não apenas os frios olhos azuis, mas também os cabelos lisos, cortados Chanel à altura do queixo, com franja, no melhor estilo Louise Brooks, descritos com ênfase no livro. E, o fundamental: não rosna, insistindo em seu sotaque britânico (sim, porque no livro Miranda é inglesa), o “Anh-dre-ah” impresso em grande número das páginas.

Particularmente, fui ao cinema curiosa em ver a cena em que, na festa organizada pela Runway, no Metropolitan Museum of Art, a megera fashion surge de vermelho (e Betty Davis, em Jezebel, deu exemplo do que uma mulher em vermelho é capaz de fazer...). Imponente, tendo ao fundo as ruínas do templo de Dandur, Miranda é admirada por uma Andrea Sachs mesmerizada. Para minha frustração, Meryl Streep nessa tomada está de preto, diluída na multidão de mulheres de escuro que participam do evento, não havendo a cena do templo. Nossa imaginação constrói catedrais às vezes inexeqüíveis.

O mais relevante, entretanto, não está nesses detalhes. Interferiu-se de modo significativo em dois pontos do livro. O primeiro deles ao omitir que Andrea, de origem judaica, descobre a certa altura que Miranda não nasceu Miranda Priestly, mas Miriam Princheck, um dos onze filhos de um rabino londrino. Daí, talvez, o grande choque para Andrea escutar de Miranda que seriam iguais. Podem dividir as origens, mas Andrea nega-se a partilhar o destino.

O segundo ponto diz respeito ao final do filme. Seguindo a tradição hollywoodiana de fazê-los felizes e edificantes, o desfecho do livro é alterado no filme. No primeiro, Andrea, sem o namorado, sobrevive às custas do dinheiro que obtém na venda do guarda-roupa e acessórios de grife que ganhara na redação de Runway, enquanto procura, e conquista, seu lugar como jornalista.

Não é a primeira vez que a busca de happy ends altera as últimas páginas de um romance. Em uma versão norte-americana recente de O Conde de Monte Cristo, o célebre romance de Alexandre Dumas (pai) – um dos expoentes da literatura de entretenimento do século XIX – , Edmond Dantés e Mercédès se casam, depois de Dantés matar em duelo o Conde de Morcerf, com quem Mercédès se unira já grávida de Dantés. Uma bobagem, uma vez que, para começar, no livro Morcerf suicida-se e Dantés não tinha filho algum. Longe de comparar Dumas a Weisberger, o certo é que o elegante diabo desta última não está sozinho.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedito por Eugenia Zerbini, escritora, autora de As netas da Ema, romance que recebeu o prêmio SESC-Literatura, em 2005.

Para ir além






Eugenia Zerbini
São Paulo, 2/10/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Obama ou Olama? de Marcelo Sant'Iago
02. O Nobel da crise de Sérgio Augusto
03. As penas do ofício de Sérgio Augusto
04. O sebo ideal de Mayrant Gallo


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessados de Eugenia Zerbini
01. O diabo veste Prada - 2/10/2006
02. Para o Daniel Piza. De uma leitora - 16/1/2012
03. O romance sobre o nada - 28/5/2007
04. De vinhos e oficinas literárias - 2/7/2007
05. Retrato edulcorado de uma rainha - 9/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/10/2006
13h20min
Querida Eugenia, muito bom o texto! Você deveria fazer comentários e críticas de livros e filmes para algum jornal, pois estamos precisando de gente competente e preparada, enfim, culta como você. Depois de assistir ao filme vou reler seu artigo. Parabéns e um abraço!
[Leia outros Comentários de Teresa]
2/10/2006
22h02min
Olá Eugenia! Também li o livro antes de ver o filme e encontrei muitas contradições. A que mais me surpreendeu foi a atuação da atriz Merryl Streep, que, na minha modesta opinião, apesar de ótima, não chegou perto da arrogância da "Miranda Prestley" descrita no livro. A tensão no ambiente da revista também foi mal trabalhada porque passou uma impressão de cena construída; nada natural. Alteraram muitos trechos relatados no livro. Mostra um pouquinho dos muiiitttooos absurdos envolvidos nos setores ligados ao luxo... mas enfim, interessante. Um abraço!
[Leia outros Comentários de Liz]
3/10/2006
14h45min
Querida Eugenia, Assisti e gostei do filme. Agora, graças ao seu artigo, estou curiosa para ler o livro! Seu texto é maravilhosamente bem escrito! Escreva mais sobre o assunto, por favor! Abraços!
[Leia outros Comentários de Christina ]
4/10/2006
22h44min
Acho muito difícil comparar livro e filme - principalmente desta espécie. São coisas diferente demais. Vi o filme e, coincidentemente, escrevi sobre este assunto no meu blog.
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
30/10/2006
18h03min
Olá! Achei o texto muito bem escrito, apesar de não concordar com algumas idéias expostas nele. Primeiro, acredito que, quando um filme é "baseado" em um livro, ele não precisa seguir todas as linhas fielmente. Por isso, diz-se que a produção é "baseada" em um livro. Em Código Da Vinci ocorreu o mesmo e, mesmo assim, achei o filme muito bom. Eu não li o livro e achei o filme bom, principalmente pela atuação da Meryl que, para mim, faz com que o filme valha a pena ser visto. Mas, a verdade mesmo é que dificilmente um filme ultrapassa a qualidade de um livro. Enquanto no filme está tudo exposto lá e você apenas assiste, no livro você torna-se parte integrante da história, a partir do momento em que as imagens e a construção das cenas são formadas de acordo com a nossa imaginação.
[Leia outros Comentários de Carla Martins]
23/11/2006
16h21min
Eugênia, conheço seu trabalho como escritora e pode soar repetitivo dizer que você tem o perfeito equilíbrio entre erudição e cultura popular. Aprecio o modo como busca paradigmas da vida real nos clássicos da literatura (e, agora, no cinema!). Você enfatiza a idéia de que a arte imita a vida e vida imita a arte. Não li o livro, vi o filme. Confesso que fui para ver os modelitos e os sapatos, é claro! Superou as expectativas! Coincidentemente, nesses dias, estou lendo o roteiro de um filme baseado em um livro que conheço bem. Acho difícil que um roteiro possa ser fiel a um livro, pois este é tecido com linhas diferentes. O cinema utiliza as imagens para dizer tudo (um dia ele foi mudo!). O livro tem que usar as palavras certas para nos levar aos perfis que devemos ver, sejam eles dos personagens ou dos ambientes. O livro é escrito por uma só mão. O filme, admite a intervenção de muitas idéias, pessoas e patrocinadores. Para nós, apreciadores do cinema e dos livros, o melhor é o dialogo.
[Leia outros Comentários de Cristina Almeida]
30/6/2007
23h08min
Eugenia, eu gostei muito do seu livro, como também do filme. Você deveria fazer comentários e críticas de livros e filmes para algum jornal.
[Leia outros Comentários de dr. Miranda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A SANTA NO POLEIRO
NANI
ZIT (RJ)
(2008)
R$ 21,82



PÉROLAS DE UM POVO
EGON E FRIEDA WOLFF
DO AUTOR
(1987)
R$ 5,07



A CASA DA MADRINHA
LYGIA BOJUNGA
CASA LYGIA BOJUNGA
(2013)
R$ 25,00



A CATÁSTROFE DO PLANETA EBULIDOR
JOÃO CARLOS MARINHO
ED. GLOBAL
(1998)
R$ 9,99



EMAGREÇA COMENDO BATATA SEM CULPA
ADEMIR CARVALHO LEITE
ABRATHER
(2004)
R$ 10,80



A IGREJA PÓS CONCILIAR: DISCURSOS AO POVO DE DEUS
PAULO VI
EDIÇÕES PAULISTAS
(1968)
R$ 16,82



A TURMA DA MÃO PRETA O TESOURO DO LAGO DA BRISA E UM ROUBO ZOOLÓGICO
HANS JURGEN PRESS
ÁTICA
(2002)
R$ 4,00



MANUAL PRÁTICO DE DIREITO DO TRABALHO - PARA CONCURSOS
EDUARDO A. V. FERNANDEZ
BH
(2005)
R$ 32,82



A JUVENTUDE E A VIDA SEXUAL
E. THENN DE BARROS
LIVRARIA LIBERDADE
R$ 7,00



THE HEIST: A NOVEL
JANET EVANOVICH E LEE GOLDBERG
BANTAM BOOKS
(2014)
R$ 19,82





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês