O diabo veste Prada | Eugenia Zerbini

busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
Últimos Posts
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Banana Republic
>>> Em terra de cego, quem tem olho é Pelé
>>> O MP3 aconselha
>>> Cultura pop
>>> Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Borges: uma vida, por Edwin Williamson
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Stan Lee - o reinventor dos super-heróis
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
Mais Recentes
>>> Amigos Íntimos, Rivais Perigosos de Duane Schultz, Ph.D pela Rocco (1991)
>>> Postais do Abismo - Segredos da droga em Hollywood de Carrie Fisher pela Nova Cultural (1989)
>>> O Apicultor - Um Romance de Mexence Fermine pela Objetiva (2001)
>>> O Bosque das Ilusões Perdidas de Alain-Fournier pela Círculo do Livro (1972)
>>> Thais de Anatole France pela Martin Claret (2006)
>>> A Lua de Mel de Knut Faldbakken pela Nórdica (1990)
>>> O Cerco de Krishnapur de J.G. Farrell pela Record (1973)
>>> Os Diamantes São Eternos de Ian Fleming pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Exel 2010 - Avançado de Richard Martelli e Maria Silvia Mendonça Barros pela Senac São Paulo (2013)
>>> Brasil--pais do presente--socialismo cristao brasileiro. de Augusto ariston e jesus chediak. pela Pi (2001)
>>> Shopping centers de Mario cerveira filho pela Saraiva (1999)
>>> Divina comédia (Com Ilustrações de Sandro Boticelli) de Dante Alighieri pela Ateliê/Unicamp (2011)
>>> Dinâmica da Contra-revolução na Europa: 1870-1956 de Arno J. Mayer pela Paz e Terra (1977)
>>> Dialectic For Beginners de Carlos Cirne Lima pela Edipucrs (1997)
>>> Democracia, agência e estado: Teoria com intenção comparativa de Guillermo Alberto O. Donnell pela Paz e Terra (2010)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoievski pela 34 (2005)
>>> Conservadorismos, Fascismos e Fundamentalismos: Análises Conjunturais de Ronaldo Almeida e Rodrigo Toniol (Orgs.) pela Unicamp (2018)
>>> Condomínio do Diabo de Alba Zaluar pela Ufrj (1996)
>>> Combate nas Trevas de Jacob Gorender pela Ática (1998)
>>> Coisas da Cosa Nostra: A Máfia Siciliana Vista Por Seu Pior Inimigo de Giovanni Falcone; Marcelle Padovani pela Rocco (2012)
>>> Cidade Aberta de Teju Cole pela Cia. das Letras (2012)
>>> Carta Aberta Aos Gurus Da Economia Que Nos Julgam Imbecis de Bernard Maris pela Bertrand Brasil (2000)
>>> Abismo de Kurt Falkenburger pela Clube do Livro (1980)
>>> Anchieta: A restauração de um Santuário de Org. Carol de Abreu pela Ministério da Cultura - IPHAN (1998)
>>> Cimarron de Edna Ferber pela Abril Cultural (1983)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Círculo do Livro (1986)
>>> Le Grand Meaulnes de Alin-Fournier pela Livre de Poche (1983)
>>> Harry Potter e o Cálice de Fogo de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J. K. Rowling pela Rocco (1999)
>>> O Amor Não Term Hora de Cynthia Freeman pela Record (1986)
>>> De Olho em Zumbi dos Palmares - Histórias, símbolos e memória social de Flávio dos Santos Gomes pela Claro Enigma (2011)
>>> Nei Lopes - Retratos do Brasil Negro de Oswaldo Faustino pela Selo Negro (2019)
>>> Cisne de Leonardo de Kren Essex pela Suma (2006)
>>> Diga Espelho Meu de Stanley Ellin pela Record (1972)
>>> Pecar e perdoar: Deus e o Homem na História de Leandro Karnal pela Harper Collins (2014)
>>> Dinastia de Robert S. Elegant pela Círculo do Livro (1977)
>>> The Wicca Handbook de Eileen Holland pela Samuel Weiser (2000)
>>> O Guerrilherio de Baker Street de B. Sweet-Escott pela Bloch (1965)
>>> A Filha do Milionário de Dorothy Eden pela Nova Cultural (1987)
>>> The Wicca Bible - The definitive guide to Magic and The Craft de Ann-Marie Gallagher pela Sterling Publishing - New York (2005)
>>> "Batman: Vigilantes de Gotham - N° 28: Viver e Morrer em Gotham City... de Vários pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 41: Gotham City: Contagem Regressiva para o Fim...! de Dennis Oneil: Argumento pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 26: Mulher Gato Ano Dois de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 23: Batman - Procedimento Padrão de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> As Grandes Correntes da Mística Judaica de Gershom Scholem pela Perspectiva (1972)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 19: Justiça Cega! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 16: Azrael - Anjo Em Guerra! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N°13: Batman Contra o Anjo Vingador de São Dumas! de Dennis Oneil: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham (N. 10): Retorno de Alfred: A Conspiração Inglesa de Alan Grant: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Os Quatro Elementos e os Caminhos da Energia de Karen Hamaker-Zondag pela Nova Fronteira (1989)
ENSAIOS

Segunda-feira, 2/10/2006
O diabo veste Prada
Eugenia Zerbini

+ de 19700 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Quando o cinema toma por base a literatura, a comparação entre filme e livro é inevitável. Excepcionalmente, o filme supera o livro. Um dos raros casos em que isso ocorreu foi em O Jardim dos Finzi Contini, dirigido por Vittorio de Sica, em 1970.

Baseado em romance homônimo de Giorgio Bassani, publicado na Itália, em 1961, e traduzido no Brasil cerca de 20 anos depois, o filme superou a obra que lhe deu origem. Contribuiu para isso a sensualidade que o trio central de atores destilava sobre a platéia. Dominique Sanda e Helmut Berger, como Micòl e Alberto – o rico casal de irmãos judeus, filhos do dono da mansão em Ferrara onde a nata da juventude judaica se reunia nos anos 30 –, ao lado de Fábio Testi, interpretando o amigo socialista de Alberto que seduz Micòl, acrescentaram charme e tensão extras às páginas do livro.

Pela regra geral, este último supera o filme. Nela se enquadra O diabo veste Prada (dirigido por David Frenkel, que respondeu pela direção de episódios de Sex and the City), cuja estréia nos cinemas em São Paulo ocorreu dia 22 de setembro.

O romance do qual foi extraído o filme é a obra de estréia de Lauren Weisberger. Lançado nos Estados Unidos em 2003, conta as desventuras de uma jornalista recém-formada em seu primeiro emprego em Nova York, como assistente da toda poderosa editora de uma prestigiada revista de moda, Runway. Durante seis meses, o livro permaneceu na lista dos mais vendidos do The New York Times; foi traduzido para 27 idiomas. No Brasil, editado pela Record, encontra-se na 11ª edição. Esse sucesso foi alimentado pelo fato de a autora ter trabalhado durante um ano como assistente de Anne Wintour, editora da revista Vogue norte-americana.

Roman à clef? Sim, apesar dos desmentidos solenes de Ms. Weisberger. E, por tratar de moda, o que significa dúzias de grifes – além da Prada do título, Marc Jacobs, Calvin Klein, Chanel, Valentino, Narciso Rodrigues, entre outras – chick lit, literatura de mulherzinhas? Não, porque moda não é assunto exclusivamente feminino (que o diga Colbert, ministro das Finanças de Luiz XIV, que viu no desenvolvimento da indústria do luxo uma forma de ganhar dinheiro e de projetar o poder da França).

O livro O diabo veste Prada é bem escrito. A começar pelo título, por si só espirituoso, o texto é ágil e ritmado. A adaptação da heroína, Andrea Sachs (no filme interpretada por Anne Hathaway, de O Diário da Princesa e O segredo de Brokeback Mountain), desinteressada por moda e ansiosa por uma chance para exercer suas aptidões jornalísticas, ao ambiente fútil da redação da revista Runway e aos crescentes caprichos de sua editora, Miranda Prestley (a cargo do talento de Meryl Streep, vencedora de dois Oscars) rendem boas risadas.

Os livros não precisam ser sempre levados a sério, da mesma forma que nem todas situações da vida, nem todos seres humanos (a começar por nós mesmos). O escritor Luiz Antonio de Assis Brasil, na edição passada do jornal literário Rascunho, aponta para o descaso com que a literatura de entretenimento é tratada pelos autores brasileiros, repetindo as palavras do conceituado José Paulo Paes nesse mesmo sentido. Depois de um livro sério, seguindo o exemplo dado por Assis Brasil, um texto mais leve, sem negligenciar aqueles casos em que o leitor é iniciado nos mistérios literários por meio de um romance que, sendo correto, é descompromissado.

Aqueles que leram O diabo veste Prada, sairão ligeiramente decepcionados do cinema. Embora divertido, o livro é bem mais. Apesar da competente atuação de Meryl Streep, ela não tem o physique du rôle exigido pelo papel de Miranda Priestly. Seu manequim está além dos números 36 ou 38 a que se submetem todas as que trabalham em Runway. Além disso, faltam-lhe não apenas os frios olhos azuis, mas também os cabelos lisos, cortados Chanel à altura do queixo, com franja, no melhor estilo Louise Brooks, descritos com ênfase no livro. E, o fundamental: não rosna, insistindo em seu sotaque britânico (sim, porque no livro Miranda é inglesa), o “Anh-dre-ah” impresso em grande número das páginas.

Particularmente, fui ao cinema curiosa em ver a cena em que, na festa organizada pela Runway, no Metropolitan Museum of Art, a megera fashion surge de vermelho (e Betty Davis, em Jezebel, deu exemplo do que uma mulher em vermelho é capaz de fazer...). Imponente, tendo ao fundo as ruínas do templo de Dandur, Miranda é admirada por uma Andrea Sachs mesmerizada. Para minha frustração, Meryl Streep nessa tomada está de preto, diluída na multidão de mulheres de escuro que participam do evento, não havendo a cena do templo. Nossa imaginação constrói catedrais às vezes inexeqüíveis.

O mais relevante, entretanto, não está nesses detalhes. Interferiu-se de modo significativo em dois pontos do livro. O primeiro deles ao omitir que Andrea, de origem judaica, descobre a certa altura que Miranda não nasceu Miranda Priestly, mas Miriam Princheck, um dos onze filhos de um rabino londrino. Daí, talvez, o grande choque para Andrea escutar de Miranda que seriam iguais. Podem dividir as origens, mas Andrea nega-se a partilhar o destino.

O segundo ponto diz respeito ao final do filme. Seguindo a tradição hollywoodiana de fazê-los felizes e edificantes, o desfecho do livro é alterado no filme. No primeiro, Andrea, sem o namorado, sobrevive às custas do dinheiro que obtém na venda do guarda-roupa e acessórios de grife que ganhara na redação de Runway, enquanto procura, e conquista, seu lugar como jornalista.

Não é a primeira vez que a busca de happy ends altera as últimas páginas de um romance. Em uma versão norte-americana recente de O Conde de Monte Cristo, o célebre romance de Alexandre Dumas (pai) – um dos expoentes da literatura de entretenimento do século XIX – , Edmond Dantés e Mercédès se casam, depois de Dantés matar em duelo o Conde de Morcerf, com quem Mercédès se unira já grávida de Dantés. Uma bobagem, uma vez que, para começar, no livro Morcerf suicida-se e Dantés não tinha filho algum. Longe de comparar Dumas a Weisberger, o certo é que o elegante diabo desta última não está sozinho.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedito por Eugenia Zerbini, escritora, autora de As netas da Ema, romance que recebeu o prêmio SESC-Literatura, em 2005.

Para ir além






Eugenia Zerbini
São Paulo, 2/10/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sergio Britto & eu de Michelle Strzoda
02. Henry Ford de Monteiro Lobato
03. Blablablogue de Luiz Brás
04. Senhores do tempo de Eugenia Zerbini
05. Esse tal de blog de Gabriela Simionato Klein


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessados de Eugenia Zerbini
01. O diabo veste Prada - 2/10/2006
02. Para o Daniel Piza. De uma leitora - 16/1/2012
03. O romance sobre o nada - 28/5/2007
04. De vinhos e oficinas literárias - 2/7/2007
05. Retrato edulcorado de uma rainha - 9/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/10/2006
13h20min
Querida Eugenia, muito bom o texto! Você deveria fazer comentários e críticas de livros e filmes para algum jornal, pois estamos precisando de gente competente e preparada, enfim, culta como você. Depois de assistir ao filme vou reler seu artigo. Parabéns e um abraço!
[Leia outros Comentários de Teresa]
2/10/2006
22h02min
Olá Eugenia! Também li o livro antes de ver o filme e encontrei muitas contradições. A que mais me surpreendeu foi a atuação da atriz Merryl Streep, que, na minha modesta opinião, apesar de ótima, não chegou perto da arrogância da "Miranda Prestley" descrita no livro. A tensão no ambiente da revista também foi mal trabalhada porque passou uma impressão de cena construída; nada natural. Alteraram muitos trechos relatados no livro. Mostra um pouquinho dos muiiitttooos absurdos envolvidos nos setores ligados ao luxo... mas enfim, interessante. Um abraço!
[Leia outros Comentários de Liz]
3/10/2006
14h45min
Querida Eugenia, Assisti e gostei do filme. Agora, graças ao seu artigo, estou curiosa para ler o livro! Seu texto é maravilhosamente bem escrito! Escreva mais sobre o assunto, por favor! Abraços!
[Leia outros Comentários de Christina ]
4/10/2006
22h44min
Acho muito difícil comparar livro e filme - principalmente desta espécie. São coisas diferente demais. Vi o filme e, coincidentemente, escrevi sobre este assunto no meu blog.
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
30/10/2006
18h03min
Olá! Achei o texto muito bem escrito, apesar de não concordar com algumas idéias expostas nele. Primeiro, acredito que, quando um filme é "baseado" em um livro, ele não precisa seguir todas as linhas fielmente. Por isso, diz-se que a produção é "baseada" em um livro. Em Código Da Vinci ocorreu o mesmo e, mesmo assim, achei o filme muito bom. Eu não li o livro e achei o filme bom, principalmente pela atuação da Meryl que, para mim, faz com que o filme valha a pena ser visto. Mas, a verdade mesmo é que dificilmente um filme ultrapassa a qualidade de um livro. Enquanto no filme está tudo exposto lá e você apenas assiste, no livro você torna-se parte integrante da história, a partir do momento em que as imagens e a construção das cenas são formadas de acordo com a nossa imaginação.
[Leia outros Comentários de Carla Martins]
23/11/2006
16h21min
Eugênia, conheço seu trabalho como escritora e pode soar repetitivo dizer que você tem o perfeito equilíbrio entre erudição e cultura popular. Aprecio o modo como busca paradigmas da vida real nos clássicos da literatura (e, agora, no cinema!). Você enfatiza a idéia de que a arte imita a vida e vida imita a arte. Não li o livro, vi o filme. Confesso que fui para ver os modelitos e os sapatos, é claro! Superou as expectativas! Coincidentemente, nesses dias, estou lendo o roteiro de um filme baseado em um livro que conheço bem. Acho difícil que um roteiro possa ser fiel a um livro, pois este é tecido com linhas diferentes. O cinema utiliza as imagens para dizer tudo (um dia ele foi mudo!). O livro tem que usar as palavras certas para nos levar aos perfis que devemos ver, sejam eles dos personagens ou dos ambientes. O livro é escrito por uma só mão. O filme, admite a intervenção de muitas idéias, pessoas e patrocinadores. Para nós, apreciadores do cinema e dos livros, o melhor é o dialogo.
[Leia outros Comentários de Cristina Almeida]
30/6/2007
23h08min
Eugenia, eu gostei muito do seu livro, como também do filme. Você deveria fazer comentários e críticas de livros e filmes para algum jornal.
[Leia outros Comentários de dr. Miranda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FITA AZUL DE MARIA ANO V MAIO E JUNHO Nº60 - 61
FEDERAÇÃO MARIANAS
FEDERAÇÃO MARIANAS
(1958)
R$ 12,00



APONTAMENTOS PARA FUTURO
NELSON MANDELA , DESMOND TUTU
RAACO
(2018)
R$ 15,00



REDAÇÃO -PARA CONCURSOS
MARCELO PORTELLA
VESTCON
(2007)
R$ 9,70



A LISTA NEGRA
JENNIFER BROWN
GUTENBERG
(2012)
R$ 32,00



ESCOLAS INCLUSIVAS
ELISANGELA DA SILVA BERNARDO, HELENICE MAIA
MARSUPIAL
(2016)
R$ 40,00



ANTARCTICA COM A FOLHA ARTES
VARIOS AUTORES
COSAC NAIFY
(1998)
R$ 150,00



CARTAS A CHE GUEVARA - O MUNDO, TRINTA ANOS DEPOIS
EMIR SADER
PAZ / TERRA
(2003)
R$ 16,80



RETRATO DO BRASIL - ENSAIO SOBRE A TRISTEZA BRASILEIRA
PAULO PRADO
JOSÉ OLYMPIO
(1962)
R$ 50,00
+ frete grátis



FATORES DE RISCO PARA O BAIXO PESO AO NASCER
RAFAELLA MARIA MONTEIRO SAMPAIO UND FRANCISCO JOSÉ MAIA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 230,00



EM MEIA HORA... A MORTE
FRANCISCO MARTÍN MORENO
PLANETA
(2014)
R$ 18,28





busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês