O diabo veste Prada | Eugenia Zerbini

busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
>>> Live: Como a cultura nos livros didáticos influencia a formação da criança
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sendo Humano
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jazz caricato
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Música instrumental brasileira
>>> If God is Brazilian
>>> Agradecimentos no Oscar
>>> Anúncios em revistas caindo
>>> Cicular
>>> O inútil de cada um
Mais Recentes
>>> Os Condenados - Obras Completas 1 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Ponta de Lança - Obras Completas 5 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1972)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Nova Cultural (2002)
>>> A Luz da Estrela Morta de Josué Montello pela Nova Fronteira (1981)
>>> Quem Foi? Albert Einstein de Jess Brallier pela Dcl (2009)
>>> As Impurezas do Branco de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1974)
>>> As Filhas de Rashi de Maggie Anton pela Rocco (2008)
>>> Drummond o Gauche no Tempo de Affonso Romano de Santanna pela Lia (1972)
>>> Traição Em Família de David Baldacci pela Arqueiro (2012)
>>> Bichos de Lá e de Cá de Lia Neiva pela Ediouro (1993)
>>> O Fogo de Katherine Neville pela Rocco (2011)
>>> Desvirando a Página - a Vida de Olavo Setubal de Ignácio de Loyola Brandão; Jorge J. Okubaro pela Global (2008)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Saraiva (2013)
>>> Dom Casmurro - Obras Completas de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> The Elegance of the Hedgehog de Muriel Barbery pela Penguin Usa (2008)
>>> O Direito à Privacidade na Internet de Sidney Guerra pela América Jurídica (2004)
>>> Em Busca de Cézanne de Peter Mayle pela Rocco (2000)
>>> Nono Descobre o Espelho de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta pela Objetiva (2007)
>>> Nós, Mulheres - Edição Especial de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2012)
>>> Autant En Emporte Le Vent - Tomes I et II de Margaret Mitchell pela Gallimard (1938)
>>> Memória de Minhas Putas Tristes de Gabriel Garcia Marquez pela Record (2005)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Um Dia "daqueles" - um Lição de Vida para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Seis Suspeitos de Vikas Swarup pela Companhia das Letras (2009)
>>> Nós, Mulheres - Vol. 10 de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2011)
>>> Minhas Rimas de Cordel de César Obeid pela Moderna (2005)
>>> Negociações Espetaculares de Harvard Business School pela Campus (2004)
>>> Em Nome de Anna de Rudi Fischer pela Primavera Editorial (2015)
>>> De Volta às Estrelas de Erich Von Däniken pela Melhoramentos (1970)
>>> Umbanda Espírita Cristã de Norevaldo C. M. Souza pela Ideia Jurídica (2014)
>>> Entre Árabes e Judeus - uma Reportagem de Vida de Helena Salem pela Brasiliense (1991)
>>> O Poder Psíquico das Pirâmides de Bill Schul e Ed Pettit pela Record (1976)
>>> Sade, Fourier e Loyola de Roland Barthes pela Brasiliense (1990)
>>> O que é Ceticismo de Plinio Smith pela Brasiliense LTDA (2021)
>>> A Odisséia dos Essênios de Hugh Schonfield pela Mercuryo (1991)
>>> Introdução à Psicologia Fenomenológica//Agressão no Homem e nos Animais de Ernest Keen e Roger N. Johnson pela Interamericana (1979)
>>> O que é Psicanálise de Fábio Hermann pela Abril (1983)
>>> Como Administrar Conflitos Profissionais de Peg Pickering pela Market Books (1999)
>>> A Aventura Prodigiosa do Nosso Corpo de Jean Pierre Gasc pela Universo da Ciência (1981)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Das CPI's de Hélio Apolinário Cardoso pela Bookseller (2002)
>>> A Mulher do Viajante no Tempo de Audrey Niffenegger pela Suma de Letras Brasil (2009)
>>> O estudante II: Mamãe querida de Adelaide Carraro pela Global (1988)
>>> O Lado Bom dos Seus Problemas EAN: 9788536416199 de Maurício Horta pela Abril (2013)
>>> Julie e Julia de Julie Powell pela Record (2009)
>>> Fogo e Gelo de Julie Garwood pela Landscape (2009)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Folha de S. Paulo (2010)
>>> O Livro das Princesas - Novos Contos de Fada Por de Meg Cabot; Paula Pimenta; Lauren Kate pela Record (2013)
>>> urma da Mônica Jovem - Academia de Ninjas de Mauricio Sousa pela Mauricio Sousa (2014)
ENSAIOS

Segunda-feira, 2/10/2006
O diabo veste Prada
Eugenia Zerbini

+ de 20800 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Quando o cinema toma por base a literatura, a comparação entre filme e livro é inevitável. Excepcionalmente, o filme supera o livro. Um dos raros casos em que isso ocorreu foi em O Jardim dos Finzi Contini, dirigido por Vittorio de Sica, em 1970.

Baseado em romance homônimo de Giorgio Bassani, publicado na Itália, em 1961, e traduzido no Brasil cerca de 20 anos depois, o filme superou a obra que lhe deu origem. Contribuiu para isso a sensualidade que o trio central de atores destilava sobre a platéia. Dominique Sanda e Helmut Berger, como Micòl e Alberto – o rico casal de irmãos judeus, filhos do dono da mansão em Ferrara onde a nata da juventude judaica se reunia nos anos 30 –, ao lado de Fábio Testi, interpretando o amigo socialista de Alberto que seduz Micòl, acrescentaram charme e tensão extras às páginas do livro.

Pela regra geral, este último supera o filme. Nela se enquadra O diabo veste Prada (dirigido por David Frenkel, que respondeu pela direção de episódios de Sex and the City), cuja estréia nos cinemas em São Paulo ocorreu dia 22 de setembro.

O romance do qual foi extraído o filme é a obra de estréia de Lauren Weisberger. Lançado nos Estados Unidos em 2003, conta as desventuras de uma jornalista recém-formada em seu primeiro emprego em Nova York, como assistente da toda poderosa editora de uma prestigiada revista de moda, Runway. Durante seis meses, o livro permaneceu na lista dos mais vendidos do The New York Times; foi traduzido para 27 idiomas. No Brasil, editado pela Record, encontra-se na 11ª edição. Esse sucesso foi alimentado pelo fato de a autora ter trabalhado durante um ano como assistente de Anne Wintour, editora da revista Vogue norte-americana.

Roman à clef? Sim, apesar dos desmentidos solenes de Ms. Weisberger. E, por tratar de moda, o que significa dúzias de grifes – além da Prada do título, Marc Jacobs, Calvin Klein, Chanel, Valentino, Narciso Rodrigues, entre outras – chick lit, literatura de mulherzinhas? Não, porque moda não é assunto exclusivamente feminino (que o diga Colbert, ministro das Finanças de Luiz XIV, que viu no desenvolvimento da indústria do luxo uma forma de ganhar dinheiro e de projetar o poder da França).

O livro O diabo veste Prada é bem escrito. A começar pelo título, por si só espirituoso, o texto é ágil e ritmado. A adaptação da heroína, Andrea Sachs (no filme interpretada por Anne Hathaway, de O Diário da Princesa e O segredo de Brokeback Mountain), desinteressada por moda e ansiosa por uma chance para exercer suas aptidões jornalísticas, ao ambiente fútil da redação da revista Runway e aos crescentes caprichos de sua editora, Miranda Prestley (a cargo do talento de Meryl Streep, vencedora de dois Oscars) rendem boas risadas.

Os livros não precisam ser sempre levados a sério, da mesma forma que nem todas situações da vida, nem todos seres humanos (a começar por nós mesmos). O escritor Luiz Antonio de Assis Brasil, na edição passada do jornal literário Rascunho, aponta para o descaso com que a literatura de entretenimento é tratada pelos autores brasileiros, repetindo as palavras do conceituado José Paulo Paes nesse mesmo sentido. Depois de um livro sério, seguindo o exemplo dado por Assis Brasil, um texto mais leve, sem negligenciar aqueles casos em que o leitor é iniciado nos mistérios literários por meio de um romance que, sendo correto, é descompromissado.

Aqueles que leram O diabo veste Prada, sairão ligeiramente decepcionados do cinema. Embora divertido, o livro é bem mais. Apesar da competente atuação de Meryl Streep, ela não tem o physique du rôle exigido pelo papel de Miranda Priestly. Seu manequim está além dos números 36 ou 38 a que se submetem todas as que trabalham em Runway. Além disso, faltam-lhe não apenas os frios olhos azuis, mas também os cabelos lisos, cortados Chanel à altura do queixo, com franja, no melhor estilo Louise Brooks, descritos com ênfase no livro. E, o fundamental: não rosna, insistindo em seu sotaque britânico (sim, porque no livro Miranda é inglesa), o “Anh-dre-ah” impresso em grande número das páginas.

Particularmente, fui ao cinema curiosa em ver a cena em que, na festa organizada pela Runway, no Metropolitan Museum of Art, a megera fashion surge de vermelho (e Betty Davis, em Jezebel, deu exemplo do que uma mulher em vermelho é capaz de fazer...). Imponente, tendo ao fundo as ruínas do templo de Dandur, Miranda é admirada por uma Andrea Sachs mesmerizada. Para minha frustração, Meryl Streep nessa tomada está de preto, diluída na multidão de mulheres de escuro que participam do evento, não havendo a cena do templo. Nossa imaginação constrói catedrais às vezes inexeqüíveis.

O mais relevante, entretanto, não está nesses detalhes. Interferiu-se de modo significativo em dois pontos do livro. O primeiro deles ao omitir que Andrea, de origem judaica, descobre a certa altura que Miranda não nasceu Miranda Priestly, mas Miriam Princheck, um dos onze filhos de um rabino londrino. Daí, talvez, o grande choque para Andrea escutar de Miranda que seriam iguais. Podem dividir as origens, mas Andrea nega-se a partilhar o destino.

O segundo ponto diz respeito ao final do filme. Seguindo a tradição hollywoodiana de fazê-los felizes e edificantes, o desfecho do livro é alterado no filme. No primeiro, Andrea, sem o namorado, sobrevive às custas do dinheiro que obtém na venda do guarda-roupa e acessórios de grife que ganhara na redação de Runway, enquanto procura, e conquista, seu lugar como jornalista.

Não é a primeira vez que a busca de happy ends altera as últimas páginas de um romance. Em uma versão norte-americana recente de O Conde de Monte Cristo, o célebre romance de Alexandre Dumas (pai) – um dos expoentes da literatura de entretenimento do século XIX – , Edmond Dantés e Mercédès se casam, depois de Dantés matar em duelo o Conde de Morcerf, com quem Mercédès se unira já grávida de Dantés. Uma bobagem, uma vez que, para começar, no livro Morcerf suicida-se e Dantés não tinha filho algum. Longe de comparar Dumas a Weisberger, o certo é que o elegante diabo desta última não está sozinho.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedito por Eugenia Zerbini, escritora, autora de As netas da Ema, romance que recebeu o prêmio SESC-Literatura, em 2005.

Para ir além






Eugenia Zerbini
São Paulo, 2/10/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Wilson Martins (1921-2010) de Miguel Sanches Neto


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessados de Eugenia Zerbini
01. O diabo veste Prada - 2/10/2006
02. Para o Daniel Piza. De uma leitora - 16/1/2012
03. O romance sobre o nada - 28/5/2007
04. De vinhos e oficinas literárias - 2/7/2007
05. Retrato edulcorado de uma rainha - 9/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/10/2006
13h20min
Querida Eugenia, muito bom o texto! Você deveria fazer comentários e críticas de livros e filmes para algum jornal, pois estamos precisando de gente competente e preparada, enfim, culta como você. Depois de assistir ao filme vou reler seu artigo. Parabéns e um abraço!
[Leia outros Comentários de Teresa]
2/10/2006
22h02min
Olá Eugenia! Também li o livro antes de ver o filme e encontrei muitas contradições. A que mais me surpreendeu foi a atuação da atriz Merryl Streep, que, na minha modesta opinião, apesar de ótima, não chegou perto da arrogância da "Miranda Prestley" descrita no livro. A tensão no ambiente da revista também foi mal trabalhada porque passou uma impressão de cena construída; nada natural. Alteraram muitos trechos relatados no livro. Mostra um pouquinho dos muiiitttooos absurdos envolvidos nos setores ligados ao luxo... mas enfim, interessante. Um abraço!
[Leia outros Comentários de Liz]
3/10/2006
14h45min
Querida Eugenia, Assisti e gostei do filme. Agora, graças ao seu artigo, estou curiosa para ler o livro! Seu texto é maravilhosamente bem escrito! Escreva mais sobre o assunto, por favor! Abraços!
[Leia outros Comentários de Christina ]
4/10/2006
22h44min
Acho muito difícil comparar livro e filme - principalmente desta espécie. São coisas diferente demais. Vi o filme e, coincidentemente, escrevi sobre este assunto no meu blog.
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
30/10/2006
18h03min
Olá! Achei o texto muito bem escrito, apesar de não concordar com algumas idéias expostas nele. Primeiro, acredito que, quando um filme é "baseado" em um livro, ele não precisa seguir todas as linhas fielmente. Por isso, diz-se que a produção é "baseada" em um livro. Em Código Da Vinci ocorreu o mesmo e, mesmo assim, achei o filme muito bom. Eu não li o livro e achei o filme bom, principalmente pela atuação da Meryl que, para mim, faz com que o filme valha a pena ser visto. Mas, a verdade mesmo é que dificilmente um filme ultrapassa a qualidade de um livro. Enquanto no filme está tudo exposto lá e você apenas assiste, no livro você torna-se parte integrante da história, a partir do momento em que as imagens e a construção das cenas são formadas de acordo com a nossa imaginação.
[Leia outros Comentários de Carla Martins]
23/11/2006
16h21min
Eugênia, conheço seu trabalho como escritora e pode soar repetitivo dizer que você tem o perfeito equilíbrio entre erudição e cultura popular. Aprecio o modo como busca paradigmas da vida real nos clássicos da literatura (e, agora, no cinema!). Você enfatiza a idéia de que a arte imita a vida e vida imita a arte. Não li o livro, vi o filme. Confesso que fui para ver os modelitos e os sapatos, é claro! Superou as expectativas! Coincidentemente, nesses dias, estou lendo o roteiro de um filme baseado em um livro que conheço bem. Acho difícil que um roteiro possa ser fiel a um livro, pois este é tecido com linhas diferentes. O cinema utiliza as imagens para dizer tudo (um dia ele foi mudo!). O livro tem que usar as palavras certas para nos levar aos perfis que devemos ver, sejam eles dos personagens ou dos ambientes. O livro é escrito por uma só mão. O filme, admite a intervenção de muitas idéias, pessoas e patrocinadores. Para nós, apreciadores do cinema e dos livros, o melhor é o dialogo.
[Leia outros Comentários de Cristina Almeida]
30/6/2007
23h08min
Eugenia, eu gostei muito do seu livro, como também do filme. Você deveria fazer comentários e críticas de livros e filmes para algum jornal.
[Leia outros Comentários de dr. Miranda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Segurança e Medicina do Trabalho
Não Definido
Saraiva
(2008)
R$ 10,00



Hospitalização
Mercedes Arias Lopez
Mac Graw Hill
(2002)
R$ 10,00



Dos Fatos para a Gramática
Luiz A. P. Victória
Ediouro
R$ 10,00



No Alto da Serra
álvaro Cardoso Gomes
ática
(2010)
R$ 10,00



Cinquenta Tons de Cinza
E L James; Adalgisa Campos da Silva
Intrinseca
(2012)
R$ 10,00



As Piadas de Playboy
Ricardo Setti (Org.)
Abril
(1999)
R$ 10,00



Homens Em Furia
Daniel Jones
Landscape
(2005)
R$ 10,00



Bem-vindos ao Rio Série Vaga-lume
Marcos Rey
Atica
R$ 10,00



Quem Está Escrevendo o Futuro? 25 Textos Para o Século XXI
Vários Autores
Letraviva
(2000)
R$ 10,00



Veja São Paulo Delícias por Até 10 Reais
Vários Autores
Abril
(2007)
R$ 10,00





busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês