De vinhos e oficinas literárias | Eugenia Zerbini

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
>>> Em nome do caos
Mais Recentes
>>> Por Onde Andou Meu Coração de Maria Helena Cardoso pela Nova Fronteira/ RJ. (1984)
>>> O Brasileiro Perplexo de Rachel de Queiroz pela Edautor (1963)
>>> Se a Memória não Me Falha de Sylvia Orthof/ Ilustrações: Tato pela Nova Fronteira/ RJ. (1987)
>>> João Miguel de Rachel de Queiroz pela Siciliano/ SP. (1992)
>>> Maria Ruth de Ruth Escobar/ Prefácio: Hélio Pellegrino pela Guanabara/ RJ. (1986)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1982)
>>> Um Nome pra Matar (Prêmio Walmap) de Maria Alice Barroso/ Prefácio: Antonio Olinto pela Bloch editores (1967)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia- Roza pela Record/ RJ. (2001)
>>> Contos de Amor Rasgados de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> Uma Ideia Toda Azul (Sem manuseio) de Marina Colasanti pela Global/ SP. (2013)
>>> O Verde Brilha no Poço de Marina Colasanti/ Ilustr: Rogério Borges pela Melhoramentos (1990)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1986)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> Brava Gente Brasileira (Sem uso) de Marcio Moreira Alves pela Nova Fronteira/ RJ. (2001)
>>> O Milionario Instantaneo de Carolina Caires Coelho; Mark Fisher pela Figurati (2014)
>>> Scrum - a Arte de Fazer o Dobro na Metade do Tempo de Jeff Sutherland & J. J. Sutherland pela Leya (2014)
>>> Como Fracassar Em Quase Tudo e Ainda Ser Bem Sucedido de Scott Adams pela Figurati (2016)
>>> Contagem Regressiva de Alice Klesck; Alan Weisnan pela Leya (2014)
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
>>> Letras de exortação e reflexão para homens que se atrevem a ser cristãos de Dom Antonio Duarte S.R. pela Scortecci (2019)
>>> A Ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2002)
>>> Como investigar crimes com a ajuda Divina de Daniel Gomes pela Cpad (1999)
>>> O Diário de Um Mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Compendio de botânica de Paulo Benzzoni pela Itatiaia (1973)
>>> A Ditadura Derrotada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2003)
>>> O despertar do Buda de Vicente Blasco Ibanez pela Landy (2000)
>>> Católicos Perguntam de Estevão Tavarez Bettencourt ,Osb pela Mensageiros de Santo Antonio (1998)
>>> God Is Dead de Ron Currie Jr pela Penguin Paperbacks (2008)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Cia das Letras (1994)
>>> Novo Testamento de Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Sbb-Rao (1969)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela Circulo do Livro (1987)
>>> Filho de ninguém: dualismo e bastardia no romance "Dois imãos", de Milton Hatoum de Vera Ceccarello pela Luminária Academia (2016)
>>> Quando se pretende falar da vida de Francisco Candido Xavier ,Roberto Muskat,David Muszkat pela Grupo Espírita Emmanuel -Sociedade Civil (1984)
>>> Eu sou o Mensageiro de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
ENSAIOS

Segunda-feira, 2/7/2007
De vinhos e oficinas literárias
Eugenia Zerbini

+ de 5900 Acessos
+ 5 Comentário(s)


Red Grapes, Justin Clayton

Os vinhos correm o risco de tornarem-se iguais. Isso porque, há mais ou menos vinte anos, surgiu um crítico chamado Robert Parker, que começou a avaliar os grandes rótulos, dando-lhes notas que passaram a ditar o preço das safras nos leilões ao redor do mundo.

Acontece que, segundo alguns, Mr. Parker – originalmente advogado e hoje, além de oráculo do mercado internacional de vinhos, editor das publicações The Wine Advocate e The Wine Spectator – impõe mundialmente seu gosto particular. Parker aprecia vinhos “coloridos”, de preferência vermelhos profundos, que descem “redondos”, com pouco tanino, cujo “bouquet” (em uma paródia do que acontece com aquele das noivas) quase é jogado para fora do copo, descendo “boisés”. Quer dizer, vinhos que têm gosto de bosque. Pois é, há vinhos com gosto de fumaça (em alguns brancos, um certo ar defumado é muito apreciado), outros com gosto de couro, outros ainda com fundo de mel, pimenta, tabaco, madeira, violeta etc.

Diante de uma nota baixa, para não ver seu terroir desvalorizado, o produtor lança mão normalmente de um consultor. É aí que começa o papel de Michel Rolland, o mais conhecido consultor de vinhos, coincidência ou não, amigo daquele primeiro. Além de racionalizar os métodos de produção, segundo seus detratores, Rolland – proveniente de uma família de produtores de vinho na região de Bordeaux – irá alterar a receita do vinho que é produzido, adaptando-a aos padrões ditos globais, impostos por Parker. Michel Rolland presta serviços de consultoria para mais de 150 produtores espalhados pelo mundo, todos pretendendo aprimorar a qualidade de seus vinhos. No Brasil, assessora a vinícola Miolo.

Apesar das críticas – bem expostas no documentário Mondovino, de Jonathan Nossiter – que vão desde a ligação pouco ortodoxa entre Rolland e Parker, em que uma mão presta serviços e a outra dá nota, até a pasteurização de sabores, uma coisa é certa: nunca se teve tanto vinho bom disponível e, o mais importante, acessíveis em comparação aos preços praticados no passado.

Mas o que tudo isso tem a ver com os livros? Talvez a tentativa de traçar um paralelo entre a forma de se produzir vinhos na atualidade, de um lado, e oficinas literárias e escritores, de outro. Será que estes últimos não tenderiam a estar no lugar de terroirs, curvados sob o peso das influências daquelas primeiras?

Com início, no Brasil, em meados da década de 1980, as oficinas literárias proliferaram rapidamente nos últimos vinte anos. Foram pioneiras aquelas promovidas em Porto Alegre e São Paulo pelos escritores Luiz Antonio de Assis Brasil e João Silvério Trevisan, este último condutor dos trabalhos desenvolvidos na então chamada Oficina Três Rios, patrocinada pelo governo do Estado de São Paulo. Atualmente, destacam-se as oficinas organizadas por José Castello, crítico e escritor, em Curitiba e no Rio de Janeiro, e por Raimundo Carrero, escritor, em Recife. Carrero publicou, em 2005, Os segredos da ficção, em que sistematiza o conteúdo de suas oficinas.

Na abertura desses eventos, aparentemente inspirados nos cursos norte-americanos de creative writting, os ministrantes assinalam que é impossível fazer de alguém um grande autor. Aí entra o imponderável: o talento. Entretanto, fora talento, existem técnicas que podem ser apreendidas e, além delas, disciplina, que pode ser cultivada.

O mais importante é que a criação assemelha-se à natureza, beneficiando-se da diversidade. Ainda que o ato de escrever em si – como o nascer e o morrer – seja pessoal, intransferível e solitário, a convivência com um grupo de interesses convergentes é sempre estimulante. É a polinização feita pela referência a um autor nunca lido antes, pela partilha da leitura conjunta e, principalmente, pela crítica de seus pares. Tudo sem comprometer o trabalho de cada um.

O segundo grande argumento contra as oficinas de criação literária – já que o primeiro é a afirmação de que é impossível ensinar alguém a ser um grande escritor – é que os participantes seriam treinados todos em uma só direção. Receberiam as mesmas instruções, leriam os mesmos textos e absorveriam os maneirismos de seus instrutores. A prática demonstra que isso é falso. Das oficinas dirigidas por Assis Brasil, por exemplo, passaram escritoras de estilos tão diferentes entre si como Cíntia Moscovich e Letícia Wierzchowski.

É certo que, da mesma forma que Robert Parker confere notas a vinhos, muitos condutores de oficinas são convidados a integrar comissões julgadoras em concursos literários, dando notas a escritores (ou a aspirantes a tal). No ano passado, Assis Brasil participou do júri que conferiu o Prêmio SESC Literatura, na categoria romance, à obra de André de Leones, Hoje está um dia morto, como consta da contracapa do livro. Porém, contrariamente a Parker, Assis Brasil parece estar longe de imprimir seu gosto ou estilo em seus julgamentos. O texto de André de Leones pouco tem a ver com a prosa de Assis Brasil.

Pessoalmente, tive meu livro As netas da Ema – ganhador do Prêmio SESC Literatura no ano anterior a André – avaliado de início por uma comissão regional, da qual participou Nelson de Oliveira. Fomentador da conhecida por “geração 90”, Nelson de Oliveira participou da primeira Oficina Três Rios (para qual, por sinal, minha inscrição foi rejeitada). Atualmente, com mais de 10 livros publicados, dirige suas próprias oficinas. Vim a conhecê-lo meses depois do lançamento de meu livro, reconhecendo que temos dicções diferentes de texto. É infundada, por isso, a idéia de que quem ministra oficinas procura valorizar as escritas que refletem suas predileções, descartando os possíveis paralelos entre o Esquire Bob Parker e os professores de criação literária.

Mas, e o comentário generalizado de que hoje os textos em grande parte parecem iguais? São objeto de críticas, por exemplo, os períodos cada vez mais curtos. Esse encurtamento, embora seja atribuído com freqüência à escrita no computador, não é fato novo.

Othon Garcia, em Comunicação em prosa moderna, ainda uma referência sólida de estilo – indicada, por exemplo, na bibliografia relacionada à preparação para concursos para a carreira diplomática –, há três décadas já advertia que o diferencial do estilo moderno repousa na brevidade da frase, construída predominantemente por meio da coordenação, em detrimento da subordinação. “Em vez de períodos longos, caudalosos, enleados nas múltiplas incidências da subordinação, características do classicismo e de certa fase do romantismo, o que distingue o estilo moderno é a brevidade da frase, predominantemente coordenada” (Rio de Janeiro, Editora FGV, 10ª edição, 1982, p. 105).

As reações contras as frases centopeicas do classicismo, segundo ele, teriam sido encabeçadas, no Brasil, por José de Alencar, que no pós-escrito à 2ª edição de Iracema, nos idos de 1870, já pregava a insurreição contra as frases longas do estilo clássico. Levando em conta essas considerações, a conseqüência natural, mais de um século depois, é o texto de Inferno, de Patrícia Melo:

Sol, piolhos, trambiques, gente boa, trapos, moscas, televisão, agiotas, sol, plástico, tempestades, diversos tipos de trastes, funk, sol, lixo e escroques infestam o local. O garoto que sobe o morro é José Luís Reis, o Reizinho. Excluindo Reizinho, ninguém ali é José, Luís, Pedro, Antônio, Joaquim, Maria, Sebastiana. São Giseles, Alexis, Karinas, Washingtons, Christians, Vans, Daianas, Klebers e Eltons, nomes retirados de novelas, programas de televisão, do jet set internacional, das revistas de cabeleireiras e de produtos importados que invadem a favela.

Subindo. Ruas de terra batida. Onze anos, o garoto, Reizinho. Pipa às mãos. Pés descalços.
Short laranja. Uma menina acena para a câmera do cinegrafista. É comum se deparar com uma equipe telejornalística na favela. A garota diz que sabe sambar. E sabe. Projeta o traseiro em direção à câmera, saracoteia, sensual. Dois magricelas, na porta do bar do Onofre, ridicularizam a garota. Chupam manga. A gorda quer rebolar, eles dizem, olha a gorda. Gargalham. Ela os chama de seus bostas bedelhudos e continua a serpentear. Sorri para Reizinho. Os meninos perguntam para o cinegrafista se podem cantar um rap. Podem. A manga é atirada longe. Montes de lixo. Comecem, diz o cinegrafista. Urubus. Cachorros.”.

Afastadas, assim, algumas das insinuações de que as oficinas de criação literária teriam por conseqüência homogeneizar a criação literária, outras ainda permanecem em aberto, sempre discutidas em tese nem sempre verificadas no concreto. Por exemplo, além das observações sobre o encurtamento dos períodos, aquelas acerca do enxugamento das próprias obras. Alega-se que os livros estariam ficando cada vez mais finos (exigência das editoras, caberia indagar), o que é, entretanto, contraditado por obras como Um defeito de cor, de autoria de Ana Maria Gonçalves. Publicado pela Record, em 2006, e ganhador do Prêmio Casa de las Americas, é mencionado como o romance em um único volume mais extenso publicado no país: 952 páginas, nas quais as desventuras de uma família de escravos é narrada através de gerações. Mas, como diria Kipling, isso já é uma outra história. Melhor ser guardada para uma outra vez.

Nota do Editor
Eugenia Zerbini, autora do romance As netas da Ema, vencedor do prêmio SESC Literatura 2004 (neste texto, em especial, valeu o fato de ter morado um ano em Dijon, capital da Bourgone, França, onde, além de estudar Direito e Literatura, seguiu cursos de enologia e culinária).


Eugenia Zerbini
São Paulo, 2/7/2007

Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessados de Eugenia Zerbini
01. O diabo veste Prada - 2/10/2006
02. Para o Daniel Piza. De uma leitora - 16/1/2012
03. O romance sobre o nada - 28/5/2007
04. De vinhos e oficinas literárias - 2/7/2007
05. Retrato edulcorado de uma rainha - 9/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/7/2007
10h03min
Um paralelo original e pertinente, que chama a atenção para certos exageros críticos que não têm considerado a trajetória e a personalidade de cada escritor. O melhor é o subjetivo das relações de Rolland e Parker, que é como os jabás de elogios trocados por resenhas cruzadas, por confrades beletristas, à título de crítica... Quanto às oficinas literárias, percebo uma certa leviandade em caracterizar esta pasteurização como efeito colateral dessa prática. Os temas e os estilos fazem parte da expressão de uma época, que é determinada por seus expoentes e a citação é como uma reverência aos seus contemporâneos. Haverão certamente alguns escritores com uma proximidade maior. As oficinas provam que existe um desejo genuíno de expressão e que as ferramentas disponíveis hoje ainda não permitem certa segurança que eles buscam nas oficinas literárias, que são tão questionáveis quanto um livro ruim, um mal professor ou um juízo elitista. Valeu. Abraços.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
2/7/2007
13h45min
Nesse fim de semana estávamos refletindo na mesa de bar justamente sobre esse assunto (em relação aos vinhos, às regras/ditaduras do gosto e da harmonização). Foi muito bom ler também essa reflexão voltada à literatura.
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
6/7/2007
22h31min
Meu instinto me faz repudiar oficinas literárias, ainda que eu possa, racionalmente, admiti-las pra mim mesmo. Consigo louvar, com certo esforço, o esforço em prol de uma literatura, calculada em termos de exercícios, práticas, entusiasmo e boas intenções, mas meu instinto me diz claramente que há alguma coisa de errado, de muito errado, nesse negócio. Mas as oficinas proliferam, as frases telegráficas encurtam a distância entre os pontos e os vinhos tendem a uma padronização. Não creio que a literatura inteira sofra esse processo, mas é visível, por exemplo, uma modalidade "telegráfica" se impondo na poesia brasileira ao longo das últimas décadas. Parabéns pelo ótimo ensaio.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
28/7/2007
11h55min
Bom artigo, boa reflexão para leitores e escritores em potencial. Só acho que a mania de frases curtas etc é mais uma herança (negativa, em muitos casos) ou uma lição mal assimilada, do nosso Modernismo. Modestamente, só faltou o meu nome entre os pioneiros. Mantive uma oficina literária permanente durante 18 anos, a partir de 1974. Perdi a conta do número de alunos (muitos escritores, hoje) que passaram por ela. Parei há alguns anos, mas continuo achando que oficina pode ajudar, sim, e que talento, claro, não se compra em butiqe nem em supermercado. Abraço.
[Leia outros Comentários de Moreira da Costa]
27/1/2008
11h02min
Baco nos livre! Todo mundo quer falar sobre vinhos! De uns tempos para cá pensamos conhecer vinhos, falamos sobre essa bebida santificada, adorada por deuses e por filhos de deuses, utilizada em santas ceias em copos simples ou em Santos Graals. Há os enólogos que entendem, de fato. Há os enófilos que pensam que entendem, mas são metidos, como eu próprio sou. Há os sommeliers que fazem um cursinho de nada e já derramam a sabedoria enobabaca sobre todos. Salvo rarríssimas exceções. Há os Enochatos que enchem o saco de todos, a todo momento, em qualquer lugar, sobre a bebida bendita. Existem enochatos em blogs, em sites, em programas de televisão, em livros. Ô gente desagradável! E há os enopedantes; esses são de amargar. Esses não entendem nada de vinho, mas dizem ter tomado vinhos caríssimos, como os Pètrus, os Romaneé Contis, o Vega Sicilias... Até escrevi sobre isso em meu blog.
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTRATÉGIA, CULTURA E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS
ALBERTO DE FREITAS
ELSEVIER
(2016)
R$ 56,00



VARIÁVEIS COMPLEXAS
MURRAY R. SPIEGEL
MCGRAW HILL DO BRASIL
(1972)
R$ 69,00



REVISTA CAPIXABA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA - A. 6 Nº10 (681)
DIVERSOS
IFTAV/FSV
(2008)
R$ 18,00



AVALIAÇÃO E APRENDIZAGEM COM O MOODLE
ANA JÚLIA VIAMONTE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00



CULTURA E DEMOCRACIA VOLUME 2
CELSO DE RUI BEISIEGEL E OUTROS
FUNARTE
(2001)
R$ 16,28



SELEÇÕES DO READERS DIGEST ABRIL DE 1954
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1954)
R$ 10,00



SANTOS
RICARDO LUIZ DE SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



CABEÇA DE HUGO CHAVEZ
FLAVIO BRAGA (APRESENTAÇÃO LUIZ COSTA LIMA)
ROCCO
(2011)
R$ 10,00



O EVANGELHO DE COCO CHANEL
KAREN KARBO E CHESLEY MCLAREN
SEOMAN
(2010)
R$ 20,00
+ frete grátis



GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUÊSA - CURSO SUPERIOR
SILVEIRA BUENO
SARAIVA
(1963)
R$ 5,00





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês