De vinhos e oficinas literárias | Eugenia Zerbini

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mondrian: a aventura espiritual da pintura
>>> 50 anos de poesia concreta
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
Mais Recentes
>>> Efeito Facebook de David Kirkpatrick pela Intrínseca (2011)
>>> Teatro: Lampiao A Beata Maria do Egito de Raquel de Queiroz pela Siciliano (2001)
>>> O Pacifista de John Boyne pela Companhia das Letras (2012)
>>> A descoberta da América pelos turcos de Jorge Amado pela Record (1994)
>>> Inverno do Mundo de Ken Follett pela Arqueiro (2012)
>>> Tracos & trocos de Odayr Miguel de Lima pela Reluz Grafica (2007)
>>> Queda de Gigantes de Ken Follett pela Arqueiro (2010)
>>> Eternidade Por um Fio de Ken Follett pela Arqueiro (2014)
>>> A Linguagem do Corpo de David Cohen pela Vozes (2014)
>>> As margens da tradução de Gustavo Bernardo (org.) pela Faperj - Caetés (2002)
>>> A Voz e o Olhar do Outro (Vol. IV) de Leila Assumpção Harris (org.) pela Letra Capital (2012)
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
ENSAIOS

Segunda-feira, 2/7/2007
De vinhos e oficinas literárias
Eugenia Zerbini

+ de 5800 Acessos
+ 5 Comentário(s)


Red Grapes, Justin Clayton

Os vinhos correm o risco de tornarem-se iguais. Isso porque, há mais ou menos vinte anos, surgiu um crítico chamado Robert Parker, que começou a avaliar os grandes rótulos, dando-lhes notas que passaram a ditar o preço das safras nos leilões ao redor do mundo.

Acontece que, segundo alguns, Mr. Parker – originalmente advogado e hoje, além de oráculo do mercado internacional de vinhos, editor das publicações The Wine Advocate e The Wine Spectator – impõe mundialmente seu gosto particular. Parker aprecia vinhos “coloridos”, de preferência vermelhos profundos, que descem “redondos”, com pouco tanino, cujo “bouquet” (em uma paródia do que acontece com aquele das noivas) quase é jogado para fora do copo, descendo “boisés”. Quer dizer, vinhos que têm gosto de bosque. Pois é, há vinhos com gosto de fumaça (em alguns brancos, um certo ar defumado é muito apreciado), outros com gosto de couro, outros ainda com fundo de mel, pimenta, tabaco, madeira, violeta etc.

Diante de uma nota baixa, para não ver seu terroir desvalorizado, o produtor lança mão normalmente de um consultor. É aí que começa o papel de Michel Rolland, o mais conhecido consultor de vinhos, coincidência ou não, amigo daquele primeiro. Além de racionalizar os métodos de produção, segundo seus detratores, Rolland – proveniente de uma família de produtores de vinho na região de Bordeaux – irá alterar a receita do vinho que é produzido, adaptando-a aos padrões ditos globais, impostos por Parker. Michel Rolland presta serviços de consultoria para mais de 150 produtores espalhados pelo mundo, todos pretendendo aprimorar a qualidade de seus vinhos. No Brasil, assessora a vinícola Miolo.

Apesar das críticas – bem expostas no documentário Mondovino, de Jonathan Nossiter – que vão desde a ligação pouco ortodoxa entre Rolland e Parker, em que uma mão presta serviços e a outra dá nota, até a pasteurização de sabores, uma coisa é certa: nunca se teve tanto vinho bom disponível e, o mais importante, acessíveis em comparação aos preços praticados no passado.

Mas o que tudo isso tem a ver com os livros? Talvez a tentativa de traçar um paralelo entre a forma de se produzir vinhos na atualidade, de um lado, e oficinas literárias e escritores, de outro. Será que estes últimos não tenderiam a estar no lugar de terroirs, curvados sob o peso das influências daquelas primeiras?

Com início, no Brasil, em meados da década de 1980, as oficinas literárias proliferaram rapidamente nos últimos vinte anos. Foram pioneiras aquelas promovidas em Porto Alegre e São Paulo pelos escritores Luiz Antonio de Assis Brasil e João Silvério Trevisan, este último condutor dos trabalhos desenvolvidos na então chamada Oficina Três Rios, patrocinada pelo governo do Estado de São Paulo. Atualmente, destacam-se as oficinas organizadas por José Castello, crítico e escritor, em Curitiba e no Rio de Janeiro, e por Raimundo Carrero, escritor, em Recife. Carrero publicou, em 2005, Os segredos da ficção, em que sistematiza o conteúdo de suas oficinas.

Na abertura desses eventos, aparentemente inspirados nos cursos norte-americanos de creative writting, os ministrantes assinalam que é impossível fazer de alguém um grande autor. Aí entra o imponderável: o talento. Entretanto, fora talento, existem técnicas que podem ser apreendidas e, além delas, disciplina, que pode ser cultivada.

O mais importante é que a criação assemelha-se à natureza, beneficiando-se da diversidade. Ainda que o ato de escrever em si – como o nascer e o morrer – seja pessoal, intransferível e solitário, a convivência com um grupo de interesses convergentes é sempre estimulante. É a polinização feita pela referência a um autor nunca lido antes, pela partilha da leitura conjunta e, principalmente, pela crítica de seus pares. Tudo sem comprometer o trabalho de cada um.

O segundo grande argumento contra as oficinas de criação literária – já que o primeiro é a afirmação de que é impossível ensinar alguém a ser um grande escritor – é que os participantes seriam treinados todos em uma só direção. Receberiam as mesmas instruções, leriam os mesmos textos e absorveriam os maneirismos de seus instrutores. A prática demonstra que isso é falso. Das oficinas dirigidas por Assis Brasil, por exemplo, passaram escritoras de estilos tão diferentes entre si como Cíntia Moscovich e Letícia Wierzchowski.

É certo que, da mesma forma que Robert Parker confere notas a vinhos, muitos condutores de oficinas são convidados a integrar comissões julgadoras em concursos literários, dando notas a escritores (ou a aspirantes a tal). No ano passado, Assis Brasil participou do júri que conferiu o Prêmio SESC Literatura, na categoria romance, à obra de André de Leones, Hoje está um dia morto, como consta da contracapa do livro. Porém, contrariamente a Parker, Assis Brasil parece estar longe de imprimir seu gosto ou estilo em seus julgamentos. O texto de André de Leones pouco tem a ver com a prosa de Assis Brasil.

Pessoalmente, tive meu livro As netas da Ema – ganhador do Prêmio SESC Literatura no ano anterior a André – avaliado de início por uma comissão regional, da qual participou Nelson de Oliveira. Fomentador da conhecida por “geração 90”, Nelson de Oliveira participou da primeira Oficina Três Rios (para qual, por sinal, minha inscrição foi rejeitada). Atualmente, com mais de 10 livros publicados, dirige suas próprias oficinas. Vim a conhecê-lo meses depois do lançamento de meu livro, reconhecendo que temos dicções diferentes de texto. É infundada, por isso, a idéia de que quem ministra oficinas procura valorizar as escritas que refletem suas predileções, descartando os possíveis paralelos entre o Esquire Bob Parker e os professores de criação literária.

Mas, e o comentário generalizado de que hoje os textos em grande parte parecem iguais? São objeto de críticas, por exemplo, os períodos cada vez mais curtos. Esse encurtamento, embora seja atribuído com freqüência à escrita no computador, não é fato novo.

Othon Garcia, em Comunicação em prosa moderna, ainda uma referência sólida de estilo – indicada, por exemplo, na bibliografia relacionada à preparação para concursos para a carreira diplomática –, há três décadas já advertia que o diferencial do estilo moderno repousa na brevidade da frase, construída predominantemente por meio da coordenação, em detrimento da subordinação. “Em vez de períodos longos, caudalosos, enleados nas múltiplas incidências da subordinação, características do classicismo e de certa fase do romantismo, o que distingue o estilo moderno é a brevidade da frase, predominantemente coordenada” (Rio de Janeiro, Editora FGV, 10ª edição, 1982, p. 105).

As reações contras as frases centopeicas do classicismo, segundo ele, teriam sido encabeçadas, no Brasil, por José de Alencar, que no pós-escrito à 2ª edição de Iracema, nos idos de 1870, já pregava a insurreição contra as frases longas do estilo clássico. Levando em conta essas considerações, a conseqüência natural, mais de um século depois, é o texto de Inferno, de Patrícia Melo:

Sol, piolhos, trambiques, gente boa, trapos, moscas, televisão, agiotas, sol, plástico, tempestades, diversos tipos de trastes, funk, sol, lixo e escroques infestam o local. O garoto que sobe o morro é José Luís Reis, o Reizinho. Excluindo Reizinho, ninguém ali é José, Luís, Pedro, Antônio, Joaquim, Maria, Sebastiana. São Giseles, Alexis, Karinas, Washingtons, Christians, Vans, Daianas, Klebers e Eltons, nomes retirados de novelas, programas de televisão, do jet set internacional, das revistas de cabeleireiras e de produtos importados que invadem a favela.

Subindo. Ruas de terra batida. Onze anos, o garoto, Reizinho. Pipa às mãos. Pés descalços.
Short laranja. Uma menina acena para a câmera do cinegrafista. É comum se deparar com uma equipe telejornalística na favela. A garota diz que sabe sambar. E sabe. Projeta o traseiro em direção à câmera, saracoteia, sensual. Dois magricelas, na porta do bar do Onofre, ridicularizam a garota. Chupam manga. A gorda quer rebolar, eles dizem, olha a gorda. Gargalham. Ela os chama de seus bostas bedelhudos e continua a serpentear. Sorri para Reizinho. Os meninos perguntam para o cinegrafista se podem cantar um rap. Podem. A manga é atirada longe. Montes de lixo. Comecem, diz o cinegrafista. Urubus. Cachorros.”.

Afastadas, assim, algumas das insinuações de que as oficinas de criação literária teriam por conseqüência homogeneizar a criação literária, outras ainda permanecem em aberto, sempre discutidas em tese nem sempre verificadas no concreto. Por exemplo, além das observações sobre o encurtamento dos períodos, aquelas acerca do enxugamento das próprias obras. Alega-se que os livros estariam ficando cada vez mais finos (exigência das editoras, caberia indagar), o que é, entretanto, contraditado por obras como Um defeito de cor, de autoria de Ana Maria Gonçalves. Publicado pela Record, em 2006, e ganhador do Prêmio Casa de las Americas, é mencionado como o romance em um único volume mais extenso publicado no país: 952 páginas, nas quais as desventuras de uma família de escravos é narrada através de gerações. Mas, como diria Kipling, isso já é uma outra história. Melhor ser guardada para uma outra vez.

Nota do Editor
Eugenia Zerbini, autora do romance As netas da Ema, vencedor do prêmio SESC Literatura 2004 (neste texto, em especial, valeu o fato de ter morado um ano em Dijon, capital da Bourgone, França, onde, além de estudar Direito e Literatura, seguiu cursos de enologia e culinária).


Eugenia Zerbini
São Paulo, 2/7/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O romance sobre o nada de Eugenia Zerbini


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessados de Eugenia Zerbini
01. O diabo veste Prada - 2/10/2006
02. Para o Daniel Piza. De uma leitora - 16/1/2012
03. O romance sobre o nada - 28/5/2007
04. De vinhos e oficinas literárias - 2/7/2007
05. Retrato edulcorado de uma rainha - 9/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/7/2007
10h03min
Um paralelo original e pertinente, que chama a atenção para certos exageros críticos que não têm considerado a trajetória e a personalidade de cada escritor. O melhor é o subjetivo das relações de Rolland e Parker, que é como os jabás de elogios trocados por resenhas cruzadas, por confrades beletristas, à título de crítica... Quanto às oficinas literárias, percebo uma certa leviandade em caracterizar esta pasteurização como efeito colateral dessa prática. Os temas e os estilos fazem parte da expressão de uma época, que é determinada por seus expoentes e a citação é como uma reverência aos seus contemporâneos. Haverão certamente alguns escritores com uma proximidade maior. As oficinas provam que existe um desejo genuíno de expressão e que as ferramentas disponíveis hoje ainda não permitem certa segurança que eles buscam nas oficinas literárias, que são tão questionáveis quanto um livro ruim, um mal professor ou um juízo elitista. Valeu. Abraços.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
2/7/2007
13h45min
Nesse fim de semana estávamos refletindo na mesa de bar justamente sobre esse assunto (em relação aos vinhos, às regras/ditaduras do gosto e da harmonização). Foi muito bom ler também essa reflexão voltada à literatura.
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
6/7/2007
22h31min
Meu instinto me faz repudiar oficinas literárias, ainda que eu possa, racionalmente, admiti-las pra mim mesmo. Consigo louvar, com certo esforço, o esforço em prol de uma literatura, calculada em termos de exercícios, práticas, entusiasmo e boas intenções, mas meu instinto me diz claramente que há alguma coisa de errado, de muito errado, nesse negócio. Mas as oficinas proliferam, as frases telegráficas encurtam a distância entre os pontos e os vinhos tendem a uma padronização. Não creio que a literatura inteira sofra esse processo, mas é visível, por exemplo, uma modalidade "telegráfica" se impondo na poesia brasileira ao longo das últimas décadas. Parabéns pelo ótimo ensaio.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
28/7/2007
11h55min
Bom artigo, boa reflexão para leitores e escritores em potencial. Só acho que a mania de frases curtas etc é mais uma herança (negativa, em muitos casos) ou uma lição mal assimilada, do nosso Modernismo. Modestamente, só faltou o meu nome entre os pioneiros. Mantive uma oficina literária permanente durante 18 anos, a partir de 1974. Perdi a conta do número de alunos (muitos escritores, hoje) que passaram por ela. Parei há alguns anos, mas continuo achando que oficina pode ajudar, sim, e que talento, claro, não se compra em butiqe nem em supermercado. Abraço.
[Leia outros Comentários de Moreira da Costa]
27/1/2008
11h02min
Baco nos livre! Todo mundo quer falar sobre vinhos! De uns tempos para cá pensamos conhecer vinhos, falamos sobre essa bebida santificada, adorada por deuses e por filhos de deuses, utilizada em santas ceias em copos simples ou em Santos Graals. Há os enólogos que entendem, de fato. Há os enófilos que pensam que entendem, mas são metidos, como eu próprio sou. Há os sommeliers que fazem um cursinho de nada e já derramam a sabedoria enobabaca sobre todos. Salvo rarríssimas exceções. Há os Enochatos que enchem o saco de todos, a todo momento, em qualquer lugar, sobre a bebida bendita. Existem enochatos em blogs, em sites, em programas de televisão, em livros. Ô gente desagradável! E há os enopedantes; esses são de amargar. Esses não entendem nada de vinho, mas dizem ter tomado vinhos caríssimos, como os Pètrus, os Romaneé Contis, o Vega Sicilias... Até escrevi sobre isso em meu blog.
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUATRO RODAS--NOVO HONDA CR-V--JAC J3 E QUENTE OU UMA GELADA?.
ABRIL
ABRIL
(2012)
R$ 16,00



ATRACAO DECODIFIQUE A LINGUAGEM DO AMOR
TRACEY COX
FUNDAMENTO
(2004)
R$ 14,00



A ALIMENTAÇÃO DOS PEIXES DE AQUÁRIO
GASTÃO BOTELHO E OUTROS
NOBEL
(1984)
R$ 10,00



AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E UNIVERSIDADES
LUIZ CARLOS DE FREITAS
KOMEDI
(2018)
R$ 60,00



TRANSITIONS 1 - STUDENT BOOK + WORK BOOK (INTEGRATED ENGLISH)
LINDA LEE
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(1998)
R$ 90,00



MANUAL GERAL DA REDAÇAO
FOLHA DE SAO PAULO
FOLHA DE SAO PAULO
R$ 8,00



MANGÁ - O LIVRO MONSTRO DO MANGÁ
DANIEL DE ROSA
LIVROS ESCALA
(2009)
R$ 15,00



REVISTA NINTENDO WORLD--41--QUEBRA-PAU.
CONRAD
CONRAD
R$ 22,00



DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO
VICENTE PAULO E MARCELO ALEXANDRINO
MÉTODO
(2016)
R$ 100,00



O AVESSO DAS COISAS
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1997)
R$ 12,90





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês