O historiador das idéias | Pedro Maciel

busca | avançada
70777 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Seriados made in the USA
>>> American Horror Story: Asylum
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A semente da impunidade
>>> Não existem autores novos
>>> Have a Book in You?
>>> O desafio dos media-watching
>>> Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo
>>> Realismo fantástico
Mais Recentes
>>> Armas Secretas Alemãs - Plataforma para Marte de Brian Ford pela Renes (1973)
>>> Lart de Conjuguer Dictionnaire - a Arte de Conjugar de Bescherelle pela Itatiaia (1959)
>>> Armas da Infantaria de John Weeks pela Reines (1974)
>>> Estado-maior Alemão História Ilustrada da 2ª Guerra Mundial Politica 5 de Barrt Leach pela Renes (1975)
>>> Patton Nº 6 Líderes- História Ilustrada da 2ª Guerra Mundial de Charles Whiting/ Edmond Jorge pela Renes (1975)
>>> Divisões Panzer os Punhos de Aço - História Ilustrada da 2ª Guerra Mundial de K. J. Macksey pela Renes (1974)
>>> O Engenhoso Fidalgo D. Quixote de La Mancha de Dom Quixote de la Mancha pela Abril Coleções (2010)
>>> Graça radical: Curtir a vida é viver com Deus de Max Lucado pela Thomas Nelson Brasil (2021)
>>> Barbarossa - a Invasão da Rússia - Campanhas 3 de John Keegan pela Renes (1974)
>>> Kit Saga Crepúsculo 4 Livros de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> Ponte aérea para a China de William J. Koenig pela Renes (1977)
>>> Histórias do Modernismo de Ivan Marques pela Scipicione (2011)
>>> Mísseis Ar-ar e Antitanque - Guias de Armas de Guerra de Bill Gunston pela Nova Cultural (1986)
>>> Mísseis Ar-ar e Antitanque - Guias de Armas de Guerra de Bill Gunston pela Nova Cultural (1986)
>>> Guias de Armas de Guerra: Marinha Soviética Volume 2 de John Jordan pela Nova Cultural (1986)
>>> Guias de Armas de Guerra: Marinha Soviética Volume 1 de Nova Cultural pela Nova Cultural (1986)
>>> Submarinos Convencionais e Com Mísseis - Guias de Armas de Guerra de Nova Cultural pela Nova Cultural (1982)
>>> BIOLOGIA - volume único de Armênio Uzunian e Ernesto Birner pela Harbra (2004)
>>> Guias de Armas de Guerra : Tanques da Segunda Guerra Mundial de Nova Cultural pela Nova Cultural (1983)
>>> Guias de Armas de Guerra - Usaf a Moderna Força Aerea dos Eua de Nova Cultural pela Nova Cultural (1986)
>>> Guias de Armas de Guerra - Usaf a Moderna Força Aerea dos Eua de Nova Cultural pela Nova Cultural (1986)
>>> Guias de Armas de Guerra Caças e Aviões de Ataque Modernos de Novo Cultural pela Novo Cultural (1986)
>>> Caças dos Eua e Aeronaves de Ataque - Volume I - Guias de Armas de Guerra de Barry Wheeler pela Nova Cultural (1986)
>>> Caças da Otan - Volume II - Guias de Armas de Guerra de Bill Gunston pela Nova Cultural (1986)
>>> Guias de Armas de Guerra - Aviação Naval de Carmo Chagas pela Nova Cultural (2000)
ENSAIOS

Segunda-feira, 11/11/2002
O historiador das idéias
Pedro Maciel

+ de 8500 Acessos

Otto Maria Carpeaux, em Ensaios Reunidos, graças à erudição, ao conhecimento de tantas literaturas, criou um jogo poético para descrever em ensaios breves a história da literatura universal. Ensaios Reunidos (Topbooks/UniverCidade Ed), composto por "A Cinza do Purgatório" (1942), "Origens e Fins" (1942), "Respostas e Perguntas" (1953), "Retratos e Leituras" (1953), "Presenças" (1958) e "Livros na Mesa" (1960), é o primeiro volume de um intelectual universalista que tinha domínio da história das idéias e da arte da dialética. São textos críticos que falam sobre autores estrangeiros e nacionais, estudos de obras de alguns dos mais importantes nomes da literatura brasileira contemporânea.

Carpeaux, Sérgio Buarque de Holanda e Antonio Candido, formam a tríade exemplar da crítica literária brasileira. Segundo Alfredo Bosi, "Carpeaux atravessou a crítica positivista, a idealista, a psicanalítica, o new criticism, a estilística espanhola, o formalismo, o estruturalismo, a volta à crítica ideológica". E prossegue: "Mas, educado junto aos culturalistas alemães e italianos do começo do século, ele sabia que nada se entende fora da História".

É notável a naturalidade com que Carpeaux discorre sobre estética, filosofia, política, história. Doutor em ciências exatas, letras e filosofia, o autor da História da Literatura Ocidental, era uma espécie de ensaísta literário que escrevia com clareza, numa linguagem corrente, de fácil entendimento para o leigo.

Criador de um estilo, segundo o crítico Álvaro Lins, "vivo, preciso e ardente. Às vezes enérgico e áspero. Nestas ocasiões, sobretudo, este estilo está confessando um temperamento de inconformista, de planfetário, de debater. O temperamento de um homem que, monologando ou dialogando, está sempre numa atitude de luta: ou a luta interior, consigo mesmo, ou a luta exterior, com os seus adversários".

E o crítico teve muitos adversários literários e políticos. Nascido na Áustria, viveu uma desventura pessoal na época da Segunda Guerra. Carpeaux foge da Alemanha nazista para a Bélgica e, em 1939, muda-se para o Brasil. Em 1940 começa a escrever no jornal Correio da Manhã. Seus apontamentos literários e políticos geraram acusações por parte da esquerda e da direita.

Carpeaux desafiava as convenções históricas e literárias. Pode ter errado em algumas análises, como por exemplo, ao criticar Thomas Mann, "um pensador confuso, o maior dos escritores de segunda ordem (...) um grande estilista, na significação menos boa da palavra; ele estiliza tudo e ao seu estilo também. Estilista de primeira ordem, com as virtudes estilísticas da época burguesa: irônico, espirituoso, sentimental, psicológico, analítico. Um Nietzsche disfarçado de Flaubert".

Ou quando critica Goethe, que "não compreendeu o maior acontecimento literário do seu tempo, o romantismo. Depois de ter experimentado, em vão cativar os seus contemporâneos com a fórmula classicista, ele trai a arte, para abraçar as ciências naturais e enriquecê-las com as suas descobertas duvidosas e as suas fantasias arbitrárias".

Acertou em muitas leituras, principalmente quando discorre sobre a poesia brasileira. Manuel Bandeira, Murilo Mendes, Augusto dos Anjos e Drummond, entre outros, foram contemplados com ensaios memoráveis; textos de um crítico que tinha cabeça de poeta.

Segundo o crítico-poeta, "das paisagens do espírito, a poesia é a mais misteriosa: porque é tão familiar e, ao mesmo tempo, muito remota. No território lírico sentimo-nos como em casa, uma paisagem povoada por nossas próprias emoções. Mas, embora percorrendo-a no ritmo das pancadas do coração, é permanente o perigo de perdermos o caminho..."

A leitura de Ensaios Reunidos oferece-nos muitas surpresas em relação a autores clássicos, como Homero, Shakespeare, James Joyce ou Albert Camus. Ítalo Calvino diz que "o clássico não necessariamente nos ensina algo que não sabíamos; às vezes descobrimos nele algo que sempre soubéramos (ou acreditávamos saber) mas desconhecíamos que ele o dissera primeiro..." Muitos ensaios de Carpeaux revelaram pela primeira vez a importância de uma obra ou de um autor para a literatura contemporânea.

Dedicar algum tempo à leitura dos ensaios de Carpeaux é percorrer o infinito mapa da história da humanidade. Os ensaios, artigos e estudos nos fazem entender o tempo imemorial, apesar de estarmos condenados à atualidade. Carpeaux, um dos últimos humanistas, é um escritor de todos os tempos; marca o início do apogeu do ensaio literário brasileiro, que teve um começo tão exemplar.

Telegramas Carpeauxianos
"Realmente, Homero tornou-se alheio ao nosso mundo. Já há séculos que não se escrevem epopéias, e, para dizer a verdade, escreveram-se sempre apenas epopéias virgilianas. E assim como a forma exterior se tornava obsoleta, a expressão verbal e os assuntos homéricos se transformavam em lugares-comuns da literatura universal. A menção de Homero, na enumeração dos maiores poetas, é uma convenção usual dos letrados ou, pior, uma mentira na boca daqueles que dele não leram nunca uma linha."
("O sol de Homero")

"No fim da tragédia, Édipo e seu povo e nós outros sabemos o que aconteceu. 'Dizer o que foi e o que é': a obra de Sófocles é expressão desse realismo tipicamente grego. Não devemos confundir esse realismo moderno, que só conhece o ambiente social e os impulsos da alma humana. O realismo grego refere-se ao Universo inteiro, com seus deuses, que são deuses bons e deuses maus, que mandam aos homens a felicidade e a desgraça das quais se compõem o destino e a vida inteira. O realismo grego sabia que o mundo existe e que aqueles deuses existem e que, às vezes, elevam o homem e, outra vez, o derrubam assim como derrubaram Édipo ou Hölderlin ou, se quiserem, Rimbaud. É essa ira dos deuses que inspira ao mundo humano o luto doloroso de que se fez porta-voz o poeta Sófocles."
("A verdade sobre Édipo")

"Mas o que é um profeta? Um homem inspirado por Deus? Ou simplesmente o portador duma verdade que os homens não querem ouvir? Uma definição, mais e menos ampla ao mesmo tempo, diria: um profeta anuncia a uma situação temporal uma verdade eterna. Nietzsche não era um inspirado de Deus nem um sábio que tem razão contra seu tempo. Era menos e mais. Tinha uma verdade existencial a proferir, como Jeremias antes da destruição do templo, como Isaías antes do advento do Messias. O templo de Nietzsche foi destruído, e o messias 'super-homem', com que sonhava, veio. Mas a profecia não pode ser entendida antes do seu cumprimento. Nietzsche não foi mal entendido; ele não podia ser entendido antes do tempo, que é o tempo presente. Nisto reside a sua qualidade profética. Para nós outros, já é tempo de situá-lo no seu tempo passado, para melhor compreender o nosso tempo presente."
("Nietzsche e as conseqüências")

"Os romances de Graciliano Ramos são experimentos para acabar com o sonho de angústia que é a nossa vida. Uma lenda budista conta dum homem que correu, ao sol do meio-dia, para fugir à sua sombra que o angustiava; correu, correu, sempre perseguido pelo companheiro sinistro, até que encontrou o grande Sábio, que lhe disse: _ 'Não continues a fugir! Assenta-te sob esta árvore!' E como ele parou, a sombra desapareceu. A sombra sobre o mundo de Graciliano Ramos não é a sombra da árvore da salvação, mas a do edifício da nossa civilização artificial _ cultura e analfabetismo letrados, sociedade, cidade, Estado, todas as autoridades temporais e espirituais, que ele convida ironicamente _ no começo de São Bernardo _ a colaborar na sua obra de destruição. Mas eles mostram-se incapazes de cometer o suicídio proposto. Entrincheiram-se na 'dura realidade', imposta a todas as criaturas do Demiurgo, e que se arroga todos os atributos da eternidade. O romancista, porém, não se conforma. Transforma esta vida real em sonho _ pois do sonho, afinal, se acorda."
("Visão de Graciliano Ramos")

"Drummond, inconformista irredutível, é o mais solitário dos homens. É prisioneiro da sua aura interior de isolados objetos de lembrança que o pulsar do coração da sua poesia vivifica. Pulsar do coração, assincrônico com os ruídos do mundo exterior; não chega a vivificar as criaturas e objetos de fora que aparecem, na poesia de Drummond, como seres isolados, cada um prisioneiro da sua atmosfera morta, e que olham o poeta com as pupilas instantes da criatura muda, todos eles 'guardando o segredo que todos sabem... que esta vida não presta.'"
("Fragmento sobre Carlos Drummond de Andrade")

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no Caderno "Idéias" do Jornal do Brasil, a 18 de setembro de 1999.


Pedro Maciel
Belo Horizonte, 11/11/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O romance sobre o nada de Eugenia Zerbini


Mais Pedro Maciel
Mais Acessados de Pedro Maciel
01. Italo Calvino: descobridor do fantástico no real - 8/9/2003
02. A arte como destino do ser - 20/5/2002
03. Antônio Cícero: música e poesia - 9/2/2004
04. Imagens do Grande Sertão de Guimarães Rosa - 14/7/2003
05. Nadja, o romance onírico surreal - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1970 - 1980 One Hundred Greatest Hits Piano-vocal-guitar
Vários
Wise Publications
(1980)



Virei empresário. E agora?
Beth Martins
Literare Books International
(2017)



Promoção de Vendas - o Gatilho do Marketing
Paulino da San Pancrazio
Futura
(2000)



Mosaico do Sentir
Fernando Hernadez Junior
Gente
(2004)



Qual É a Cor do Amor
Patrícia Senna e Emerson Pontes
Prazer de Ler
(2011)



Para um Homem de êxito
Lídia Maria Riba
Vergara & Riba
(2007)



The Finale Primer
Bill Purse
Miller Freeman Books
(1998)



ética Em Ginecologia e Obstetricia
Varios Autores
Cadernos Cremesp
(2011)



Concerto Duas para Vozes
Fernando Lara Michael Nicolau
Annablume
(2008)



Above Paris
Robert Cameron
Cameron
(1985)





busca | avançada
70777 visitas/dia
2,4 milhões/mês