Jornalismo cultural: quem paga? | Ana Maria Bahiana

busca | avançada
69457 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Lançamento do livro 'Pesquisa e ensino de história na Amazônia'
>>> Maurício Limeira lança coronavídeo GUERRA
>>> Mostra de Teatro traz quatro peças para assistir on-line
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
>>> Leituras Urbanas começa novo ciclo literário
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> O chá do imperador
>>> Papa Francisco
>>> Pequena notável
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> USP: 75 anos de histórias várias
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Minicursos na PUC Minas
>>> 7 de Setembro
>>> Dublinenses
Mais Recentes
>>> As Pupilas do Senhor Reitor – Tomo II de Júlio Diniz pela Revista Minha
>>> A Brasileira de Prazins de Camilo Castelo Branco pela Nacional (2004)
>>> Contos de Alexandre Herculano pela Cultrix (1985)
>>> O Bobo de Alexandre Herculano pela Ediouro / Tecnoprint
>>> O Monge de Cister – 1º Volume de Alexandre Herculano pela Saraiva (1964)
>>> Notas de Um Diarista – 2ª Série de Humberto de Campos pela José Olympio (1936)
>>> Vida E Morte de M. J. Gonzaga de Sá de Lima Barreto pela Ediouro / Tecnoprint
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Ática (1990)
>>> Audaciosas ações de Otto Skorzeny: o Capitão que resgatou Mussolini (Tomo I) de O. Skorzeny pela Biblioteca do Exército (1976)
>>> Vida de um Homem: Francisco de Assis de Chiara Frugoni pela Companhia das letras (2008)
>>> Integralismo e Catolicismo de Gustavo Barroso pela ABC Ltda. (1937)
>>> História do Brasil (7 volumes) de Pedro Calmon pela José Olympio (1961)
>>> Elogio da Intolerância de Slavoj Zizek pela Relogio Dagua (1999)
>>> História do Brasil (6 volumes) de Robert Southey pela Obelisco (1965)
>>> História do Brasil (5 volumes) de Rocha Pombo pela W. M. Jackson (1959)
>>> Harmonia e improvisação I de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Português para convencer de Moreno e Martins pela Ática (2011)
>>> As Raízes do Rock de Florent Mazzoleni pela Companhia Ed. Nacional (2012)
>>> Os Melhores Jogos do Mundo de Diversos Autores pela Abril
>>> A jornada da alma de Jhon A. Sanford pela Paulus (1998)
>>> Cristãos ricos em tempos de fome de Ronald J. Sider pela Sinodal (1984)
>>> O pecado e o medo. A culpabilização no Ocidente (séculos 13-18) 2 vol. de Jean Delumeau pela Edusc (2003)
>>> História das missões de Stephen Neill pela Vida Nova (1998)
>>> História das missões de Stephen Neill pela Vida Nova (1998)
>>> História das missões de Stephen Neill pela Vida Nova (1998)
>>> Mil anos de felicidade. Uma História do Paraíso de Jean Delumeau pela Companhia das Letras (1997)
>>> Revista de História da Biblioteca Nacional Nº 122 de Diversos Autores pela Biblioteca Nacional (2015)
>>> Revista de História da Biblioteca Nacional Nº 116 de Diversos Autores pela Biblioteca Nacional (2015)
>>> A empresa júnior no Brasil e no mundo de Franco de Matos pela Martin claret (1997)
>>> Revista de História da Biblioteca Nacional Nº 112 de Diversos Autores pela Biblioteca Nacional (2015)
>>> Limites da Utopia de Isaías berlin pela Companhia das letras (1999)
>>> As culturas e o tempo de Paul Ricoeur e outros pela Vozes (1975)
>>> Estratégias da arte em uma era catástrofes de Maria Angelica melendi pela Cobogo (2017)
>>> Estratégias da arte em uma era catástrofes de Maria Angelica melendi pela Cobogo (2017)
>>> O Último Coyote de Michael Connelly pela Círculo do Livro (1997)
>>> A voz do passado. História oral de Paul Thompson pela Paz e Terra (1992)
>>> A Última Grande Lição - O Sentido da Vida de Mitch Albom pela Sextante (2008)
>>> De religião e de homens de Jean Delumeau pela Loyola (2000)
>>> E Deus disse: Do que eu gosto é de política, não de religião de Padre Mário de Oliveira pela Campo das letras (2003)
>>> Movimentos messiânicos no tempo de Jesus de Donizete Scardelai pela Paulus (1998)
>>> Literatura: De Homero á contemporaneidade de Ronaldo Alves Mousinho pela Independente (2002)
>>> Historia dos índios no Brasil de Manuela Carneiro da Cunha pela Companhia das letras (2006)
>>> A casa das Máscaras (trilogia dos Aincourt - Livro 3) de Candace Camp pela Harlequin Books (2007)
>>> Analogia de Umbanda - Ponto riscado de Josef Ronton pela Tríade (1985)
>>> O livro dos Exús de Antonio de Alva pela Eco (1973)
>>> As Valkirias de Paulo Coelho pela Gold (2020)
>>> Vida sempiterna de Marie Corelli pela Biblioteca Rosacruz (1990)
>>> A Quintessência sagrada de Starhawk pela Record (1995)
>>> Hatha Yoga - Paz e saúde de Indra Devi pela Civilização Brasileira (1962)
>>> Curso adiantado de Filosofia Yogue de Yogue Ramacharaca pela Pensamento (1977)
ENSAIOS

Segunda-feira, 17/11/2003
Jornalismo cultural: quem paga?
Ana Maria Bahiana

+ de 5800 Acessos

Um excelente artigo de Julio Daio Borges, no sempre interessante site Digestivo Cultural levanta a bola da vez no jornalismo cultural - a revista de marca, ou, no jargão marketeiro dos dias de hoje, mídia customizada.

É tema dos mais apetitosos, cujos ecos, em gritos e sussurros, têm chegado aos meus ouvidos vindos de algumas das pessoas que mais respeito no nosso surrado métier.

O assunto é particularmente pertinente porque, por coincidência (e existem coincidências?), vive-se um momento em que, globalmente, discute-se quem deve pagar pela cultura de um país.

A Europa, sempre generosa no setor subsídios, anda encolhendo as participações estatais em várias áreas, especialmente o cinema. Nos EUA, que nunca foram mesmo muito chegados a isso, o Public Broadcast System, sofreu uma das reduções mais drásticas em seu orçamento - uma pena de fato, já que a rede pública de TV e rádio é responsável pelo que considero um dos melhores trabalhos tanto no departamento cultura quanto em todos os outros.

E no Brasil, as recentes marchas e contra-marchas em torno da Ancine e das leis de incentivo revelam claramente que o que se busca definir é, exatamente, quem paga a conta pelas despesas da cultura - e o que ganha em troca.

O jornalismo cultural é um bom prato para esse churrasco, porque ele não apenas cobre o setor mas, muitas vezes, se confunde com a cultura que cobre, produz elementos que irão se incorporar ao próprio tecido cultural.

E quem irá pagar essa conta?

A resposta ideal seria: o leitor. Este é o paradigma clássico de todo jornalismo, aliás: ele existe para servir ao leitor, e ao leitor deve satisfação e satisfações.

Mas você e eu sabemos que isso é, como todo ideal, uma utopia de proporções olímpicas.

Um país com uma tradição de centralização do poder responderia: o estado. Eu, pessoalmente, acho que essa é sempre uma equação muito perigosa, com a sombra da propaganda pairando em cima. E instável, com parâmetros, prioridades, verdades e mentiras se alterando a cada nova administração.

Historicamente, o anunciante tem pago o grosso da conta, no jornalismo cultural. Dificil ter ilusões a esse respeito. O jornalismo político, econômico e de cidade lida com outras margens de valor agregado que podem ser manobradas em troca do vil metal - não estou falando de matérias compradas, é claro, estou falando do mecanismo que todos nós conhecemos pelo qual investidores endinheirados colocam suas preciosas fichas num veículo de comunicação, em busca do intangível lucro da influência.

Espero não estar tirando a virgindade de ninguém com este singelo raciocício.

O poder do jornalismo de cultura é de ação lenta, homeopática. Há que se construir uma marca, uma assinatura, até que ela tenha autoridade suficiente para ser o formador de opinião que, finalmente, agregará algum valor ao conteúdo. Isso se aplica a grandes e pequenos. Os mais mastodónticos e tradicionais veículos de imprensa são cíclicos em seu poder de fogo na área cultural, dependentes do time que nela joga.

Na rampa para a conquista do leitor, o anunciante permanece como a opcão mais viável. A delicada dança entre o poder imediato que ele controla e o poder potencial que o veículo está construindo não é coisa que se aprenda na escola, nem tem manual de instruções claras e precisas. Como na batucada dos Stones, há que se ter simpatia pelo diabo: o anunciante é um sujeito de riqueza e gosto (ou pelo menos assim o considera quem lhe vendeu espaço), ainda que repleto de armadilhas que podem pôr a perder a alma, não dos trovadores, mas do veículo com que transaciona.

O diabo é o pai do rock. Na figura do anunciante, o diabo também é o pai das revistas de rock - e de cinema, cultura, moda, comportamento, estilo de vida. A mídia customizada, a revista de grife entram nesse balaio. Temo que seja uma relação que, se não veio para ficar – o que é que fica, realmente, num universo em perpétua mutação? – veio para passar um bom tempo com a gente. E ter medo dela não vai adiantar coisa alguma.

A realidade, que todos nós sentimos na carne e no bolso de um modo ou de outro, é que o velho modelo de negócios da mídia impressa não funciona mais. A base de leitores está encolhendo, ou melhor, se dispersando. O anunciante mudou de estratégia, também, porque percebeu que o "anúncio" funciona bem menos, com esse público disperso, do que a "ação".

Como se equilibrar no gume dessa faca sem perder tudo a credibilidade junto ao leitor, que por sua vez alavanca o interesse do anunciante? Uma revista de marca, bem pensada, pode ser a mais sensata das soluções.

Num almoço muito interessante com uma pessoa muito inteligente que já trabalha bastante no setor, aprendo que a verdadeira arte da mídia customizada não é vender a marca - isso o anúncio faz, a "armação" disfarçada de matéria faz, a menção "casual" na novela faz. A verdadeira arte é estimular o consumo daquilo que beneficia a marca. Aprendo que um dos casos de maior sucesso do setor é uma revista criada para e bancada por uma empresa escocesa de energia elétrica. Suas páginas são notoriamente ausentes de plugues da empresa. Mas repletas de matérias sobre atividades e produtos que seriam impossíveis sem o consumo da energia elétrica que a companhia vende.

É um equilíbrio zen. Um malabarismo possível.

Dói?

Um lado meu, certamente o lado ex-riponga de sandália de sola de pneu que trabalhava na Rolling Stone, ainda fica ansioso com essa massa de apelos de venda, despejados universalmente, em toda parte, sobre todos nós.

Ainda sonho com um espaço em que a informação flua livre, e nada me seja vendido. Mas suspeito que isso seja um acesso lamentável de ingenuidade. O paraíso, se algum dia existiu, foi perdido.

Consideremos então as opções, e as delicadas artes alquímicas que podem nos levar a uma saída viável.

Uma revista customizada burra é, simplesmente, uma revista burra. Não serve ao leitor e não serve à marca. O leitor se sente usado, e se retrai. A marca não vende coisa alguma.

Que novos talentos são exigidos de nós, especialmente na área do jornalismo cultural, a que mais se presta às publicações de marca? Saber distinguir uma customizada de um house-organ é fundamental. Saber identificar o ponto em comum entre os interesses dos leitores e os do "customizador" é o passo seguinte. O resto, imagino, deve vir naturalmente, se o diálogo for realmente fundamentado em clareza e respeito.

Eu já disse que não acredito em diabo?

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no portal Comunique-se, o qual autorizou a repodução no Digestivo Cultural.


Ana Maria Bahiana
Los Angeles, 17/11/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Balzac S/A de Cezar Bergantini
02. A saturação dos novos autores de Márcia Denser
03. Chamada a cobrar de Daniel Pellizzari
04. Padre chicoteia coquetes e dândies de Luís Antônio Giron


Mais Ana Maria Bahiana
Mais Acessados de Ana Maria Bahiana
01. A Rolling Stone brasileira - 27/6/2005
02. O dia em que a música rachou - 28/7/2003
03. Jornalismo cultural: quem paga? - 17/11/2003
04. Release: subsídio ou substituto? - 26/7/2004
05. Os anos 90 e o mini-gênio - 19/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DONO DO MAR
JOSÉ SARNEY
LEYA CASA DA PALAVRA
(2014)
R$ 6,90



REVISTA PÁTIO EDUCAÇÃO INFANTIL. Nº 31
VÁRIOS
GRUPO A
(2012)
R$ 37,00



TEM TUPI NA OCA E EM QUASE TUDO O QUE SE TOCA
WALTHER MOREIRA SANTOS
AUTÊNTICA
(2011)
R$ 27,06



AS TARDES DE UM PINTOR OBRAS IMORTAIS DA NOSSA LITERATURA
TEIXEIRA E SOUSA
TRÊS
(1973)
R$ 8,00



OS EFEITOS HALL QUÂNTICOS: ELÉTRONS BIDIMENSIONAIS EM CAMPO MAGNÉ
PASCAL LEDERER E MARK OLIVER GOERBIG
UNB
(2014)
R$ 38,82



TASTE IT !
WANG SHAOQIANG
PROMOPRESS
(2012)
R$ 50,00



MANUAL DE FITOPATOLOGIA
FERDINANDO GALLI (COORD)
AGRONÔMICA CERES LTDA
(1980)
R$ 40,00



SCENÁRIOS NORTE-RIOGRANDENSES
AMPHILÓQUIO CÂMARA
SEBO VERMELHO
(2016)
R$ 60,00



UM NOVO IMPULSO ASTROLÓGICO
TRIGUEIRINHO
PENSAMENTO
(1998)
R$ 14,00



STRUCTURES ÉTYMOLOGIQUES DU LEXIQUE FRANÇAIS
PIERRE GUIRAUD
LAROUSSE
(1967)
R$ 47,82





busca | avançada
69457 visitas/dia
2,0 milhão/mês