Digestivo nº 163 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Civilizado?
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Dar títulos aos textos, dar nome aos bois
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 25/2/2004
Digestivo nº 163
Julio Daio Borges

+ de 3500 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Música >>> Há quem resista?
Leandro Carvalho não existe. É um alienígena. Depois de conversar com ele horas, a única pergunta possível é: – “De que planeta você veio?”. Enquanto seus colegas de geração estavam se perdendo numa rotina de puro hedonismo (muita diversão e pouca obrigação), Leandro estava se imiscuindo com Baden Powell e Turibio Santos, fazendo a rota do Descobrimento (dos índios do Xingu até o Pernambuco de Ariano Suassuna), lendo os formadores do Brasil, como Sérgio Buarque de Hollanda, e gravando discos. Nenhuma novidade no fato de ser responsável pelo processo todo: desde a elaboração do projeto (com patrocinadores e leis de incentivo) até a feitura dos arranjos (com cordas e outros instrumentos), até a convocação dos músicos (ensaios incluídos), até a pós-produção e a venda dos “compact discs”. Sem falar na divulgação e na agenda de shows, que, nem precisa dizer, ele mesmo monta e coordena. Leandro Carvalho não tem nem 30 anos e já se dividiu em mais de 1000 para gravar 4 álbuns, que, para dizer o mínimo, são obras de gênio. Sua última realização atende pelo nome de “Cromo” e ele homenageia o violonista cego Levino Albano Conceição (vale lembrar que já passou por João Pernambuco e João Pacífico, em CDs anteriores, e que vislumbra um encontro com Heitor Villa-Lobos). Além de regravar peças perdidas e esquecidas do compositor mato-grossense, Leandro compôs uma suíte (em parceria com Sérgio Barboza de Souza, que assina um dos quatro movimentos), dividindo as honras com o Quinteto da Paraíba. Ele foge da sina de menino prodígio (porque sabe que ela dura pouco e que não tem nenhum valor em si) e ambiciona simplesmente vender algumas dezenas de milhares de discos – apenas para poder viabilizar idéias assim. Como aconteceu a tantos outros, o Brasil ainda não merece Leandro Carvalho; mas, quem sabe, um dia, merece-lo-á. [Comente esta Nota]
>>> Cromo - Leandro Carvalho
 



Literatura >>> O que o fogo já leu de cartas
A poesia, conforme a frase de Robert Frost, se perdeu na tradução. E a expressão, de tão batida, acabou virando título de filme. Enquanto isso, segundo Ricardo Silvestrin (do jornal “Zero Hora”), o Brasil inteiro está “carpinejando”. Estamos falando da antologia “Caixa de Sapatos”, do poeta gaúcho Fabrício Carpi Nejar, de 31 anos. Provavelmente o nome mais ovacionado, em matéria de poesia, de sua geração. São quatro livros (1998, 2000, 2001 e 2002) reunidos em um (2003), pela Companhia das Letras. Como poesia de verdade, há muito tempo, deixou de existir, falta-nos critérios para julgar o “carpinejarismo” (se é apenas uma unanimidade irresistível ou se é mesmo um fato incontestável). Como estamos mais próximos à tradição da prosa, podemos afirmar, desde já: – Carpinejar é um grande frasista; ou, se preferirem: – Carpinejar é um grande versificador (mais da “filigrana” do que da estrofe). Exemplos (que valem o livro): “Só na velhice a mesa fica repleta de ausências”; “Tornei-me o diário de uma viagem cancelada”; “A literatura não prestou para me entender”. Ou então, explorando contradições e invertendo o sentido do “óbvio” (Oscar Wilde era mestre nisso, e Umberto Eco tentou desmascará-lo): “O medo é de dormir na luz”; “Aprendeu a se deslocar parado”; “Ainda que não me lembre, legarei memória”. Claro: são pontos luminosos, e ainda não saiu nenhum “Poema de Sete Faces” (eu sei que não é correto comparar). Muito menos uma “Educação pela pedra” (também sei que é covardia). Mas, obviamente, entende-se o entusiasmo em torno de Fabrício Carpinejar. Finalmente alguém trata a poesia como se ela não fosse um “slogan” publicitário (Leminski); como se ela não fosse uma fórmula matemática ou um jogo de armar (Irmãos Campos); e como se ela não fosse banal o suficiente para se converter em refrão de música popular (nem precisa citar). Carpinejar torce algumas das nossas noções, e isso, por enquanto, basta. [Comente esta Nota]
>>> Caixa de Sapatos - Fabrício Carpinejar - 80 págs. - Companhia das Letras
 



Artes >>> Toalha de neve fresca
Philippe Sollers (dentro da coleção da José Olympio que publicou o “Van Gogh” [2003] de Artaud e o “Rembrandt” [2002] de Genet, com tradução de Ferreira Gullar) chamou Cézanne de maldito comparando-o a Rimbaud e a Lautréamont. Em meio a adjetivos e a uma pontuação pouco usual, Sollers tenta dar conta da pintura do mestre de Picasso e Matisse, mas soa mais interessante quando adota o tom biográfico. Cézanne rompeu com Zola e com seu círculo (Maupassant, Flaubert), que nunca entendeu seu desejo de abandonar tudo e de exilar-se no campo (um lugar comum da pintura na transição dos séculos [XIX e XX]?). Assumiu que o tempo das grandes obras-de-arte havia passado e que restava, para o artista, realizar apenas pequenas “partes”. Zola entendia que Cézanne poderia ter alcançado muito mais se houvesse enfrentado a sociedade e se houvesse assumido a sua posição dentro dela. Omitir-se, para um, era sinal de covardia e fraqueza; para outro, uma tentativa de manter a própria integridade. Sollers usa Heidegger (o maior filósofo do século passado, segundo ele) e os seus “ser-sendo” para fazer de Cézanne mais que um impressionista deslocado. Picasso guardava quadros seus com respeito e veneração, e o livro sugere que o autor das “Demoiselles” acaba no das “Baigneuses” (e não o contrário, como se pensa). Já Matisse fazia silêncio quando encarava uma tela sua; em termos de comentário, para Sollers, não poderia haver nada mais reverente – vindo da boca de um sujeito que, livrando-se da pecha de retratista, uma vez disparou: – “Eu não pinto mulheres; eu pinto quadros”. O problema do ensaio (“O paraíso de Cézanne”), contudo, é o mesmo de seus predecessores: por ser muito “livre”, com pretensões “literárias”, é pouco informativo (ou “original”, se quiserem) e bastante confuso na forma (o autor escreve a esmo, sem reler, como se estivesse “psicografando”). Felizmente, o tempo consumido é curto (algumas horas) e as ilustrações (Cézanne “no duro”) compensam as bravatas. [Comente esta Nota]
>>> O paraíso de Cézanne - Philippe Sollers - 96 págs. - José Olympio
 
>>> O CONSELHEIRO TAMBÉM APARECE NA TELEVISÃO

Assista à aparição do Digestivo Cultural no programa Manhattan Connection, clicando aqui (versão editada de 39 segundos) ou aqui (versão integral de 1 minuto e 18 segundos). [Uma cortesia de Eduardo Carvalho, que fez o link, e de Juliano Maesano, que fez o filme.]

>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO*** RECOMENDA
(CN - Conjunto Nacional; VL - Shopping Villa-Lobos)


>>> Palestras
* Qual a importância da arte para a saúde e a vida? - Dra. Nise Yamaguchi e Inês Novoa Jezler
(Sáb., 28/2, 16hrs., VL)

>>> Shows
* Joe “King” Oliver - Traditional Jazz Band
(6ª f., 27/2, 20hrs., VL)

** Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos: Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional: Av. Paulista, nº 2073

*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/2/2004
00h15min
Olá Julio Daio Borges, tudo bem? Parabéns pelo DIGESTIVO, desde que o conheci não parei mais de clica-lo... não preciso dizer que este site é o que nos fazia falta no aspecto completo. Sou escritora (com 1/4 de século mais 1) e amo a forma com que reserva as tuas linhas, os ensaios, comentários e colunistas... resolvi aproveitar a madrugada e minha insonia cultural para 'digerir' um pouco mais este site colossal... beijos, parabéns e continue nos 'Digerindo', fernanda goncalves
[Leia outros Comentários de fernanda goncalves]
23/2/2004
20h44min
Julio, pegaste o carpim do poeta. E todos torcemos: - vai, poeta, vai sem carpinejar! Usa as asas, enfim livres! Que teus pés escrevam no ar os caminhos de inventar.
[Leia outros Comentários de Jean Scharlau]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE MUSEUM OF THINGS LEFT BEHIND
SENSI GLAISTER
4TH
(2015)
R$ 20,00



HOW TO CONDUCT AND ANALYZE REAL ESTATE MARKET AND FEASIBILITY STUDIES
G. VICENT BARRETT & JOHN O. BLAIR
VAN NOSTRAND REINHOLD
(1981)
R$ 60,00



ENTERREM MEU CORAÇÃO NA CURVA DO RIO
DEE BROWN
CÍRCULO DO LIVRO
(1970)
R$ 17,00



ENCICLOPÉDIA DAS ARTES PLÁSTICAS EM TODOS OS TEMPOS - O BARROCO
MICHAEL KITSON
ENCYCLOPEDIA BRITÂNICA DO BRASIL LTDA
(1979)
R$ 25,00



HISTÓRIA DA ADMINISTRAÇÃO
JOÃO BOSCO LODI
PIONEIRA
(1977)
R$ 10,00



DESENVOLVIMENTO E DIREITOS HUMANOS: DIÁLOGOS NO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL
ABONG
PEIRÓPOLIS
(2003)
R$ 13,00



APRENDENDO LEITURA DINÂMICA
ANDRÉA MACHADO
MAKRON
(1996)
R$ 6,75



CONTOS DE APRENDIZ
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
JOSÉ OLYMPIO
(1976)
R$ 18,00



NEUROIMUNOLOGIA
ROBERTO MELARAGNO FILHO CHARLES K. NASPITZ
SARVIER
(1982)
R$ 12,74



REGIME JURÍDICO DA PROTEÇÃO AS MINORIAS NAS S/A
WALDIRIO BULGARELLI
RENOVAR
(1998)
R$ 15,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês