Digestivo nº 251 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
57238 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
>>> Exposição Alma
>>> Festival internacional de fotografia premia fotos vencedoras da edição de 2022
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> State of the art
>>> Revista Florense
>>> Nazismo na era do videogame
>>> A Música Erudita no Brasil
>>> O primeiro assédio, na literatura
>>> O Twitter de Bill Gross
>>> The Boat That Rocked ou Os Piratas do Rock
>>> Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos
>>> Música do acaso
>>> Duas cartas
Mais Recentes
>>> Sobre a vida feliz de Sêneca pela PEnguin e Companhia das letras (2021)
>>> Gramática Alemã de Herbert Andreas Welker pela Edunb (1992)
>>> Saneamento Básico - Concessões, Permissões e Convênios Públicos de Alaôr Caffé Alves pela Edipro (1998)
>>> Linguagem do Corpo 2 de Cristina Cairo pela Mercuryo (2006)
>>> 1961 o Brasil Entre a Ditadura e a Guerra Civil de Paulo Markun e Duda Hamilton pela Benvirá (2011)
>>> Proteção Jurídica do Meio Ambiente de Nicolao Dino de Castro e Costa Neto pela Del Rey (2003)
>>> Gerenciamento da rotina do trabalho no dia a dia de Vicente falconi pela Falconi (2013)
>>> A logica do cisne negro de Nassim Nicholas Taleb pela Best business (2007)
>>> A Deusa Interior de Jennifer Barker Woolger / Roger J. Woolger pela Cultrix (1989)
>>> Entre a aspidistra e o artocarpus de Olavo cabral ramos filho pela Chiado (2007)
>>> Admiravel mundo novo de Aldous huxley pela Biblioteca azul (1995)
>>> A Mensagem do Mestre de Bhagavad Gita pela Pensamento (2006)
>>> Santos do Povo Brasileiro de Nilza Botelho Megale pela Vozes (2002)
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland de Raymond Buckland pela Gaia (2003)
>>> Tudo Sobre Arte - os Movimentos e as Obras Mais Importantes de Todos os Tempos de Stephen Farthing pela Sextante (2011)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das letras (2009)
>>> A Connecticut Yankee in King Arthur's Court de Mark Twain pela Collins Classics
>>> A song of Ice and Fire - A Game of Thrones de George R. R. Martin pela Harper Voyager (2011)
>>> A Batalha do Apocalípse de Eduardo Spohr pela Verus (2013)
>>> Jane Eyre de Charlotte Brontë pela Oxford (2000)
>>> Seus pontos fracos de Wayne W. Dyer pela Record (1976)
>>> Nas Ciladas da Obsessão de Liszt Rangel pela Dpl (2002)
>>> Transmissão de Energia Elétrica - teoria e prática em linhas aéreas de Cleber oberto Guirelli - Ivanilda Matile pela Mackenzie (2014)
>>> Guia ilustrado TV Globo Novelas e Minisséries de Projeto Memória Globo pela Jorge Zahar (2010)
>>> 60 Histórias para dormir 4 de Vários Autores pela Divisão Cultural do Livro (2012)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 4/11/2005
Digestivo nº 251
Julio Daio Borges

+ de 3300 Acessos
+ 3 Comentário(s)




Literatura >>> Um expurgo
Com exceção talvez do Rascunho, publicações, suplementos e cadernos literários sofrem com a praga de apresentar sempre os mesmos nomes. Nada contra os mesmos nomes, mas eles acabam produzindo resenhas, críticas e colunas altamente previsíveis a longo prazo. A desculpa, por parte desses nomes, é a baixa remuneração. Ganham pouco, então têm de estar em todos os lugares ao mesmo tempo, para ganhar alguma coisa. E quem fica com o prejuízo, na verdade, é o leitor. Corajosamente, o Suplemento Literário de Minas Gerais – até há pouco mais um “pouso certo” para as nossas unanimidades literárias – conseguiu quebrar esse ciclo. Foi na gestão de Camila Diniz Ferreira (editora) e Eleonora Santa Rosa (secretária da cultura), a partir de julho deste ano. Tiraram o pó de Affonso Romano de Sant’Anna, e dum conselho editorial desse mesmo naipe, e estão publicando pessoas de quem aparentemente nunca se ouviu falar. Corações ao alto! E o resultado tem sido excelente. Não só por esse fator, mas por sentirmos o frescor das idéias novas (coisa rara nas revistas e nos jornais). Em agosto, eles tiveram a desfaçatez de publicar Pascal Quignard e, em setembro, Mary Woodbury. Em agosto, de novo, Arturo Carrera e, em setembro, Ildeu Brandão. Fora isso, o Suplemento está descaradamente mais moderno, em sua programação visual, – novidade – sem gastar rios de dinheiro. Publicando, além de poesia de qualidade (ainda existe?), trabalhos muito delicados de artistas plásticos (não tinham ido todos virar instalação?). Agora, afora o Rascunho, temos outro suplemento literário legível e aproveitável, o de Minas Gerais. Vamos ver quanto tempo eles resistem à invasão da Geração 90 e da, ainda incipiente (mas já “atuante”), Geração 00. Como se disse de Paulo Roberto Pires, via No Mínimo, eles querem acabar com a nossa (parca) literatura... [Comente esta Nota]
>>> Suplemento Literário de Minas Gerais | The back of my hands | Ato falho | Suicídio da razão
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também bebe (e come)
Ao contrário da maior parte das empresas de bebida no Brasil, a Bier&Wein nunca se contentou em fazer o velho jogo do “marketing” em relação a estabelecimentos e consumidores. Pois, como sabemos, a estratégia, das majors de bebidas (você sabe quais), para com bares e restaurantes, é instaurar o monopólio e/ou criar a dependência econômica-financeira; já, para com os consumidores, é sufocá-los à base de garotas-silicone, num mau gosto típico dos cartazes de borracharia e oficinas mecânicas (nada contra borracheiros e mecânicos). Assim, em 2004, a Bier&Wein, introdutora da Erdinger no Brasil, inovou com o Circuito Erdinger Kiss FM, percorrendo uma série de bares e, em alguns meses, arregimentando um pequeno exército de apreciadores de cerveja de trigo, de bons pubs e do glorioso classic rock. Agora, em 2005, o foco da Bier&Wein é a Warsteiner. A importadora planeja, para o dia 24 de novembro, uma bela festa em comemoração aos 252 anos da bebida. Com o conceito “Open mind, open bar e open show”, o marketing da Bier&Wein deseja introduzir, mais uma vez, novas idéias, numa “Open Fest”, em que o chope Warsteiner será gratuito, em suas versões claro e escuro, no embalo de uma trilha sonora especial – The Mother Funkers, Tatá Aeroplano (Jumbo Elektro) e Naná (Coletivo Virtual) –, em pleno Espaço 220, próximo ao Tom Brasil Nações Unidas. Para ter acesso à Open Fest, basta consumir o mesmo chope Warsteiner e colecionar tulipas ou “WS coins”, em estabelecimentos credenciados – como Rey Castro, Ton Ton Jazz, Cantina do Piero e Folha de Uva (a lista completa está no site) – já desde 24 de outubro. São 25 tulipas ou WS coins (cada tulipa equivale a um chope), para ingressar na Open Fest de graça. Você há de concordar que é muito mais inteligente do que afogar o consumidor com caras&bocas de aspirantes à capa da Playboy – ou não? Ah, e tem a promoção da rádio Eldorado. [Comente esta Nota]
>>> Warsteiner Open Fest - Bier&Wein
 



Música >>> Oh, vê como o universo resplancede!
Para quem evita o Theatro Municipal a todo custo, vale lembrar que o acesso a ele melhorou muito. Pelo menos nos eventos do Mozarteum Brasileiro, em que é possível usufruir de um serviço de valet parking (que vale!) logo na porta do teatro e retirar, na saída, o carro no mesmo lugar. Antes, nem pensar: era preciso disputar a tapa espaços na calçada do Municipal, enquanto “guardadores de carro” colecionavam notas de “dez real” sem a menor responsabilidade de estar lá, algumas horas depois, quando o espetáculo se encerrava (aliás, como é praxe). Com essa tranqüilidade, foi possível “fruir” a apresentação do Trio Jean Paul, pela Temporada 2005 do Mozarteum. Como se não bastasse, ouviu-se nada mais nada menos que o Trio para piano e cordas nº 1, op. 49 em ré menor, de Mendelssohn-Bartholdy, considerado “o mais belo trio já composto”, na época de sua primeira audição. E o Trio Jean Paul encarou o desafio do mestre Beethoven, logo de saída, ao executar justamente seu Trio para piano e cordas nº 2, op. 70 em mi bemol maior. E teve como intermediário, entre Mendelssohn e o gigante de Bonn, Frank Martin, falecido em 1974, para dar aquele toque necessário de modernidade. Eckart Heiligers, ao piano, inclusive deu bastante trabalho a seu auxiliar, um jovem aspirante que virava atentamente, da partitura, as folhas. O sincronismo com Ulf Schneider, ao violino, e Martin Löhr, ao violoncelo, esteve mais que perfeito. Surpreendendo mesmo àqueles que já viram a cena milhares de vezes: por que os músicos eruditos não precisam contar antes do primeiro compasso – como os populares, no seu conhecido “1, 2, 3, 4” – e, mesmo assim, nunca erram o andamento (nem se atrapalham)? É uma questão pueril talvez para o Trio Jean Paul. E mesmo que o Theatro Municipal não tivesse mostrado a receptividade (leia-se a infra-estrutura) de agora, tudo teria sido compensado. [Comente esta Nota]
>>> Trio Jean Paul - Mozarteum Brasileiro
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Palestra
* II Semana de Moda e Cultura - Marketing e comunicação de moda / Reflexões sobre a moda - João Rodolfo / João Braga
(Seg., 07/11, 19hs., CN)

>>> Noites de Autógrafos
* O Valor do Amanhã - Eduardo Giannetti da Fonseca
(Seg., 07/11, 18h30, CN)
* Cultura & Elegância - Jaime Pinsky (Org.)
(Qua., 09/11, 18h30, CN)
* Meu Querido Vlado - Paulo Markun
(Qua., 09/11, 19hs., VL)
* Segurança Corporativa e Estratégica - Marcos Mandarini
(Qui., 10/11, 18h30, CN)
* Natureza Jurídica dos Fundos de Investimento - Ricardo Freitas
(Qui., 10/11, 18h30, VL)

>>> Shows
* Blues II - Traditional Jazz Band
(Sex., 11/11, 20hs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/10/2005
16h04min
Julio: não é que alguns leitores não são civilizados (rs), é que alguns editores não se vingam, não fecham... então, como eles, leitores, iriam perceber a selvageria? Ficaram raivosos por não terem agradado o suficiente... Mas, valeu! Assim teremos mais espaço. Abraços.
[Leia outros Comentários de Mário G. Montaut]
4/11/2005
12h03min
A resenha de Julio Borges, "Um expurgo", em parte pode ser considerada verdadeira. Por um lado, de fato temos sentido a ausência de novos nomes e experimentações no cenário das publicações litetárias. Por outro, não é verdade a máxima, conforme o autor quer fazer crer, de que somente a partir de julho o Suplemento Literário de Minas Gerais começou a experimentar coisas novas e com qualidade. Acompanhei, como já venho fazendo há um tempo, a gestão do poeta e escritor Fabrício Marques à frente da publicação. Pude constatar que o seu trabalho seguia uma linha original, na qual tanto os já conhecidos nomes do mundo literário quanto os autores novos, bem como experimentações, foram contemplados. Apenas faço esse registro para que as letras desse breve artigo não cometam uma grande injustiça.
[Leia outros Comentários de Denilson Cajazeiro]
4/11/2005
17h08min
Julio, por favor, diga-me, como puder, um jeitinho de descolar um Suplemento Literário de Minas Gerais, edição de Agosto, sobretudo pelo Pascal Quignard, autor que me é indispensável desde "Todas as manhãs do mundo", roteiro para o filme do Alain Corneaux e "Ódio à Música", um dos mais intensos e belos livros sobre música que encontrei. Não exercendo o jornalismo, tenho a felicidade de me aproximar dessas publicações por puro prazer, e constato algumas efemérides de rara beleza, como em julho de 2003 no Rascunho, onde uma luminosa matéria sobre a poesia de Jorge Guillém me deixou sonhando até hoje, e na Cult de janeiro, quando Maria Aparecida Barbosa causou maravilhoso assombro numa introdução de Hoffmann. Quero esse Pascal Quignard. Como o encontro? Baccios.
[Leia outros Comentários de Mário G. Montaut]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Caminhando Com as Proprias Pernas
Pauê
Realejo
(2008)



Livro - Ierecê a Guaná - Coleção Vera Cruz
Alfredo D Escragnolle Taunay
Iluminuras
(2000)



Telecurso 2000 - Biologia 02 Volumes 1 e 2
Fundação Roberto Marinho
Fundação Roberto Marinho
(1996)



Curso de Didática Geral
Regina Célia C. Haydt
ática
(2006)



Mãe, Você Não Tá Entendendo
Heloisa Perisse
Objetiva
(2004)



10 O Antigo Regime e a Revolução
Alexis de Tocqueville
universidade de brasilia
(1979)



Efeito Psi - A Influência da Psicanálise
Sérvulo Augusto Figueira
Campus
(1988)



Nas Ruas do Brás - Coleção Memória e História
Drauzio Varella
Companhia das Letrinhas
(2000)



Um Só Coração
Oneida Terra / Espirito Sahija
Boa Nova
(1999)



Diário Inventado 1ªed(2010)
Flávia Savary e Carolina Monteiro
Ftd
(2010)





busca | avançada
57238 visitas/dia
1,6 milhão/mês