Digestivo nº 61 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 19/12/2001
Digestivo nº 61
Julio Daio Borges

+ de 1600 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Internet >>> Tomorrow Never Knows
O futuro. “Negócios Exame” reuniu, em sua edição de despedida, sete grandes cérebros para opinar sobre o que virá. A regra de ouro é duvidar sempre desse tipo de prognóstico. Não porque seja difícil acertar – afinal sempre é –, mas porque as publicações invariavelmente convidam sujeitos em fim de carreira (ou no penúltimo estágio dela), sem muito interesse, portanto, em revolucionar alguma coisa. Trocando em miúdos: eles não vão querer mudar o jogo que os fez vencedores. Quem cria o futuro, de fato, está muito mais preocupado em fazer a coisa acontecer, sem tempo para discorrer sobre conceitos que a maioria ainda não domina ou nem sequer assimilou. O futuro, ou as bases para ele, assim sendo, só existe na cabeça de algumas pessoas – e certamente elas não vão botar a boca no trombone. É preciso lembrar que os verdadeiros visionários padecem de extrema solidão (pois ninguém crê neles), passando muito longe da popularidade dos heróis das capas de revista, como a Exame. A impressão mais freqüente que se guarda desses textos que descrevem as casas, os empregos, os automóveis do futuro é a de que se faz necessário seduzir os operários do “mundo corporativo” a fim de que eles alimentem alguma esperança de estabilidade. A mesma que jamais alcançarão. É como a isca do condutor de muares: os animais jamais irão abocanhá-la, mas correrão atrás dela enquanto tiverem pernas e disposição para tal. Os mitos foram criados, na Antiguidade, para aplacar o medo e a dor. Do mesmo modo, as grandes empresas forjaram os seus: para infligir, em seus empregados, justificados sofrimentos e corretivas humilhações. A diferença é que o homem do século XXI acredita ter evoluído enormemente – embora, volta e meia, caia em lorotas como essa: sobre o “futuro”. [Comente esta Nota]
>>> Visões do Futuro Digital
 



Música >>> Quem não chora não mama
O choro morreu. O choro não morreu. Há controvérsias. Não resta dúvida, porém, que um dos melhores discos do ano tenha sido o novo álbum de choros de Paulo Sérgio Santos: “Gargalhada”, pela Kuarup Discos. Virtuose, integrante do Quinteto Villa-Lobos desde os 16 anos, companheiro de Raphael Rabello, presença constante nos CDs de Guinga, esse clarinetista é hoje considerado o maior do Brasil. “Gargalhada” é a segunda incursão solo de Paulo Sérgio Santos, que já havia recebido o Prêmio Sharp por “Segura Ele”, de 1994. Se há sete anos, ele preferiu um passeio pelos nomes consagrados (como Pixinguinha e Villa-Lobos), neste ano ele estréia com três composições próprias, guardadas a sete chaves – e à altura de sua habilidade técnica. Uma delas, inclusive, é uma homenagem a Abel Ferreira, seu mestre e um dos primeiros a apontar sua grandiosidade. O músico é acompanhado ainda por Caio Márcio, seu filho de 19 anos, ao violão, e por Oscar Bolão, um percussionista de mão cheia. Complementam o repertório de “Gargalhada”, a faixa título (de Pixinguinha), “Bebê” (de Hermeto Pascoal), Nítido e Obscuro, Caiu do Céu e Canibailes (as três de Guinga), mais Chiquinha Gonzaga, Anacleto de Medeiros, João Lyra e Maurício Carrilho. Não bastasse a beleza quase celestial da clarineta de Paulo Sérgio Santos, que já havia surpreendido a todos com a sua interpretação das Bachianas Brasileiras nº 5, o disco ainda funciona como uma injeção de alegria, devolvendo o orgulho da música contemporânea que se produz no País. Gargalhada sim, de satisfação. [Comente esta Nota]
>>> "Gargalhada" - Paulo Sérgio Santos - Kuarup Discos
 



Literatura >>> Dia de luz, festa de sol
Junto com “A onda que se ergueu no mar” (Novos mergulhos na Bossa Nova, de 2001), Ruy Castro retornou ao tema que lhe é mais caro com o relançamento de “Chega de Saudade” (A história e as histórias da Bossa Nova, de 1990). Este último é uma grata surpresa para aqueles que querem saber como João Gilberto inventou a original batida, como Tom Jobim encontrou Vinícius de Moraes, e como se formaram as turminhas e as turmonas de Ronaldo Bôscoli, Roberto Menescal, Nara Leão, Carlinhos Lyra, João Donato, Johnny Alf, Sylvinha Telles e mais uma lista interminável de cantores, compositores, instrumentistas e entusiastas da Bossa Nova. Ruy Castro, provavelmente o nosso mais competente biógrafo, volta aos primórdios com Dick Farney, Lúcio Alves, o Bando (os Garotos e os Namorados) da Lua – e a inesquecível Murray, a loja de discos que introduziu as novidades melódicas, harmônicas e vocais do Jazz. Busca João Gilberto em Juazeiro e narra toda a sua trajetória, seus abismos e suas quedas, até desenvolver aquele jeito peculiar de tocar e cantar (depois de peregrinações pelo Rio, por Porto Alegre, por Diamantina e pela Bahia, em incontáveis sessões no banheiro de pijama). Compõe um dos mais representativos painéis da noite carioca, nos anos 50, em que se formaram todos os principais artífices do movimento. Relata também, com detalhes, a batalha que a nova música teve de travar com a “velha guarda”, que não compreendia aquele jeito de quase se sussurrar ao microfone, adiantando e atrasando o fraseado, abandonando as lamentações aboleradas e exultando o sol, o amor e o mar. Ruy Castro dá a entender que a Bossa Nova acabou por causa de seus sucessivos “rachas” (Carlos Lyra saindo da Odeon e partindo para a Philips; Nara Leão abraçando o “populismo” e a “ideologia da pobreza”). Também pela introdução, a fórceps, do rock, do pop, e do ieieiê. Sem contar a debandada dos bossa-novistas para os Estados Unidos. O livro termina com a gravação de Francis Albert Sinatra & Antonio Carlos Jobim, de 1967. Foram acrescentados um epílogo (o que ficou das canções e das pessoas hoje), e uma discografia de mais de 600 CDs. “Chega de Saudade” é, portanto, mais que um retrato de uma época: é uma das explicações para o que fomos, e para o que nos tornamos, como país e como música. Lê-lo é uma doce inevitabilidade. [Comente esta Nota]
>>> "Chega de Saudade" - Ruy Castro - 461 págs. - Cia das Letras
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
Chegou às bancas e livrarias, a versão 2002 do guia gastronômico de Josimar Melo. Não estamos falando de qualquer aventureiro (que, às vezes, se mete a conselheiro), desfolhando brejeirices e superficialidades – estamos falando de um jornalista sério, que carrega 10 anos, 10 quilos, e mais de mil estabelecimentos nas costas, espalhados por quase 300 páginas. Mas o livro não é uma bíblia (no sentido pejorativo do termo). Vem em formato pocket, quase de bolso, recheado de papel jornal, em edição econômica. Talvez por isso, não atraia, logo de cara, a geração da imagem e do som: funciona como um catálogo, uma lista de grande eficiência, mas não vem equipado com fatos, fotos, colunistas e colunáveis. As descrições são breves, para cada lugar, indicando se, por exemplo, são servidos bons vinhos, se o local é ideal para se ir “a dois”, se há mesas ao ar livre, se está aberto depois da meia-noite, e por aí vai. Josimar Melo contem-se, ao contrário de seus colegas gastrônomos, no número de estrelas: só vai até três (e não até cinco). Três estrelas, ele só dá para o Antiquarius, o Café Antiqüe, o Fasano, o Le Coq Hardy, o Massimo, o Roanne e o Vecchio Torino. Duas estrelas, ele dá para mais uns quinze ou dezesseis. Dentre eles: o Carlota, o Don Curro, o Empório Ravioli, o Jardim di Napoli e o Tartari’s. Uma estrela, ela dá para o resto, ou então não dá nada (estrela nenhuma). Podemos elencar, portanto, algumas injustiças: Charlô (uma estrela), Rubaiyat (também uma estrela) e Chef du Jour (igualmente uma estrela). Mas essas discussões, no nosso caso, são pura subjetividade. Até porque acabamos concordando com ele no atacado. No final (nas últimas páginas), Josimar Melo cita, complementarmente, escolas e cursos, para quem quiser se aperfeiçoar. Também enumera mercearias, sorveterias, rotisserias e padarias para quem preferir se esbaldar – em casa. Por tudo isso, tem-se “a” referência. Não só para curiosos, mas principalmente para aqueles que pretendem se aprofundar de verdade. [Comente esta Nota]
>>> Guia Josimar Melo
 



Cinema >>> Those were the days
Cruise. Kidman. Ninguém apostava que pudesse encontrar esses dois sobrenomes unidos novamente. Mas eis que eles surgem junto aos créditos de Os Outros: ele como produtor executivo; ela como atriz principal. E não é que eles montaram um belo suspense? Ainda que low-profile, vem conquistando seu séquito de fãs. É interessante notar que, embora coisas como religião e espiritualidade tenham caído de moda, existe uma demanda insistente por produções que tratem do “além”. Os Outros se passa numa época em que as pessoas ainda morriam por quase nada (primeira metade do século XX), e em que a convivência com a morte era um negócio muito natural. Daí, por exemplo, os fantasmas. Se morrer era um ocaso ao alcance de qualquer pessoa, mesmo os mais jovens (o longa fala em tuberculose), era reconfortante criar ilusões de que “quem se foi” voltava. Apesar de não ter nada a ver com assombração e sustos, os atores falam um inglês impecável e as duas crianças (filhas de Kidman na história) são convincentes como poucos infantes na sua idade. Os Outros não é uma revolução em matéria de cinema, nem em matéria de nada, mas, de tão bem cuidado e astuto (que ninguém conte o final!), acaba cativando o espectador. Sai-se da sala sobressaltado, à espera de rever o espectro daquele parente antigo ou desconhecido. Quanta gente já não firmou pactos por toda a eternidade, prometendo vir puxar o pé (justo o pé) do ser amado? Paulo Francis disse uma vez que, se pudesse dar o ar da graça novamente, procuraria infernizar a vida daquele pessoal lá em Brasília. Esse troço de virar ectoplasma não é perspectiva das mais agradáveis. Mas melhor isso do que virar pó ou comida para minhocas. Todos. Cruise. Kidman. Outros. Nós. [Comente esta Nota]
>>> The Others
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/12/2001
14h54min
Julio, Livros sobre a(s) história(s) da nossa música nunca são demais, especialmente se escritos por Ruy Castro. Afinal, como se sabe, a música é a forma mais contundente de "filosofia" do povo brasileiro. Beijos, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NUPCIAS O VERAO
ALBERT CAMUS
CIRCULO DO LIVRO
R$ 15,00



O SONHO DA CASA NO CAMPO - AUTOGRAFADO
GISLENE SILVA - AUTOGRAFADO
INSULAR
(2009)
R$ 35,00



3ª MOSTRA ECO FALANTE DE CINEMA AMBIENTAL
VARIOS AUTORES
ECOFALANTE
(2014)
R$ 8,11



A CAÇA AO TESOURO
ANDREA CAMILLERI
RECORD
(2014)
R$ 30,00



MÚSICA NO BRASIL VOL. 5 - PERNAMBUCO ACERVO JAIME DINIZ
RICARDO BERNARDES
FUNARTE
(2002)
R$ 51,50



GUIA DE CONVERSAÇÃO ITALIANA
JOSÉ BRITES FERREIRA
PORTO
(1976)
R$ 10,00



MÉTODOS ESTATÍSTICOS PARA MELHORIA DA QUALIDADE
HITOSHI KUME
GENTE
(1993)
R$ 8,00



CONFLITOS NO LAR E NA ESCOLA - TEORIA E PRÁTICA DA DINÂMICA DE GRUPO SEGUNDO PIAGET
LAURO DE OLIVEIRA LIMA
ZAHAR
(1978)
R$ 10,00



VIDEOTERAPIA - O USO DO VÍDEO NA PSICOTERAPIA
IRA HEILVEIL
SUMMUS
(1984)
R$ 15,00



CRIANDO UNIÃO
EVA PIERRAKOS; JUDITH SALY
CULTRIX
(1993)
R$ 30,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês